Manual_antibiograma_2019 (1)
54 pág.

Manual_antibiograma_2019 (1)


DisciplinaMicrobiologia26.863 materiais501.754 seguidores
Pré-visualização12 páginas
Rev 16 \u2013 03/2019 
1 Manual de Antibiograma 2019 Laborclin Produtos para Laboratórios Ltda 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Manual elaborado pela equipe técnica da Laborclin destinado à 
orientação para execução do teste de sensibilidade 
a antimicrobianos, segundo o CLSI/2019. 
 
Rev 16 \u2013 03/2019 
2 Manual de Antibiograma 2019 Laborclin Produtos para Laboratórios Ltda 
TESTE DE SENSIBILIDADE A ANTIMICROBIANOS (TSA) 
Considerando sua relevância clínica, a realização do antibiograma e sua interpretação não é 
uma tarefa fácil, por suas limitações e, principalmente, pela crescente descoberta de novos 
mecanismos de resistência, o que exige cada vez mais atualização e treinamento dos profissionais. 
A metodologia de Kirby e Bauer para antibiograma é a mais difundida e utilizada até hoje na 
rotina de análises clínicas, devido a sua praticidade de execução, baixo custo e confiabilidade de 
seus resultados. Apesar de sua relativa simplicidade de execução, a técnica de Kirby e Bauer exige 
que as instruções sejam seguidas rigorosamente de forma que os resultados obtidos correspondam à 
realidade e possam ser comparados com as tabelas internacionais. 
É o guia na escolha da terapia racional para qualquer microrganismo que contribua para um 
processo infeccioso, garantindo a eficácia quimioterápica quando a sensibilidade não pode ser 
prevista. 
Importante para a localização de microrganismos resistentes, fornecendo dados 
epidemiológicos, rastreando e detectando surtos. 
 
1. FATORES DETERMINANTES PARA REALIZAÇÃO DO TSA 
- Material clínico: microrganismos isolados, em culturas recentes; 
- Técnica: verificar se todos os passos estão sendo seguidos rigorosamente conforme prescrito; 
- Escolha dos antimicrobianos: a escolha dos antimicrobianos deve ser adequada à realidade da 
instituição ou hospital. Deve-se ter o maior número de informações e referências, como por exemplo, 
se o antibiótico é via oral ou injetável, para auxiliar o direcionamento da terapia; 
- Resistência intrínseca: cuidado ao reportar resultados errôneos; 
- Atualização das recomendações dos grupos de antimicrobianos para cada grupo de microrganismo 
e de seus halos de interpretação conforme indicado nas atualizações anuais das organizações que 
estão sendo seguidas. 
 
2. AMOSTRA 
2.1 TIPOS DE AMOSTRAS 
Colônias isoladas de bactérias em isoladas, provenientes de cultivo bacteriano recente (18 a 24 
horas). 
 
2.2 ARMAZENAMENTO E ESTABILIDADE 
As amostras mantem-se viáveis para a execução das análises até cerca de 24 horas de cultivo. Além 
deste prazo, deve-se realizar novo repique da cepa, cultivar por mais 24 horas para depois proceder à 
técnica. 
 
2.3 CRITÉRIOS PARA REJEIÇÃO 
As amostras que já ultrapassaram o prazo máximo de estabilidade devem ser rejeitadas para a 
análise, devendo ser repicadas em meio apropriado, e usadas colônias recentes. Outro cuidado 
importante consiste em verificar a pureza do inóculo, e na dúvida, sugere-se o repique da cepa. Em 
 
Rev 16 \u2013 03/2019 
3 Manual de Antibiograma 2019 Laborclin Produtos para Laboratórios Ltda 
caso de contaminação, deve-se re-isolar o microrganismo a ser testado para evitar erros na medição 
dos halos. 
 
3. MÉTODOS E TÉCNICAS DISPONÍVEIS PARA TSA 
3.1 CONVENCIONAIS 
- Disco-Difusão em ágar (Kirby-Bauer): Qualitativo \u2013 disponibilizados em discos individuais e/ou 
adaptáveis em dispensadores. 
- Diluição (CIM): Quantitativo 
- Teste de gradiente de concentração (Ex. E-Teste\uf8e8) 
- Micro diluição em ágar 
- Micro diluição em caldo 
 
3.2 EQUIPAMENTOS 
- Automação \u2013 Determinação da CIM 
 
3.3 TESTES ESPECIAIS 
- Fastidiosos 
- ß-lactamases 
- Interação entre drogas 
- Antimicrobianos em líquidos orgânicos 
- Sondas genéticas, análise de plasmídeos, PCR. 
 
4. TESTE POR DIFUSÃO EM ÁGAR - MÉTODO DE KIRBY-BAUER 
Criado em 1966 por Bauer e Col., padronizado entre 1971 e 1975 pelo antigo National Committee for 
Clinical Laboratory Standards (NCCLS). 
 
- Princípio: Difusão do antimicrobiano em meio sólido 
 
- Limitações: 
\u2022 Apenas para microrganismos de crescimento rápido; 
\u2022 Não quantifica; 
\u2022 Tensão de CO2, quando necessário; 
\u2022 pH do meio; 
\u2022 Espessura do meio; 
\u2022 Qualidade e concentração dos antibióticos e reagentes; 
\u2022 Dificuldades de interpretação. 
 
- Vantagens: 
\u2022 Metodologia simples; 
\u2022 Baixo custo; 
\u2022 Reprodutibilidade; 
\u2022 Suplementação do meio. 
 
 
Rev 16 \u2013 03/2019 
4 Manual de Antibiograma 2019 Laborclin Produtos para Laboratórios Ltda 
5. PRINCÍPIO DA TÉCNICA DE KIRBY-BAUER 
O procedimento consiste no preparo de uma suspensão de bactérias de cultivo recente, 
inoculação desta suspensão na superfície de uma placa de Agar Mueller Hinton, e adição dos discos 
de papel impregnados com antimicrobianos. Após a incubação em estufa, é analisado o padrão de 
crescimento ou inibição ao redor de cada disco, sendo então medido o tamanho de cada halo e o 
resultado pesquisado em tabelas apropriadas segundo a espécie bacteriana em análise. 
 
6. PROCEDIMENTO TÉCNICO 
Retirar as placas e os discos do refrigerador da geladeira ou e/ou freezer congelador cerca de 20 a 
30 minutos para que adquiram a temperatura ambiente antes da execução do procedimento. 
 
a- Utilizar para o antibiograma, colônias provenientes de cultura recente. 
b- Com uma alça bacteriológica tocar na colônia a ser testada. Suspendê-la em salina estéril 
(NaCl 0,85%) até se obter uma turvação compatível com a Escala 0,5 de Mac Farland 
(1x108 UFC/mL). Solicite a escala para seu vendedor. 
c- Embeber um swab estéril na suspensão bacteriana, comprimindo-o contra as paredes do tubo para 
tirar o excesso da suspensão. Semear em seguida de forma suave em pelo menos 5 direções na 
placa, abrangendo toda a superfície; 
d- Aguardar aproximadamente 10 a 15 minutos para a superfície do ágar secar; 
e- Com auxílio de uma pinça flambada e resfriada, colocar os monodiscos ou multidiscos, sobre a 
superfície do meio inoculado, exercendo uma leve pressão com a ponta da pinça para uma boa 
adesão dos discos; 
f- Incubar a placa com os discos em estufa bacteriológica a 36°C por 18 a 24 horas. 
 
Meios a serem utilizados: consultar tabela para cada microrganismo. Meios que podem ser utilizados: 
540187 MUELLER H A SANGUE 5% PL90X15 10PL 
530105 MUELLER HINTON AGAR FR 100mL 
542518 MUELLER HINTON AGAR PL140X15 10PL 
540145 MUELLER HINTON AGAR PL90X15 10PL 
510061 MUELLER HINTON CALDO 4mL TB13X100 CX10TB 
540212 HTM AGAR PL90X15 10PL 
 
Resultados: Com o auxílio de uma régua ou paquímetro medir o diâmetro dos halos inibitórios de 
cada disco. Consultar a tabela apropriada para determinar a sensibilidade ao antimicrobiano testado. 
 
- Sensível (S): A infecç\ufffd\ufffdo pode ser tratada com a dosagem recomendada do antimicrobiano. 
- Resistente (R): Concentrações sistêmicas usuais do antimicrobiano, não inibem o microrganismo, 
gerando ineficácia clínica. 
- Intermediário (I): Microrganismos com CIMs do antimicrobiano que alcançam níveis sistêmicos e 
teciduais, mas a resposta é baixa. 
 
Rev 16 \u2013 03/2019 
5 Manual de Antibiograma 2019 Laborclin Produtos para Laboratórios Ltda 
- Susceptibilidade Dose Dependente (SDD): A categoria SDD implica que a suscetibilidade de um 
isolado depende do regime de dose que é usado no paciente. Para alcançar níveis que, 
provavelmente, serão clinicamente eficazes contra esses isolados, para os quais os resultados dos 
testes de susceptibilidade se enquadram na categoria SDD, é necessário usar um regime de dose 
diferenciado, ou seja, doses mais altas, mais frequentes ou ambas, que resultam na maior exposição 
do isolado ao medicamento, comparando com a dose padrão. 
 
7. PRECAUÇÕES E CUIDADOS ESPECIAIS 
- Seguir padronização técnica para execução