A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
8 pág.
Sono e vigília

Pré-visualização | Página 1 de 3

B i a n c a L o u v a i n | 1 
 
FISIOLOGIA DO 
(sono e vigilia) 
O ciclo vigília-sono compõe o ciclo circadiano, que é um ciclo que dura cerca de 24 horas. 
A vigília é o nosso estado alerta, onde há ativação cortical, dessincronização e ativação 
sensorial motora. A sua ativação é dependente de “redes” neurais ascendentes e descendentes. 
O sono é um estado de inconsciência que difere do coma não induzido pela sua reversão. Ou 
seja, é um estado facilmente reversível de reduzida responsividade e interação com o ambiente 
externo. 
Durante um dia normal, há dois tipos de comportamentos: a vigília e o sono. 
Nos estados de vigília, muitos neurônios estão disparando, mas não de uma forma coordenada. 
O sono é formado por duas principais fases, o sono REM e sono não-REM: 
• Várias vezes, durante uma noite, você entra em um 
estado chamado de sono REM/estágio 1. É quando seu 
EEG se parece mais com o estado acordado do que com o 
estado adormecido. Seu corpo (exceto os músculos dos 
olhos e respiratórios) está imobilizado e há presença de 
sonhos. 
• O resto do tempo você gasta em um estado chamado de 
sono não-REM, no qual não há sonhos. O sono não-REM 
também é, algumas vezes, chamado de sono de ondas 
lentas, devido ao predomínio de ritmos do EEG lentos e 
de grande amplitude. 
 
O sono de ondas lentas (também chamado de sono profundo, sono não REM ou estágio 4) parece 
ser um período de repouso onde a tensão muscular está reduzida em todo o corpo, e o movimento 
é mínimo. O corpo é capaz de movimentos durante o sono não-REM, mas só para ajustar a 
posição corporal. 
• A temperatura e o consumo de energia do corpo estão reduzidos. 
• Devido a um aumento na atividade da divisão parassimpática do sistema neurovegetativo, 
a frequência cardíaca, a respiração e a função renal ficam mais lentas, e os processos 
digestivos aceleram. 
• Durante o sono não-REM, o encéfalo também parece repousar. Sua taxa de uso de energia e 
as frequências de disparo de seus neurônios em geral estão no nível mais baixa, se 
comparado com o restante do dia. 
Essa fase do sono é indicada no EEG pela presença de ondas delta, de alta amplitude, ondas de 
baixa frequência e de longa duração que se espalham pelo córtex cerebral. 
O sono REM (estágio 1 ou movimento rápido dos olhos) é o sono em que se sonha e é responsável 
somente por uma pequena parte de nosso sono. 
B i a n c a L o u v a i n | 2 
 
As pessoas são mais propensas a acordar espontaneamente nos períodos de sono REM. 
A paralisia que ocorre durante o estágio REM é uma perda quase total do tônus muscular 
esquelético, ou atonia. A maior parte do corpo está realmente incapaz de movimentação! 
• Os músculos respiratórios continuam a funcionar, mas apenas parcialmente. 
• Os músculos que controlam o movimento dos olhos e os pequenos músculos do ouvido interno 
são exceções, eles estão ativos. Com as pálpebras fechadas, os olhos ocasionalmente movem-
se com rapidez de um lado para o outro. 
Os sistemas fisiológicos de controle são dominados pela atividade simpática durante o sono 
REM. 
• O sistema de controle da temperatura corporal simplesmente se desliga, e a temperatura 
interna abaixa. 
• As frequências cardíaca e respiratória aumentam. 
• Em pessoas normais, o clitóris ou o pênis ficam preenchidos por sangue e eretos durante o 
sono REM, embora isso usualmente não tenha qualquer relação com o conteúdo sexual dos 
sonhos. 
Em contrapartida ao sono não-REM, o sono REM é marcado por um padrão de ECG mais 
próximo ao de uma pessoa acordada, com ondas de baixa amplitude e alta frequência. 
Essa fase do sono é chamada, algumas vezes, de sono paradoxal por ter o consumo de oxigênio 
pelo encéfalo mais elevado no sono REM do que quando estamos acordados e concentrados em 
problemas matemáticos difíceis, por exemplo. 
Aproximadamente 75% do tempo total do sono são passados no sono não-REM, e 25%, 
no sono REM, com ciclos periódicos entre esses estágios durante toda a noite. 
O sono não-REM é dividido em quatro estágios 
distintos. Enquanto que o sono REM tem 
apenas um. 
Durante uma noite normal, passamos ao longo 
dos estágios do não-REM, depois pelo REM e 
então de volta aos estágios não-REM, repetindo 
o ciclo aproximadamente a cada 90 minutos. 
Esses ciclos são exemplos de ritmos 
ultradianos, os quais têm períodos mais 
rápidos do que ritmos circadianos. 
1. ESTÁGIO 1 DO SONO NÃO-REM 
Quando um adulto começa a dormir, ele entra primeiro no estágio 1 do sono não-REM. É 
também o estágio de sono mais leve, significando que podemos ser facilmente acordados durante 
essa fase. 
O estágio 1 é o sono de transição, quando os ritmos alfa do EEG da vigília relaxada vão se 
tornando menos regulares e desaparecendo, e os olhos fazem lentos movimentos de rotação. 
Trata-se de um estágio passageiro, geralmente durando somente uns poucos minutos. 
• Sono superficial e há um padrão de ondas teta (θ). 
 
 
 
 
 
B i a n c a L o u v a i n | 3 
 
2. ESTÁGIO 2 DO SONO NÃO-REM 
O estágio 2 é um pouco mais profundo e pode durar 5 a 15 minutos. 
Suas características incluem a oscilação ocasional do EEG, o chamado fuso do sono, o qual é 
gerado por um marca-passo talâmico. Além disso, observa-se uma onda aguda de alta 
amplitude, chamada de complexo K, e os movimentos dos olhos quase cessam. 
• Sono intermediário com ondas formando o fuso do sono e o complexo K. 
 
3. ESTÁGIO 3 DO SONO NÃO-REM 
Na sequência, segue o estágio 3, e o EEG inicia ritmos delta lentos, de grande amplitude. 
Os movimentos dos olhos e do corpo estão usualmente ausentes, embora haja exceções. 
• A fase 3 e 4 são muito parecidas. Há presença de ondas mais lentas pela baixa atividade do 
tronco encefálico e com amplitudes mais altas. 
Observação: na onda lenta a pessoa acorda com muito sono e "perdida" devido à baixa atividade 
do tronco encefálico, mas ao começar a fazer suas coisas ela acorda. 
 
4. ESTÁGIO 4 DO SONO NÃO-REM 
O estágio 4 é o estágio de sono mais profundo, com ritmos do EEG de grande amplitude. 
Durante o primeiro ciclo de sono, o estágio 4 pode persistir por 20 a 40 minutos. 
5. ESTÁGIO 2 DO SONO NÃO-REM (NOVAMENTE) 
Como já dito, a fase de ondas lentas tem uma atividade encefálica muito baixa e, pra aumentar 
a mesma, o ciclo do sono passa pela fase 2 antes de ir pro sono REM. Contudo, não fica por tanto 
tempo já que é um estágio de transição. 
Ele dura de 10 a 15 minutos e entra, repentinamente, em um breve período de sono REM. 
6. SONO REM 
À medida que a noite progride, ocorrem uma redução geral na duração do sono não-REM, 
particularmente dos estágios 3 e 4, e um aumento dos períodos REM. 
Os ciclos REM mais longos podem durar de 30 a 50 minutos. Ainda assim, parece haver um 
período refratário obrigatório, de aproximadamente 30 minutos, entre os períodos de REM. 
Em outras palavras, cada ciclo REM é seguido por, pelo menos, 30 minutos de sono não-
REM, antes que o próximo período de sono REM possa iniciar-se. 
Seus ritmos beta no EEG são rápidos e há movimentos nítidos e frequentes dos olhos. 
 
B i a n c a L o u v a i n | 4 
 
O sono e a vigília são processos que requerem a participação de várias regiões encefálicas. 
Os neurônios mais essenciais para o controle do sono e da vigília fazem parte dos sistemas de 
neurotransmissores modulatórios difusos. 
Os sistemas modulatórios difusos controlam os comportamentos cíclicos do tálamo que, por sua 
vez, controlam muitos ritmos do EEG do córtex cerebral. O sono também envolve atividade em 
ramos descendentes dos sistemas modulatórios difusos, como a inibição dos neurônios motores 
durante os sonhos. 
 
Sistema modulatório difuso 
Sistema 
neuromodulador 
Local de 
origem dos 
neurônios 
(núcleos) 
Estruturas que os 
neurônios inervam 
Funções moduladas 
pelo