A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
47 pág.
FISIOPATOLOGIA DA REPRODUÇÃO-convertido

Pré-visualização | Página 6 de 10

influência da 
testosterona; 
 
✓ Feto fêmea possui os ductos de Müller: se 
desenvolvem em útero, tubas uterinas, cérvix e 
vagina. 
 
✓ O MIF produzido pelos testículos do macho bloqueia 
o desenvolvimento dos ductos de Müller na fêmea 
de gêmeos heterossexuais, causando anomalias no 
trato reprodutivo. 
 
Diagnóstico clínico 
 
Histórico: 
 
✓ Vagina mais curta 
✓ Freemartin: inserção de 4 a 5 cm de tubo de 
ensaio; 
✓ Bezerra normal: 12 a 14 cm; 
✓ Vaginoscopia: sem óstio cervical 
✓ Prognóstico: FÊMEAS ESTÉREIS e MACHOS 
SUBFÉRTEIS 
 
Diagnóstico citogenético: 
 
✓ Cariotipagem (linfócitos periféricos e 
✓ outros tecidos) 
✓ PCR 
✓ Diagnóstico precoce evita que animais sejam 
criados até a puberdade; 
✓ Para que, apenas neste momento, seja 
percebida a esterilidade 
 
HERMAFRODITISMO 
 
É o INDIVÍDUO que apresenta os DOIS SEXOS 
DISTINTOS: 
 
✓ Anatômicamente; 
✓ Funcionalmente. 
 
Hermafroditas verdadeiros 
Vs 
Pseudohermafroditas 
 
 
Hermafrodita verdadeiro 
 
Definição: Presença de tecidos OVARIANO e 
TESTICULAR no mesmo indivíduo. 
 
Em gônadas separadas ou em uma só (Ovotestis). 
 
 
 
 
 
HERMAFRODITA VERDADEIRO 
 
Na vida intrauterina: 
 
✓ Presença de tecidos ovariano e testicular; 
✓ Resulta em diferenciação anormal das 
genitálias interna e externa; 
✓ Vias genitais externas são quase sempre 
femininas: Vulva rudimentar e clitóris 
hipertrofiado. 
 
Indivíduo apresenta apenas UMA DAS GÔNADAS 
(masculina ou feminina) 
 
com características secundárias e genitália externa do 
OUTRO SEXO; Ex. 
 
• Testiculos com presença de vulva e clítoris; 
• Ovários com presença de pênis, prepúcio e 
escroto. 
 
✓ Se a gônada for um TESTÍCULO → Pseudo-
hermafrodita MACHO 
✓ Se a gônada for um OVÁRIO → é Pseudo-
hermafrodita FÊMEA 
 
 
Pseudo macho. Souberam isso pelas imagens 
microscópicas. Parênquima com tecido masculino. A 
gônada que define 
 
Pseudo-hermafrodita MACHO 
 
✓ O tipo + comum de intersexualidade nos 
animais; 
✓ Espécies + acometidas: bovinos, caprinos, 
ovinos e suínos; 
✓ Etiopatogenia ainda não é bem conhecida! 
 
 
 
 
 
A teoria mais aceita: 
 
✓ Seja causada pela translocação do gene SRY 
para o cromossomo X, 
✓ Promovendo, o desenvolvimento testicular em 
indivíduos XX. 
✓ Ou ausência do gene SRY no cromossomo Y . 
 
 
 
Na análise molecular: Equino era negativo para 
presença do gene SRY. 
 
✓ (A diferenciação gonadal é determinada pela 
presença ou ausência do cromossomo Y e pela 
expressão do gene SRY, este fragmento de 
DNA determina o sexo do animal, através da 
codificação da proteína TDF (fator de 
determinação testicular) 
 
 
O fato dos testículos não estarem perfeitamente 
diferenciados revela que esta diferenciação sem a 
presença do gene SRY não ocorre de forma plena, mas 
no caso relatado foi suficiente para masculinizar a 
genitália externa 
 
 
DIAGNÓSTICO PARA HERMAFRODITISMO 
 
Diagnóstico clínico 
 
✓ Inspeção, palpação retal, ultrassonografia e 
vaginoscopia 
✓ Anomalias facilmente detectadas 
 
Diagnóstico citogenético 
 
 
CRIPTORQUIDISMO 
 
 
Descenso testicular 
 
 
 
O que é Criptorquidismo? 
 
É o descenso testicular anormal levando à retenção uni 
ou bilateral das gônadas em qualquer lugar ao longo do 
seu trajeto; 
 
Desde caudal aos rins, incluindo a entrada do anel 
inguinal ou imediatamente fora, mas não dentro do 
escroto 
 
 
 
Complicações decorrentes do Criptorquidismo 
podem ser: 
 
Agudas (torção testicular) Crônicas (infertilidade, > risco 
neoplásico e insuficiente produção androgênica). 
 
Tratamento proposto para Criptorquidismo 
 
✓ Remoção cirúrgica do testículo retido; 
✓ Retirada do animal da reprodução; 
✓ Castração 
 
 
[Já que se trata de uma anormalidade hereditária] 
 
Ainda não estão completamente descritos; 
Afirmaram que: 
 
✓ Mutação no gene que codifica a formação das 
células de Leydig pode estar relacionada com a 
interrupção da descida testicular; 
✓ Pode ocorrer também devido à mutação de dois 
genes provavelmente localizados no 
cromossomo sexual. 
✓ Basrur e Basrur (2004) 
 
SÍNDROME DE TURNER EQUINA -63, X0 
 
O que é? 
 
✓ Defeito cromossômico que causa infertilidade 
em éguas caracterizado pela falta de um dos 
cromossomos X 
 
✓ Animal apresenta características fenotípicas 
femininas devido à ausência do cromossomo Y. 
 
SINAIS 
 
✓ Estatura < do que a considerada normal para a 
idade e raça; 
 
✓ Estruturas do aparelho reprodutivo são < e os 
ovários não apresentam desenvolvimento 
folicular; 
 
✓ Vulva pode ter tamanho normal ou aparecer em 
forma ligeiramente diminuída 
 
DIAGNÓSTICO 
 
Clínico: 
 
Quando a fêmea entra em idade reprodutiva e não 
apresenta sinais de estro. 
 
Citogenético: 
 
• Análises cromossômicas (cariotipagem) 
• Revelará a ausência de um dos cromossomos 
sexuais 
 
 
AULA 8 - ANOMALIAS ASSOCIADAS À 
DIFERENCIAÇÃO SEXUAL 
 
 
✓ Freemartinismo, 
✓ Hermafroditismo, 
✓ Criptorquidismo, 
✓ Síndrome de Turner equina, 
✓ Síndrome da insensibilidade androgênica 
 
 
 
✓ SÍNDROME DA INSENSIBILIDADE 
ANDROGÊNICA 
 
Também conhecida como síndrome da feminização 
testicular. 
 
• Intersexualidade; 
 
Análise citogenética: 
 
• Cromossomos sexuais são XY, mas desenvolve 
genitália externa feminina 
 
Por que isso acontece? Células alvo não respondem 
aos andrógenos durante a diferenciação sexual. 
Atividade das gônadas masculinas não é suficiente para 
que ocorra a formação da genitália externa masculina. 
 
 
✓ ANIMAIS INSENSÍVEIS AOS ANDRÓGENOS 
 
Apresentam: 
 
• Vulva normal 
• No exame clínico, ultrassonográfico e palpação 
transretal: 
• Ausência de cérvix e útero; 
• Presença de testículos na cavidade abdominal 
(posição em que se encontram os ovários) 
• Não apresentam sinais de estro, 
• Comportam-se de forma semelhante ao macho, 
vocalizando na presença de fêmeas em estro, 
tornam-se agressivas, apresentam desvio de 
comportamento 
 
TRATAMENTO 
 
• Intervenção cirúrgica para retirada dos 
testículos da cavidade abdominal; 
• Tentativa de minimizar a agressividade e o 
comportamento masculinizado; 
• Devido à alta concentração sérica de 
testosterona. 
 
 
PRINCIPAIS PATOLOGIAS REPRODUTIVAS DAS 
FÊMEAS DOMÉSTICAS 
 
 
Considerando a sobrevivência de uma espécie e 
aumento do número de animais, o sistema reprodutivo é 
um dos sistemas + importantes. 
 
Fisiológico → Patológico 
Patologias congênitas e adquiridas. 
 
 
✓ AGENESIA 
 
 
Definição: Alteração hereditária de desenvolvimento, 
caracterizada pela ausência ou formação incompleta de 
estruturas anatômicas. Órgãos pares: uni ou bilateral 
 
 
• Agenesia unilateral do corno uterino útero 
unicórnio; 
• Pode estar associada à agenesia unilateral 
renal; 
• Ambos possuem a mesma origem embrionária. 
 
 
DIAGNÓSTICO DA AGENESIA 
 
• Exame clínico (externo) 
• Palpação transretal e US (órgãos internos) 
Tubas uterinas: indivíduo apresenta falha na 
reprodução (achados post-mortem) 
 
Por que acontece? Falha na migração das células 
germinativas do saco vitelino para a crista gonadal. 
 
 
✓ HIPOPLASIA 
 
Órgãos hipoplásicos aparecem em tamanho diminuído e 
com funcionalidade comprometida. 
 
• Órgãos pares: uni ou bilateral. 
• @ afetados apresentam trato reprodutivo infantil 
e infertilidade. 
 
 
 
PATOLOGIAS OVARIANAS 
 
 
✓ OOFORITE 
 
É a inflamação dos ovários. Condição rara nos @ 
domésticos; Etiologia: Doenças bacterianas e virais: 
BVD, Tuberculose, Brucelose, etc. Palpação agressiva. 
 
 
 
✓ HEMORRAGIA OVARIANA 
 
Etiologia: Infecções; Enucleação de cistos 
foliculares e luteínicos Morte por choque 
hipovolêmico; 
 
Hemorragias após a ovulação 
Achado normal 
“ovulation tag”- local da ovulação 
 
✓ SÍNDROME DO OVÁRIO REMANESCENTE 
 
O que é? Presença de tecido ovariano funcional no 
interior da cavidade abdominal. Causa: Remoção 
incompleta dos ovários durante a castração (OSH) 
 
✓ Voltam a entrar no cio, mas estão 
impossibilitadas de fertilizar. 
 
✓ CISTOS OVARIANOS 
 
 
Comum em vacas de leite: 
Definição: