SEGURIDADE SOCIAL
78 pág.

SEGURIDADE SOCIAL


DisciplinaSeguridade Social199 materiais1.119 seguidores
Pré-visualização38 páginas
DIREITO DA SEGURIDADE SOCIAL
· Evolução Histórica: 
1ª Fase - ASSISTÊNCIA PÚBLICA feita pelas igrejas, sob a ótica da caridade. 
2ª Fase - SEGURO SOCIAL criado para diminuir os desvalidos nas ruas, sem a participação do Estado (medida criada pelo chanceler alemão Otto Von Bismarck por volta de 1860). 
3ª Fase - SEGURIDADE SOCIAL fundada, no final do século XIX - momento em que imperava o Estado Liberal com participação mínima -, na solidariedade e na universalidade de proteção sistêmica.
· Pacto de Gerações: Houve um fato marcante conhecido como encíclica papal rerum novarum (das coisas novas) quando o papa Leão quis mostrar aos governantes a necessidade de haver leis para fazer valer o princípio da seguridade social.
No Brasil... 
1824: Garantia do socorro público de natureza assistencialista 
1891: Aposentadoria para os funcionários públicos em relação a invalidez 
1923: Aplicação da lei Elói Chaves que, criou as caixas de aposentadoria e pensões voltadas somente aos ferroviários e, depois, estendida aos marítimos e portuários 
1934: A CF tratou do custeio, ou seja, quem iria contribuir para a previdência
1960: Criação da Lei Orgânica da Previdência Social (LOPS) que disciplinou benefícios e concessões 
1978: A CF trouxe a seguridade social 
1990: Criação do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS): autarquia do governo do Brasil, vinculada ao Ministério da Economia que recebe as contribuições para a manutenção do Regime Geral da Previdência Social e garante a proteção aos cidadãos por meio do reconhecimento de direitos, com o objetivo de promover o bem-estar social. 
Lei nº 8.212/1991: organiza a seguridade social e institui plano de custeio.
Lei nº 8.213/1991: planos de benefícios da previdência social.
Decreto nº 3.049/1999: regulamenta a previdência social.
PEC 103: altera o sistema de previdência social e estabelece regras de transição e disposições transitórias. 
	Art. 194 da CF/88. A seguridade social compreende um conjunto integrado de ações de iniciativa dos Poderes Públicos e da sociedade, destinadas a assegurar os direitos relativos à saúde, à previdência e à assistência social.
PRINCÍPIO DA RESERVA DO POSSÍVEL: regulamenta a possibilidade e a abrangência da atuação do Estado no que diz respeito ao cumprimento de alguns direitos, como os sociais, subordinando a existência de recursos públicos disponíveis à atuação do Estado. Portanto, a efetivação dos direitos sociais está vinculada às possibilidades financeiras do Estado.
	REPARTIÇÃO
	CAPITALIZAÇÃO
	MISTO
	As aposentadorias são pagas com o dinheiro arrecadado das contribuições dos trabalhadores na ativa.
	Cada um contribui para a sua assistência e contrata sua previdência para usufruir depois como aposentadoria ou pensão. 
	O governo complementa a previdência privada para promover os benefícios sociais.
	· O mundo todo adota um ou outro sistema previdenciário!
* Problema mundial por conta do envelhecimento populacional, menor taxa de natalidade, a informalidade de trabalho que não gera contribuição - SISTEMA ATUARIAL - a projeção social feito pelo governo para fazer uma previdência mais equitativa. Por isso a necessidade de reformas no sistema previdenciário.
· PRINCÍPIOS DA SEGURIDADE SOCIAL - descritos nos incisos do art. 194 da CF/88
I - universalidade da cobertura e do atendimento
Cobertura: universalidade objetiva e riscos sociais; todos os riscos sociais (infortúnios da vida) receberão a cobertura da seguridade social.
Atendimento: universalidade subjetiva e pessoas; todas as pessoas residentes no país têm direito ao atendimento da seguridade social.
II - uniformidade e equivalência dos benefícios e serviços às populações urbanas e rurais
Esse princípio traduz a ideia de que não pode haver discriminação entre as populações urbanas e rurais. É importante lembrar, nessa senda, que nem sempre houve uniformidade entre essas populações, vez que a uniformidade é diretriz trazida pela CF/88. Para isso, basta lembrar da Lei Funrural (surgida apenas na década de 1960), altamente discriminatória, eis que enquanto os empregados urbanos ganhavam um salário mínimo de benefício; os rurais, apenas a metade.
Benefícios: diz respeito à necessidade de o valor pecuniário (econômico) entre a população urbana e rural ser equivalente.
Serviços: a qualidade do serviço (bem imaterial) prestado à população urbana deve ser a mesma da prestada ao rural.
III - seletividade e distributividade na prestação de serviços
Seletividade: o legislador deve selecionar os riscos sociais que maior sofrimento estão causando para a população e também a devida prestação a ser prevista aquele risco social.
Distributividade: diz respeito à necessidade de o Sistema de Seguridade Social atuar como elemento distribuidor de renda (Ex.: salário família, auxílio reclusão, etc.).
IV - irredutibilidade do valor dos benefícios
Esse princípio aduz ques as prestações devem manter o seu valor original. Em uma acepção mais ampla é possível entender que se trata de proteger o beneficiário contra a irredutibilidade do valor nominal e real dos benefícios. O STF, por outro lado, em uma interpretação mais restritiva entende se tratar somente de proteger contra a irredutibilidade do valor nominal dos benefícios.
V - equidade na forma de participação de custeio
A equidade é a igualdade material, ou seja, aquela que respeita as diferenças. Está relacionada ao princípio da capacidade contributiva, a qual cada pessoa deve contribuir, conforme sua capacidade contributiva.
VI - diversidade da base de financiamento, identificando-se, em rubricas contábeis específicas para cada área, as receitas e as despesas vinculadas a ações de saúde, previdência e assistência social, preservado o caráter contributivo da previdência social
Significa que a seguridade social terá diversas fontes de financiamento/receita/custeio, sendo que é importante salientar que a CF/88 deixou em aberto essa questão, cabendo à lei definir quais as outras fontes de financiamento.
VII - caráter democrático e descentralizado da administração, mediante gestão quadripartite, com participação dos trabalhadores, dos empregadores, dos aposentados e do Governo nos órgãos colegiados. 
Caráter democrático da gestão administrativa visa a aproximação dos cidadãos (aqui representados pelos trabalhadores, aposentados e empregadores) às organizações e processos de decisão dos quais dependem seus direitos, ou seja, este princípio, por meio do seu caráter democrático, visa atingir a justiça como um fim social.
· Solidariedade: Art. 193. A ordem social tem como base o primado do trabalho, e como objetivo o bem-estar e a justiça sociais.
· Fonte de Custeio: Art. 195. A seguridade social será financiada por toda a sociedade, de forma direta e indireta, nos termos da lei, mediante recursos provenientes dos orçamentos da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, e das seguintes contribuições sociais: §5º Nenhum benefício ou serviço da seguridade social poderá ser criado, majorado ou estendido sem a correspondente fonte de custeio total.
· Orçamento Diferenciado: trata-se de fundamento cuja idéia corresponde ao estabelecimento, por parte da CF/88, de um orçamento próprio para a receita da Seguridade Social (arts. 165, §5, III e 195, §§1 e 2).
	SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE - SUS
	Antes 
	Reforma Sanitária
	Depois 
	Havia um sistema previdenciário de saúde
	Anos 70/80
	Promoção da Saúde e Prevenção de Doenças
	O acesso da saúde se dava somente se vinculado ao INSS ou dependente do segurado para ser atendido em um pronto socorros e hospitais do SUS. Se fosse um contribuinte.
Quem não tinha era atendido em casas filantrópicas administradas por igrejas. Por exemplo: Santa Casa de Misericórdia.
	VIIII CNS 1986: tudo pronto para que durante a constituinte de 88, pudéssemos contemplar na CF o desejado SUS.
Começou-se a pensar na saúde como bem-estar social, não com foco em doença. Modelo desenvolvido com foco na reforma social, buscando o bem-estar do indivíduo, que resulta na verdadeira saúde. Inclui alimentação,