A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
204 pág.
LIVRO_TELECOMUNICAÇÕES

Pré-visualização | Página 3 de 46

mensagens de forma 
indireta, isto é, as mensagens tinham que ser codificadas para serem 
transmitidas pelo aparelho. Tudo começou em um momento trágico 
na vida de Samuel Finley Breese Morse, que lançou as fundações 
para formar os conceitos da telegrafia e o funcionamento de um dos 
primeiros aparelhos elétricos da história. Por volta de 1825, Morse 
recebeu de seu pai uma mensagem de que a esposa dele estava 
muito doente enquanto fazia um trabalho artístico em Nova York, 
EUA. Um dia após a mensagem, ele recebeu uma carta que detalhava 
o momento em que a esposa ficou doente e sua morte súbita pouco 
tempo depois. Com a notícia, Morse abandonou o trabalho e voltou 
para sua cidade, mas descobriu que sua esposa já havia sido enterrada. 
Diante da dor e impotência que lhe incomodavam, decidiu dedicar 
a sua vida a explorar maneiras de conseguir fazer comunicação por 
longas distâncias.
Em 1832, quando retornava para casa em uma viagem de navio, 
conheceu Charles Thomas Jackson, um cientista de Boston que 
era especialista em eletromagnetismo. Morse testemunhou vários 
experimentos eletromagnéticos em que Jackson trabalhava e isso 
lhe deu inspiração para desenvolver o conceito de um telégrafo de 
apenas um fio. Morse abandonou seu lado artístico para se dedicar à 
sua invenção e codificar uma das primeiras linguagens de telegrafia 
Vocabulário
1. Coulomb (símbolo C): unidade de carga elétrica do Sistema Internacional 
de Unidades. É aproximadamente o equivalente a 6 242 1018. × cargas de 
prótons (positivas) ou cargas de elétrons (negativas). 
2. Volt (símbolo V): unidade de medida da diferença de potencial 
elétrico do Sistema Internacional de Unidades. O volt é o potencial de 
transmissão de energia, em Joules, por carga elétrica, em Coulombs, 
entre dois pontos distintos do espaço. 
3. Ampere (símbolo A): unidade de corrente elétrica do Sistema 
Internacional de Unidades. Esta unidade é equivalente a um Coulomb de 
carga elétrica por um segundo.
U1 - Introdução às telecomunicações14
do mundo. A patente do telégrafo foi publicada em 20 de junho de 
1840, segundo o United States Patent Office. O código Morse se 
tornou um padrão e foi crucial para comunicação durante conflitos 
de guerra e até hoje é utilizado por radioamadores.
Vários anos antes de a patente de Morse ser publicada, dois 
cientistas alemães haviam construído a primeira máquina telegráfica 
do mundo. Em 1833, Carl Friedrich Gauss e Wilhelm Weber tinham 
uma grande necessidade de se comunicar para coordenar seus 
estudos sobre geomagnetismo. Assim, eles inventaram um dispositivo 
Assimile
Fonte: elaborada pelo autor.
Figura 1.1 | Esquemático simplificado de um telégrafo
A Figura 1.1 apresenta o esquemático básico de um sistema de telegrafia 
que utiliza apenas um fio. O sistema é separado em uma unidade 
transmissora e uma receptora. A unidade transmissora possui um botão 
que fecha o circuito e que está ligado a uma bateria. A unidade receptora 
possui um eletroímã que exerce força sobre uma haste. Sempre que o 
botão na unidade transmissora é acionado, uma corrente elétrica circula 
pelo eletroímã, que produz um campo magnético. A haste, por sua vez, 
possui uma caneta na ponta que marca uma fita de papel sempre que 
o eletroímã produz campo magnético. A fita sai do equipamento com 
velocidade constante e, dependendo da velocidade de acionamento 
do botão de controle na unidade transmissora, a máquina escreve 
mensagens codificadas em pontos e traços, de acordo com o United 
States Patent Office (1840).
Assimile
U1 - Introdução às telecomunicações 15
que era ligado por um cabo de três quilômetros que saía do laboratório 
de física de Weber até o observatório de Gauss. Este esforço marcou 
o primeiro uso prático do telégrafo no mundo. Infelizmente, eles não 
conseguiram financiamento para levar o projeto para frente e sua 
importância com o tempo desvaneceu. 
Alguns anos após a invenção de Gauss e Weber, os ingleses 
William Cooke e o professor Charles Wheatstone se interessaram 
pelo tema da telegrafia. Em 1936, Cooke estava fascinado por 
telegrafia e contava com a colaboração de Wheatstone, lembrando 
que Morse já trabalhava com o assunto há tempos. A vantagem de 
Cooke era possuir riquezas que financiaram seus projetos e, com 
isso, ele conseguiu montar um pequeno telégrafo elétrico em apenas 
três semanas. Cooke conseguiu lançar uma versão comercial do 
equipamento antes de Morse, mesmo tendo se interessado pelo 
assunto depois. Ao comparar os projetos de Morse e Cooke, nota-
-se uma característica de construção do telégrafo muito importante 
que culmina no aumento significativo da distância entre estações 
de telegrafia. Cooke percebeu que era bem mais eficiente interligar 
vários circuitos intermediários utilizando baterias pequenas do que 
ligar apenas um circuito longo utilizando uma bateria grande. Cooke 
e Wheatstone formaram uma parceria e patentearam na Inglaterra o 
telégrafo elétrico em maio de 1837. Por um tempo, Morse também 
encontrou problemas para levar sinais telegráficos a grandes distâncias. 
Ele contou com a ajuda do Prof. Leonard Gale, da Universidade de 
Nova York, para introduzir circuitos intermediários ao longo da linha 
de telegrafia, sendo assim capaz de alcançar distâncias de até 16 km, 
de acordo com Coe (2006).
Voltamos então ao expresso pônei para descobrir o que aconteceu 
com a companhia após a chegada do telégrafo. Durante seu curto 
tempo de operação, o expresso pônei entregou aproximadamente 
35 mil cartas entre o leste e o oeste norte-americano. Embora a 
companhia tenha provado de forma notável que a rota rápida de 
entrega de cartas era viável, seus fundadores não conseguiram 
formalizar um contrato para entregar cartas pela rota St. Joseph, 
Missouri até Sacramento, Califórnia. O contrato foi cedido para outra 
companhia de serviços de carruagens favorecida por congressistas do 
sul. Pouco tempo depois da cessão do contrato, houve o começo da 
Guerra Civil Americana, que causou o cessar de operações naquela 
rota. Assim, o expresso pônei pôde operar de forma limitada até 26 de 
U1 - Introdução às telecomunicações16
outubro de 1861, quando anunciou seu fechamento dois dias após o 
começo da implantação do telégrafo transcontinental para cruzar o 
mapa norte-americano de leste a oeste. 
O segredo para transmitir mensagens em códigos por longas 
distâncias havia sido revelado, mas o desejo de transmitir a voz humana 
por longa distâncias ainda era latente. Com o surgimento muitos anos 
antes do telégrafo, o conceito de telefone não era algo novo. Um 
dispositivo mecânico-acústico conseguia transportar voz humana por 
canudos ou barbantes esticados. Um exemplo clássico conhecido 
era o de uma brincadeira de crianças em que se construía um 
telefone utilizando copos, botões de camisa e um barbante esticado. 
O barbante preso pelo botão no fundo do copo vibrava quando a 
pessoa falava. Assim, a vibração se propagava pelo fio esticado e fazia 
vibrar o fundo do copo da parte oposta da linha. Este sistema tinha 
utilização limitada devido à sua pobre eficiência e pouco alcance. Isso 
mudaria com os conhecimentos que estavam sendo desenvolvidos 
partir dos estudos sobre eletricidade e eletromagnetismo. 
Assim, observando a possibilidade de o telefone funcionar 
com eletricidade, pesquisadores competiram ao longo da história 
para conseguir publicar a primeira patente deste tipo de máquina 
revolucionária. Alexander Graham Bell é o mais famoso a ser apontado 
como responsável pela invenção do telefone, mas há controvérsias 
com relação a outros autores que também disputam pela autoria do 
invento. Elisha Gray, por exemplo, foi motivo de embargo à autoria de 
Bell devido à similaridade entre as duas patentes. Bell, para a fortuna 
dele, conseguiu defender sua posição de autor da primeira patente do 
telefone garantindo-lhe