Buscar

hote7unid05-barragensterra-170418002956

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 3, do total de 27 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 6, do total de 27 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 9, do total de 27 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Prévia do material em texto

Unidade 05 - BARRAGENS DE TERRA E ENROCAMENTO 
 
 
 
 
 
 
INTRODUÇÃO 
 
 
5.1- Definição e objetivos 
 
 
 Barragem pode ser definida como sendo um elemento estrutural, construída 
transversalmente à direção de escoamento de um curso d’água, destinada a criação de um 
reservatório artificial de acumulação de água. 
 
 Os objetivos que regem a construção de uma barragem são vários e os 
principais se resumem em : 
 
 a) aproveitamento hidrelétrico 
 b) regularização das vazões deo curso d’água para fins de navegação 
 c) abastecimento doméstico e industrial de água 
 d) controle de inundações 
 e) irrigação 
 
 Os objetivos acima citados poderão ser explorados individualmente ou em 
conjunto. Se, por exemplo, uma baragem é implantada com a finalidade imediata de obtenção 
de energia elétrica, outras atividades ditas secundárias poderam ser também desenvolvidas 
correlatamente. Assim é que os aspectos como recreação, piscicultura, saneamento, etc., são 
comumente desenvolvidos. Um exemplo característico pode ser a barragem de Barra Bonita 
no Rio Tiête ( Estado de São Paulo ), cujos objetivos principais foram a obtenção de energia 
elétrica ( potência de 122 000 kW ) e a regularização do rio para fins de navegação. O projeto 
sugere também uma reserva de vazão média diária de 4m3/seg.,para fins de irrigação de áreas 
circunvizinhas. Posteriormente foi desenvolvido também o turismo, através da recreação em 
certas áreas do reservatório, e se resume na prática dos esportes aquáticos, com a implantação 
de clubes de campo e hotéis neste locais. 
 
 
5.2 - Elementos de uma barragem 
 
 
 
 As definições expostas a seguir 
tem a finalidade apenas de orientar e 
alxiliar a compreenção da importância 
da geologia, nos trabalhos de construção 
de barragens. 
 
 
 
1 
 Outros elementos encontrados no conjunto de obras que compõem uma 
barragem são: 
 
 a) ensecadeira - destinada a desviar as águas do leito do rio, total ou parcialmente, 
com o objetivo de permitir o tratamento das fundações nessas áreas e, às vezes, nas áreas das 
planícies de inundação, possibilitando a comstrução em seco dso diques de terras ou estrutura 
de concreto. As ensecadeiras mais comuns são aquelas construídas com terras e blocos de 
rocha. Em alguns casos, é necessária a utilização de chapas metálicas ou diafragmas 
impermeáveis. 
 
 
 
 
 b) túneis de desvio - possuem a mesma finalidade das ensecadeiras, sendo porém, 
construídos em cursos d’água com vales íngremes, e quando possível, nos locais onde existam 
curvas. Em muitos casos, o túnel de desvio é usado posteiormente como túnel de adução, para 
transportar as águas do reservatório para a casa das máquinas. 
 
 c) vertedouro - seu objetivo é 
funcionar como um dispositvo de 
segurança, quando a vazão do curso 
d’água assumir valores que tornem a 
estabilidade da baragem perigosa, ou 
impedir que o nível máximo estabelecido 
para a barragem cause prejuísos às 
propiedades agrícolas ou industrias a 
jusante da barragem. A capacidade do 
vertor é calculada para permitir o 
escoamento máximo ( enchente 
catastrófica ), que poderia ocorrer na 
secção da barragem. 
 
 
 d) tomada d’água - representa o conjunto de obras que permite a retirada, do 
resevatório, da água a ser utilizada, seja para a obtenção de energia ou para outros fins. O tipo 
de tomada d’água varia com o tipo de barragem. Assim, as barrragens de concreto, a tomada 
d’água consiste geralmemte em um conduto que pode se desenvolver através do maciço da 
barragem ou em sua proximidade, enquanto na barrragem de terra, aparece nas ombreiras do 
resevatório. 
 
5.3 Tipos de barragens 
2 
 
 As barragens podem ser classificadas em diferentes tipos, de acordo com o seu 
objetivo, seu projeto hidráulico e os tipos de materiais empregados na sua construção. Com 
relação a este aspecto, as barragens podem ser classificadas em: 
 
 1. Concreto 
 a) Gravidade 
 b) Arco 
 2. Terra 
 3. Enrocamento 
 
 
 
VISTA DE UMA BARRAGEM DE TERRA EM QUE SÃO IDENTIFICADOS OS PRINCIPAIS 
ELEMENTOS GEOMÉTRICOS DENTRE ELES ESTRUTURAS DE CONCRETO 
 
 
5.3.1 - Barragens de Concreto 
 
 Uma das mais antigas barragens de concreto foi construída no Egito, em torno 
do ano 4.000 A.C., sendo a relação largura da base x altura estimada em 4:1. Hoje em dia, tem 
sido possível a construção de barragens imensas, como a Hoover Dam nos Estados Unidos, 
com 221 metros de altura, sendo a relação da largura da base para a altura, considerável, ou 
seja, menos de 1:1. 
 
- Barragens de Concreto - Gravidade 
 
 É o tipo de barragem mais resistente e de menor custo de manutenção. Este 
tipo pode ser adaptado para todos os locais, mas a sua altura é limitada pela resistência das 
fundações. Quando são constituídas de material de aluvião incoerente, a altura dessas 
barragens tem sido limitada a 20m. No caso da fundação ser de rocha sã, porém situada a 
considerável profundidade da superfície do terreno, é mais adequado e econômico construir-
se uma barragem de terra, porque a mesma não necessita repousar sobre fundação em rocha e 
assim avita-se uma quantidade de escavação. 
 
 
 
 Comparadas com as barragens de terra ou de enrocamento, as de concreto tipo 
gravidade são de maior custo. 
3 
 
 
- Barragens de concreto - Arcos 
 
 São mais raras, uma vez que o comprimento dessas barragens deve ser pequeno 
em relação à sua altura, o que exige a presença, nas encostas do vale, de material rochoso 
adequado e de grande resistência, capaz de suportar os esforços a elas transmitidos. Essas 
barragens são mais comuns na Europa, onde os vales são profundos e fechados. 
 
 
 
 
 
 A fotografia ilustra um 
exemplo de barragem (de 
concreto) com finalidade de 
geração de energia elétrica
 
 
 
 Local que aproveita a 
ocorrência de um grande 
desnível no curso do rio. 
 
 
 
 Abaixo da fotografia vê-
se o barramento de 
concreto, ao centro o canal 
que conduz água a dois 
dutos forçados que chegam 
a casa de força para a 
produção de energia 
 
5.3.2 - Barragens de Terra 
 
 Desde os tempos antigos, barragens de terra foram construídas com a 
finalidade de armazenar água para irrigação, sendo algumas das estruturas de tamanho 
considerável, como por exemplo, uma construída no Ceilão no ano 504 A.C., que possuía 17 
quilômetros de comprimento, 21 metros de altura e contendo cerca de 15 milhões de metros 
cúbicos de material. Antigamente todas as barragens de terra eram projetadas por métodos 
empíricos e a literatura de engenharia está repleta de registros de ruptura e acidentes dessas 
barragens. Somente a partir de 1.907, surgiram os primeiros procedimentos racionais para 
projeto dessas obras. Atualmente tais procedimentos permitem a construção de barragens de 
terra com mais de 150 m de altura. No Estado de São Paulo, a barragem de Xavantes no Rio 
Paranapanema, atinge 90 m de altura. 
 
 As barragens de terra são as mais elementares obras de barragens e 
normalmente se prestam para qualquer tipo de fundação, desde a rocha compacta, até terrenos 
construídos de materiais incosolidados. Esses últimos, aliás, são seu campo típico de 
4 
aplicação. Existe uma certa variabilidade no tipo de barragem de terra, que poderá ser 
homogêneo ou zonado. 
 
 a) Homogêneo - é aquele composto de uma única espécie de material, excluindo-se a 
proteção dos taludes. Nesse caso, o material necessita ser suficientemente impermeável, para 
formar uma barreira adequada contra a água, e os taludes precisam ser relativamente suaves, 
para uma estabilidade adequada. 
 
 b) Zonado - esse tipo é representado por um núcleo central impermeável, envolvido 
por zonas de materiais consideravelmente mais permeáveis, zonas essas que suportam e 
protegem o núcleo. As zonas permeáveis consistem de areia, cascalho ou fragmentos de 
rocha, ou uma mistura desses materiais. 
 
 
5.3.3 - Barragens de Enrocamento 
 
 
 Esse tipo de barragem é aquele em que são utilizados blocos de rocha de 
tamanho variável e uma membrana impermeável na face de montante.O custo para a 
produção de grandes quantidades de rocha, para a construção desse tipo de barragem, somente 
é econômico em áreas onde o custo do concreto fosse elevado ou onde ocorresse escassez de 
materiais terrosos e houvesse, ainda, excesso de rocha dura e resistente. Devemos lembrar que 
a rocha de fundação adequada para uma barragem de enrocamento pode não ser aceitável para 
uma de concreto. 
 
 A rocha que deve preencher a maior parte da barragem precisa ser inalterada 
pelo intemperismo, não sendo facilmente desintegrada ou quebrada. Rochas que, quando 
sujeitas à ação de explosivos, fragmentam-se facilmente em pedaços muito pequenos, com 
elevada porcentagem de lascas e pó, são igualmente inadequadas. As rochas para essas 
barragens, devendo ter resistência ao intemperismo físico e químico, gnaisse, diabásio, etc. Os 
blocos de rocha são colocados de modo a se obter o maior contato entre suas superfícies e os 
vazios entre elas, que são preenchidos por material de menor tamanho. 
 
 
- Exemplo de Barragem de Terra construida 
 
 Um exemplo de Barragem de Terra associada a uma de enroncamento citamos: 
 
 A barragem de Passo Severino, situa-se na bacia hidrológica do rio Santa 
Lucia, 70Km ao norte da cidade de Montevideo, Uruguai,. Destina-se a formar um 
reservatório de acumulação de águas no rio Santa Lucia e mater uma vazão mínima regulada 
em 8m3/s, a jusante, onde está instalada a toma da de água para abastecimento da cidade de 
Montevideo e municípios vizinhos. 
 
 A obra de barramento consta de uma estrutura vertedora em concreto, com 
comprimento de 71,2m implantada no leito natural do rio, uma tomada d’água na sua 
extremidade direita, dois maciços de solo e rocha compactados, sendo um de cada lado da 
estrutura vertedora e uma estrutura complementar para extravasamento de grades enchentes 
(Sangradouro), situada numa sela topográfica da margem direita. O comprimento total das 
obras de barramento é de 2.300m e sua altura máxima é de 28m . A Figura 1 mostra a 
localização geral da obra e as seções típicas de cada uma das estruturas componentes. 
 
5 
Tópicos em Geotecnia e Obras de Terra - 2004 Prof. M. Marangon, D. Sc. 
 
6 
 
 
 
SEÇÃO TÍPICA DO VERTEDOURO 
Juninho
Typewritten Text
 
 LEGENDA 
 
1- Argila 
2- Saprolito 
3- Areia 
4a- Pedra Britada Fina 
4b- Pedra Britada Grossa 
5- Enrocamento (∅máx.= 0,60) 
5a- Enrocamento Fino (∅máx=0,30) 
6- Enrocamento Selecinado (Riprap) 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
5.4 - Seleção do Tipo de Barragem 
 
 A escolha do tipo mais adequado de barragem, para um determinado local de 
um curso d’água, depende dos seguintes aspectos: 
 
 1) Segurança da Obra - ligada às características inerentes do próprio local: condições 
geológicas, configuração do vale e dimensões da obra. 
 
 2) Custo da obra - em função do preço e disponibilidade do material. A ausência, por 
exemplo, de rocha resistente do tipo granito,gnaisse, basalto ou diabásio, para ser usada como 
agregado para concreto, “rip-rap” ou enrocamento, ou de cascalho, para os mesmos fins, pode 
causar alterações profundas no custo da obra. 
 
 Além desse critérios, deve ser considerada uma série de fatores físicos que 
governam a seleção do tipo de barragem. 
 
 A não ser em condições excepcionais, mesmo o mais experimentado projetista 
é incapaz de dizer se um determinado tipo de barragem é adequado ou mais econômico para 
um dado local. Na seleção do melhor tipo de barragem para um determinado local, devem ser 
consideradas as características físicas do local, o objetivo da obra, fatores econômicos, de 
segurança, etc. Normalmente, o maior fator individual que determina a escolha final é o custo 
da construção. Os fatores físicos, expostos a seguir, são também importantes. 
 
7 
5.4.1 - Topografia 
 
 À primeira vista, a topografia determina as primeiras alternativas para o tipo de 
barragem. É claro que, se o local estudado estiver localizado num vale estreito com paredes 
rochasas, a sugestão será de uma barragem de concreto. É o caso da barragem do Funil, no 
Rio Paraíba. Porém, em áreas de topografia aplainada e vales bastante abertos, indica-se 
normalmente a barragem de terra. É o exemplo das barragens de Jupiá e Ilha Solteira, no Rio 
Paraná ou de Promissão, no Rio Tietê. Existem, é claro, os casos intermediários. 
 
 
5.4.2 - Geologia e Condições das Fundações 
 
 As condições das fundações dependem da espessura e características físicas, 
químicas e minerológicas da rocha, que suportará o peso da barragem. Aquelas características 
incluem a permeabilidade, a presença ou não de determinadas estruturas, como acamamento, 
xistosidade, dobras, fraturas, etc. As condições estão diretamente ligadas com a altura da 
barragem, isto é, as considerações diferem para uma barragem baixa e uma alta. 
Normalmente, são encontradas as seguintes condições de fundações: 
 
1) - Rocha Sã e Sólida - normalmente aceita qualquer tipo de barragem. Inclui, via de regra, a 
escavação da camada superficial quando alterada (mesmo sendo rocha) e tratamento eventual 
por injeção, para consolidação. 
2) - Sedimentos (Aluviões) - incluem os cascalhos, areias, siltes e argilas. Os cascalhos estão 
sujeitos à intensa percolação, os siltes e as areias ocasionam recalques e percolação, e as 
argilas sofrem recalques, principalmente quando saturadas de água. Dependendo do tipo de 
barragem, da sua altura e com aplicação de tratamentos adequados, qualquer desses materiais 
poderá ser utilizado. 
 
 
5.4.3 - Materiais de Construção 
 
 Os materiais necessários para a construção de uma barragem são vários e 
devem estar localizados o mais próximo possível do local da barragem. Esses materiais são os 
seguintes: 
 
 a) solos, para os diques de terra. 
 b) rocha, para do diques de enrocamento e proteção dos taludes. 
 c) agregado, para concreto, que inclui areia, cascalho natural e pedra britada. 
 d) areia, para filtros e concretos. 
 
5.5 - Fases Gerais no Estudo de Barragens 
 
 
 A implantação de uma barragem em determinado curso d’água envolve sempre 
uma sequencia natural de trabalho. Toda obra de vulto agrupa diferentes turmas 
especializadas de técnicos, com a finalidade de seguirem, à medida do possível, os seguintes 
ítens: 
 
5.5.1 - Levantamento Topográfico 
 
 Analisa as características geográficas e topográficas do curso a ser estudado. A 
função desse levantamento é a de preparar plantas topográficas que permitam verificar as 
secções transversais mais favoráveis para uma barragem, calcular a área de inundação das 
secções escolhidas e obter o perfil longitudinal do curso d’água. 
 
 
8 
 O método mais moderno para a obtenção de mapas topográficos é o uso da 
aerofotogrametria, com o levantamento de mapas por meio de fotografias aéreas e de pontos 
de controle altimétrico de campo. 
 
 
5.5.2 - Dados Hidrológicos 
 
 
 Um grupo de técnicos especializados se encarrega de definir as características 
hidrológicas da bacia hidrográfica do curso d’água estudado. 
 
 Trata da obtenção direta de valores de vazão através de leituras diárias, que 
permitem calcular as vazões médias, diárias, mensais e anuais. Lembrando que a potência de 
uma barragem é função da vazão do curso na secção da barragem e do seu desnível, pode-se 
perceber a importância dos cálculos de vazão. Alguns exemplos típicos de vazões médias são 
fornecidos pelo Rio Sapucaí Paulista que, no período de 1931 a 1962, apresentou nas suas 
cabeceiras (São Joaquim da Barra), para uma bacia de 3.880 Km2, uma vazão média de 67 
m3/seg. Na sua parte baixa (São Domingos), a bacia desse rio abrange uma área de 6.070 
Km2, e a vazão passa para 100 m3/seg. 
 
 O Rio Pardo, messe mesmo período (1931 - 1962), apresentou vazão média nas 
cabeceiras (São José do Rio Pardo) de 83 m3 por segundo, para uma bacia de 3.850 Km2. Na 
parte média (portanto, sem receber ainda seu afluente Mogi-Guaçu) e nas proximidades de 
Ribeirão Preto, para uma bacia de 10.500 Km2, a vazão é 161 m3/seg, e na sua parte baixa 
(São Bartolomeu,Viradouro), a vazão passa a 420 m3/seg. 
 
 No Rio Tietê, para o qual uma série de aproveitamentos hidrelétricos estão 
sendo desenvolvidos, podemos considerar como vazões média as seguintes: 
 
 
5.5.3 - Mapeamento e Estudo Geológico 
 
 
 Este assunto já foi visto na unidade 01 deste curso de “Tópicos em Geotecnia e 
Obras de Terra” quando estudamos conceitos de Geologia Aplicada à Engenharia. 
 
 Os trabalhos de geologia, realizados numa área onde se pretente implantar uma 
barragem, se apóiam no desenvolvimento de ítens fundamentais: 
 
1) - Mapemamento geológico da área 
 
2) - Estudo da rocha de fundação 
 
3) - Estudo dos materiais de construção 
 
 Para o esclarecimento desses três ítens, é normal a separação dos trabalhos 
geológicos em duas etapas distintas, que se resumem nos trabalhos preliminares e nos de 
detalhe. No primeiro caso, os trabalhos são de caráter apenas estimativo, uma vez que a 
geologia da área, o tipo da rocha de fundação e os materiais de construção disponíveis são 
determinados com a finalidade de reconhecimento apenas. Os dados colhidos nos trabalhos 
preliminares, e no caso dos mesmos serem favoráveis para a localização de uma barragem, 
irão servir apenas de base para os trabalhos de detalhe. 
 
 
 
5.5.4 - Planejamento 
 
9 
 As informações obtidas nos ítens anteriores pelo levantamento topográfico 
(perfil longitudinal do rio, secção transversal, área a ser inundada), pela hidrologia (vazão do 
curso nas alternativas propostas), pelo mapeamento geológico (mapa dos tipos de rochas e 
solos existentes na área, tipo da rocha de fundação, estudo dos materiais de construção, etc.), 
irão permitir aos projetistas do setor de planejamento escolherem o tipo de barragem mais 
adequado e suas dimensões. 
 
 
5.5.5 - Orçamento 
 
 Este grupo analisa posteriormente os projetos propostos pelo grupo de 
planejamento. Estimando a quantidade e respectivo preço dos materiais de construção a serem 
utilizados na obra, as escavações de terra e rocha a serem utilizadas, as indenizações das 
propriedades e terras a serem inundadas, etc., é possível calcular-se o preço do kw a ser 
obtido e em função do seu valor, escolher e aprovar, ou não, os projetos sugeridos. 
 
 
5.6 - Exemplo de Barragens Brasileiras 
 
 Em seguida, são dados alguns exemplos de situações geológicas e 
características de algumas barragens brasileiras. 
 
 a) Barragem de Barra Bonita, no Rio Tietê, Estado de São Paulo 
 
 É uma barragem de concreto, com uma potência de 132 MW. 
 Sua altura máxima é de 24 m, sua extensão de 483 m e o volume de concreto 
foi de 200.000 m3. 
 A geologia local é constituída por derrames de basalto, aparecendo o tipo 
maciço e o vesicular. Entre eles, apareceram camadas de arenito. 
 O fraturamento dos basaltos exigiu trabalhos intensos de injeção nas 
fundações. 
 O desenho a seguir esquematiza a barragem e a geologia local. 
 
RRAGEM DE CAPIVARA, RIO PARANAPANEMA. ESTADO DE SÃO PAULO - EM DERRAMES DE 
BASALTO 
 
 b) Barragem de Jaguará, no Rio Grande, na divisa dos Estados de São Paulo e Minas 
Gerais 
 
 Geologicamente, a barragem está localizada em quartzitos putos silicificados, 
com camadas de xistos intercaladas. 
 A barragem apresentou interessante problema geológico. Dada a grande vazão 
do rio, foram executadas, na fase preliminar, somente duas sondagens no seu leito. Na fase de 
detalhe, as sondagens confirmaram a presença de uma camada de xisto decomposto de 
pequena resistência. Esse fato exigiu o deslocamento das estruturas de concreto para 50 m a 
jusante; a fim de reduzir os custos de escavação da rocha decomposta. 
 
 Nas margens do rio, a decomposição da rocha varia de 10 m a 15 m. No leito 
do rio, a rocha está bastante fraturada. 
10 
 A camada decomposta no local das estruturas citadas mergulhava cerca de 150 
em direção à margem esquerda. 
 O esquema a seguir resume a posição da camada em relação às condições 
geológicas. 
 
 
 
 A camada de xisto não oferecia condições de fundação para as estruturas de 
concreto. Porém, a sua remoção total e a do quartzito subjacente exigiram um volume extra de 
escavação e concreto. 
 
 A solução foi deslocar o eixo da barragem em 50 m na área da tomada d’água e 
da casa de força. 
 
 Conclusões: o exemplo descrito mostrou os seguintes aspectos importantes 
para qualquer estudo geológico de barragens: 
 
1. o número insuficiente de sondagens na fase preliminar. 
 
2. a importância do estudo geológico e, no caso; de se encontrar rocha desfavorável no local 
de fundação. 
 
3. o grau de fraturamento excessivo da rocha exigiu grandes trabalhos de injeções. 
 
 c) Barragem de Sobragi, no Rio Paraibuna, próximo à Juiz de Fora - MG. 
 
 A usina hidroelétrica de Sobragi, está localizada no Rio Paraibuna, entre os 
municípios de Belmiro Braga e Simão Pereira, próximo a Juiz de Fora. 
 
 Este empreendimento, iniciado em março de 1996, pela empresa de Engenharia 
Paranapanema para a Companhia Paraibuna de Metais - CPM - e tem como objetivo a 
geração de Energia Elétrica no sentido de diminuir os insumos (custos) da empresa na 
fabricação de seus produtos. 
 
 Exemplo de Usina em que há aproveitamento de grande desnível entre dois 
pontos próximos, sendo executado um túnel ( escavado ) de adução sob a encosta natural 
(terreno). Barragens foram também necessárias no caso para fechamento próximo a tomada 
d’água e no de fechamento de 8,7m de altura na casa de força. 
 
 
 
11 
 
 
 
 
 
 
 
 
12 
 
 
 
 
 
 
 
 
13 
 
 
 
 
 
14 
 
 
 
5.7 - Dimensionamento de taludes de uma Barragem de Terra 
 Análise de Estabilidade 
 
 
 O projeto do maciço compactado de uma barragem é principalmente 
controlado pelas características dos materiais de contrução disponíveis, pela natureza das 
fundações, pelos métodos construtivos especificados e pelo grau de controle de construção 
previsto.Pelas considerações relativas aos custos dos materiais de contrução, há um máximo 
interesse de se utilizar os solos disponíveis nas proximidades imediatas do local de 
implantação da barragem; em função da qualidade e das propriedades destes solos no estado 
compactado, deve-se dimensionar as declividades dos taludes em termos econômicos e 
seguros, o que reverterá em benefícios substâncias, principalmente quando se trata de 
barragem de grande altura; para atingir tais objeivos, será necesssário programar 
cuidadosamente análises de estabailidade adequadas, as quais exigem estudos prévios 
detalhados bem como a fixação de critérios de projeto compatíveis com as caracteristicas da 
obra. 
 
 Em termos gerais, pode-se afirmar que é possível contruir uma barragem de 
terra sobre quase todos os tipos de fundações; desde que ela sejam adequadamente 
investigadas e desde que o projeto se adapte convenientemente às condições relevadas. De 
acordo com o tipo de fundação existente, os estudos de estabilidade dos taludes de uma 
barragem podem ser divididas em três grupos, de acodo com as características predominantes 
dos materiais presentes do maciço de fundação: 
 
10 grupo: fundações em rochas, as quais não apresentam, em geral, probemas graves. 
 
20 grupo: fundações em solos permeáveis ( solos arenosos ou com pedregulhos ): nesse caso, 
deve-se considerar dois aspectos principais : quantidasde de água perdida por percolação e 
grandeza das forças de percolação; esse último aspecto assume especial importância nos casos 
de fundações contituídas por areias limpas e saturadas ( geralmente finas e uniformes ) de 
baixa compacidade. 
 
30 grupo : fundações em solos impermeáveis ( solos essencialmente argilosos ), onde os 
principais problemas são associdos à estabilidade contra a ruptura por cisalhamento e aos 
assentamentos excessivos. 
 
15 
 
 Os solos empregados na construção de uma barragem de terra e enrocamento 
podem ser classificados em duas grandes categorias : 
 
 * os materiais permeáveis ( areias e cascalhos ), caracterizados por uma resistência ao 
cisalhamento elevada; 
 
 * os materiaspouco permeáveis ( argilas, areis e siltes argilosos ), caracterizados por 
uma resistência ao cisalhamento mais fraca. 
 
 No caso de se dispor, nas proximidades imediatas da obra, de quantidades 
importantes de materiais pouco permeáveis e de pequeno volume de materias permeáveis, a 
solução recomendável é de se projetar uma barragem homôgenia utilizando os materias 
pouco permeáveis. Ao contrário, se a proporção desses dois tipos de materiais é invertida, 
deve-se adotar uma solução de barragem com “ núcleo impermeável ”, o núcleo sendo 
contruido com materiais pouco permeáveis e os espaldares com materiais permeáveis. No 
caso dos espaldares serem contituidos por materias de permeabilidades sensivelmente 
diferentes, os materias deverão ser distribuidos de forma que os menos permeáveis sejam 
posicionados junto ao núcleo da barragem ( barragens “zoneadas”); nas barragens com núcleo 
e nas barragens zoneadas, os espaldares extenos têm uma função estabilizadora enquanto 
compete ao núcleo o papel de elemento ipermeabilizador. 
 
 Numa barragem de seção homogênia , a linha freática tem a tendência de 
emergir no talude de jusante, o que exige colocação de material permeável, judiciosamente 
posicionadas. 
 
 Nas barragens com núcleo impermeável, a espessura do núcleo dependerá da 
quantidade de materiais argilosos disponíveis, das suas características geotécnicas, de seus 
índices físicos naturais ( teor de umidasde ) e do condicionamento climático ( índice 
pluviométrico anual e distribuição das chuvas ao longo do ano ). A posição do núcleo ( 
vertical ou inclinada ) dependerá das resistências relativas dos materiais permeáveis e 
impermeáveis: para uma mesma declividade do talude de montante, um núcleo construido 
com materiais pouco permeáveis cuja a resistência for ligeiramente menor que a dos materiais 
do contranúcleos, poderá ser mais inclinado ( mais deitado ) que um núcleo construído com 
materiais muito argilosos cuja a resistência for sensivelmente menor que as dos materiais dos 
contranúcleos, esta posição dependerá também das caracteísticas de compressibilidade da 
fundação do núcleo e dos espaldares. 
 
 A programação dos estudos de estabilidade exige obedecer a uma sequência de 
atividades cuja impôrtancia individual não pode ser desprezada, lembrando-se que os projetos 
teoricamente bem elaborados e apoiados sobre análises de estabilidade detalhadas causaram 
sérios problemas por omitir ou subestimar determinados aspectos importantes. 
Consequentemente, deve-se escolher criteriosamente: 
 
 - as condições de carregamento a analisar 
 
 - as seções mais críticas, ( essa escolha exigirá a elaboração prévia de 
seções geotecnicas longitudinal e transversáis ). 
 
 - os parâmetros de resistência 
 
 - os métodos de análises 
 
 - os fatores de segurança mínimos 
 
 
5.8 - Condições de Carregamento 
16 
 
 Durante e após a construção de uma barragem, e durante e após o primeiro 
enchimento do reservatório, ema barragem, de terra é submetida a um conjunto de 
solicitações que variam com o tempo, sendo portanto necessário verificar, se os fatores de 
segurança correspondentes à ruptura por cisalhamento são compatíveis com os valores 
prefixados. Em linhas gerais, as situações críticas a considerar são as seguintes. 
 
 
1o) - fim de construção: 
 durante a construção de uma barragem de terra, à medida que as 
camadas vão sendo colocadas e compactadas, a pressão total num determinado nível vai 
aumentando, sendo que este aumento provoca simultaneamente pressões intersticiais, devido 
à compressibilidade do maciçoc e ao seu baixo coeficiente de permeabilidade. Assim os 
esforços solicitantes provém, para uma determinada declividade do talude, do peso das terras 
e das consequentes pressões neutras induzidas, as quais são uma função do tipo de solo, do 
teor de umidade dos solos colocados e do rítmo construtivo. 
 
2o) - fluxo em regime permanente com o reservatório cheio: 
 durante o primeiro enchimento com o reservatório, estabelecem-
se fluxos de percolação, constituindo-se progressivamente uma rede de fluxo permanente. 
Uma vez que a água percola de montante para jusante, a pressão de percolação é favorável à 
estabilidade do talude de montante e desfavorável à do talude de jusante. esta condição de 
solicitações é também denominada “a longo prazo”. 
 
3o) - esvaziamento rápido do reservatório: 
 a um rebaixamento rápido do nível do reservatório, corresponde 
uma situação crítica para o maciço de montante da barragem. 
 
4o) - solicitações dinâmicas: 
 provocadas por sismos, este tipo de situação é rotineiramente 
considerado em regiões sísmicas; nestes últimos anos, tem sido recomendado como 
indispensável verificar sob tais solicitações, mesmo em zonas historicamente assísmicas em 
virtude da possibilidade de ocorrência de sísmos induzidos pelo enchimento do reservatório 
da própria barragem. 
 
 
 As características geométricas externas de uma barragem de terra são 
geralmente determinadas pelo seu desempenho correspondente ao fim de construção e ao 
rebaixamento rápido do reservatório: 
 
 — o talude de jusante é dimensionado levando em consideração as pressões neutras 
que pode3m se desenvolver no maciço até o fim de sua construção. 
 
 — o talude de montante é dimensionado levando em consideração as condições 
criadas pelo rebaixamento instantâneo do reservatório. 
 
 Entretanto, no casos de maciços construídos com materiais muito pouco a 
pouco argilosos compactados do lado seco com relação à umidade ótima do ensaio de 
compactação, pode se tornar necessário modificar a declividade obtida para o talude de 
jusante e/ou melhorar a capacidade drenante do sistema de drenagem interna, a fim de 
garantir a estabilidade da obra para as condições de operação normal (longo prazo). 
 
 
 
5.8.1 - Escolha das seções a serem analisadas 
 
17 
 A escolha judiciosas das seções transversais críticas cujas condições de 
equilíbrio devem ser verificadas, pressupõe o profundo conhecimento prévio do 
condicionamento geotécnico dos meciços de fundações e ombreiras. Torna-se portanto 
necessário elaborar o perfil longitudianal pelo eixo da barragem, o que constitui um subsídio 
substancial para os estudos de projeto. A montagem deste perfil ajuda também a programação 
das investigações geotécnicas necessárias, já que, ao elaborar tal perfil, serão identificadas as 
zonas pobres em resultados de investigações, subsidiando assim a equipe de projeto na 
programação dinâmica e objetiva dos estudos e investigações de campo e laboratório 
necessárias à obtenção dos parâmetros condicionantes do projeto. 
 
 As informações necessárias à montagem do modelo geotécnico da fundação da 
barragem a ser utilizado para as verificações de estabilidade dos taludes devem abranger 
todos os dados atinentes às principais condições de solicitações, isto é, fim de construção, 
fluxo em regime permanente e rebaixamento rápido do reservatório. Ressalta-se que a 
necessidade e/ou a importância de certos dados só aparecem após a conclusão das primeiras 
análises de estabilidade, já que estas análises indicam quais são os parâmetros que devem ser 
determinados com maior precisão e com maiores detalhes, por terem maior peso nos 
resultados destas análises. Em contrapartida, os estudos esclarecerão também quais são os 
parâmetros que pouco condicionam o estado de equilíbrio, pelo fato da adoção de valores 
conservativos dos referidos parâmetros resultar em fatores de segurança aceitáveis. 
 
 Da mesma forma, a seleção das seções transversais críticas a serem analisadas 
obedecerá p processo iterativo, uma vez que os resultados das análises de estabilidade 
preliminares realimentarão o processo de identificação das seções mais críticas. Desde já, 
cabe salientar que a experiência e o bom senso representam trunfos de grande peso na 
preseleção das seções críticas de uma barragem, evitando-se perdas de tempo e gastos inúteis 
no estudo de seções pouco perigosas. Lembra-se também quequanto mais complexo o 
condicionamento geotécnico das fundações, maior será o número de seções e situações a 
serem analisadas. 
 
 Basicamente, o processo de escolha das seções críticas exige a consideração de 
vários fatores condicionantes tais como a altura da barragem, as características de resistência 
dos solos de fundação, a espessura das comadas de fundação, a permeabilidade relativa das 
mesmas, etc... 
 
 
5.8.2 - Escolha dos parâmetros de resistência ao cisalhamento 
 
 Um dos aspectos mais importantes envolvido nas análises de estabilidade, e 
provavelmente, um dos mais complexos, é a seleção dos valores dos parâmetros de resistência 
ao cisalhamento. Antes de se proceder à análise deste problema, o qual deve ser estudado 
separadamente para cada tipo de solicitações, cabe abrir uma curta parêntese geral sobre as 
análises em termos das tensões totais e das tensões efetivas. Antigamente, quando os recursos 
tecnológicos não permitiam a medição das pressões neutrtas, quer no campo quer no 
laboratório, utilizavam-se apenas as análises em termos das tensões totais. Com o progresso 
da tecnologia laboratorial e instrumental, tornou-se gradativamente possível medir as pressões 
neutras em corpos de prova ensaiados em laboratório, bem como pressões neutras reais 
desenvolvidas dentro de maciços compactados. Tais avanços permitiram utilizar métodos de 
análises de estabilidade em termos das tensões efetivas, o que não quer dizer que os métodos 
em termos das tensões totais foram abandonados, havendo casos em que estes métodos são 
ainda considerados como mais confiáveis e mais recomendáveis. 
 
 
- Análise por tensões totais 
 
 
18 
 A análise em termos das pressões totais admite que as pressões neutras de 
cisalhamento estão levadas implicitamente em consideração no ensaio de determinação da 
resistência ao cisalhamento, considerando-se portanto que as condições de carregamento no 
campo estão simuladas no ensaio (condições de drenagem, trajetórias de tensões, etc...). O 
ensaio usualmente utilizado é o de compressão triaxial. Cabe frisar que o efeito das condições 
de carregamento sobre a resistência não drenada, é singnificativo, o que induz grande 
variabilidade nos resultados dos ensaios, principalmente para solos parcialmente saturados. 
 
 
 
- Análise por tensões efetivas 
 
 Nas análises em termos das tensões efetivas, parte-se das hipóteses que a 
resistência efetiva dos solos é conhecida e que pode prever as pressões intersticiais. 
 
 A primeira hipótese só é válida parcialmente, dependendo da origem das 
pressões neutras consideradas. 
 
 10 as pressões neutras de percolação podem ser facilmente determinadas através do 
traçado de redes de percolação. 
 
 20 as pressões neutras de adensamento também podem ser determinadas através de 
ensaios de laboratório cujos resultados são facilmente transportáveis nas análises. 
 
 3o as pressões neutras de cisalhamento cuja transposição dos valores obtidos de 
ensaios laboratoriais para as análises de estabilidade é mais complexa, já que estas pressões 
neutras estão relacionadas aos valores das variações das tensões. 
 
 Observa-se portanto que as análises de estabilidade em termos das tensões 
efetivas se baseiam sobre hipótese aceitáveis a não ser a referente à avaliação das pressões 
neutras de cisalhamento que exige hipóteses simplificadores. Uma grande vantagem do uso de 
análises em função das tensões efetivas é associada ao fato do que a resistência efetiva dos 
solos pode ser determinada com bôa precisão e que as pressões neutras construtivas dentro do 
maciço podem ser medidas, conseguindo-se assim verificar as hipóteses de projeto. 
 
 
5.9 - Fatores de segurnaça 
 
 Os fatores de segurança a serem introduzidos nas análises de estabilidade de 
taludes de barragens devem cobrir as incertezas relacionadas com: 
 
 - as resistências dos diversos horizontes dos solos de fundações e ombreiras e 
das diversas zonas dos solos compactados do maciço da barragem, levando-se em 
consideração todos os fatores que influenciam estas resistências tais como representatividade 
e qualidade das amostragens, duplicação do carregamento de campo, anistropia, erros de 
ensaios, etc. 
 
 — as pressões neutras construtivas. 
 — a distribuição das pressões intersticiais de rede de fluxo permanente. 
 — a grandeza e a distribuição das subpressões nas fundações 
 — a eficiência de sistemas de vedação. 
 
 — a eficiência de sistemas de alívio de subpressões. 
 — as vazões de percolação. 
 — a eficiência do sistema de drenagem interna. 
 — as imprecisões dos métodos de cálculo. 
 — as eventuais falhas construtivas. 
19 
 — a configuração geométrica dos taludes internos e externos e dos materiais. 
 
 
 O quadro abaixo reproduz as recomendações do “Corps of Engineers” para os 
diversos tipos de solicitações impostos a uma barragem: 
 
 
Tipo de 
Solicitação 
Fator de 
Segurança 
mínimo 
Envoltória de 
Resistência 
Observações 
Fim de construção 
 
1,3(2) Q ou S(3) Taludes de montante e jusante 
Rebaixamento rápido a partir do 
N.A. máx.normal 
1,0(4) R, S Talude de montante (usar 
envoltória composta). 
Reservatório parcialmente cheio 
com fluxo permanente. 
1,5 (R+S)/2 para 
R<S e S para 
R>S 
Talude de montante (usar 
envoltória intermediária) 
Reservatório cheio com fluxo 
permanente. 
1,5 (R+S)/2 para 
R<S e S para 
R>S 
Talude de jusante (usar envoltória 
intermediária) 
Sismos (5) 
 
1,0 (6) Taludes de montante e jusante 
 
 
Notas: (1) esses valores não são aplicáveis ao caso de maciços apoiados sobre fundações de 
argilito; neste caso, deverão ser adotados fatores de segurança maiores. 
(2) para barragens de mais de 15 m de altura apoiadas sobre fundação relativamente 
fraca, adotar F.S. mínimo igual a 1,4. 
(3) nas zonas onde são previstas pressões neutras elevadas, utilizar a envoltória S. 
(4) o fator de segurnaça não deverá ser menor que 1,5 quando as análises de 
estabilidade utilizam a velocidade de rebaixamento e as pressões neutras obtidas 
a partir de redes de fluxo. 
(5) as verificações de estabilidade sob a ação de sísmos são realizadas para os casos 
de fim de construção e de fluxo permanente. 
(6) as envoltórias a serem utilizadas são aquelas correspondentes aos casos 
analisados sem sismos. 
 
 Tendo em vista que um deslizamento eventual durante o período construtivo 
não causa danos substanciais (perdas materiais e de vidas humanas) quando comparados com 
os danos que seriam provocados pela ruptura de uma barragem com o reservatório cheio, que 
as pressões neutras introduzidas nos cálculos de estabilidade são geralmente maiores que as 
pressões neutras reais, e que é possível de se medir as pressões neutras construtivas pela 
instalação de piezômetros bem posicionados, é justificável a adoção de fator de segurança 
mínimo mais baixo para este tipo de condição. No que diz respeito aos valores propostos pelo 
“Corps of Engineers” (FS = 1,3 a 1,4), recomendam-se alguns cuidados ao se adotar tais 
valores; considera-se imprescindível fixar o valor mínimo do fator de segurança em cada 
projeto específico em função da peculiaridade do mesmo, de acordo com o grau de 
conservatismo na fixação das hipóteses de projeto, o grau de confiança dos resultados das 
investigações de campo e dos ensaios de laboratório, o método de análise adotado, etc... 
 
 
 
 As mesmas considerações se aplicam à condição do reservatório cheio, 
aconselhando-se entretanto maior prudência neste caso tendo em vista as gravíssimas 
consequências que seriam causadas por um desempenho insatisfatório ou por uma ruptura. 
 
 Acredita-se que um fator de segurança mínimo de 1,5 é aceitável uma vez que 
este valor já tem sido adotado em inúmeras barragens em operação no Brasil e no Exterior, 
apesar das diversas modalidades utilizadas para a determinação da resistência ao cisalhamento 
20 
dos solos, a previsão das pressões intersticiais e as análises de estabilidade. De qualquer 
maneira, convem pensar no início do projetoa respeito deste assunto, analizando-se 
cuidadosamente os tipos de materiais que serão utilizados na construção da barragem e o tipo 
de fundação em que a barragem será apoiada. 
 
 Por exemplo, se a barragem será construída sobre uma fundação rochosa 
extremamente resistente, usando-se materiais permeáveis compactados (cascalho arenoso ou 
enrocamento de rocha sã) e um núcleo impermeável delgado inclinado, é praticamente 
evidente que não há risco de ruptura do talude de jusante nas condições “a longo prazo”, 
mesmo se o fator de segurança calculado parece ser relativamente baixo. Pelo contrário, se a 
barragem será construída com solos essencialmente argilosos sobre uma fundação construída 
por solos altamente plásticos, a obtenção de um valor mínimo de 1,50 para o fator de 
segurança deverá exigir cuidados especiais adicionais a fim de avaliar se os parâmetros de 
resistência ao cisalhamento utilizados e as pressões intersticiais determinadas são 
suficientemente dignos de confiança. 
 
 
5.10 - Exemplo de análise de estabilidade 
 
 
 São apresentadas como exemplo algumas seções que foram analizadas quanto as suas 
condições de estabilidade e a possibilidade de alteamento do dique (barragem - pequeno 
tamanho). 
 
 A seção topográfica estudada apresenta os resultados de SPT obtidos em uma 
prospecção geotécnica realizada para se caracterizar o sub-solo do local. 
 
 
 
 
Seção Topográfica 12 - Trecho da análise A 
 
 
 
 
21 
 
 
Seção analizada: Talude à Juzante do reservatório 
 Condição do NA na cota atual do reservatório. 
 Fator de segurança de 1,439. 
 
 
 
 
 
 
Seção analizada: Talude à Montante do reservatório 
 Condição do NA na cota atual do reservatório. 
 Fator de segurança de 3,343. 
 
22 
 
 
Seção analizada: Talude à Juzante do reservatório 
 Condição do NA na cota da base do dique do reservatório. 
 Fator de segurança de 3,343. 
 
 
 
5.11 - Construção do Maciço nos Trechos de Contacto entre Materiais Diferentes 
 
 
 Durante a construção de maciços de barragens são requeridos serviços 
especiais, indispensáveis para a garantia do perfeito funcionamento de alguns dispositivos dos 
quais eles são dotados. Entre esses serviços destacam-se os relativos à contrução de filtros, 
transições, rip-rap, membranas de concreto, etc. 
 
 
5.11.1 - Filtros 
 
 O sistema de drenagem interna de uma barragem de terra é geralmente 
constituído de um tapete drenante e um filtro em chaminé. 
 
 Os tapetes drenantes, geralmente ficam apoiados sobre a superfície de 
fundação e são constituidos de camadas múltiplas de materiais, com elevada permeabilidade, 
para permitr o escoamento das águas drenadas através da fundação e do maciço de barragem. 
Quando a superfície da fundação é horizontal, ou pouco enclinada, o tapete é construído em 
camadas e compactado por meio de rolos vibratórios ou tratores de esteira, imediatamente 
após intensa irrigação. Quando a fundação é mais inclinada ( ombreira ) a construção do 
tapete é conduzida juntamente com o aterro, em pequenos lances, sendo a sua compactação 
feita por meio de rolo pneumático ou placa vibratória. 
 
 Os filtros em chaminé podem ser verticais ou inclinados e geralmente são 
constituídos de um único material, na maioria das barragens, de areia natural. Sua espessura é 
da ondem de 1 metro, geralmente estabelecida em função da mínima dimensão requerida para 
a sua construção. Pode ser construído em camadas finas, de espessura igual a uma ou duas 
vezes a espessura do aterro, lançadas antes e compactadas juntamente com as camadas deste, 
através do rolo vibratório ou pneumático; ou pode ser contruído após o aterro ter atingido 
uma certa espessura ( 1 a 2 metros ) , por escavação deste e substituição por material de filtro, 
23 
sendo compactado em camadas por meio de placa vibratória ( figura 6 ). No primeiro caso o 
consumo do material de filtro é maior, pois a geometria final do filtro construído fica 
constituída de seções trapezoidais superpostas, de altura igual à espessura da camada e a 
largura no topo igual à dimensão mínima do projeto. Para a construção dessas camadas são 
utilizados equipamentos, que preenchidos por material de filtro e puxados por um trator fazem 
o lançamento da camada com espessura e largura desejada. No segundo caso, quando o filtro 
é inclinado, também há necessidade de maior consumo de material, para se observar a 
dimensão mínima do projeto. Quanto maior a espessura do aterro escavado para substituição, 
maior o excesso de consumo de material de filtro. 
 
 
5.11.2 - Transições 
 
 As transições entre enrocamento e aterros são construídas com técnicas 
semelhantes às utilizadas na execussão dos filtros em chaminé, em camadas concomitantes, 
apoiadas sobre a face do aterro ou do enrocamento. Junto as transições é importante que o 
enrocamento contenha certo teor de pedras miúdas e finos, e que seja empalhado com a 
lâmina do trator movimentando-se no sentido em que se afasta da transição, conduzindo as 
pedras maiores para longe desta. Os materiais de transição são compactados com rolos 
pneumáticos ou vibratórios, tomando-se cuidado especial para que o aterro adjacente à 
transição não fique sem compactação. 
 
 
5.11.3 - Rip - rap 
 
 Os projetos de rip-rap prevêem a inclusão de uma ou mais camadas de 
transição entre as pedras e o aterro. As camadas de transição do rip-rap são lançadas depois de 
uma certa espessura de aterro. Toda terra solta sobre a face do talude é raspada por um trator 
de lâmina e espalhada na superfície do aterro. A seguir são lançadas as camadas de transição 
do rip-rap. Quando se dispõe de enrocamento bem graduado pode-se construir o rip- rap sem 
as camadas de transição, adotando-se uma técnica de espalhar o enrocamento de cima para 
baixo, com a lâmina do trator abaixada, que vai gradativamente sendo levantada, a medida 
que o tratror vai descendo pela superfície da latitude. Assim, consegue-se fazer com que o 
material mais fino fique em contato com o aterro, que servirá de transição para as pedras 
grandes a serem lançadas no próximo lance de construção do rip-rap. Na Barragem de Água 
Vermelha foi utilizado este processo, sendo o rip-rap construídos em lances de cerca 3 a 4 
metros de altura, aproveitando-se a ocorrência de material adequado na pedreira, constituído 
de pedras miúdas, provenientes de uma camada de basalto denso e colunar, bastante fraturado, 
sobreposta de um derrame de basalto vesicular são, que dava origem as pedras graúdas. 
 
 
a) Filtro de chaminé - construído concomitantemente com o aterro 
 
24 
 
b) Filtro em chaminé - construído por escavação do aterro 
 
Figura 1 - Métodos Construtivos de Filtro em Chaminé 
 
 
5.11.4 - Contacto entre o aterro e as estruturas de concreto 
 
 Para a compactação do aterro junto às superfícies de concreto são geralmente 
utilizados soquetes manuais. Quando essas superfícies são contínuas pode-se executar a 
compactação por meio de rolos pneumáticos, fazendo-se com que os pneus passem o mais 
próximo possível do concreto, com o rolo movimentando-se paralelamente à linha de 
contacto. 
 
 Constitui boa prática de projeto prever uma ligeira inclinação da superfície do 
concreto, por exemplo 1 : 10 ( H : V ) , o que facilita a compactação do contacto, além de 
minimizar problemas de deslocamento do aterro, que seriam provocados por deformações 
oriundas do recalque da maciço. 
 
 
5.11.5 - Construção de membranas de concreto na face de montante do enrocamento 
 
 Nos últimos dez anos observou-se um grande progresso nos projetos de 
barragem de enrocamento com face de concreto, com acréscimo do uso desse tipo de 
barramento, que também passou a ser adotado nas barragens com altura superior a 100 
metros. Essa difusão ocorreu graças ao desenvolvimento das técnicas de construção de 
enrocamentos conpactados, das trincheiras de vedação e dos dispositivos de 
impermeabilização das juntas de lajes. A barragem de Foz do Areia, da COPEL, recentemente 
concluídano Rio Iguaçu é um exemplo dos mais importantes desse tipo de obra. 
 
 Para minimizar os problemas de recalques, o enrocamento na zona 
sobrejacente à laje de concreto é construído com rocha sã, lançada e compactada em camadas 
de pequena espessura. Entre o enrocamento e a laje são constituídas camadas de transição, de 
granulometria adequada, que são compactadas por meio de rolos vibratórios, movimentando-
se sobre os taludes por meio de um sistema de cabos e guinchos. 
 
 A laje de concreto, com cerca de 30 cm no topo e espessura crescendo na 
ordem de 0,3 % com a profundidade, é constituída em painéis, com formas deslizantes, 
preferencialmente sem juntas horizontais. A junta que merece maiores atenções é a situada 
próximo às ombreiras ( junta perimetral ) , onde são introduzidos vedajuntas duplos e 
enchimentos especiais, onde os recalques diferenciais são mais acentuados. Na figura 2 é 
apresentada uma seção típica da Barragem de Foz do Areia com indicação dos materiais 
utilizados e na figura 3 um detalhe da junta perimetral adotada na construção dessa 
barragem. 
 
25 
 
 
Seção típica da barragem 
 
 
 
 
 
 
TABELA 
 
DE 
 MATERIAIS 
MATERIAL CLASSIFICAÇÃO ZONA MÉTODO DE 
COLOCAÇÃO 
DADOS DE 
COMPACTAÇÃO 
 I A LANÇADO 
 
BASALTO 
MACIÇO 
(ATÉ 25% DE 
 
I B 
COMPACTADO EM 
CAMADAS DE 0,80m 
ROLO VIBRATÓRIO 4 
PASSADAS 25% DE 
ÁGUA ( 10 TON ) 
 
 
ENROCAMENTO 
 I 
BRENCHA 
BASÁLTICA) 
 
 I C 
COMPACTADO EM 
CAMADAS DE 1,60m 
ROLO VIBRATÓRIO 4 
PASSADAS 25% DE 
ÁGUA ( 10 TON ) 
 INTERCALAÇÃO 
DE BASALTO 
MACIÇO E 
BASÁLTICA 
 
I D 
COMPACTADO EM 
CAMADAS DE 0,80m 
ROLO VIBRATÓRIO 4 
PASSADAS 25% DE 
ÁGUA ( 10 TON ) 
 BASALTO 
MACIÇO - 
ROCHAS SELEC. 
DE O,80 m 
 
I E 
ROCHA DE FACE 
COLADA 
 
TRANSIÇÃO 
II 
BRITA CORRIDA 
DE BASALTO 
MACIÇO 
 
II B 
GRADUAÇÃO MENOR 
QUE Ø 6” COMPACT. 
EM CAMADAS - 0,40m 
CAMADAS ROLO 
VIBR. MIN 4 
PASSADAS . 
FACE ROLO 
VIBR.MIN. 6 
PASSADAS ASCEN. 
ATERRO 
 III 
MATERIAL 
IMPERMEÁVEL 
CAPA DE TERRA 
 
III D 
MENOR QUE 3 / 4 “ 
COMPACT. EM 
CAMADAS 0.30m 
ROLO PNEUMÁTICO 
OU EQUPAM. DE 
CONSTRUÇÃO 
 
 
Figura 2 - Zoneamento da barragem de Foz do Areia. ( apud N. S. Pinto et. al. ) 
 
 
 
 
 
26 
 
 
Figura 3 - Detalhe da Junta Perimetral da Barragem de Foz do Areia 
 ( apud N. S. Pinto et. al. ) 
27

Materiais relacionados

Perguntas relacionadas

Materiais recentes

Perguntas Recentes