A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
199 pág.
Gestão e Análise de Custos

Pré-visualização | Página 37 de 41

a sua margem de contribuição, isto é, o gasto 
variável para se produzir uma unidade do que você vende. Para encontrá-la, você 
precisa subtrair o custo variável de produção do valor da venda. O que sobra 
desse valor é o que recebe o nome de margem de contribuição, pois representa 
o quanto cada produto contribui para pagar seus custos e despesas fixas e gerar 
uma margem de lucro.
TÓPICO 2 | ANÁLISES GERENCIAIS
167
Como calcular o Ponto de Equilíbrio da minha empresa?
Para calcular o Ponto de Equilíbrio financeiro do seu empreendimento, 
siga os passos abaixo com cuidado:
1. Separe seus custos fixos e despesas de seus custos variáveis.
2. Divida o custo variável total pela receita total das vendas.
3. Subtraia 1 do resultado do passo anterior.
4. Divida o resultado do passo 3 pelo valor total dos custos fixos e despesas.
O resultado do passo 4 será seu Ponto de Equilíbrio.
Veja o exemplo:
Total do Custo Fixo e Despesas: 1.000,00
Total do Custo Variável: 3.000,00
Total das Vendas: 6.000,00
Percentual do Custo Variável: 3.000,00 / 6.000,00 = 0,50
1 – 0,50 = 0,50
Ponto de Equilíbrio: 1.000,00 (custo fixo e despesas) / 0,50 = 2.000,00
Isso significa que, para esse exemplo, seria necessário vender, no mínimo, 
2 mil reais para que sua empresa ficasse no “zero a zero”, isto é, em seu Ponto de 
Equilíbrio. Porém, como seu objetivo não é esse, você precisa vender acima desse 
valor para lucrar! O PE, portanto, não funciona como um objetivo a ser atingido, 
mas sim como um parâmetro para que sua empresa saiba de onde ela deve partir 
para obter lucro, e jamais prejuízo.
FONTE: Disponível em: <http://capitalsocial.cnt.br/conhecer-o-ponto-de-equilibrio-da-sua-
empresa/>. Acesso em: 14 out. 2015.
168
 Neste tópico, você aprendeu que:
• A Margem de contribuição como a diferença entre o preço de venda e o custo 
e despesas variáveis de cada produto ou serviço.
• O Ponto de equilíbrio é o momento em que a empresa não possui lucros e nem 
prejuízos.
• O Ponto de equilíbrio pode ser visto de três diferentes formas: Contábil, 
Financeiro e Econômico.
• Margem de segurança operacional representa o quanto as vendas podem cair 
sem que haja prejuízo para a empresa.
RESUMO DO TÓPICO 2
169
AUTOATIVIDADE
1 Uma indústria moveleira possui seus custos e despesas fixas no valor de 
R$ 540.000,00, sabe-se ainda que a margem de contribuição unitária é de R$ 
120,00, portanto, quantas unidades a empresa necessita produzir e vender 
para que seu ponto de equilíbrio seja atingido?
2 Uma empresa de um determinado segmento apresenta os seguintes dados:
Preço de venda: R$ 10,00 por unidade
Custos variáveis: R$ 7,00 por unidade
Custos fixos: R$ 3.000,00 por ano
Depreciação: R$ 450,00 por ano
Patrimônio Líquido: R$ 15.000,00
Taxa anual de juros: 12% ao ano
Vendas: 4000 unidades
Calcule:
a) Ponto de equilíbrio contábil
b) Ponto de equilíbrio econômico
c) Ponto de equilíbrio financeiro
3 A indústria “Produção Boa” produz e vende unicamente o produto “Bem 
produzido”. A margem de contribuição unitária do “Bem produzido” 
duplicou do primeiro para o segundo trimestre de 2016. A causa correta para 
que esse fato tenha ocorrido é:
 Obs.: Mantendo-se constantes todas as outras variáveis.
a) Diminuição do salário do contador responsável pela empresa.
b) Aumento do valor do aluguel de instalação da fábrica.
c) Diminuição do valor do aluguel de instalação da fábrica.
d) Aumento do preço cobrado por “Bem produzido”.
e) Aumento do custo da matéria-prima utilizada para fabricar o “Bem produzido”.
Assista ao vídeo de
resolução da questão 2
170
4 Sabe-se que uma empresa possui R$77.000,00 de custos fixos totais, e 
R$176.000,00 de custos variáveis totais, produzido e comercializado em 
determinado período 1100 unidades. Considerando que a margem de 
contribuição unitária é de R$145,00 e desconsiderando as despesas, é 
CORRETO afirmar que:
a) O preço de venda do produto é de R$305,00, devido a margem de contribuição 
considerar apenas os itens variáveis.
b) O preço de venda é de R$375,00, devido a margem de contribuição ser 
calculada após considerar todos os itens de custos.
c) Se o preço de venda do produto for de R$222,00, a empresa obterá um lucro 
líquido de R$167.200,00 no período observado.
d) Se o preço de venda do produto for de R$321,00, a empresa obterá um lucro 
líquido de R$177.100,00 no período observado.
171
TÓPICO 3
GESTÃO DE CUSTOS E PREÇOS NOS SETORES: 
COMERCIAL E SERVIÇOS
UNIDADE 3
1 INTRODUÇÃO
Neste tópico, vamos abordar a formação de preços na atividade comercial. 
Tal processo possui uma dinâmica específica: não há a necessidade de calcular o 
custo de produção, tão pouco verificar qual método de custeio vai utilizar para 
acumular os seus custos. Quando tratamos da atividade comercial, ela envolve 
apenas o custo da mercadoria adquirida e a partir deste custo, levantar todas as 
despesas mensais do estabelecimento, identificando a margem de lucro desejada 
de cada mercadoria, formando o mark-up, e a partir destas informações comparar 
o seu preço de venda com o mercado (demanda), assim é possível trabalhar toda 
a análise do custo, do volume e do lucro.
2 ATIVIDADE COMERCIAL
Para dar início neste assunto é necessário entendermos que atividade 
comercial é toda atividade exercida por prática de atos de comércio, ou seja, 
tudo que envolve uma troca, permuta, intermediação entre o produtor e o 
consumidor, com objetivo de atingir o lucro.
Embora todos os tipos de empresas, sejam elas industriais, comerciais 
ou de serviços possuem como objetivo atingir lucro, o comércio se diferencia 
por intermediar o produto entre as fontes de produção e o consumidor final 
e por ser atuante em duas formas distintas de comercialização: o atacado e 
o varejo.
Segundo Wernke (2005, p. 124), na década de 80, a economia brasileira 
vivenciou um importante acontecimento, quando o setor secundário (indústria) 
foi suplantado pelo setor terciário (serviços) na condição de setor de maior peso 
na economia nacional. O grau de importância atribuída ao comércio prende-
se aos fatos de que este segmento é o responsável pela maior participação no 
produto, combinada com o elevado número de empresas. Considerando-se a 
relevância dos dados apresentados pelo setor varejista, é plenamente justificável 
a atenção que a área de custos deve dispensar-lhe, suprindo os gestores dessas 
empresas com informações de cunho gerencial.
UNIDADE 3 | GESTÃO DE CUSTOS
172
A globalização atingiu economicamente todos os segmentos de mercado 
e o varejo não é exceção. Com uma concorrência acirrada, ocasionando queda real 
nas margens de lucros, o foco da atenção voltou-se à correta formação de preços.
2.1 CÁLCULO DO PREÇO DE VENDA NO COMÉRCIO
A correta formação de preços de venda é questão fundamental para a 
sobrevivência e crescimento das empresas, independentemente do porte e da 
área de atuação. A determinação do preço de venda está sendo cada vez mais 
influenciada por fatores de mercado e menos por fatores internos. Entretanto, 
toda empresa deve saber o preço de venda orientativo, ou seja, o preço mínimo 
pelo qual deve vender seus produtos/mercadorias (WERNKE, 2005).
Precificação é uma atividade de gestão e marketing preocupada com a 
colocação de preços para novos produtos e o ajuste de preços para produtos 
existentes. A precificação faz parte do composto mercadológico e, do ponto de 
vista do consumidor, é elemento inseparável do produto (bem ou serviço). É 
através dessa relação que o consumidor pode avaliar a relação custo-benefício 
ou, em outros termos, sua possibilidade de extrair valor do dinheiro aplicado.
Preço é a expressão do valor de troca que se oferece por alguma coisa 
que satisfaça uma necessidade ou desejo. Conforme Wernke (2001), no cálculo 
do preço de venda, as empresas