CEFALEIA SECUNDÁRIA
12 pág.

CEFALEIA SECUNDÁRIA


DisciplinaNeurologia3.909 materiais12.953 seguidores
Pré-visualização2 páginas
Neurologia Optativa/ Cefaleias Nathalia Castelan 
CEFALEIAS 
Primárias: são as mais comuns. 
 
Diagnóstico\u200b: essencialmente clínico 
Anamnese 
Exame físico:  
- Aferir PA; 
- Determina FC e FR; 
- Inspeção da cabeça e pescoço; 
- Realização de exame das articulações temporomandibulares; 
- Realizar exame neurológico; 
- Observar simetria das pupilas; 
- Fundoscopia. 
 Exames complementares:  
- Somente devem ser solicitados quando o quadro clínica indicar alguma 
disfunção ou doença sistêmica. 
- Cefaleia crônica: faz RNM e TC de crânio quando há alteração no exame 
neurológico não explicadas pelo quadro clínico \u2192 presença de sinais de 
alarme. 
 
 
1. Cefaleia tensional: 
É o tipo mais frequente. 
Predominância feminina. 
Pico entre 20 e 50 anos. 
 
Características: 
- Não pulsátil; 
- Em aperto ou pressão; 
- Bilateral; 
- Intensidade leve a moderada; 
- Não piora com atividade física; 
- Pode durar horas a dias; 
- Raro a presença de sintomas premonitórios como náuseas, fonofobia e 
fotofobias associados à dor; 
- Exame neurológico normal; 
- Não requer exames complementares. 
\u201cParece que tem um cinto apertando minha cabeça\u201d, \u201cTenho um peso enorme na 
cabeça e nos ombros\u201d. 
 
Tratamento: 
- Repouso; 
- Exercícios de relaxamento; 
- AINES 
1 
Neurologia Optativa/ Cefaleias Nathalia Castelan 
\u2022 Paracetamol (1.000 mg) com cafeína (130 mg);  
\u2022 Ibuprofeno (400 mg) com cafeína (200 mg).  
 
Na cefaleia tensional crônica: Antidepressivos tricíclicos - Amitriptilina 25 a 
75mg/dia, em dose única diária, preferencialmente à noite. 
 
2. Migrânea (enxaqueca): 
Neurovascular. 
Atinge mais mulheres que homens. 
 
Mecanismo: dilatação das artérias cranianos o que justifica a melhora com a 
adoção de medidas que diminuem o aporte de sangue para o segmento cefálico 
\u2192 escalda pés, compressão digital da artéria carótida externa ou da temporal 
superficial, gelo no local da dor. 
 
Características: 
- Limitação das atividades habituais; 
- Náuseas; 
- Fotofobia; 
- Estímulos: comida, alteração do sono, jejum, exposição a ruídos ou cheiros, 
exercício físico. 
 
a. Sem aura: Unilateral, de intensidade moderadas a forte, caráter pulsátil e 
que piora com atividade física. Inicia-se durante o sono ou pela manhã, 
geralmente. Sintomas associados: fotofobia, fonofobia, osmofobia, náuseas 
e vômitos. 
b. Com aura: tem sintomas neurológicos focais que geralmente duram de 5 a 
20 minutos (até 60). Aura visual é a mais comum. Paciente pode 
apresentar hemiparesia ou disfasia. 
 
Tratamento: 
Crise aguda de fraca intensidade: 
- Repouso; 
- Afastar-se de luz, odores, barulhos; 
- Gelo; 
- Compressão das artérias temporais; 
- Analgésicos comuns: dipirona, AAS, AINES no início das crises leve a 
moderadas; 
- Metoclopramida ou Domperidona se náuseas ou vômitos 
2 
Neurologia Optativa/ Cefaleias Nathalia Castelan 
 
 
Crise de moderada intensidade: 
- Analgésicos e AINES; 
- agonistas 5-HT1 seletivos \u2013 triptanos \u2013 e não seletivos \u2013 ergóticos; 
- Os derivados ergóticos ligam-se receptores dopaminérgicos, o que pode 
explicar as náuseas que costumeiramente ocorrem em decorrência do seu 
uso. Devem ser iniciados o mais precocemente possível (pois não têm 
efeito quando utilizados tardiamente), podendo ser associados a 
antieméticos.  
- Os triptanos podem ser utilizados em qualquer momento da crise, porém 
não devem ser associados a antieméticos. 
 
 
Crise de forte intensidade:  
Triptanos, Indometacina ou Clorpromazina.  
O uso de Dexametasona ou de Haloperidol pode também ser recomendado. 
Pacientes com crises agudas podem apresentar boa resposta ao uso da Dipirona 
injetável, associada ou não a Metoclopramida e/ou antiespasmódicos. 
 
3 
Neurologia Optativa/ Cefaleias Nathalia Castelan 
 
Profilaxia medicamentosa: 
- 4 ou mais crise no mês; 
- Ocorrência de enxaqueca comum - hemiplégica ou coma ura prolongada; 
- Menor dose possível - ajustar conforme resposta 
 
 
Medicamentos  Doses, recomendações 
\u3b2-bloq 
- Propranolol - 40mg 
- Metoprolol 
- Atenolol 
Não indicar para asma, DPOC, ICC. 
Antidepressivos tricíclicos: 
- Amitriptilina 25mg - 75mg 
- Venlafaxina 
Recomendada para indivíduos 
portadores de depressão, cefaleia 
tensional, distúrbios do sono e 
outras síndromes dolorosas 
Anticonvulsicantes 
- Topiramato - 25-200mg/dia; 
- ac. Valproico - 
500-1500mg/dia 
2ª linha 
Gabapentina - 300-2400mg/dia 
 
Alto custo 
 
 
3. Em salvas: 
Ataques de dor intensa de localização orbitária, supraorbitária e/ou temporal, 
unilateral, com duração de 15 minutos a 3 horas.  
Exercícios físicos vigorosos podem melhorar ou mesmo abortar um ataque. 
Fatores desencadeantes: alteração do sono, álcool. 
4 
Neurologia Optativa/ Cefaleias Nathalia Castelan 
Mais frequente em homens. 
 
É caracterizada por apresentar, obrigatoriamente, uma ou mais das seguintes 
manifestações:  
\u2022 hiperemia conjuntival,  
\u2022 lacrimejamento,  
\u2022 congestão nasal,  
\u2022 rinorreia,  
\u2022 sudorese frontal e/ou facial,  
\u2022 miose,  
\u2022 ptose,  
\u2022 edema palpebral. 
 
Critérios diagnósticos: 
A. Pelo menos 05 (cinco) ataques preenchendo os critérios B\u2013D 
B. Dor unilateral intensa/grave, em região orbital, supra-orbital e/ou temporal, 
que dure de 15 a 180 minutos (quando não tratada)1 
C. Uma ou ambas a seguir: 
1. Pelo menos um dos sinais ou sintomas a seguir, sendo ipsilateral à 
dor: 
1. Hiperemia conjuntival ou lacrimejamento 
2. Congestão nasal e/ou rinorreia 
3. Edema palpebral 
4. Sudorese frontal ou facial 
5. Vermelhidão e/ou queimação ("flushing") frontal ou facial 
6. Sensação de plenitude auditiva 
7. Miose e/ou ptose palpebral 
2. Sensação de inquietude ou agitação 
D. Crises com frequência entre um a dois dias, até 08 (oito) eventos por dia, por 
mais da metade do tempo enquanto o distúrbio estiver em atividade 
E. Não pode ser explicado por outro diagnóstico do ICHD-3. 
Tratamento: 
\u2022 Ergotamina, 1 mg via endovenosa, intramuscular ou subcutânea até 3 mg ao dia; 
\u2022 Triptanos \u2013 Sumatriptano, 6 mg/dia via subcutânea ou 20 mg via inalatória;  
\u2022 Oxigênio a 7 litros por minuto por 15 minutos com máscara facial;  
 Não oferecer Paracetamol (Acetominofen), AINEs e opioides. 
 
Profilaxia:  
- Verapamil 360 a 480mg/dia; 
- Crônica: corticoide \u2192 prednisona 40mg. 
Essa é uma cefaleia em que não consenso sobre o encaminhamento ao 
neurologista. Pode-se encaminhar porque é de suma importância que se exclua 
causas secundárias. É comum, também, encaminhar em caso de difícil controle.  
 
5 
Neurologia Optativa/ Cefaleias Nathalia Castelan 
 
Medicamentos  Exames de 
acompanhament
o 
Efeitos adversos  Contraindicações 
Sumatriptano    \u200bTontura, fadiga, 
parestesias, 
disgeusia, coriza, 
cefaleia. 
Graves\u200b- 
Vasoespasmo 
coronariano, crise 
hipertensiva, IAM, 
FV/TV, AVC, HSA, 
convulsão 
Angina, IAM, 
arritmias, 
distúrbios de 
condução 
cardíaco, uso de 
i-MAO, uso de 
ergotamina, 
isquemia 
mesentérica, 
DACo 
Ergotamina    Comuns -\u200bAngina, 
vertigem 
 
Graves\u200b-IAM, 
fibrose valvar, 
IAM, abstinência 
de ergo 
IAM, DAOP, DACo, 
hipertensão, uso 
de triptano, uso 
de i-CYP3A4 
potente* 
 
Lidocaína 
 
 
ECG  Comuns - 
Congestão nasal, 
disgeusia, 
hipotensão 
Graves\u200b- Parada 
cardíaca, arritmia 
Evitar em 
cardiopatas ou 
com distúrbios de 
condução 
Octreotide  ECG, glicemia, 
TSH, vitamina B12 
Comuns -\u200bDiarreia, 
cefaleia, letargia, 
tontura, náusea, 
fraqueza, dor 
abdominal, 
flatulência 
 
Graves\u200b-Parada 
cardíaca, 
bradiarritmia,