PROJETO - A BRINQUEDOTECA E O DESENVOLVIMENTO DA APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR -
16 pág.

PROJETO - A BRINQUEDOTECA E O DESENVOLVIMENTO DA APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR -

Pré-visualização4 páginas
CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENSINO-APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO INFANTIL E ANOS INICIAIS
VANUZA ALMEIDA PRADO FERNANDES BERNAL
A BRINQUEDOTECA E O DESENVOLVIMENTO DA APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR
FOZ DO IGUAÇU
2017
CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENSINO-APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO INFANTIL E ANOS INICIAIS
VANUZA ALMEIDA PRADO FERNANDES BERNAL
A BRINQUEDOTECA E O DESENVOLVIMENTO DA APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR
Trabalho de conclusão de curso apresentado como requisito parcial para obtenção do título de Especialista em Ensino-Aprendizagem em Educação Infantil e Anos Iniciais.
FOZ DO IGUAÇU
2017
RESUMO
O ato de brincar é natural ao ser humano assim como é também para outros seres. Através da brincadeira se conhece o mundo, as relações interpessoais e se desenvolve com mais eficácia as capacidades físicas e intelectuais da criança. A brinquedoteca é, portanto, um ambiente de suma importância para o trabalho do educador. Um ambiente que favorece o desenvolvimento do ser humano em sua totalidade. O ato de brincar deve ser percebido como elemento do sistema educacional, mantendo, desta forma, o devido esforço à sua promoção. Para tanto, este texto apresenta reflexões de alguns teóricos da educação que lançam luzes sobre o tema, para que os profissionais da área educacional, principalmente aqueles voltados para a educação pré-escolar, percebam a importância da utilização do espaço da brinquedoteca como importante instrumento de desenvolvimento intelectual para as crianças.
Palavra-chave: Educação Infantil. Aprendizagem. Brinquedoteca. 
1. Introdução
O presente texto apresenta uma abordagem analítica sobre a brinquedoteca, que é um importante instrumento pedagógico, pois contribui positivamente com o desenvolvimento das relações interpessoais das crianças com outras crianças, com os educadores e com os adultos e, por meio da brincadeira, possibilita à criança aprende a lidar com situações da vida real e ajusta-se às condições de espaço e tempo.
Os teóricos que embasam este estudo, por preocuparem-se profundamente com a importância da atividade lúdica, são: Daniel Goleman (1996), com a Teoria da Inteligência Emocional; Jean Piaget (1985), com seus estudos sobre a Formação do Símbolo da Criança; e Howard Gardner (1995), com a Teoria das Inteligências Múltiplas. 
Dentre os teóricos, optou-se pela ênfase nos estudos de Howard Gardner (1995), pois ele explica de maneira expressiva as ideias fundamentais que instigam a aprendizagem, bem como sua tradução à luz do brasileiro Celso Antunes (1999), que transportou a teoria para a prática. 
O que se pretende com este texto é contribuir para que os profissionais da área educacional, principalmente aqueles voltados para a educação pré-escolar, percebam a importância da utilização do espaço da brinquedoteca.
Para que as brincadeiras não se transformem em mera recreação, a escola precisa estar preparada para criar uma área adequada para elas, com objeto materiais, espaço físico e profissional conscientes da sua importância para a formação integral da criança. Quando ela brinca, inicia-se na representação de papéis do mundo adulto que irá representar mais tarde, desenvolvendo, assim, sua capacidade de comunicação.
Cabe ao profissional da educação criar um ambiente apropriado para a aprendizagem, para que a criança encontre desejo em aprender e possa se expressar livremente. Seu papel é fundamental no ambiente da brinquedoteca, pois ele deve criar situações adequadas para estimular a criança a resolver problemas mediante estímulos apropriados que devem estar ao alcance de sua maturidade, sempre tomando o cuidado de não reprimi-las, embora deva supervisionar as brincadeiras para afastar os possíveis perigos e evitar os possíveis acidentes. Ele não deve solucionar os problemas que as crianças encontrarem, mas sim orientá-las para que possam refletir sobre as próprias ações, para que cheguem às próprias respostas.
2. A brinquedoteca, um espaço a ser explorado.
Segundo a ABBRI - Associação Brasileira de Brinquedotecas, \u201cas brinquedotecas são espaços mágicos destinados ao brincar das crianças\u201d
. Em hipótese nenhuma elas podem ser confundidas com o conjunto de brinquedos ou, o que é pior, depósito de crianças, pois a sua criação pode depender de diferentes objetivos sociais, terapêuticos, educacionais e de lazer. 
De acordo com a Bomtempo (1986), os primeiros espaços considerados brinquedotecas surgiram nos Estados Unidos, aproximadamente em 1934, quando o dono de uma loja de brinquedos reclamou com o diretor de uma escola municipal alegando que crianças estavam roubando brinquedos de seu estabelecimento. O diretor concluiu que isso estava acontecendo porque as crianças não possuíam jogos ou outros brinquedos. Então, ele deu início a um serviço de empréstimo de brinquedos chamado "Los Angeles Toy Loan". Mas foi na Suécia, em 1963, quando duas mães de crianças excepcionais tiveram a ideia de emprestar brinquedos e orientar as famílias sobre como lidar com suas crianças excepcionais, para melhor estimulá-las, que surgiu a primeira ludoteca. No Brasil, particularmente em São Paulo, em 1973, ocorreu a primeira experiência com brinquedoteca, quando um setor da APAE - Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais - implantou uma ludoteca, em que brinquedos eram utilizados nos moldes de uma biblioteca circulante.
Como já foi dito, a brinquedoteca é um espaço, dentro das instituições de ensino, no qual a criança pode brincar sem medo de punição e cobranças. É o lugar adequado para que ela solte a imaginação, experimente, conheça e manipule objetos muitas vezes desconhecidos. Dessa forma, ela construirá conhecimento e desenvolverá sua autonomia, criatividade e iniciativa. 
Segundo a Pastoral da Criança
, alguns dos objetivos da brinquedoteca são: 
· Estimular o desenvolvimento integral das crianças,
· Valorizar o brincar e as atividades lúdicas, 
· Possibilitar à criança o acesso a vários tipos de brinquedos e de brincadeiras, 
· Enriquecer as relações familiares, por meio da participação dos adultos nas atividades infantis, 
· Emprestar brinquedos,
· Desenvolver hábitos de responsabilidade e cooperação entre as crianças e entre crianças e adultos. 
Além desses objetivos citados pela Pastoral da Criança, estudiosos da área ainda citam outros como:
· Resgatar o direito à infância; 
· Desenvolver a criatividade; 
· Possibilitar acesso à variedade de brinquedos; 
· Estimular o desenvolvimento global das crianças;
· Desenvolver hábitos de responsabilidade e trabalho.
· Criar espaço de convivência que propicie interações espontâneas;
· Dar condições para que a criança brinque espontaneamente.
3. A criança e o ato de brincar
Brincar é uma ação natural para a maioria dos seres. Filhotes de animais pulam, lutam, correm e fazem diversas peripécias. Com o ser humano não é diferente. A descoberta do mundo, o desenvolvimento da atividade física e da criatividade, encontram no ato de brincar um ambiente favorável para seu florescimento. 
Brincar é, portanto, um importante componente da fase de desenvolvimento do homem em sua totalidade, e o ato de brincar deve ser percebido como elemento do sistema educacional, mantendo, desta forma, o devido esforço à sua promoção. 
Cada brinquedo traz em si uma relação educativa, pois quando uma criança entra em contato com ele, não se contenta com o significado que se encerra nele mesmo, ela o transforma naquilo que deseja naquilo que satisfaça suas necessidades naquele momento. A criança aplica no brinquedo toda a sensibilidade que possui e questiona aquilo que lhe é dado, o brinquedo passa a ser o que ela quiser. Dessa forma, ela recria o mundo em que vive e participa de novas experiências. 
As crianças conseguem mostrar que o brinquedo, para elas, não é sério, simplesmente porque lhes permite fantasiar e imaginar. E é justamente isso que torna a brincadeira importante, uma vez que a criança não tem conhecimento da seriedade da brincadeira para o seu desenvolvimento, ela torna-se divertida, pois, para ela, é algo que lhe permite