Tríade e sepse neonatal
9 pág.

Tríade e sepse neonatal


DisciplinaObstetrícia Veterinária278 materiais3.647 seguidores
Pré-visualização1 página
Tríade neonatal
Tríade é um conjunto de manifestações clínicas decorrentes das próprias propensões fisiológicas do neonato, que está muito associado a erros de manejo/desinformação do próprio veterinário e/ou do tutor. Os principais sistemas envolvidos na tríade são:
· Tegumentar
· Cardiovascular
· Nervoso
· Hepático
· Renal
Antes de tudo devemos relembrar os sistemas do neonato:
Sistema cardiovascular 
O sistema cardiovascular dos neonatos é um sistema de baixa resistência periférica e de alto fluxo, com imaturidade dos barorreceptores presentes principalmente em área de carótida e outros vasos. A imaturidade dos barorreceptores reflete na incapacidade dos neonatos de realizar vasoconstrição periferia. Proporcionalmente aos adultos, os neonatos têm pouco volume sanguíneo.
Apresentam baixa pressão arterial por não fazerem vasoconstrição eficiente e para compensar a baixa pressão, fazem alta frequência cardíaca e, isso explica o porquê os neonatos têm de 200-250 bpm.
Por não conseguirem fazer vasoconstrição, seus capilares ficam dilatados e muito próximos a pele, perdendo energia/calor e água para o ambiente, com isso, se tem uma predisposição de ter hipotermia e desidratação. 
Sistema hepático e renal
A imaturidade renal faz com que o filhote tenha glicosúria fisiológica. A urina do neonato não é concentrada por não conseguir fazer retenção de água suficiente e isso também explica o porquê de a urina ser diluída além disso, ele não consegue reter a glicose (glicosúria).
Os neonatos têm baixo estoque de glicogênio hepático e por conta disso não podem ficar muito tempo sem se alimentar. Sua gliconeogênese é ineficaz.
Sistema neurológico
O sistema nervoso é imaturo e com isso se tem ausência do reflexo de tremor, ausência do reflexo de retirada, vasoconstrição ineficiente. Porém se tem termotropismo positivo e Nonshivering thermogenesis.
Tríade
O neonato que fisiologicamente tem sistema baixo de volume sanguíneo, grande superfície corpórea, pele permeável e incapacidade de concentrar a urina tem grandes chances de ter desidratação e hipovolemia.
Por fisiologicamente apresentar baixa reserva de gordura, reflexo de tremor ausente, termogênese ineficaz e vasoconstrição ineficaz na tentativa de conter calor vai acarretar a ter hipotermia.
Fisiologicamente a gliconeogênese ineficaz, glicosúria e baixa reserva de glicogênio pode acarretar a hipoglicemia.
As causas da tríade em exemplos:
1) Ambiente frio faz com que o neonato desenvolva hipovolemia e consequentemente se tem a diminuição do reflexo de sucção e isso significa que a mamada não será feita ou será insuficiente. Por ele não mamar ele terá hipovolemia e além de entrar em jejum, desenvolverá hipoglicemia.
Hipoglicemia
Ambiente 
frio
Jejum 
Hipotermia 
Hipovolemia 
Diminui mamada
 reflexo de sucção 
2) A presença da fenda palatina faz com que o filhote não consiga se alimentar na mãe e por não mamar ele fica em jejum, ficando então com hipoglicemia e hipovolemia. Por estar hipovolêmico e hiperglicêmico ele entra em hipotermia.
Fenda palatina
Hipovolemia 
Filhote não mama
 Hipoglicemia
Jejum 
3) O filhote que está em um ambiente sujo predispõe a contaminação, tendo infecção e ficando letárgico a consequência é ter hipotermia. Se ele tem hipotermia e está letárgico, o reflexo de sucção fica diminuído, fazendo com que ele não mame e entre em hipovolemia. Por não mamar, fica em jejum e entra em hipoglicemia.
Hipovolemia 
Ambiente sujo
Hipotermia 
Filhote não mama
Contaminação
 reflexo de sucção 
Letargia 
Infecção 
Manifestações clínicas da tríade:
· O que eu vejo: hipotermia, hipoglicemia e desidratação.
· O que o tutor vê: Perda de peso (caso faça acompanhamento), choro incessante (acontece no começo do problema), letargia/estupor, fica separado dos irmãos e da mãe, hipotonicidade (filhote mole por conta da perda do tônus), diminuição do reflexo de sucção e convulsão.
Avaliação do filhote: 
Anamnese COMPLETA desde aonde ele fica, se tem fonte de calor e umidade, onde a mãe, o que ele mama, se toma sucedâneo e por onde ele mama (seringa?), se está letárgico, se chora.
Exame físico:
· Baixo/ausência de reflexo de sucção;
· Baixo/ausência de tônus muscular;
· Hipotermia.
· Alteração de turgor cutâneo;
· Urina mais amarelada (igual de adulto);
· Mucosas secas;
Pode fazer exame de glicemia, hemograma e lactato. O lactato indica se o animal está com acidose metabólica.
Tratamento:
· Hipotermia: 
Fazer o aumento gradual da temperatura e tomar cuidado para não aquecer muito rápido o filhote e ele fazer vasodilatação e entra em hipotensão. Antes de dar o leite, normalizar a temperatura >35,5ºC.
· Hipoglicemia:
Em neonatos alertas e normotérmicos pode corrigir a hipoglicemia com alimentação normal (lembrando sempre de avaliar se o filhote tem fenda palatina e se o reflexo de sucção é positivo).
Pode ser feito 1 gota de dextrose 50% via oral
Em casos mais graves deve ser feito dextrose 5 a 10% via intravenosa ou via intraóssea (2-4ml/kg). Nunca usar 50%!!
Idade
Glicemia mg/dL
1-3 dias
88 (52-127)
2 semanas
129 (111-146)
Hipoglicemia: <50mg/dL
Hipoglicemia severa: <40mg/dL
· Desidratação/ hipovolemia: 
Devemos repor com fluidoterapia que pode ser por VO, SC, IV ou IO com soro fisiológico. Fazer VO apenas se a função do TGI estiver normal -> normotermia.
Fazer 1-2 ml/100g de peso ou 6-8ml/100g de peso ao dia.
A reposição deve ser cautelosa para não causar hiper-hidratação, os sinais de hiper-hidratação são: taquipneia, dispneia, ascite e edema pulmonar. A oxigênioterapia pode ser feito em qualquer caso se necessário.
Sepse neonatal
Sepse é um conjunto de manifestações clínicas causadas por uma infecção bacteriana generalizada. Pode ser consequente ou levar à uma síndrome da resposta inflamatória sistêmica (SIRS). A infecção pode ser vertical (adquirido da mãe via placenta) ou horizontal.
· Causas
Causas de contaminação vertical: fatores relacionados à mãe, como infecção intraparto onde o filhote é contaminado no canal vaginal ou a mãe pode ter uma bacteriúria não tratada, glomerulonefrite não tratada e o filhote se contamina pelo sistema geniturinário. Outra causa é por parto prolongado (distocia), tem a ruptura prolongada de membranas fetais; o filhote fica parado no canal do parto sem sua membrana, lembrando que o canal vaginal tem sua própria microbiota e ele acaba se contaminando.
Fatores de risco relacionados ao neonato:
· Infecções neonatais: conjuntivite, onflalofrebite e pneumonia.
· Prematuridade
· Síndrome do desconforto respiratório
· Síndrome da aspiração de mecônio 
· Contaminação em procedimentos (via intraóssea)
· Baixo peso
Manifestações clínicas
· Petéquias/hematomas (nos coxins, abdome e região de focinho)
· Acidose metabólica 
· Opistótono/convulsão
· Coma
· Morte súbita 
· Lesões evidentes: trauma, conjuntivite, onfalofrebite
· Hipotonia
· Vocalização
· Hipotermia, hipovolemia e hipoglicemia (tríade)
· Diminuição/ausência dos reflexos (sucção)
· Falha no ganho de peso
· Dificuldade respiratória
· Diarreia/desconforto abdominal
· Hemorragias (epistaxe, hematúria, hematoquezia)
Diagnóstico
· Leucograma: pode ter leucocitose ou leucopenia
· Lactato: hiperlactatemia >3,8mmol
· Glicemia: pode ter hipoglicemia ou hiperglicemia, mas geralmente se tem hipoglicemia.
· Raio X torácico: deve ser feito na suspeita de pneumonia
· Oximetria 
Tratamento
· Estabilizar temperatura
· Fluidoterapia: 2ml/100g bolus, manutenção 30ml/kg/hora
· Oxigenioterapia + ventilação 
· Antibiótico terapia: preferência por via IV
· Suporte: nos casos de diarreia, conjuntivite, pneumonia...
· Reposição glicêmica se necessário 
Usar amoxicilina + clavulanato 12,5 \u2013 25mh/kg BID ou usar cefalosporinas de 3º geração, cefalotina 10 \u2013 30mg/kg.
Índice de óbito é muito alto, tem 80% de óbito nas primeiras 48 horas.
Hipotermia 
Hipoglicemia
Desidratação
Hipovolemia