EXAME NEUROLÓGICO
12 pág.

EXAME NEUROLÓGICO


DisciplinaNeurologia3.909 materiais12.957 seguidores
Pré-visualização3 páginas
EXAME NEUROLÓGICO
SINAIS E SINTOMAS
· Tontura
· Tontura com nítida sensação de rotação: representada pela vertigem, na qual o pct tem a sensação de girar em torno do ambiente ou vice-versa.
- A sensação vertiginosa independe da posição em que se encontre o paciente, persistindo, inclusive, quando este está com os olhos fechados, e é suficientemente incômoda a ponto de obrigá-lo a repousar no leito.
- A vertigem decorre predominantemente de lesão ou disfunção das vias vestibulares, em especial de sua porção periférica (canais semicirculares e ramo vestibular do NC VIII), constituindo a síndrome vestibular periférica.
· MOVIMENTOS INVOLUNTÁRIOS
· Crises epilépticas
- São manifestações neurológicas decorrentes de descargas bioelétricas, originadas em alguma área cerebral.
· Generalizadas: ocorrem quando as descargas afetam a maior parte do córtex cerebral. Isso determinará vários tipos de manifestações clínicas, sendo as convulsivas e as não convulsivas as mais importantes.
· Convulsivas: são movimentos musculares súbitos e incoordenados, involuntários e paroxísticos, que ocorrem de maneira generalizada ou eventualmente em segmentos do corpo.
- Convulsões tônicas: contração sustentada/imobilização da articulação.
- Convulsões clônicas: rítmicas, alternando contrações e relaxamentos musculares.
· Não convulsivas (ausência/pequeno mal): breves períodos de perda da consciência (de 5 a 30 s), podendo também apresentar um leve tremor de pálpebras.
· Parciais ou focais: ocorrem devido a descargas bioelétricas em locais restritos do encéfalo.
· Parciais simples: não existe alteração de nível de consciência e de contato com o ambiente.
Ex.: crises bravais-Jacksonianas descargas na área do giro pré-central que determinam abalos nos membros e face contralaterais.
· Parciais complexas: as descargas ocorrem em áreas em que há alteração do nível de consciência.
Ex.: automatismos perda da consciência + atos ordenados ou desordenados.
- As crises parciais podem evoluir para uma crise generalizada.
· Tetania
- Caracteriza-se por crise exclusivamente tônicas, quase sempre localizadas nas mãos e nos pés, por isso denominadas espasmos carpopodais.
- Pode ocorrer independente ou ser necessário o uso de algum artifício para desencadear (Sinal de Trousseau).
· Fasciculações
- São contrações breves, arrítmicas e limitadas a um feixe muscular.
Ex.: neuropatias periféricas, doenças do corno anterior da medula.
· DISTÚRBIOS VISUAIS
· Ambliopia: diminuição da acuidade visual.
· Amaurose: perda total da visão.
· Hemianopsia: perda da visão de metade do campo visual.
· Diplopia: visão dupla o pct vê em dobro as imagens.
· DISTÚRBIOS AUDITIVOS
· Hipoacusia: diminuição da acuidade auditiva.
· Acusia: perda da acuidade auditiva.
· Zumbido ou tinido: deve ser encarado como um processo de estimulação anormal do ramo coclear do NC VIII, decorrente de múltiplas causas, mas, na maioria das vezes, não há causa determinada.
· DISTÚRBIOS DA COMUNICAÇÃO
· Disfonia: alteração do timbre da voz, que se torna rouca ou bitonal. Ocorre por lesão do nervo acessório (NC XI) ou por lesão estrutural das cordas vocais.
· Disartria: alteração da articulação da palavra falada ou fala, decorrente de algumas neuropatias centrais e/ou periféricas.
· Dislalia: é a perturbação da articulação da palavra falada, sem que as causas estejam localizadas no sistema nervoso. Ex.: fisiológica crianças até os 4 anos (\u201cpapato\u201d por sapato, \u201cpotão\u201d por portão); retardo psicomotor; secundária a lesões do palato, língua, dentes, lábios e mandíbula.
· Disritmolalila: perturbação no ritmo da fala.
· Taquilalia
· Gagueira
· Dislexia: transtorno específico da aprendizagem com prejuízo na leitura.
· Disgrafia: a grafia é basicamente irregular, fragmentada, a ponto de, muitas vezes, tornar-se ilegível. Existem a disgrafia espacial ou de evolução (sem distúrbios neurológicos) e a disgrafia secundária (parkinsonismo \u2013 micrografia- e cerebelopatia \u2013macrografia-).
· Afasia
· Afasia motora ou verbal (de Broca): dificuldade para se expressar através da fala ou da escrita.
· Afasia receptiva ou sensorial (de Wernicke): pct apresenta leve a extrema dificuldade para a compreensão da fala e da escrita desacompanhada de outro déficit motor. O pct pode apresentar parafasia (vocábulos ou frases erroneamente colocados); perseveração (repetição de um mesmo vocábulo); jargonofasia (uso de palavras novas e incompreensíveis).
· Afasia global: a compreensão e a expressão da linguagem ficam amplamente reduzidas.
· Afasia de condução: embora consiga ler e falar razoavelmente, o pct não é capaz de repetir frases que lhe são ditas. Há também componente amnéstico.
· Afasia amnéstica: incapacidade para designar ou nomear os vocábulos ou o nome de objetos, conservando, contudo, sua finalidade. Assim, o indivíduo sabe para que se destina o pente, por exemplo, mas não consegue lembrar-se da palavra pente nem expressá-la.
· Afasia transcortical: o achado mais relevante é uma repetição preservada, apesar de existirem outros sintomas de afasia.
· DISTÚRBIOS DAS GNOSIAS
· Agnosia auditiva: prejuízo no reconhecimento dos sons.
· Cegueira cortical ou psíquica: prejuízo no reconhecimento da visão de objetos.
· Estereoagnosia: prejuízo no reconhecimento de objetos colocados em sua mão ao ser suprimida a visão.
· Somatoagnosia: prejuízo no reconhecimento do próprio corpo em relação ao espaço.
· Prosopagnosia: prejuízo no reconhecimento de fisionomias de outras pessoas.
· Autoprosopagnosia: prejuízo no reconhecimento de sua própria fisionomia.
· DISTÚRBIOS DAS PRAXIAS
- Apraxia é a dificuldade ou incapacidade de realizar atividade gestual consciente e intencional (sem que haja paralisias, ataxias ou hipercinesias).
· Apraxia construtiva: corresponde à perda dos gestos normalmente organizados, como desenhar, modelar ou copiar modelos.
· Apraxia ideomotora: dificuldade ou incapacidade para a execução de gestos simples (p. ex.: bater na porta, bater na mesa, segurar a orelha), permanecendo inalteradas a atividade automática e a ideia do ato a ser realizado.
· Apraxia ideatória: diminuição ou perda da sequência lógica e harmoniosa da realização de um gesto mais complexo que une diferentes gestos simples. Ex.: pct não consegue acender um cigarro quando dá a ele uma caixa de fósforos e um maço de cigarros.
· Apraxia do vestir-se: dificuldade ou incapacidade para executar os atos habituais de despir-se ou vestir-se.
· Apraxia da marcha
· Apraxia bucolinguofacial: alteração dos gestos da mímica facial, da boca e da línga. O pct não consegue realizar adequadamente gestos simples, como mostrar a língua ou os dentes, colocar a língua em diversas posições, reproduzir a mímica de sorrir, chorar ou beijar.
EXAME FÍSICO
SINAIS MENÍNGEOS
· Rigidez de nuca: estando o pct em decúbito dorsal, o examinador coloca uma das mãos na região occipital e, suavemente, tenta fletir a cabeça do pct. Se o movimento for fácil e amplo, não há rigidez de nuca.
· Sinal de Brudzinski: com o pct em decúbito dorsal e membros inferiores estendidos, o examinador repousa uma das mãos sobre o tórax do pct e, com a outra na região occipital, executa uma flexão forçada da cabeça. A prova é positiva quando o pct flete os membros inferiores.
· Prova de Lasègue: como pct em decúbito dorsal e m.m. i.i. estendidos, o examinador levanta um dos m.m. estendidos. A prova é positiva quando o pct reclama de dor na face posterior do membro examinado, logo no início da prova (cerca de 30º de elevação).
· Prova de Kerning: consiste na extensão da perna, estando a coxa fletida em ângulo reto sobre a pelve e a perna sobre a coxa. 
MARCHA (EQUILÍBRIO DINÂMICO)
- A todo e qualquer distúrbio da marcha se dá o nome de disbasia.
· Marcha helicópode, ceifante ou hemiplégica: ao andar, o pct mantém o membro superior fletido em 90º no cotovelo e em adução, e a mão fechada em leve pronação. O membro inferior do mesmo lado é espástico, e o joelho não flexiona. Devido a isso, a perna tem de se arrastar pelo chão, descrevendo um semicírculo quando o paciente troca