A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
Tarefa 3 Engenharia Sanitaria e Ambiental Unyleia

Pré-visualização | Página 1 de 1

Disciplina: Sistema de Abastecimento de Água e de Esgotamento Sanitário
Identificação da tarefa: Tarefa 3. Envio de arquivo
Pontuação: 10 pontos
Tarefa 3
Responda as questões referentes à Unidade 3:
1) O que é um sistema de esgotamento sanitário e quais são suas finalidades? (2 pontos)
O sistema de esgotamento sanitário consiste em um conjunto de condutos, instalações e equipamentos destinados a coletar, transportar, condicionar e encaminhar o efluente sanitário, para uma disposição final contínua e higienicamente segura, segundo a NBR-9648, ABNT, 1986. E suas finalidades são, controle e erradicação das doenças de veiculação hídrica, melhoraria da qualidade de vida da população atendida, aumento da produtividade geral, em particular a produtividade industrial, melhorias na fauna e flora terrestre e aquática.
2) Complete a figura a seguir de acordo com os tipos de esgotamentos sanitários e suas subdivisões. (2 pontos)
Esgotamento sanitário
Sistema Individual
Sistema coletivo
Sistema Unitário
Sistema Separador
Sistema Convencional
Sistema Condominial
Adaptado de: TSUTIYA, M. T.
3) Quais são os principais passos para a concepção de sistemas de esgotamento sanitário? Fale sobre cada um. (2 pontos)
Segundo a Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental os principais passos para a concepção de sistemas de esgotamento sanitário são, caracterização da localização, vias de acesso, infraestrutura, cadastro dos sistemas de abastecimento de água, esgoto, drenagem, telefonia, energia, gás do local; Avaliação das condições sanitárias e dos níveis e tipos de acometimentos relacionados com a água e a saúde populacional da localidade; Realizar um plano de qualidade ambiental, que englobe os impactos socioambientais antese após a implantação da obra, planos de manejo de fauna e flora, incluindo o manejo dos resíduos sólidos, a captação de água para o abastecimento, a coleta e tratamento de efluentes no local.
4) Fale um pouco sobre cada elemento constituinte de um sistema de esgoto 
Rede coletora de esgotos é uma parte integrante do sistema de esgotamento sanitário que consiste no conjunto de tubulações e órgãos acessórios destinados a receber e conduzir os esgotos captados dos coletores ou ramais prediais até os coletores tronco ou coletores primários, que conduzem o esgoto a um emissário ou um interceptor.
Estações elevatórias são unidades de tratamento de esgoto que contam com bombas hidráulicas e tanques que aumentam a pressão em um sistema de captação ou distribuição da água limpa ou proveniente de efluentes e esgotos. 
Sifões múltiplos invertidos são usados na transposição de obstáculos como córregos, rios, galerias de águas pluviais, adutoras.
Interceptores esgoto são componentes de uma rede de esgotos que ajudam a controlar o fluxo que recebe das linhas principais e, às vezes, do escoamento das águas pluviais e o direciona para a estação de tratamento de águas residuais.
Órgãos acessórios são dispositivos fixos desprovidos de equipamentos mecânicos como, por exemplo, poços de visita, poços de inspeção, sifão invertido etc. 
Emissários parte integrante de uma rede de esgotamento sanitário destinada a conduzir os materiais recolhidos pela rede, da galeria final ao local de lançamento.
Estações de tratamento é um local em que realiza a captação de alguma fonte para torná-la tratada.
5) Explique:
a) Sistema de tratamento centralizado. (1 ponto)
Segundo, SURIYACHAN, NITIVATTANANON, AMIN 2012 e NHAPI, 2004 a gestão centralizada é amplamente usada como método de tratamento de grande volume de águas residuárias e industriais, em regiões com grande densidade populacional e/ou elevado nível de urbanização, tanto em países desenvolvidos como em desenvolvimento. Por receber um volume muito grande de esgoto, esse tipo de processo envolve grandes instalações que normalmente são administradas pelo poder público, exigem técnicas avançadas de tratamento e grandes áreas para instalação da estação e redes de tubulação, bem como grandes investimentos financeiros para implantação e manutenção de todo o sistema. Como consequência da amplitude dessa forma de gestão, deduz-se que as demandas em termos de área superficial necessária para os processos de tratamento sejam bastante significativas, provocando impactos ambientais consideráveis (OLIVEIRA JUNIOR, 2013). Nos sistemas de tratamento centralizados, as estações de tratamento são construídas em regiões periféricas em relação às cidades e redes tubulacionais. Dessa forma, essas redes interconectam as ETEs com as estações de bombeamento facilitando/permitindo a coleta dos efluentes sanitários domiciliares (SANTOS et al., 2015).
b) Sistema de tratamento descentralizado. (1 ponto)
Os sistemas descentralizados surgem como alternativa para suprir as necessidades sanitárias da população que reside em regiões afastadas dos centros urbanos, que decorrem da ausência de infraestrutura pública. Essa alternativa permite que doenças e contaminações sejam reduzidas, buscando manter também as fontes de abastecimento de água seguras, pois em muitos casos em que não há coleta e tratamento de esgoto o abastecimento de água também pode ser precário (JORDÃO e PESSÔA, 2005). Tais processos de tratamento vêm ganhando espaço cada vez maior e traz a sustentabilidade como aspecto essencial, por ser uma opção de baixo custo e que causa menor impacto ambiental dado a necessidade de infraestrutura e instalações de tubulações reduzidas, se comparado ao sistema centralizado, atendendo pequenos povoados e populações pobres afastadas de regiões urbanizadas de modo satisfatório (NHAPI, 2004).
Bom trabalho!

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.