A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
54 pág.
Resumindo o Tratado de fisiologia médica

Pré-visualização | Página 5 de 22

filmentosa diferente dos filamentos de 
actina e miosina; conecta as miofibrilas. 
 
o Sarcômero: segmento da miofibrila 
situado entre dois discos Z sucessivos. 
o A proteína titina mantém o 
posicionamento lado a lado da miosina e 
da actina. 
o A titina é bem elástica; uma ponta fica 
fixada ao disco Z, variando seu 
comprimento conforme o sarcômero 
contrai e relaxa; outra ponta ancora nos 
filamentos grossos de miosina. 
o Os espaços entre as miofibrilas são 
preenchidos pelo líquido intracelular 
conhecido como sarcoplasma. 
o O retículo sarcoplasmático é o retículo 
endoplasmático especializado do 
músculo esquelético, sendo essencial para 
a contração muscular. 
Mecanismo da contração muscular 
1. Os potenciais de ação cursam pelo nervo 
motor até suas terminações nas fibras 
musculares. 
2. Em cada terminação, o nervo secreta 
acetilcolina. 
3. A acetilcolina age para abrir múltiplos 
canais de cátion por meio de moléculas 
de proteína que flutuam na membrana. 
4. A abertura desses canais permite a 
difusão de grande quantidade de íons 
sódio para o lado interno da membrana 
das fibras musculares. Isso causa 
despolarização e abertura de canais de 
sódio. 
5. O potencial de ação se propaga por toda 
a membrana da fibra. 
6. Parte da eletricidade do potencial de 
ação flui pelo centro da fibra muscular, 
fazendo o retículo sarcoplasmático liberar 
grande quantidade de íons cálcio. 
7. Os íons cálcio ativam as forças atrativas 
entre os filamentos de miosina e actina, 
fazendo com que deslizem ao lado um do 
outro, que é o processo contrátil. 
8. Depois, os íons cálcio são bombeados de 
volta para o retículo sarcoplasmático pela 
bomba de Ca++ da membrana, onde 
permanecem armazenados até que novo 
potencial de ação muscular se inicie; essa 
remoção dos íons cálcio das miofibrilas faz 
com que a contração muscular cesse. 
Mecanismo de deslizamento dos 
filamentos 
o retículo sarcoplasmático libera grande 
quantidade de íons cálcio, que rapidamente 
circulam pelas miofibrilas. Esses íons ativam 
as forças entre os filamentos de miosina e de 
actina, e a contração se inicia. A energia 
Unidade II 
Waleska - Med IX - UFOB 
liberada na degradação do ATP é 
importante para esse processo. 
o A molécula de miosina tem duas cadeias 
pesadas e quatro leves. As cadeias 
pesadas se espiralam uma com a outra 
formando a cauda/haste. A ponta das 
cadeias pesadas e as cadeias leves fazem 
parte da cabeça. Ligando a ―cabeça‖ e a 
cauda, temos o braço. As projeções dos 
braços e da cabeça formam as pontes 
cruzadas. 
o A cabeça de miosina funciona como 
enzima ATPase. 
o Os filamentos de actina são composto por 
actina, troponina e tropomiosina. 
o Durante o período de repouso, as 
moléculas de tropomiosina recobrem os 
filamentos de actina, para impedir a 
atração entre os filamentos de actina e de 
miosina. 
o O complexo troponina é responsável por 
ligar a tropomiosina com a actina. Além 
disso, sua afinidade pelos íons cálcio 
desencadeia o processo da contração. 
 
Como assim? 
Hipoteticamente: 
o Os íons cálcio se ligam à troponina. 
o O complexo de troponina supostamente 
passa por alteração conformacional que 
de algum modo traciona, com grande 
intensidade, a molécula de tropomiosina. 
o Isto ―descobre‖ os locais ativos da actina, 
permitindo desse modo que atraiam as 
pontes cruzadas das cabeças da miosina, 
fazendo com que a contração prossiga. 
 
 Walk-Along 
o As pontes cruzadas das cabeças dos 
filamentos de miosina são atraídas pelos 
locais ativos do filamento de actina. 
o Teoria do ―ir para diante‖ (walk-along). 
o Postula-se que a ligação entre a cabeça 
e o local ativo provoca profundas 
alterações nas forças intramoleculares 
entre a cabeça e o braço dessas pontes 
cruzadas. 
o Essas forças fazem com que a cabeça se 
incline em direção ao braço e leve com 
ela o filamento de actina. 
o Após a inclinação, a cabeça se separa 
do local ativo, retorna para sua direção 
estendida e se combina com novo local 
ativo. 
o Quando o músculo contrai, grande 
quantidade de ATP é degradada. 
 
Interessante: à medida que o sarcômero 
encurta e os filamentos de actina começam 
a se sobrepor aos filamentos de miosina, a 
tensão aumenta progressivamente até o 
comprimento de sarcômero diminuir para 
cerca de 2,2 micrômetros. Quando os dois 
filamentos de actina começam a se 
sobrepor além da sobreposição dos 
filamentos de miosina, o comprimento do 
sarcômero cai de 2 micrômetros para 1,65 
micrômetro. 
 
o Quando o ATP é degradado em ADP, a 
primeira fonte de energia que é utilizada 
para reconstituir o ATP é a substância 
fosfocreatina. 
o A segunda fonte importante de energia, 
que é utilizada para reconstituir o ATP é a 
―glicólise‖ do glicogênio previamente 
armazenado nas células musculares. 
o As reações glicolíticas podem ocorrer 
mesmo na ausência de oxigênio. 
o A terceira e última fonte de energia é o 
metabolismo oxidativo. Isso significa 
combinar o oxigênio com os produtos 
finais da glicólise e com vários outros 
nutrientes celulares (carboidratos, 
gorduras, proteínas). 
 
Características das contrações: 
- isométrica quando o músculo não encurta 
durante contração. 
- isotônica quando encurta, mas sua tensão 
permanece constante por toda a 
contração. 
 
Tipos de fibra 
- Fibras Lentas (Tipo 1, Músculo Vermelho): 
Fibras menores, número de mitocôndrias 
muito elevado, grande quantidade de 
mioglobina para armazenar oxigênio; A 
mioglobina dá sua aparência avermelhada. 
- Fibras Rápidas (Tipo 2, Músculo Branco). (1) 
Fibras grandes, R. sarcoplasmático extenso 
para rápida liberação de Ca++, menor 
número de mitocôndrias e mioglobina, 
muitas enzimas glicolíticas. 
 
Unidade II 
Waleska - Med IX - UFOB 
Capítulo 7 
Excitação do Músculo Esquelético: 
Transmissão Neuromuscular e 
Acoplamento Excitação-
Contração 
 
 
 
Unidade II 
Waleska - Med IX - UFOB 
Capítulo 8 
Excitação e Contração do Músculo 
Liso 
 
 
 
Unidade II 
Waleska - Med IX - UFOB 
Capítulo 9 
O Músculo Cardíaco; o Coração 
como uma Bomba e a Função das 
Valvas Cardíacas 
 
Esquematicamente, podemos dividir o 
coração em duas bombas: 
o O coração direito bombeia o sangue 
para os pulmões. 
o O coração esquerdo bombeia o sangue 
para os órgãos periféricos. 
o Cada bomba é composta por um 
ventrículo e um átrio. 
o O ritmo cardíaco é a sucessão contínua 
de contrações cardíacas. 
 
Falando em contração, vamos conhecer o 
músculo cardíaco. 
 
Fisiologia do músculo cardíaco 
o O coração é composto por três tipos 
principais de músculo: atrial, ventricular e 
as fibras especializadas excitatórias e 
condutoras. 
o O músculo cardíaco apresenta algumas 
características em o comum com o 
esquelético; ambos são estriados com 
actina e miosina. 
o O miocárdio apresenta discos 
intercalados (membranas celulares que 
separam as células miocárdicas umas das 
outras). 
o As células têm junções ―comunicantes‖ 
permeáveis que permitem rápida difusão 
dos íons. 
o Quando uma célula é excitada, o 
potencial de ação se espalha para todas, 
o O coração é composto por dois sincícios; 
o sincício atrial, que forma as paredes dos 
dois átrios, e o sincício ventricular, que 
forma as paredes dos ventrículos. 
o Os átrios são separados dos ventrículos por 
tecido fibroso. 
o Assim, o potencial é conduzido por meio 
de sistema especializado de condução, 
chamado feixe A-V. 
o Por falar em potencial, ele chega a e −85 
milivolts entre os batimentos, para valor 
ligeiramente positivo, em torno de +20 
milivolts, durante cada batimento. 
o Após o potencial, a membrana 
permanece despolarizada durante cerca 
de 0,2 segundo, exibindo um platô. 
Por que esse platô? 
o No músculo cardíaco, o potencial de 
ação é originado pela abertura de canais 
de dois tipos: os mesmos canais rápidos de 
sódio e os canais lentos