A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
DFOF- Fonação A4

Pré-visualização | Página 1 de 3

DFOF- A4 
Mecanismos de controle neurológico da fonação. 
Como acontece o controle neurológico da fonação? ...Então para que a laringe receba uma informação 
para os músculos contraírem para que ela possa fechar para produzir a voz ou para ela abrir para fazer 
entrada respiratória, este comendo tem que vir do SNC, pois quando o nervo vago que está recebendo 
informação da periferia, tem-se uma série de processos que aconteceram antes para mandar esta 
informação. É algo que começa corticalmente, vem direto com uma informação de comando motor. 
Existem duas formas principais de mandar informação: ex. quando eu decido ‘’eu quero falar A’’ tenho que 
mandar uma ordem, esta ordem vai pelo trato corticobulbar até o tronco encefálico, lá dispara as 
informações para os nervos cranianos, neste caso o nervo principal da fonação é o nervo vago e dali vai o 
comando para a laringe executar a ação - VIA DIRETA DE CONTROLE; TRATO PIRAMIDAL (comando- ordem- 
aciona tronco encefálico - tronco encefálico aciona ordem). 
 Qual é a quantidade de fibras; qual a força necessária para falar A ou a (intensidades diferentes); 
quanto tempo dura este movimento, esta contração; como posso fazer para esta contração ser 
estável e não ser instável? 
A forma como este movimento vai acontecer é determinada por um controle que não é direto; que são 
vias que conversam com o córtex para dizer se é forte é necessário utilizar mais fibras, ter mais força e 
ser muito rápido; se é longo tem que utilizar outro tipo de fibra que sustenta mais movimento. Este 
comando INDIRETO é feito pelo SISTEMA EXTRAPIRAMIDAL, que é a ‘’conversa’’ do cerebelo e gânglios 
da base com o córtex e entre eles. 
Pode-se ter problemas na via direta ou na indireta, em todas as aéreas que envolvem isso, que vão 
comprometer a fonação; se houver um problema de córtex frontal manda a ordem errada e com isso 
executa a função errada, um problema de córtex motor primário a área que contém neurônios para 
acionar a laringe não consegue aciona-la inteira fazendo o comando errado, se tiver um problema no 
tronco encefálico com o vago chega a ordem certa mas o comando manda fazer errado, se houver um 
problema no trajeto do vago depois que ele sai do tronco encefálico o movimento sai errado, um problema 
no cerebelo regula errado este movimento errando por exemplo a hora da laringe fechar etc, problemas 
nos gânglios da base erra-se o quanto de tônus deve-se recrutar e o disparo do movimento. 
-Quando uma pessoa tem uma alteração neurológica local, ela pode estar relacionada a diferentes tipos de 
controle, que pode ser cortical, subcortical, gânglios da base, tronco encefálico etc. 
Existe fonação involuntária reflexa? Sim, a tosse; engasgo etc. O que será discutido não é o controle 
reflexo, pois ele é mais baixo, pode-se ter lesão cortical e o indivíduo continuar tossindo pois na verdade 
ato reflexo de laringe direto ali com a questão sensorial ali da laringe, mas se houver lesão de tronco 
encefálico pode comprometer a fonação reflexa e se não dispara a tosse não terá proteção. 
Regiões corticais responsáveis pela fonação, temos uma região no córtex motor primário só de laringe e 
temos doenças, as apraxias fonatórias, que são quando o paciente está falando normalmente a laringe não 
trabalha de forma correta, cortando o som durante a fala – sabendo que da pra tratar a laringe separada 
da fala, pois está alterado em sistemas diferentes. 
Área motora suplementar e giro pré central que vão dizer : ‘’ é pra inspirar, expirar, fechar a laringe, 
posicionar os articuladores – manda este comando para uma área próxima a aérea de broca, que está mais 
relacionada a questão práxica da fala, que é mandar a ordem. Então manda este comando para a área 
motora e para motora suplementar e eles disparam a sequência, logo depois dispara para o córtex motor 
primário que irá saber ‘’quem eu tenho que chamar para sair’’ 
- resumindo: assim organiza o que quer falar; manda a sequência para a área pré-motora e para a área 
motora suplementar do o que tem que ser feito, assim cada pedaço do córtex motor primário é 
responsável por uma região. 
 
-Temos língua, face próximas a laringe, estes neurônios são 
principalmente responsáveis pelo controle motor da laringe, 
mas eles se conversam. Sendo assim mesmo quando se 
perde muitos neurônios de uma região ‘’chama’’ o vizinho 
para fazer a função dos neurônios que morreram. 
Existe uma região específica da laringe, que é uma região 
mais baixa e bem protegida, com isso pode acontecer de o 
paciente apresentar uma lesão de língua ou face e não afetar tanto a laringe, o que se sabe é quanto mais 
baixo mais fácil de pegar a laringe pois está muito perto. 
EX: AVC com paralisia facial não quer dizer necessariamente se vê um comprometimento vocal, pois a face 
está mais acima, dependendo da extensão do AVC na hora que interrompe a vascularização de uma aérea 
podem afetar toda uma região. Um paciente com um AVC que afetou face e braço, pela face já irá 
interferir na fala pois causa problemas nas articulações, mas a língua pode estar integra e se a mesma 
estiver integra há chances da laringe não ser afetada. Se o AVC atingiu braço, face, língua e voz sabe-se que 
foi de grande extensão, tornando a reabilitação mais difícil pois todos os neurônios próximos foram 
afetados. 
Formas de controlar a voz: córtex - quem executa primeiro, uma ordem que foi enviada pelo trato 
piramidal e vai direto ativar o tronco, que vai direto ativar a laringe, isto é mediado pelo trato 
extrapiramidal e é feito um recorte pois os circuitos de controle, gânglios da base e cerebelo, isoladamente 
possuem interferência para controlar qualquer movimento e eles mediam isso por estas vias indiretas. 
Resumindo: Tudo começa no meu comando e eu disparo pelo córtex motor primário uma ordem que vai 
direta para a laringe. O caminho que isto é feito é pelo trato piramidal, então a via direta manda abrir a 
boca e falar ‘’A’’ por exemplo, que é o caminho direto. O trato que nos atende para falar ‘’A’’ é o córtico 
bulbar, relação córtex-> tronco, que aciona o vago que manda falar ‘’A’’, um outro nome para este 
caminho é neurônio motor superior, quando este aciona o tronco passa a ser chamado neurônio motor 
inferior. O n. superior é o trajeto direto do córtex até o tronco encefálico a partir dali ele é n. inferior 
NMS: está relacionado a influência de movimentos conscientes controlados distintos e rápidos. Então se 
houver uma lesão frontal que mexe com a volição, a pessoa ouve, entende, mas não fala, a laringe está 
pronta para ser usada, o nervo vago está integro, só que o disparo inicial de ‘’querer falar’’ está com 
problema, a sequência vem errada. 
*estamos falando da mesma coisa, Trato piramidal possui várias vias (caminhos), se eu quero levantar o 
braço não será o córtico bulbar, então o córtico bulbar é o que me atende para a laringe e este comando 
que manda a laringe falar o ‘’A’’ até chegar no tronco encefálico é o neurônio motor superior, do tronco 
para baixo passa a ser neurônio motor inferior, esta divisão ocorre para entendermos lesões, pois as lesões 
de n. superior irão dar um tipo de manifestações e as de n. inferior outro tipo de manifestações e estas 
manifestações irão levar ao diagnóstico, uma voz mais ‘’forçada’’ esta relacionada a n. superior e uma voz 
mais ‘’fraca’’ está relacionada a n. inferior. 
 
O trato extrapiramidal é a via indireta, é o caminho longo que requer mais fibras de disparo, força para 
sustentar mais tempo, maior resistência. Como vai ser falado, o córtex manda a informação do que será 
falado e por quanto tempo para os gânglios da base, informando a posição e a abertura da laringe para 
que o movimento seja feito de forma correta, essa ação é feita pela comunicação do córtex com outras 
estruturas, por isso uma via indireta. Existem diferentes regiões do córtex que conversam com outras 
estruturas. O principal componente