A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
10 pág.
DNIT006_2003_PRO

Pré-visualização | Página 3 de 3

Q
U
IL
O
M
ET
R
O
ES
TA
C
A
 O
U
Q
U
IL
O
M
ET
R
O
DNIT 006/2003-PRO 8 
Anexo C (normativo) 
Planilha de Cálculo do IGG 
Fo
lh
a:
 E
st
ac
a 
ou
 
Q
ui
lô
m
et
ro
 
 
O
bs
er
va
çõ
es
 
 
C
on
ce
ito
 
 
D
at
a:
 E
st
ac
a 
ou
 
Q
ui
lô
m
et
ro
 
 
Ín
di
ce
 d
e 
gr
av
id
ad
e 
in
di
vi
du
al
 
 
 
O
pe
ra
do
r 
C
ál
cu
lo
 
V
is
to
 
Fa
to
r d
e 
po
nd
er
aç
ão
 
0,
2 
0,
5 
0,
8 
0,
9 
1,
0 
0,
5 
0,
3 
0,
6 
1 
A
 ( 
 
 
 
 )
 
1 
B
 ( 
 
 
 
 )
 
2 
A
 ( 
 
 
 
 )
 
2 
B
 ( 
 
 
 
 )
 
Fr
eq
uê
nc
ia
 re
la
tiv
a 
 
F 
= 
FV
 =
 
 
 
 
 
 
 _
_ 
 
 
 
 
 _
_ 
2A
) I
G
I =
 F
V 
qu
an
do
 F
V
 ≤
 5
0 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 _
_ 
2B
) I
G
I =
 5
0 
qu
an
do
 F
V
 >
 5
0 
Fr
eq
üê
nc
ia
 
ab
so
lu
ta
 
co
ns
id
er
ad
a 
 
TR
I =
 
TR
Iv
 =
 
∑
 IN
D
. G
R
A
V
ID
. I
N
D
. =
 IG
G
 
Fr
eq
üê
nc
ia
 
ab
so
lu
ta
 
 
TR
E
 =
 
TR
E
v 
= 
n 
= 
P
LA
N
IL
H
A
 D
E
 C
Á
LC
U
LO
 D
O
 ÍN
D
IC
E 
D
E
 G
R
A
V
ID
A
D
E
 G
LO
B
A
L 
(IG
G
) 
TR
E
C
H
O
: 
S
U
B
-T
R
E
C
H
O
: 
 
 
 
R
E
V
E
S
TI
M
E
N
TO
 T
IP
O
: 
N
at
ur
ez
a 
do
 d
ef
ei
to
 
Tr
in
ca
s 
is
ol
ad
as
 F
I, 
TT
C
, T
TL
, 
TL
C
, T
LL
, T
R
R
 
(F
C
 –
 2
) J
, T
B 
(F
C
 –
 3
) J
E
, T
B
E
 
A
LP
, A
TP
, A
LC
, A
TC
 
O
, P
, E
 
E
X
 
D
 
R
 
M
éd
ia
 a
rit
m
ét
ic
a 
do
s 
va
lo
re
s 
m
éd
io
s 
da
s 
fle
ch
as
 m
ed
id
as
 
em
 m
m
 n
as
 T
R
I e
 T
R
E
 
M
éd
ia
 a
rit
m
ét
ic
a 
da
s 
va
riâ
nc
ia
s 
da
s 
fle
ch
as
 m
ed
id
as
 
em
 a
m
ba
s 
as
 tr
ilh
as
 
R
O
D
O
V
IA
: 
Ite
m
 
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
 N
º T
O
TA
L 
D
E
 E
S
TA
Ç
Õ
E
S
 
 
 
 
 
 
_ 
 
 
 
 
 
 
 
 _
 
1A
) I
G
I =
 F
 x
 4
/3
 q
ua
nd
o 
F 
≤ 
30
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 _
 
1B
) 
IG
I =
 4
0 
qu
an
do
 F
 >
 3
0 
_________________ /Anexo D
DNIT 006/2003-PRO 9 
Anexo D (normativo) 
Quadro resumo dos defeitos – Codificação e Classificação 
FENDAS CODIFICAÇÃO CLASSE DAS FENDAS 
Fissuras FI - - - 
Curtas TTC FC-1 FC-2 FC-3
Transversais 
Longas TTL FC-1 FC-2 FC-3
Curtas TLC FC-1 FC-2 FC-3
Trincas 
Isoladas 
Longitudinais 
Longas TLL FC-1 FC-2 FC-3
Sem erosão acentuada 
nas bordas das trincas J - FC-2 - 
Trincas no 
revestimento 
geradas por 
deformação 
permanente 
excessiva e/ou 
decorrentes 
do fenômeno 
de fadiga 
Trincas 
Interligadas “Jacaré” Com erosão acentuada 
nas bordas das trincas JE - - FC-3
Trincas 
Isoladas 
Devido à retração térmica ou dissecação da 
base (solo-cimento) ou do revestimento TRR FC-1 FC-2 FC-3
Sem erosão acentuada 
nas bordas das trincas TB - FC-2 - 
Trincas no 
revestimento 
não atribuídas 
ao fenômeno 
de fadiga 
Trincas 
Interligadas “Bloco” Com erosão acentuada 
nas bordas das trincas TBE - FC-3
 
OUTROS DEFEITOS CODIFICAÇÃO
Local Devido à fluência plástica de uma ou mais camadas do pavimento ou do subleito ALP 
Plástico 
da Trilha Devido à fluência plástica de uma ou mais camadas do pavimento ou do subleito ATP 
Local Devido à consolidação diferencial ocorrente em camadas do pavimento ou do subleito ALC 
Afundamento 
De 
Consolidação 
da Trilha Devido à consolidação diferencial ocorrente em camadas do pavimento ou do subleito ATC 
Ondulação/Corrugação - Ondulações transversais causadas por instabilidade da mistura betuminosa 
constituinte do revestimento ou da base O 
Escorregamento (do revestimento betuminoso) E 
Exsudação do ligante betuminoso no revestimento EX 
Desgaste acentuado na superfície do revestimento D 
“Panelas” ou buracos decorrentes da desagregação do revestimento e às vezes de camadas inferiores P 
Remendo Superficial RS 
Remendos 
Remendo Profundo RP 
NOTA 1: Classe das trincas isoladas 
FC-1: são trincas com abertura superior à das fissuras e menores que 1,0mm. 
FC-2: são trincas com abertura superior a 1,0mm e sem erosão nas bordas. 
FC-3: são trincas com abertura superior a 1,0mm e com erosão nas bordas. 
NOTA 2: Classe das trincas interligadas 
As trincas interligadas são classificadas como FC-3 e FC-2 caso apresentem ou não erosão nas bordas. 
_________________ /Índice Geral 
DNIT 006/2003-PRO 10 
Índice Geral 
Abstract ............................ 1 
Anexo A (normativo) – Treliça 
para medição das flechas da 
trilha de roda ............................ 6 
Anexo B (normativo) – 
Formulário de Inventário do 
estado da superfície do pavimento .......................... 7 
Anexo C (normativo) – Planilha de 
Cálculo do IGG ............................ 8 
Anexo D (normativo) – 
Quadro resumo dos defeitos - 
codificação e classificação ............................ 9 
Aparelhagem 5 .......................... 3 
Cálculos 7 .......................... 3 
Condições de Aplicação 4 .......................... 2 
Conceito de degradação 
do pavimento 8 .......................... 5 
Definições 3 .......................... 2 
Demarcação das superfícies 
de avaliação 6.2 ....................... 3 
Execução 6 .......................... 3 
Flecha na trilha de roda 3.1 ....................... 2 
Freqüências absolutas e 
relativas 7.1 ....................... 3 
Índice Geral ............................ 10 
Índice de Gravidade Global (IGG) 7.4 ....................... 5 
Índice de Gravidade Individual 
(IGI) 7.3 ....................... 4 
Inventário das ocorrências 
(defeitos) 6.4 ....................... 3 
Localização das superfícies 
de avaliação 6.1 ....................... 3 
Medidas das flechas 6.3 ....................... 3 
Objetivo 1 .......................... 2 
Parâmetros 7.2 ....................... 4 
Prefácio ............................ 1 
Referências bibliográficas 2.2 ....................... 2 
Referências normativas 2.1 ....................... 2 
Referências normativas e 
bibliográficas 2 .......................... 2 
Resumo ............................ 1 
Sumário ............................ 1 
Superfície de avaliação 3.2 ....................... 2 
Tabela 1 – Valor do fator 
de ponderação ............................ 5 
Tabela 2 – Conceitos de 
degradação do pavimento 
em função do IGG ............................ 5 
Terminologia correlata 3.3 ....................... 2 
_________________