A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
7 pág.
Tecido Conjuntivo

Pré-visualização | Página 2 de 3

a 
um diferente estágio da formação da fibra elástica. 
1. No primeiro estágio, as fibras oxitalânicas são 
feixes de microfibrilas sem elasticidade, 
compostas principalmente por fibrilina, uma 
glicoproteína capaz de formar uma estrutura para 
deposição de elastina. 
2. No segundo estágio, ocorre a formação das fibras 
elaunínicas pelo acúmulo de elastina. 
3. No terceiro estágio, a elastina continua se 
agregando a fibrilina até ocupar todo o espaço 
disponível para ela, formando as fibras elásticas. 
 
A elastina para síntese de fibras elásticas é 
sintetizada pelos fibroblastos, condrócitos e por células 
musculares lisas. 
Assim como o colágeno, a elastina é rica em 
glicina e prolina, além de demosina e isodesmosina. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 SUBSTÂNCIA FUNDAMENTAL 
É uma mistura incolor e viscosa, altamente 
hidratada, composta por glicosaminoglicanos (GAG), 
proteoglicanos e glicoproteínas. 
Serve para preencher os espaços entre as células e 
fibras do tecido conjuntivo, além de, atuar como 
lubrificante e barreira contra a penetração de 
microorganismos. 
 
GLICOSAMINOGLICANOS (GAG) 
Também chamados de mucopolissacarídeos, são 
polímeros lineares de cadeia longa formados por 
unidades dissacarídicas (carboidratos), em geral 
compostas de ácido urônico e de uma hexosamina 
(glicosamina ou galactosamina). 
 
 
 
 
 
PROTEOGLICANOS 
Os proteoglicanos são compostos de um eixo 
proteico ligados covalentemente a um ou mais tipos 
de GAG não ramificadas. 
Apresentam uma espessa camada de água de 
solvatação que envolve a molécula, sendo assim 
altamente hidratadas. 
Atuam como componentes estruturas da matriz 
extracelular e ancoram células a matriz. 
 
GLICOPROTEÍNAS MULTIADESIVAS 
São compostos de proteínas globulares ligadas 
covalentemente a cadeias de monossacarídios 
ramificados, sendo o componente proteico o 
predominante. 
Possuem a função de ajudarem as células a 
aderirem aos seus substratos e promoverem a 
interação de células adjacentes nos tecido. 
A fibronectina é uma glicoproteína produzida 
pelos fibroblastos e células epiteliais. Possui sítios de 
ligação para células, colágeno e GAG. Promove adesão 
e o movimento celular, a partir da interação com o 
colágeno. 
MICROSCOPIA 
São basófilos, sendo evidenciados em roxo 
pela hematoxilina. 
 
 
Com exceção do ácido hialurônico, todas as 
cadeias lineares são ligadas covalentemente a um 
eixo proteico, formando a molécula de 
proteoglicano. 
 
 
SÍNDROME DE MARFAN 
É causada por mutações no gene que codifica 
a fibrilina, resultando na falta de resistência dos 
tecidos conjuntivos ricos em fibras elásticas. 
Pode afetar o coração, os vasos sanguíneos, 
os olhos e os ossos. 
 
 
MICROSCOPIA 
As fibras elásticas não são facilmente 
visualizadas por se corarem fracamente, sendo 
somente visualizadas quando se agrupam. 
 
 
A fibrilina reduz conforme o aumento da 
idade, afetando a elasticidade de órgãos como a 
pele. 
 
 
A elastina é resistente à fervura, à extração 
com ácido e à digestão com proteases usuais, mas 
facilmente hidrolisada pela elastase pancreática. 
 
 
MICROSCOPIA 
Para visualizar as fibras reticulares deve-se ser 
usada a impregnação pela prata, pois o metal se 
deposita sobre as fibras deixando sua silhueta 
visível. 
 
 
J Ú L I A M O R A I S 1 4 3 - 2 0 1 9 . 2 | 9 
 
A laminina é outra glicoproteína que participa na 
adesão de células epiteliais à sua lâmina basal. 
 
 
 
 CÉLULAS FIXAS 
São as células que residem no tecido conjuntivo e 
possuem tempo de vida longo. 
 
FIBRÓCITO 
 Forma quiescente (desativada) do fibroblasto. 
 Pequenos. 
 Núcleo menor, mais escuro e mais alongado. 
 Poucos prolongamentos citoplasmáticos. 
 Seu citoplasma tem pouca quantidade de retículos 
endoplasmático granuloso e complexo de Golgi 
menos desenvolvido. 
 
FIBROBLASTO 
 Núcleo ovoide e 
grande com cromatina 
frouxa. 
 Muitos prolongamentos citoplasmáticos. 
 Citoplasma basófilo rico em retículo 
endoplasmático granuloso e complexo de Golgi 
bem desenvolvido. 
 Responsável pela produção de matriz 
extracelular, sintetizando colágeno, elastina, GAG, 
proteoglicanos e glicoproteínas. 
 Produzem os fatores de crescimento, os quais 
controlam a proliferação e diferenciação celular. 
 
 
 
 
 
PERICITO 
 Células mesenquimais indiferenciadas que 
permanecem ao redor das células endoteliais de 
capilares e vênulas. 
 Atuam como suporte de vasos sanguíneos, sendo 
importante fonte de células envolvidas com o 
reparo e manutenção de tecidos. 
 
MACRÓFAGO 
 Derivado de células da medula 
óssea, as quais se dividem 
formando monócitos que 
circulam no sangue. Após esses 
adentrarem ao tecido 
conjuntivo, eles amadurecem e 
se transformam e macrófagos. 
 Pode ser fixo ou livre. 
 Núcleo ovoide ou na forma de rim. 
 Superfície irregular, conferindo pequenas projeções. 
 Seu citoplasma pode estar em dois modos: repleto 
de vesículas (acidófilo) ou produzindo vesículas 
(basófilo). 
 Fagocita restos celulares, fragmentos de fibras da 
MEC, células cancerosas, baterias e elementos 
inertes que penetram o organismo. 
 
 
 
 
 
CICATRIZAÇÃO 
A principal célula envolvida na cicatrização é o 
fibroblasto. 
Os fibrócitos revertem-se para o estado de 
fibroblasto, e ativam sua capacidade de síntese 
para restauração do tecido danificado. 
Os miofibroblastos são células semelhantes 
aos fibroblastos mas que possuem maior 
quantidade de filamentos de actina e de miosina e 
se comportam como células musculares lisas. Por 
essas características ela possui atividade contrátil 
responsável pelo fechamento das feridas após as 
lesões. 
 
 
FLUIDO TISSULAR 
É uma pequena quantidade de fluido, 
semelhante ao plasma sanguíneo quanto ao seu 
conteúdo. 
Contêm uma pequena porcentagem de 
proteínas plasmáticas de baixo peso molecular, 
que passam através da parede de capilares para os 
tecidos circunjacentes. 
 
 
Macrófago 
Monócito 
Hemácia 
Fibras Colágenas 
Fibroblasto 
Fibrócito 
J Ú L I A M O R A I S 1 4 3 - 2 0 1 9 . 2 | 10 
 
 
 
 
 
 
PLASMÓCITO 
 Originado do linfócito B. 
 Célula ovoide. 
 Núcleo esférico ou oval, 
geralmente localizado na 
região excêntrica, contendo grumos evidentes de 
cromatina (aparência de roda de carroça antiga). 
 Citoplasma basófilo pela riqueza de retículo 
endoplasmático granuloso. 
 Complexo de golgi se encontra próximo ao núcleo. 
 Pouco numeroso no tecido conjuntivo normal, 
exceto em locais sujeitos à penetração de bactérias, 
e em situações de inflamações crônicas. 
 Produz anticorpos (imunoglobulinas). 
 
 
 
MASTÓCITO 
 Originado de células 
agranulares encontradas 
na medula óssea. Chegam 
aos tecidos, que vão se 
proliferar e se diferenciar, 
pela corrente sanguínea. 
 Célula globosa e grande. 
 Núcleo pequeno esférico e central, cuja a 
visualização fica dificultada pelos grânulos. 
 Citoplasma repleto de grânulos basófilos de 
coloração intensa. 
 Sua superfície possui receptores específicos para a 
imunoglobulina E (IgE), produzida pelos 
plasmócitos. 
 Estoca grânulos secretores de mediadores 
químicos da resposta inflamatória, como a 
histamina e os glicosaminoglicanos sulfatados, 
como a heparina. 
 Abundante na derme e nos sistemas digestório e 
respiratório. 
 
 
 
 
 
 
 
ADIPÓCITO 
 Célula especializada no 
armazenamento de energia na 
forma de triglicerídeos (TAG). 
 
 
 
 
 
REAÇÕES DE HIPERSENSIBILIDADE INATA 
Quando os grânulos dos mastócitos são 
liberados, os mediadores químicos contidos neles 
promovem reações alérgicas. 
Essas reações ocorrem pouco tempo depois 
da exposição ao antígeno em indivíduos 
previamente sensibilizados pelo mesmo, sendo o 
caso mais grave a ocorrência de um choque 
anafilático.