A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
Cálculo das forças devido ao vento em edificações

Pré-visualização | Página 1 de 1

CÁLCULO DAS FORÇAS DEVIDO AO VENTO EM 
EDIFICAÇÕES – ABNT NBR 6123 (1988) 
 
A consideração dos esforços devido ao vento é de vital importância no 
processo de dimensionamento, sobretudo em edificações altas. Você já se 
perguntou “como calcular a força devido ao vento em edificações?” 
A ABNT NBR 6123 (1988), intitulada “Forças devidas ao vento em 
edificações”, estabelece que a pressão dinâmica do vento seja calculada por 
meio da Equação (01), exposta abaixo. 
=  20,613 kq V (01) 
Em que q é a pressão dinâmica do vento em N/m², correspondente à 
velocidade característica do vento Vk em m/s. Para converter o valor de q em 
força, basta multiplica-lo por uma área de incidência. 
Por sua vez, a velocidade característica do vento é calculada pela Equação 
(02). 
=   0 1 2 3kV V S S S (02) 
Em que: 
• V0 é a velocidade básica do vento, definida como a “velocidade de 
uma rajada de 3 s, excedida na média uma vez em 50 anos, a 10 m 
acima do terreno, em campo aberto e plano” (ABNT NBR 6123, 
1988). Tal velocidade é obtida pela Figura 1 da Norma citada, 
exposta na Figura 1 do presente arquivo. 
 
Figura 1: Isopletas da velocidade básica V0 (m/s). 
Fonte: ABNT NBR 6123 (1988). 
• S1 é o fator topográfico, que considera as variações do relevo do 
terreno. Sendo igual a 1,0 para terrenos planos ou fracamente 
acidentados. Para outras condições de terreno, consultar seção 5.2 
da ABNT NBR 6123 (1988); 
 
• S2 é o “fator que considera o efeito combinado da rugosidade do 
terreno, da variação da velocidade do vento com a altura acima do 
terreno e das dimensões da edificação ou parte da edificação em 
consideração. Em ventos fortes em estabilidade neutra, a velocidade 
do vento aumenta com a altura acima do terreno. Este aumento 
depende da rugosidade do terreno e do intervalo de tempo 
considerado na determinação da velocidade. Este intervalo de 
tempo está relacionado com as dimensões da edificação, pois 
edificações pequenas e elementos de edificações são mais afetados 
por rajadas de curta duração do que grandes edificações. Para 
estas, é mais adequado considerar o vento médio calculado com um 
intervalo de tempo maior”. O valor de S2 é calculado pela Equação 
(03). 
2
10
p
r
z
S b F
 
=    
 
 
(03) 
 
Em que Fr é o fator de rajada, z a altura, em metros, da edificação 
acima do terreno na qual deseja-se calcular a velocidade do vento, 
b o parâmetro meteorológico e p o expoente da lei potencial de 
variação de S2. Os valores de b e p variam em função da categoria 
e da classe da edificação que, por sua vez, dependem das 
condições do terreno e das dimensões do edifício. Tais parâmetros 
podem ser obtidos pela Tabela 1 da ABNT NBR 6123 (1988); 
 
• S3 é o fator estatístico fundamentado em conceitos probabilísticos 
que “considera o grau de segurança requerido e a vida útil da 
edificação” (ABNT NBR 6123, 1988). Os valores mínimos do fator 
estatístico S3 estão fixados na Tabela 3 da ABNT NBR 6123 (1988), 
exposta na Figura 2. 
 
Figura 2: Valores mínimos do fator estatístico S3. 
Fonte: ABNT NBR 6123 (1988).