A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
80 pág.
NR10-e-EPIs

Pré-visualização | Página 2 de 3

14
		0		1000		5000		6000		8		12		14		16
		1		7500		10000		20000		X		14		16		18
		2		17000		20000		30000		X		16		18		20
		3		26500		30000		40000		X		18		20		22
		4		36000		40000		50000		X		X		22		24
Plan2
		
Plan3
		
CLASSES DE TENSÃO
	São estabelecidas 6 classes de luva de borracha: classe 00, classe 0, classe 1, classe 2, classe 3, classe 4.
	 Marcação
	 Todas as luvas devem ser marcadas clara e permanentemente no dorso do punho, dentro da faixa de 50mm a contar da orla. Tal marcação deve ser isolante e aplicada de maneira a não prejudicar as propriedades das luvas
	A marcação deve ser da cor especificada para cada classe da luva:
	Classe 00 – bege
	Classe 0 – vermelha
	Classe 1 – branca
	Classe 2 – amarela
	Classe 3 – verde
	Classe 4 – laranja
MARCAÇÃO
	Alem das cores, a marcação deve conter as seguintes indicações:
	A) Nome do fabricante;
	B) Tipo;
	C) Classe;
	D) Tamanho
TAMANHO DA LUVAS
O tamanho deve ser obtido pelo perimetro interno da luva, medindo sobre uma linha paralela à união dos dedos e passando através da união do dedo polegar.
Plan1
		
				Numero		8		8.5		9		9.5		10		10.5		11		11.5		12
				T(mm)		203		216		229		241		254		267		279		292		303
Plan2
		
Plan3
		
INSPEÇÃO PRELIMINAR:
	 É OBRIGATÓRIO:
	 Fazer uma inspeção preliminar diariamente antes do uso. A inspeção deverá ser feita com o uso de um insuflador específico.
	 O usuário deverá estar atento a furos e cavidades, oxidação, ataque de ozônio, deterioração, sinais de envelhecimento, rachaduras, sulcos, cortes e desgastes superficiais.
	 Havendo duvidas, suspeitas ou constatação de defeitos as luvas não poderão ser utilizadas e deverão ser encaminhadas imediatamente para testes laboratoriais de inspeção visual e ensaios de tensão.
	
26.bmp
27.bmp
Dica para Inspeção Preliminar
Luvas Bicolor
	 O uso de luvas bicolores facilitam a inspeção preliminar devido ao fato de a cor de dentro ser diferente da cor de fora. No caso de um furo ou qualquer deformidade na borracha, inflando a luva, ou simplesmente esticando a borracha, a cor de baixo irá aparecer e se constatará que a luva não está apta a ser usada
HIGIENIZAÇÃO
	 Depois de usadas as luvas deverão ser lavadas com um sabão suave ou detergente leve e água. Após a lavagem, as mesmas deverão ser enxaguadas com água para remover todo o sabão ou detergente. Alvejantes ou cloretos suaves do tipo doméstico podem ser usados para fins de desinfecção. Sabões, detergentes e alvejantes não devem ser usados com intensidade que possa atacar ou prejudicar a superfície da borracha.
	 
Dica: As luvas bicolores, por ter o seu interior na cor amarela, facilitam a inspeção e a constatação de que a luva foi higienizada da forma correta
ARMAZENAGEM
Armazená-las em caixa de papelão, evitando enrugamento, dobras, alongamento ou compressão, mesmo quando sendo transportadas pelo usuário.
Armazená-las em local livre de ozônio, produtos químicos, óleos, solventes, vapores prejudiciais, fumos e descargas elétricas; fora da ação solar ou qualquer fonte de calor; em temperatura ambiente não superior a 35°C
Guardá-las completamente limpas e secas, isentas de óleo, graxa ou outras substâncias prejudiciais, polvilhadas externa e internamente com talco apropriado, sem dobras e em caixas individuais específicas para este fim.
LUVAS ISOLANTES
SALISBURY
	- Fabricadas em borracha natural com tratamento halógeno;
	- Não agridem a pele, evitando problemas como a dermatite;
Proporcionam maior resistência a tração e a perfuração mecânica;
Única com opção bicolor.
28.bmp
MANGAS ISOLANTES
SALISBURY
 As mangas isolantes possuem as mesmas classes de tensões das luvas isolantes e também podem ser fabricadas pelo método de imersão e em duas cores
 VESTIMENTA ANTI CHAMA
	 10.2.9.2 As vestimentas de trabalho devem ser adequadas às atividades, devendo contemplar a condutibilidade, inflamabilidade e influências eletromagnéticas
	 NORMA PARA VESTIMENTA: 
NFPA 70E - Link
ALGUMAS ESTATÍSTICAS:
Apenas 20% dos acidentes envolvendo eletricidade se devem a choques elétricos enquanto que 80% são causados por arco elétrico (Queimaduras);
Nos EUA diariamente ocorrem entre 5 e 10 casos de acidentes envolvendo arco elétrico, baseando-se apenas nos casos graves que exigem hospitalização;
Em 2001 morreram 891 pessoas de origem hispânica nos EUA devido a acidentes envolvendo eletricidade.
ARCO ELÉTRICO
ARCO ELÉTRICO
VESTIMENTA NÃO ADEQUADA!!!!
	Áreas cobertas por vestimenta não adequada podem sofrer queimaduras mais graves do que as áreas descobertas
	 TRABALHAR SEM ROUPA PODE SER MELHOR DO QUE TRABALHAR COM UMA ROUPA COMUM DE ALGODÃO!!!!!
COMO UMA VESTIMENTA COMUM AGRAVA AS QUEIMADURAS?
	Roupa sintética:
 derrete e gruda na pele.
	Roupa de algodão:
 incendeia facilmente.
NÃO BASTA USAR SOMENTE A ROUPA ANTICHAMA
1.bmp
PROTETOR FACIAL
Chances de sobrevivência no caso de uma exposição ao arco elétrico
 Chances de 
Sbrvivencia %
0
40
60
100
25% Queimaduras
80
50% Queimaduras
75% Queimaduras
20-29 30-39 40-49 50-59
Idade
Fonte: American Burn Association (1991-1993 Study) 
PROTEÇÃO DE ACORDO COM O RISCO
	 Para que não ocorram queimaduras graves a vestimenta Flash Wear deverá ser dimensionada de acordo com as classes de risco conforme norma NFPA 70E.
	 
NFPA 70E 
Categoria de risco 1
	Roupa confeccionada com 1 camada de tecido Flash Wear
NFPA 70E 
Categoria de risco 2
	Roupa confeccionada com 1 camada de tecido Flash Wear mais uma viseira contra arco elétrico
NFPA 70E 
Categoria de risco 3
	Roupa confeccionada com 2 camadas de tecido Flash Wear mais viseira anti arco elétrico com capuz confeccionado com 2 camadas de tecido Flash Wear
NFPA 70E 
Categoria de risco 4
	Roupa confeccionada com 3 camadas de tecido Flash Wear mais viseira anti arco elétrico com capuz confeccionado com 3 camadas de tecido Flash Wear
TECIDO
ANTICHAMA /ANTIARCO ELÉTRICO
FLASH WEAR 
Principais Características
Proteção
Resistência
Conforto
COMPOSIÇÃO DO FLASH WEAR: 
88% DE ALGODÃO (CONFORTO);
12% DE FIBRAS SINTÉTICAS (RESISTÊNCIA MECÂNICA). 
CONFORTO:
ASTM D 737-96 (Ensaio de Permeabilidade) 
	A Leal procurou trazer para o Brasil, um tecido que melhor atendesse as nossas condições climáticas.
	Conforto do algodão
	Amaciamento a seco
PROCESSO DE FABRICAÇÃO
(Aplicação do Polimero Anti Chama)
	 O processo para se fabricar o tecido Flash Wear é através de uma grande impregnação do polímero anti-chama no oco (alma) da fibra do algodão.
COMO O TECIDO FLASH WEAR 
TRABALHA?
	 O polímero anti chama atua como um catalizador promovendo a carbonização do tecido. A aceleração da carbonização evita a combustão.
	 O mecanismo de ação não está baseado na extinção do fogo mediante um processo de emissão de gases.
Como o Flash Wear Proporciona Proteção?
Atende as normas NFPA70E e NFPA 2112
Não pega fogo, não derrete e não goteja;
Resiste ao impacto do arco elétrico;
Mantém uma barreira que isola o trabalhador da exposição térmica.
REDUZ AS QUEIMADURAS;
AUMENTA AS CHANCES DE SOBREVIVÊNCIA;
AJUDA A PRESERVAR A QUALIDADE DE VIDA.
FLASH WEAR
NORMAS
	 FOGO REPENTINO
	 (NFPA 2112)
	 RISCOS ELÉTRICOS
 (NFPA 70E)
                                                               
ENSAIOS REALIZADOS PARA ATENDIMENTO A NORMA
 NFPA 70E 
ENSAIO DE ARCO ELÉTRICO:
Método: ASTM F1959M-99
Provas de Resistência a Tração e Ruptura:
Método: ASTM D 5034
Prova de Respirabilidade:
Método: ASTM D737-96
Prova de Flamabilidade:
Método: ASTM D6413-99
PROTEÇÃO AO ARCO ELÉTRICO
ASTM F1959M-99
ATPV: 8,5 cal/cm2
HAF: 72,7%
CLASSE DE RISCO 2 COM UMA CAMADA
	
Ensaio:ASTM F1959
Local: Laboratório de
Kinectrics, Canadá
Objetivo: Definir os valores de proteção
HAF e ATPV
NFPA 70E
 ENSAIO NFPA 70E