A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
8 pág.
APOL 2 SOCIOLOGIA DO TRABALHO

Pré-visualização | Página 1 de 4

Questão 1/10 - Sociologia do Trabalho
Considere a seguinte informação:
“No processo de produção, os homens estabelecem entre si determinadas relações sociais por meio das quais extraem da natureza o que necessitam. Desde aí, Marx reflete sobre o significado - para o indivíduo e a sociedade - da apropriação por não produtores (pessoas, empresas ou o Estado) de uma parcela do que é produzido socialmente, e desenvolve sua concepção de classe, exploração, opressão e alienação”.
Após esta avaliação, caso queira ler o texto integralmente, ele está disponível em: QUINTANEIRO, Tânia: Um toque de clássicos: Marx, Durkheim e Weber. Belo Horizonte, UFMG, 2003, p. 38.  
De acordo com as informações do fragmento de texto acima e conforme os conteúdos do livro-base Introdução à sociologia do Trabalho sobre os diferentes modos de produção, relacione corretamente os seguintes modos de produção às suas respectivas características. 
1. Modo de produção capitalista
2. Modo de produção primitivo
3. Modo de Produção socialista
4. Modo de produção asiático
5. Modo de Produção feudal  
(  ) Não possui divisão do trabalho e mantém o uso do espaço comunal.
(  ) Trabalham como servos em troca do direito de cultivar a terra.
(  ) Força de trabalho considerada como uma mercadoria.
(  ) Administração coletiva dos meios de produção.
(  ) Ligado à agricultura, a qual era praticada por comunidades de camponeses presos à terra.
 
Agora, selecione a alternativa que apresenta a sequência correta:
Nota: 10.0
	
	A
	4 – 3 – 1 – 5 – 2
	
	B
	1 – 5 – 4 – 3 – 2
	
	C
	5 – 1 – 2 – 3 – 4
	
	D
	2 – 5 – 1 – 3 – 4
Você acertou!
A sequência correta é 2 – 5 – 1 – 3 – 4. (1) Modo de produção escravista: Caracteriza-se pela posse da mão de obra como propriedade do senhor. O escravo, desse modo, assume o papel de mercadoria (livro-base, p. 100). (2) Modo de produção primitivo: Caracteriza-se pelo primeiro modo de produção da sociedade humana, pautado no extrativismo e na domesticação de animais. Nesse tipo de produção, não existe a noção de propriedade (livro-base, p. 99). (3) Modo de produção socialista: Resulta da superação do modo de produção capitalista, quando o controle dos meios de produção passa a ser da classe operária. Ocorre a administração coletiva, organizando a produção (livro-base, p. 102). (4) Modo de produção asiático: “é característico dos primeiros Estados surgidos na Ásia Oriental, na Índia, no Egito e, mais recentemente, no restante África. A agricultura, base da economia desses Estados, era praticada por comunidades de camponeses presos à terra, a qual não podiam abandonar, sendo submetidos a um regime de servidão coletiva. Na verdade, esses camponeses (ou aldeões) tinham acesso à coletividade das terras de sua comunidade, ou seja, pelo fato de pertencerem a tal comunidade, eles tinham o direito e o dever de cultivar essas terras” (livro-base, p. 100). (5) Modo de produção feudal: Ocorreu na Idade Média. As terras de propriedade do Senhor Feudal são cultivadas pelos servos. Os servos produzem para o Senhor e, em troca, têm o direito à moradia e ao cultivo para o consumo próprio (livro-base, p. 101) (livro-base, p. 99-102).
	
	E
	1 – 4 – 5 – 3 – 2
Questão 2/10 - Sociologia do Trabalho
Considere o seguinte fragmento de texto:
“Revolucionário em 1930, ditador em 1937, líder democrático de massas com plataforma de esquerda em 1950, o mesmo nome parece denominar muitos personagens, o que permite uma ampla variedade de apropriações. Não faz sentido falar em apenas uma linhagem varguista, mas sim em múltiplas tradições”.
Após esta avaliação, caso queira ler o texto integralmente, ele está disponível em: CHALOUB, Jorge. Os ecos de Getúlio. Revista de História da Biblioteca do Museu Nacional, Rio de Janeiro, n. 109, ano 10, p. 8-98, out. 2014. p. 18,19. 
De acordo com os conteúdos do livro-base Introdução à Sociologia do Trabalho a respeito da Era Vargas e da Legislação Trabalhista, é correto afirmar que:
Nota: 10.0
	
	A
	Apesar de regulamentar as relações de trabalho, as influências do fascismo limitaram a garantia de direitos.
	
	B
	A ditadura do chamado Estado Novo retardou a promulgação de leis, legalizando a organização sindical.
	
	C
	Apesar dos avanços obtidos com a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), a introdução de elementos do Estado de bem-estar social só ocorreu com a Constituição de 1988.
	
	D
	No Governo Vargas, foi instituído o Ministério do Trabalho, avanço importante para garantir a consolidação da justiça trabalhista.
Você acertou!
A alternativa correta é a letra D. A criação do Ministério do Trabalho Indústria e Comércio, o qual mais tarde se transformaria no Ministério do Trabalho e Emprego, permitiu avanços importantes, os quais levariam à criação e à consolidação da Justiça do Trabalho. Apesar do governo repressivo e das influências do fascismo, houve avanços significativos no âmbito dos direitos trabalhistas, incorporando princípios do Estado de bem-estar social, também presente na Constituição cidadã de 1988. O caráter progressista das leis trabalhistas foi influenciado pelas constituições, como a Mexicana, pioneira na concessão de direitos aos trabalhadores, e a alemã (livro-base, p. 161).
	
	E
	A elaboração da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) poderia ter pautas mais progressistas se dialogasse com experiências bem-sucedidas de outros países.
Questão 3/10 - Sociologia do Trabalho
Leia o seguinte fragmento de texto: 
“Todos os participantes do debate inicial [...] rejeitaram o argumento de que o modo feudal de produção era estático e se perpetuava a si mesmo, não gerava as condições para a própria transformação e, portanto, necessitava de uma força externa para desequilibrá-lo”.
Após esta avaliação, caso queira ler o texto integralmente, ele está disponível em: HILTON, Rodney et al. A transformação do feudalismo para o capitalismo. São Paulo: Paz e Terra, 2004. p. 30.  
Considerando o dado fragmento de texto e conforme os conteúdos do livro-base Introdução à Sociologia do Trabalho, é correto afirmar que a passagem do feudalismo ao capitalismo:
Nota: 10.0
	
	A
	Ocorreu com a contraposição entre atividade agrícola e o comércio de especiarias nos centros urbanos.
	
	B
	Resultou unicamente das transformações religiosas ocorridas com a Reforma Protestante.
	
	C
	Foi influenciada pela ideia de mercantilização da força de trabalho obtida pelo regime escravista.
	
	D
	Foi influenciada pela tese de Adam Smith sobre o mercado como autorregulável.
	
	E
	Ocorre com o processo de reorganização política e a formação dos Estados-Nação.
Você acertou!
A resposta correta é a letra E. Não é possível contrapor o comércio realizado nos centros urbanos com a atividade agrícola, pois ambos ocorreram em paralelo. A Reforma Protestante, embora tenha aberto espaço para outras perspectivas, não determina a passagem para o capitalismo. O autor não aborda a influência do comércio escravista para o desenvolvimento do capitalismo (como acredita Eric Willians), no entanto, se a escravatura influenciou o capitalismo, não foi pelas ideias a respeito da mercantilização da força de trabalho, e sim pelo acumulo de capital. O trabalho de Adam Smith é posterior ao surgimento do capitalismo. Segundo o autor, a passagem do feudalismo para o capitalismo deriva do processo de transformação política que culminou na criação dos primeiros Estados Nacionais. A formação do Estado-Nação proporciona uma nova base tributária e coincide com o renascimento do comércio. “O feudalismo foi um modo de organização social e político baseado nas relações servo-senhor e cuja origem remonta ao esfacelamento do Império Romano na Europa. Perdurou por cerca de mil anos, durante toda a Idade Média. Segundo Martins [...], ‘a passagem do feudalísmo ao capitalismo insere-se num longo processo sócío-polítíco-econômíco-relígíoso que passava a Europa. [...] Wallerstein não concebe o feudalismo existido com duas economias, uma de subsistência (rural) e uma de mercado (nas cidades), não podendo o feudalismo ser pensado como antitético ao comércio, pois

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.