A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
12 pág.
A IMPORTÂNCIA DO ATO DE LER DE PAULO FREIRE LEITURA AUTÊNTICA, RELEITURA DE MUNDO E CONSTRUÇÃO DE SIGNIFICADOS

Pré-visualização | Página 4 de 4

escrita, uma dupla faz referência à atualidade do texto, assim se colocando: 
 Didática e Prática de Ensino na relação com a Formação de Professores
EdUECE- Livro 2
06278
O texto de Freire é muito atual pelo que estamos vivendo na nossa 
educação, pois muitos professores continuam pensando que na 
alfabetização precisa-se fazer repetições silábicas. 
 
Nós educadores e educandos devemos começar a avaliar que a 
importância de ler está na compreensão de como encaramos essa 
prática para que dessa maneira se transforme em uma prática 
consciente (D6). 
 
 A leitura do texto assumiu feições significativas para alguns estudantes que 
consideraram a possibilidade de estarem, finalmente, aptos a fazerem a leitura autêntica 
de texto, compreendida como o verdadeiro ato de estudar, ensaiando a ruptura com o 
paradigma de que a condição de universitários é correspondente à condição de leitores 
proficientes, fato que nem sempre se conforma como correspondente. Esse 
entendimento emergiu da compreensão de que o estudo do texto lhes permitiu situar-se 
na condição de alfabetizados. 
Palavras ressoaram em nossos corações. (...) Este texto transpirou em 
nosso ser. Uma quebra de orgulhos, nos tornamos alfabetizandas outra 
vez, início, renovar, aprender, um recomeçar, um novo [modo de] ver 
o mundo, deixar fluir novas concepções, começar do zero. 
 
É tão bonito quando nos colocamos a disposição do modificar, da 
humildade de estudantes que buscam o verdadeiro ato de estudar. 
Freire com suas vivências e com suas palavras singelas nos alcançou e 
nos tirou de um verdadeiro paradigma que trazíamos desde tempos, 
estamos abertas chegou a hora de ler! (D5). 
 
 A leitura, feita pelos estudantes, de que o texto de Paulo Freire ressoou em seus 
corpos e mentes, fazendo transbordar a renovação, a reinvenção, o recomeço de novos 
processos de leiturização do mundo, nos leva a considerar que escolher e propor leituras 
e metodologias de leitura na sala de aula no ensino superior, passa pela construção de 
significados na busca esperançosamente crítica por uma sociedade pautada na ética do 
bem comum. 
 
A título de considerações finais 
 
 Lançando mão das contribuições de Paulo Freire para iluminar futuras pesquisas, 
tomamos para nós a tarefa não de reproduzi-lo, mas de reiventá-lo. Assim, encontramos 
que busca de coerência entre o escrito e o compreendido se constitui como leitura 
autêntica; que a função social da leitura abarca a releitura de mundo, pela mediação da 
sincronicidade literária, entendida como construção de significados. 
 Didática e Prática de Ensino na relação com a Formação de Professores
EdUECE- Livro 2
06279
 O Ciclo do conhecimento de Paulo Freire foi utilizado como lente de leitura da 
prática: ensinar, aprender e pesquisar lidam com os dois momentos do ciclo do 
conhecimento – o momento da produção de um conhecimento novo e o momento em 
que o conhecimento produzido é conhecido ou percebido. 
Analisar a compreensão e produção dos estudantes com e a partir da análise do 
texto A importância do ato de Ler, de Paulo Freire, foi o objetivo geral deste estudo. 
Além disso, buscamos perceber os sentidos e as marcas pessoais que o texto imprimiu 
na formação de futuros pedagogos, a partir de seus posicionamentos. 
 Em diálogo com o autor, os/as estudantes expressaram na unidade de escrita 
“Apreciação Pessoal”, que a leitura autêntica se constitui como busca de coerência entre 
o escrito e o compreendido. Fazer uma leitura autêntica significa produzir conhecimento 
e desenvolver uma visão crítica, fazer a leitura do vivido, percebido como algo que nos 
move a ver, sentir, indagar, fazendo dessa inquietação uma produção de sentidos. 
 A compreensão autêntica do texto passa pela necessidade entender o que o autor 
do texto se dispôs a desvelar por meio de sua escrita. Significa investigar a mensagem 
que ele concebeu como significativa para revelá-la ao mundo. Nesse sentido, para os 
estudantes, leitura é ato de conhecimento, desvela, desanuvia e revela o mundo. Para 
tanto, reconhecem que essa leitura precisa ser trabalhada com ênfase na curiosidade, que 
a leitura da palavra revela um mundo que até então estava escondido e que a partir da 
leitura do mundo, conseguimos ter uma compreensão verdadeira da palavra. 
 A compreensão de que educação como ato político, é decorrente da busca 
curiosamente crítica e do interesse de quem lê, numa perspectiva contextualizada. Por 
decorrência, a leitura se constitui fonte de prazer, a exemplo da opinião revelada pelos 
estudantes acerca do texto “A importância do ato de ler”, de Paulo Freire. 
O papel social da leitura, na forma como os estudantes percebem, remete à 
compreensão de que sincronicidade entre o que se ler e o que se vive/u; que a leitura 
contribui para a transformação de pessoas, em termos da formação de sua autonomia e, 
de forma mais ampliada, a leitura contribui para a sociedade “dita do conhecimento”. 
A sincronicidade que a leitura proporciona se materializa pela significação do 
que está à nossa volta, pois inclui experiências na interpretação no ato de ler. Este 
argumento dos estudantes encontra sustentação em Freire (2001), ao afirmar que a 
leitura pressupõe buscar na memória imagens relacionadas com o assunto. 
 Didática e Prática de Ensino na relação com a Formação de Professores
EdUECE- Livro 2
06280
 A contemporaneidade do texto, segundo os estudantes, corrobora com a atual 
compreensão do processo de alfabetização para além de repetições silábicas; uma 
prática consciente, melhorando a condição dos alunos e sua visão de mundo. Para tanto, 
faz-se necessário compreender a palavra escrita, a linguagem, as relações do contexto, 
fazendo a relação entre leitura do mundo e leitura da palavra. 
 A leitura autêntica de texto, compreendida como o verdadeiro ato de estudar, 
ensaia a ruptura com o paradigma de que a condição de universitários é correspondente 
à condição de leitores proficientes, fato que nem sempre se conforma como 
correspondente. Esse entendimento é decorrente da compreensão de que o estudo do 
texto lhes permitiu situar-se na condição de “verdadeiros alfabetizados”. 
 A leitura do texto de Paulo Freire suscitou renovações quanto ao modo dos 
estudantes se posicionarem diante do mundo e que a reinvenção de processos de 
leiturização do mundo passa pela construção de significados, também, do ato de 
escolher e propor leituras em sala de aula no ensino superior. 
 
Referências 
 
BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. 19. ed. Lisboa/Portugal: Edições 70, 2008. 
 
CHARLOT, Bernard. A pesquisa educacional entre conhecimentos, políticas e 
práticas: especificidades e desafios de uma área de saber. Revista Brasileira de 
Educação. Rio de Janeiro, v. 11 n. 31 jan./abr. 2006. 
FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 13. ed. 
São Paulo: Paz e Terra, 1999. 
_____. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. 42.ed. São 
Paulo: Cortez, 2001. (Questões da nossa época, 13). 
_____. Educação Como Prática da Liberdade. 30. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2007. 
HÜHNE, L. M. O ato de estudar. In: HÜHNE, Leda Miranda (Org.). Metodologia 
científica: cadernos de textos e técnicas. 5. ed. Rio de Janeiro: Agir, 1992. p. 13-19. 
(Apresentação a partir do texto de Paulo Freire). 
 
SHÖR, Ira; FREIRE, Paulo. Medo e ousadia: o cotidiano do professor. 2. ed. Rio de 
Janeiro: Paz e Terra, 1986. 
 
 
 Didática e Prática de Ensino na relação com a Formação de Professores
EdUECE- Livro 2
06281