A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
2 pág.
RESUMO- FEUDALISMO

Pré-visualização | Página 1 de 1

O feudalismo acabou sendo uma organização econômica, política, social e cultural 
que se baseava na posse de terras, que acabou tendo sua predominância na Europa 
Ocidental, no período em que a idade média estava acontecendo. 
A sociedade que se tinha nesse período era chamada de sociedade estamental, pois ela 
era composta por camadas sociais e não existia uma mobilidade social, onde, uma 
pessoa não podia passar de um estamento social para outro, onde você nasceu, você 
continua e sempre vai permanecer a ela. Essa sociedade se baseava na existência de três 
estamentos sociais, que eram a nobreza, clero e servos. 
 
 quem ficava no topo da hierarquia era o Rei, que 
concentrava pouco poder político, pois este poder acabava sendo dividido entre 
eles e os senhores feudais. Os nobres tinham posse de terras e eram chamados 
de senhores feudais, onde exerciam um poder absoluto em seus domínios, era 
ele quem aplicava leis, dava privilégios, administrava a justiça e declarava a 
guerra e quem fazia a paz.
 A igreja se tornou a instituição feudal mais poderosa, porque era 
proprietária de vastas extensões de terrar e segundo elas, cada um dos 
membros da sociedade tinha que cumprir uma função em sua passagem pela 
terra e a função que o nobre tinha, era de proteger militarmente a sociedade e 
estes eram os únicos que sabiam ler, nessa sociedade.
 Eles estavam presos as terras e eram subordinadas as diversas 
obrigações que iam desde os impostos até os serviços e esses trabalhos se 
ligavam fundamentalmente a escravidão e além de ter os servos, existiam outros 
trabalhadores, que eram: 
 eram homens livres que vivam nas vilas, prestavam serviços ao 
senhor feudal e eles também podiam trocar de propriedade.
 na maioria eram empregados nos serviços domésticos e não 
tinham direitos.
 Eles ocupavam a administração da propriedade feudal e 
podiam subir socialmente, podem chegar à condição de membros da pequena 
nobreza.
 
As condições que as pessoas tinham de vida era algo precário e horrível, isso vale para 
os senhores feudais também, já que estes não tinham um luxo extremo e para os servos 
era algo miserável. 
Sua economia era de caráter produtivo autossuficiente já que se destinava ao consumo 
local e não para as trocas, onde as trocas eram feitas com produtos na maior parte do 
tempo. 
A sua política era restrita e monopolizada por parte do senhor feudal. Era o senhor 
feudal quem formava os exércitos particulares e que construía castelos fortificados e 
eram eles que protegiam e desenvolviam comunidade feudal. 
No século XI, o feudalismo sofreu grandes mudanças e esse período ficou chamado de 
baixa idade média, neste período o desenvolvimento das cidades e comércio foram a 
renda e a partir disso, as relações de produção se baseavam no trabalho livre 
assalariado e houve o surgimento de novas camada sociais, como a burguesia. Um dos 
primeiros fatores responsáveis pelas mudanças no sistema feudal de produção foi o 
crescimento populacional e à medida que a população crescia, tinha a necessidade de 
expandir a área de produção e de se desenvolver novas técnicas agrícolas. 
Os senhores feudais pretendiam enriquecer a partir da comercialização dos excedentes 
que o feudo produzia, começaram a aumentar a utilização de força, opressão e 
exploração dos servos, o que fez com que muitos servos fugissem e que acontecesse 
revoltas camponesas e em decorrência disso, os senhores feudais precisaram mudar 
seus comportamentos em relações aos servos. A partir disso, muitos deles arrendaram 
suas terras, enquanto outros passaram a vender a liberdade aos servos ou então os 
expulsaram, onde colocaram em seus lugares trabalhadores assalariados. 
Esse processo que o sistema feudal sofreu pelo sistema capitalista foi lento e gradual, 
que se acentuou com a chegada do renascimento comercial.