Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
11 pág.
antropologia da Educação

Pré-visualização | Página 1 de 2

QUESTÃO 1
Relativizar é a base atitude antropológica, do reconhecimento e do respeito às diferenças, inclusive para que seja possível o combate aos estereótipos, ao preconceito e à discriminação. As relações de gênero, a educação das comunidades quilombolas, indígenas e a educação de pessoas com deficiência são áreas que ainda demandam atenção porque são marcadas por pré-conceitos e desconhecimento por parte da sociedade em geral, constituindo-se em grandes desafios para os professores.
Sobre essas modalidades da educação relacione as duas colunas.
I. Educação quilombola
II. Educação indígena
III. Educação do campo
IV. Educação de pessoas com necessidades especiais
V. Questões de gênero
( ) A sexualidade deve estar presente nas salas de aula, porque há sujeitos sexuados ali presentes; ela faz parte da nossa existência e da nossa identidade e é sempre uma construção social, assim como os papeis de gênero também são aprendidos. A sexualidade nos define e orienta nossa visão de mundo e nosso comportamento e, por conta disso, a escola deveria lutar contra tabus impostos pela sociedade e pela cultura hegemônica, sobretudo a heterossexual, que define que roupas, gestos, comportamentos. Assim, não um há um "normal" em relação à sexualidade, mas sim um padrão normativo que se tornou hegemônico e passou a ser visto como "certo".
( ) Pensando na democratização do acesso à educação em todo o país, foi preciso discutir os anseios e as necessidades dessa parcela da população que vive em áreas rurais e, muitas delas, ali querem permanecer. Mas isso não pode implicar em perda de direitos básicos e nem à negação de seus sistemas culturais. Pelo contrário, o intercâmbio entre a cultura urbana e a rural enriquece a cultura nacional e a fortalece.
( ) Apesar de sermos um país formado também por várias etnias que falam diversas línguas e que precisam se sentir parte da nacionalidade brasileira, tem sido uma das grandes ausências na prática dos cursos de formação de professores, que muitas vezes só discutem essa questão no disciplina de Antropologia da Educação. A escola pode contribuir ao propor a discussão dos estereótipos e mitos que cercam essa população.
( ) A educação dessas comunidades é fundamental para a transmissão da sua própria cultura e história às novas gerações. São múltiplas e se encontram distribuídas em todo o território nacional, dotadas de relações territoriais específicas, com presunção de ancestralidade negra relacionada com a resistência à opressão histórica sofrida com a escravidão.
( ) A educação dessa parcela da população gera muita polêmica na comunidade escolar e na sociedade mais ampla, apesar de a obrigatoriedade de inclusão prevista em lei. Em razão das suas especificidades temos manifestações contra e favor da legislação que regula a educação dessas pessoas, sobretudo por parte dos professores, que muitas vezes não se sentem preparados para atuar com elas na sala de aula regular.
A sequência correta é:
a )
II, IV, I, III, V
b )
III, V, I, II, IV
 
c )
V, III, II, I, IV
d )
V, IV, II, I, III
e )
II, IV, III, V, I
Ver justificativa da resposta
QUESTÃO 2
A antropologia possibilita múltiplos olhares sobre a educação, as relações étnico-raciais e a formação docente.
Sobre isso, assinale as afirmativas corretas.
I. A compreensão das relações étnico-raciais na escola depende de uma discussão, reflexão e análise feita com parte da comunidade acadêmica, uma vez que as famílias discutem esse tema cada uma à sua maneira, sem influência do que acontece nos espaços escolares.
II. O reconhecimento da diversidade étnico-racial na escola brasileira, em todos os níveis, se bem problematizada (e aí a antropologia da educação contribui de maneira incontestável), pode redefinir a temática no contexto escolar e incentivar os professores a reverem suas eventuais posturas etnocêntricas diante de seus alunos.
III. A formação docente inicial, hoje, é suficiente para os professores adquirirem conhecimentos teóricos e práticos, além de oportunizar a eles o desenvolvimento e aprimoramento de habilidades e competências estratégicas.
IV. O combate ao preconceito e à discriminação por questões étnico-raciais é visto, hoje, quase como uma obrigação do sistema escolar e, dessa forma, caberia ao professor a tarefa de criar ambientes favoráveis para tornar as relações sociais mais equitativas e justas e menos hierárquicas e conflitivas nas suas salas de aula.
 
a )
II e IV.
b )
I e IV.
c )
III e IV.
d )
II e III.
e )
I e III.
Ver justificativa da resposta
QUESTÃO 3
Se o que nos caracteriza é a miscigenação e a diversidade, a luta pela igualdade deve ter na escola um espaço de discussão, pois só leis não bastam para construir uma sociedade justa. A começar pela Constituição de 1988, a legislação antirracismo (Lei 7.716/89) e o aumento da pena para o racismo e a injúria racial, já conseguimos várias conquistas, mas seremos nós, cidadãos, que faremos as mudanças acontecerem.
PORQUE
Ainda que a miscigenação seja uma das características da população brasileira, sabemos que o mito da democracia racial que muitos, como Gilberto Freyre, afirmaram existir no Brasil não se sustenta, especialmente quando analisamos a realidade braseira em relação à questão das relações étnico-raciais.
A respeito dessas asserções, assinale a opção correta.
a )
As asserções I e II são proposições verdadeiras, mas a II não é uma justificativa da I.
 
b )
As asserções I e II são proposições verdadeiras e a II é uma justificativa da I.
c )
As asserções I e II são proposições falsas.
d )
A asserção I é uma proposição falsa, e a II é uma proposição verdadeira.
e )
A asserção I é uma proposição verdadeira, e a II é uma proposição falsa.
Ver justificativa da resposta
QUESTÃO 4
I. Atribuímos significados aos objetos e isso passa pelos valores que são construídos durante nossa vida em sociedade. Esse é um tema importante para a antropologia e para a educação porque vivemos na sociedade na qual o ter é mais importante que o ser. Criamos necessidades de consumo que geram um padrão no qual o descarte é regra. Para termos sempre aquilo que é mais novo, mais moderno e mais atual, descartamos bens que ainda poderiam ser úteis, incentivados pelas campanhas publicitárias que agregam valores aos bens de consumo que não estão relacionados apenas ao seu caráter utilitário.
PORQUE
II. O estilo de vida atual está profundamente marcado por essas relações de consumo, cuja lógica também é cultural. Adquirir bens é muito mais do que apenas comprar coisas; implica em ter aquilo que aquela mercadoria, aquele bem, tem de valor, o que ele representa. Esse valor pode ser simbólico, porque a cultura também é feita de símbolos.
A respeito dessas asserções, assinale a opção correta.
 
a )
As asserções I e II são proposições verdadeiras e a II é uma justificativa da I.
b )
A asserção I é uma proposição falsa e a II é uma proposição verdadeira.
c )
As asserções I e II são proposições falsas.
d )
A asserção I é uma proposição verdadeira e a II é uma proposição falsa
e )
As asserções I e II são proposições verdadeiras, mas a II não é uma justificativa da I.
Ver justificativa da resposta
QUESTÃO 5
As relações étnico-raciais no Brasil têm sido marcadas pela negação, por mitos e por conflitos, sendo muito recente a sua discussão em relação ao processo educativo, em especial no que diz respeito às características que um profissional da educação deve ter para um bom desempenho.
PORQUE
Para que um professor atue de forma efetiva no combate ao preconceito relacionado a essa questão, é fundamental que ele se perceba como um mediador das tensões étnico-raciais que aparecem, atendendo às exigências postas pelas leis e diretrizes que regem a educação no país. Além disso, precisa constantemente rever sua prática pedagógica, com base em um referencial teórico que discuta a alteridade e as relações multiétnicas, assim como escolher metodologias inovadoras que oportunizem a reflexão, a criticidade, a criatividade e que estimulem o
Página12