A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
231 pág.
GeotecAnaliseAmbientalEbook

Pré-visualização | Página 42 de 50

De acordo com Ferreira (2013), a característica do solo, declividade de terreno, a 
dinâmica fluvial são fatores que promovem o equilíbrio no corredor fluvial; uma das 
formas naturais que o rio encontra para retornar ao seu equilíbrio é provocando a erosão 
marginal ocorrendo à migração lateral e o abandono do canal (Figura 10). 
Neste trecho do rio Miranda nas Figuras 10(A) Landsat TM 5de 1984 e 10(B) 
Landsat OLI 8 de 2014 é possível observar o meandro em processo natural de abandono, 
na figura 10(C) Imagem do Spot com destaque o retângulo vermelho mostra como 
encontra-se o canal do rio no período de 2014. 
 
 
 156 
 
 
Figura 9. Paleocinturão de meandros em imagens Landsat de diferentes anos e 
estações: A) Composição Landsat R7G4B2 para o ano de 1988, B) 
Mosaico Landsat R3G4B5 com Imagens de 1999 e 2000, C) Composição 
Landsat R7G4B2 para o ano de 2001 e D) Composição Landsat R7G4B2 
para o ano de 2011. Fonte: MERINO, (2011). 
 
 
 
 
 
 157 
 
 
 
Figura 10. Possível rompimento de meandro abandonado. A) Imagem do Landsat 
TM 5 de 09/1984, B), C) Imagem Landsat OLI 8 09/2014 e C) Imagem de 
alta resolução do SPOT. 
 
 
4 Conclusões 
 
 Os resultados obtidos com a análise geomorfológica do rio Miranda permitiram 
interpretar as mudanças que ocorreram no estilo de drenagem do rio na planície 
pantaneira. 
 Várias mudanças ocorrem no estilo de drenagem do rio Miranda, a construção e 
abandonos de canais e de meandros também são fenômenos frequentes. Essas 
mudanças são ocasionadas em grande parte naturais ou antrópicas que acaba 
provocando a erosão marginal, migração lateral do canal, assoreamento do rio, 
surgimento de barras, meandros abandonados e podem estar relacionadas às 
 
 158 
mudanças climáticas que causaram diminuição da descarga fluvial, da contribuição 
de sedimentos e variação do nível de base do rio Paraguai. 
 O uso de técnicas de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto são 
indispensáveis em estudos aplicados na análise de mudanças ambientais, permitindo 
assim estar nos aproximando do objeto de estudo, monitorando-os de forma 
dinâmica e atendendo a realização de estudos ao longo de um período de tempo. 
 O processamento digital das imagens ajudou na identificação das áreas analisadas e 
foi indispensável para a realização da pesquisa. 
 
 
5 Agradecimentos 
 
 Os autores agradecem a Fundação de Apoio ao Desenvolvimento do Ensino e 
Tecnologia do Estado de Mato Grosso do Sul - FUNDECT (0133/12 – SIAFEM: 020839), 
ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - CNPq (447402 / 
2014-5 e 448923/2014-9), a Universidade Federal de Mato Grosso do Sul pelo o apoio 
para a realização de nossas pesquisas e ao Conselho Nacional de Desenvolvimento 
Científico e Tecnológico - CNPq pela Bolsa PQ2 a AS (312386 / 2014-1). 
 
 
6 Referências Bibliográficas 
 
ALMEIDA, F. F. M., de. Traços gerais de geomorfologia do Centro-Oeste Brasileiro. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE 
GEOGRAFIA, 18, 1959, Rio de Janeiro. Boletim... Rio de Janeiro: [s.n.], 1959. 
ALMEIDA, F. F. M., de. Geologia do Centro-Oeste Matogrossense. Boletim DNPM. Divisão de Geologia e Mineralogia, Rio 
de Janeiro, n. 215, 137 p, 1964. 
ALVARENGA, S. M.; BRASIL, A. E.; DEL’ARCO, D. M. 1982. Geomorfologia. In: Brasil (ed.) Ministério de Minas e Energia. 
Departamento Nacional de Produção Mineral. Projeto Radam Brasil. Folha SF-21-Campo Grande. Rio de Janeiro, MME. 
ANA – Agência Nacional de Águas. Rede hidrometereológica básica. Brasília, 2001, Disponível em 
<http://www.ana.gov.br>. Acesso em: 10/09/2014. 
ASSINE, M. L. A Bacia Sedimentar do Pantanal Mato-Grossense. In: MANTESSONETO, VIRGÍNIO et al. (Org.). Geologia 
do Continente Sul-Americano: evolução da obra de Fernando Flávio Marques de Almeida. São Paulo: Beca, 2005. 1 CD-
ROM. Cap. IV, p. 61-74. 
BRASIL. Leis. Lei n° 9.433, de 8 de janeiro de 1997. Institui a Política Nacional de Recursos Hídricos, cria o Sistema 
Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos,regulamenta inciso XIX do art. 21 da Constituição Federal, e altera o art. 
1º da Lei nº 8.001, de 13 de Marc de 1990, que modificou a Lei nº 7.990, de 28 de dezembro de1989. Diário Oficial da 
União. Brasília, DF. 09 Jan. 1997. 
BROOKES, A. River channel change. IN: PETTS, G; CALOW, P. (Editors). Riverflowsandchannelforms. Blackwell Science. 
P. 221-140, 1996. CARVALHO, N. O. Hidrossedimentologia prática. Rio d Janeiro: CPRM, 372 P., 1995. 
CHRISTOFOLETTI, A. Geomorfologia. São Paulo. Hucitec. 1977. CHRISTOFOLETTI, A., Geomorfologia. 2 ª ed: Edgar 
Blucher Ltda. São Paulo, 1980. 
CHRISTOFOLETTI, A., Geomorfologia Fluvial. Ed: Edgar Blucher Ltda. São Paulo,1981. 
CUNHA, Sandra B. Geomorfologia Fluvial. In: GUERRA, A.J.T.; CUNHA, S.B.(orgs.) Geomorfologia uma Base de 
Atualização e Conceitos. 4ª ed., Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 2001ª, PP 211 – 252. 
 
 159 
DEL’ARCO, J. O.; SILVA, R. H., TARAPANOFT, I.; FREIRE, F. A.; PEREIRA, L.G. M., SOUSA, S. L.; LUZ, D. S.; 
PALMEIRA, R. C. B.; TASSINARI, C. C. GeologiaIn: BRASIL. DEPARTAMENTO NACIONAL DA PRODUÇÃO MINERAL. 
ProjetoRadamBrasil: Folha SE.21 Corumbá e parte da Folha SE.20: geologia,geomorfologia, pedologia, vegetação e uso 
potencial da terra. Rio de Janeiro, 1982.448p., p. 25-160. (Levantamento de Recursos Naturais, 27). 
DRAGO, E. C. Origen y classificacion de ambientes leníticos em lanurasaluviales. Revista Associacion Ciencia Natural, n. 
7, p. 123-137, 1976. 
FERREIRA. W. T. da S., Análise Multitemporal das Mudanças Morfológicas do RioParaguai na Região de Cáceres-MT, por 
meio de Sensoriamento Remoto. Trabalho deConclusão de Curso(Graduação em Geografia), Universidade Federal de 
Mato Grosso do Sul - Campus do Pantanal - MS, 2013. 
FERNADEZ, O. V. Q. Mudanças no canal fluvial do Rio Paraná e processos deerosão nas margens, Região de Porto 
Rico/PR. Dissertação (Mestrado em Geociência)– Universidade Estadual Paulista, Instituto de Geociências Naturais, Rio 
Claro, SãoPaulo, 1990 
FIGUEIREDO, A. J. A., OLIVATTI, O. Projeto Alto Guaporé: relatório finalintegrado: escala 1:500.000. Goiânia: CPRM, 
1974. v. 11. Convênio DNPM/CPRM. 
INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATISTICA (IBGE). 1989. Geografia do Brasil, vol. 1: Região Centro-
Oeste. Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, Diretoria de Geociências, Rio de Janeiro. 
MENDES, C. A. B, GREHS, S. A., PEREIRA, M. C. B., BARRETO, S. R., BECKER, M., LANGE, M. B. R., DIAS, F. A., 
2004. Bacia Hidrográfica do rio Miranda: estado da arte. Campo Grande: UCDB, 177 p. 
MERINO, E. R., Caracterização Geomorfológica do Sistema Deposicional do RioMiranda (Borda Sul do Pantanal Mato-
Grossense, MS) com Base em Dados Orbitais.Dissertação de Mestrado, Universidade Estadual Paulista- Campus de Rio 
Claro-SP, 2011. 
NOGUEIRA, V. L., et al. 1978. Projeto Bonito-Aquidauana; relatório final. Goiânia, DNPM/CPRM. 14 v. (Relatório do 
Arquivo Técnico da DGM. 2744), v. 1. 
OLIVEIRA, A. I., LEONARDOS, O. H. Geologia do Brasil. 2ª. ed. rev.e atual. Rio de Janeiro: Serviço de Informação 
Agrícola, 1943. 813 p. (Série Didática, 2). 
PEREIRA, M.C.B. et al. Bacia hidrográfica do rio Miranda - Estado da arte. Campo Grande: UCDB-CIDEMA-WWF. 118p. 
2004. 
PETTS, G. E. & FOSTER, I. Rivers and Landscape. The Athenaeum Press.2 Ed. New Castle. GreatBritain. 1990. 
POGODIM, A. A. & RESENDE, E. K. 2000. Ocupação das matas ciliares pelosempreendimentos do turismo de pesca no 
rio Miranda, Pantanal, MS, Brasil.Boletimde Pesquisa e Desenvolvimento / Embrapa Pantanal, ISSN 1517-1981; 64. 29 
p.Corumbá. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 160 
CAPÍTULO 11 
 
MODELAGEM DE RISCO DE INCÊNDIOS EM FLORESTAS 
NATURAIS COM O USO DE GEOTECNOLOGIAS