A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
75 pág.
Apostila Gestão da Inovação

Pré-visualização | Página 14 de 22

HESTERLY, 2017 [Adaptado]. 
 
 
No caso da Baden Baden, podemos observar várias teorias apresentadas anteriormente. Além de prezar pela qualidade do produto, que gera sua reputação, a fábrica também preocupa-se com suas características, a personalização, a localização e um mix que atenda os mais exigentes consumidores. 
   
Analisando o caso, quais os tipos de diferenciação que a Baden Baden aplica em seus produtos? Caso você fosse um mestre cervejeiro, qual seria a diferenciação que mais aplicaria na produção? 
   
De acordo com um dos autores mais famosos na área de Marketing, a diferenciação do produto ocorre após o posicionamento. Para Kotler (2005, p. 220), o posicionamento é o "[...] ato de desenvolver a oferta e a imagem da empresa para ocupar um lugar de destaque na mente do mercado alvo." Já a diferenciação seria o processo de somar um conjunto de diferenças significativas e valorizadas para distinguir a oferta da empresa das ofertas da concorrência (KOTLER, 2005 p. 222).  
  
Como podemos notar, o posicionamento é a relação que a empresa terá com a mente dos consumidores, enquanto a diferenciação do produto está mais relacionada com a relação que a empresa encontra com as empresas concorrentes. Por isto também há relacionamento de teorias estratégicas para o estudo da diferenciação de produtos.  
  
Quando o fator "concorrentes" é levado em consideração, podemos dizer que a estratégia por diferenciação faz muita diferença no resultado das organizações. Pensando em um ambiente onde a empresa domine o mercado por um produto único, os seus resultados com certeza serão superiores. Este é o assunto que iremos ver no próximo tópico.  
  
Mas antes de avançarmos, confira a videoaula a seguir, onde falaremos mais sobre as fases do ciclo de vida de um produto e/ou serviço.  
   
Videoaula: Estágios na vida de um produto ou serviço 
Explorando a temática II
A consolidação de uma estratégia competitiva como ações ofensivas ou defensivas favorece a criação de uma barreira que protege a empresa da concorrência  
   
As bases de diferenciação de produtos devem ser valiosas, ou seja, o ambiente no qual a empresa está inserida faz toda a diferença. A diferenciação do produto deve permitir que a empresa neutralize suas ameaças e potencialize suas oportunidades.  
  
Para considerar a diferenciação, o produto pode ser considerado a partir de quatro níveis:  
  
O produto central compreende os princípios fundamentais necessários para competir em um mercado de produto; por exemplo um carro precisa de rodas, transmissão, motor e um chassi básico. 
O produto esperado inclui aquilo que os clientes se acostumam a considerar como normal em um mercado de produto; por exemplo, para um carro, isso seria um interior razoavelmente confortável e uma gama de acessórios; 
O produto aumentado oferece características, serviços, ou benefícios que vão além das expectativas normais. 
O produto potencial incluiria todas as características e serviços que poderiam ser imaginadas como vantajosa para os clientes (TROTT, 2012, p. 385). 
   
A diferenciação do produto pode ser, então, dinâmica, ou seja, as expectativas dos clientes podem ser alteradas. Um dos fatores mais relevantes a serem considerados para isto é a concorrência.  
  
A concorrência pode diferenciar seu produto a ponto de ele ser o mais desejado do mercado. Este cenário pode levar a uma intensa disputa, pois os concorrentes podem querer introduzir o mesmo diferencial, ou a mesma inovação, para atingirem os consumidores.  
  
Para sabermos como a diferenciação de produtos influencia uma organização, então, devemos saber qual é o ambiente no qual a empresa se encontra. As condições do mercado no qual a empresa se encontra devem ser levadas em consideração. A diferenciação de um produto deve diminuir as ameaças ambientais dos concorrentes (BARNEY; HESTERLY, 2017).  
  
A diferenciação dos produtos deve diminuir a ameaça de uma nova entrada no mercado para absorção do investimento da empresa (BARNEY; HESTERLY, 2017). Isto quer dizer que, diferenciando um produto, a empresa tenta não ter concorrentes diretos para que possa ter exclusividade no mercado consumidor. A partir do momento em que a empresa possui exclusividade em um produto, ela pode praticar o preço que lhe convém, pois não existem substitutos para seus produtos.  
  
Na videoaula a seguir, veremos sobre outros modelos de análise de estratégia.  
   
Videoaula: Cinco forças de Porter 
  
ESTRATÉGIA SEMPRE!  
   
Se levarmos em consideração que os fatores são citados no texto anterior como concorrentes e consumidores, e que estes sempre irão influenciar o desempenho da empresa, estamos falando em estratégia, certo?  
  
Por isto mesmo, temos que nos voltar a conceitos de estratégia. Sendo assim, para a diferenciação do produto acontecer de forma a potencializar seus resultados na organização, devemos analisar a matriz de forças da empresa.  
  
As forças devem passar por mercado, concorrentes, consumidores, recursos organizacionais e previsões de demandas.  
   
Mercado   
  
O ambiente competitivo e o macroambiente (cenário social, político, econômico e tecnológico) são fatores que devem ser observados antes de qualquer implementação de estratégia. As empresas procuram diferenciais competitivos, à medida que a concorrência se intensifica. Este é um dos motivos que fazem com que o mercado seja um fator de forças a ser considerado.  
  
Para contextualizar, temos que considerar, ainda, que mercado é um determinado segmento de produtos e tecnologias comuns. São exemplos de mercados o mercado da beleza (com produtos cosméticos), o mercado de eletrodomésticos (fogões, geladeiras etc), o mercado de cervejas e outros.  
  
Contudo, esta definição por vezes falha devido a uma certa pressão sofrida no setor. Um exemplo disto são os grandes varejistas que trabalham atualmente com uma força muito grande no mercado, em muitos segmentos de indústria de uma só vez. Um exemplo disto é a marca Wal-Mart, que possui inúmeras megastores ao redor do mundo, abarcando em seu negócio não apenas alimentos, mas uma gama enorme de produtos como eletroeletrônicos, eletrodomésticos, vestuário etc.  
  
A análise destes fatores deve ter um impacto direto sobre as estratégias das empresas, pois se não se levar em consideração a concorrência da indústria, o negócio pode não sobreviver.  
  
Os setores econômicos e políticos devem ser estáveis para que a estratégia da empresa seja implementada com forte fator de competição. Por exemplo, em épocas de retração econômica, a empresa não deve considerar aumentar a produção de cervejas artesanais, por exemplo, uma vez que o consumo não aumentará na mesma proporção. Seria uma estratégia contestável.  
  
Da mesma forma, em ambientes políticos turbulentos, as medidas de proteção são mais bem-vindas, do que as ações competitivas no mercado. Apesar de não ser recomendável, temos vários exemplos no Brasil (por ter um contexto político conturbado) de estratégias competitivas que deram certo.  
  
Em relação ao ambiente social e cultural, a análise estratégica deve posicionar seus produtos e ou/serviços, pensando em atingir determinado público. Por exemplo, uma empresa pode focar em consumo jovem, em consumo da melhor idade, pode focar ainda no público feminino, enfim, em qualquer público o qual queira atingir.  
De acordo com Graham (2011), um fato que tem alterado significativamente as estratégias de algumas organizações diz respeito a mudanças demográficas. O mundo ocidental, principalmente, tem passado por uma melhora na qualidade de vida, o que aumentou a expectativa de vida, e isto tem influenciado a estratégia de muitas organizações   
Algumas pesquisas apontam que a população "grisalha" será, em pouco tempo, a maior fatia do mercado consumidor. Esta população deverá possuir renda relativamente alta, contudo, 95% das estratégias comerciais pretendem atingir a população abaixo dos 50 anos (GRAHAM, 2011). Este é um público que as organizações devem incluir em sua estratégia o quanto antes,

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.