A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
1 pág.
Como aproveitar ao máximo a universidade?

Pré-visualização|Página 1 de 1

Como aproveitar ao máximo a universidade?


HTML image 0


Eu me formei há exatamente 3 anos em Engenharia de Produção na UFRJ, assim como meu pai que se formou lá em 1982.

O meu pai, o meu mentor e outros ex-alunos da UFRJ me deram ótimos conselhos para que eu aproveitasse ao máximo esses 5 anos em que estive na universidade e isso fez toda a diferença pra mim.

Foi por isso que resolvi compilar aqui as minhas principais dicas para quem está hoje na universidade e, assim como eu há alguns anos atrás, também deseja aproveitar ao máximo essa experiência.

1- Seja disciplinado nos estudos

Depois de estudar tanto para o vestibular, a expectativa era que a vida ficasse um pouco mais fácil na Universidade.

Mas, como o meu pai já havia me alertado... não foi. Bastou vir a primeira prova de Cálculo e Física pra ver.

Eu fui reprovada em Física logo no início. Aprendi com a reprovação que seria necessário prestar mais atenção nas aulas e estudar muito mais se eu quisesse me formar em 5 anos e manter um bom CR.

O foco total nos estudos durante esses 2 primeiros anos de Ciclo Básico foi muito difícil, mas fundamental.

Independente de qual for o curso, recomendo muito garantir que você vai ter tempo para estudar e passar bem nas matérias mais difíceis antes de se envolver em qualquer atividade extracurricular.

Além disso, não cometa o erro de deixar para estudar somente na véspera. Pode ser que você seja aprovado e passe na prova, mas dificilmente você realmente vai aprender o conteúdo dessa forma.

Estabeleça uma rotina de estudos que funcione pra você e dê o seu melhor em cada matéria.


2- Dê atenção às aulas e aprenda com os professores

Não seja como a maioria dos alunos que está em sala de aula simplesmente para assinar a chamada. Aproveite melhor o tempo em que você está em sala.

Anote os pontos mais relevantes. Faça perguntas pro professor. Dê feedbacks em relação ao que você curtiu na aula e sugestões em relação ao que ele poderia fazer de diferente.

Eu sou muito grata aos profesores da UFRJ por tudo que me ensinaram:

O Meirelles me ensinou a ter uma visão de otimização de processos. A Thaís me ensinou a pesquisar. O Vinicius me mostrou o que significava estratégia operacional. O Cameira me deu a minha primeira oportunidade de emprego. O Luis me mostrou o potencial da Estatística. A Maria Alice me ensinou que nada é impossível.

E poderia continuar listando aqui os infinitos aprendizados que tive ao escutar e me aproximar dos melhores professores.

Não perca a oportunidade que você também tem de escutá-los e aprender com eles.


3- Busque aplicar o conhecimento na prática

Eu me sentia ansiosa pra ver a aplicação prática de tudo que aprendíamos em sala de aula.

Encontrei no GPI (o Laboratório da Engenharia de Produção da UFRJ), uma oportunidade de ver a aplicação daqueles conceitos.

Consegui uma vaga lá depois de muita persistência. Participei de projetos para otimizar a gestão de hospitais municipais do Rio de Janeiro.

Foi incrível ver na prática como a Engenharia de Produção conseguia reduzir as filas dos centros cirúrgicos e otimizar os custos dos hospitais.

Recomendo muito buscar uma oportunidade de estágio, ainda que não remunerado, na sua área de atuação e aproveitar os trabalhos de campo pra ver a aplicação daquilo que você vê em sala. Faz toda a diferença!


4- Envolva-se com pesquisa, publique artigos e participe de conferências

Se você se dedicar nos trabalhos da Universidade e/ou no TCC, você pode transformá-los em artigos e publica-los.

Eu e meu grupo nos dedicamos bastante em um trabalho de Estatística II. O resultado foi muito bom e, por isso, o professor nos incentivou a publicar o trabalho no Simpósio Brasileiro de Pesquisa Operacional.

O artigo foi aprovado e ganhamos uma bolsa para apresentá-lo em Porto de Galinhas. Três anos depois, o artigo também foi selecionado para compôr um livro de Engenharia de Produção.

Uma outra boa dica é buscar conhecer quais são as linhas de pesquisa na sua universidade. Se você se interessar por um tema e tiver tempo livre, voluntarie-se para ajudar o professor naquela pesquisa.

Durante o meu intercâmbio na Austrália, eu me voluntariei para ajudar numa pesquisa sobre a evolução e o desenvolvimento de startups no ecossistema australiano.

Entrevistei empresários, assisti a dezenas de palestras e participei de diversos eventos de inovação por causa da pesquisa.

Ao final, publicamos lá um artigo com as principais conclusões. Este artigo serviu de base pra tomada de decisão do Depto. De Inovação da Austrália e até hoje é um dos mais citados da Revista.

Aprendi muito com essas experiências e com cada Conferência que participei!


5- Engaje-se nas atividades extracurriculares

Na UFRJ, eu participei do GPI, o laboratório de Engenharia de Produção, e do GN2, um grupo para fomentar novos negócios.

Na UNSW, eu participei da ENACTUS, uma iniciativa para fomentar o empreendedorismo social, e também me envolvi com os clubes de wakeboarding e escalada.

Organizei eventos, coordenei projetos e liderei pessoas através dessas experiencias.

Aprendi muito durante o tempo em que estive envolvida nessas atividades e, o principal, me conectei com alunos e ex-alunos sensacionais.

Recomendo muito buscar uma atividade que você realmente tem muito interesse e se envolver de verdade pra aprender ao máximo com dessa experiência.


6- Busque fazer um intercâmbio

Eu tive muita sorte por ter participado do último edital do Programa Ciências Sem Fronteiras que viabilizou o meu intercâmbio na Australia.

Mas também estava preparada para outros programas. Fiz 2 anos de curso de Francês e foquei em manter um bom CR pra ampliar minhas possibilidades de conseguir uma bolsa de intercâmbio.

Definitivamente, valeu muito a pena ter ficado 1 ano lá fora. Voltei da Austrália com uma nova visão de mundo.

Não tenha medo de postergar sua formatura para fazer um intercâmbio. Organize-se, faça um bom planejamento e corra atrás! É um investimento que vale muito a pena.



Eu me sinto bem feliz por ter aproveitado bastante a minha experiência na UFRJ.

Sei o quanto é difícil equilibrar estudos, estágio e vida pessoal nessa época. Mas, definitivamente, vale muito a pena todo o esforço e dedicação :)