A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
92 pág.
ALEITAMENTO_LIVRO

Pré-visualização | Página 9 de 26

propomos a você conhecer um pouco sobre seu papel de profissional de 
saúde da Atenção Básica na promoção do aleitamento materno, além de como você 
pode estabelecer parcerias com a Educação Infantil, as lideranças comunitárias e a 
rede de apoio à família que amamenta na manutenção do direito da criança a essa 
alimentação.
Fo
nt
e:
 S
hu
tt
er
st
oc
k.
 Unidade 2
Promoção do aleitamento materno 
na Atenção Básica 
Nesta unidade, vamos discutir o papel dos profissionais da Atenção Básica na 
promoção do aleitamento materno e como você pode incorporar as ações de pro-
moção do AM no seu processo de trabalho, envolvendo parcerias com a Educação 
Infantil, as lideranças comunitárias e a rede de apoio à família que amamenta, pro-
curando garantir o direito da criança a essa alimentação.
Ao final da unidade, esperamos que você seja capaz de empreender essa tarefa.
33 Promoção do aleitamento materno na Atenção Básica
2.1 O papel do profissional da Atenção 
Básica no incentivo do aleitamento materno
O apoio dos profissionais de saúde é fundamental para que a amamentação tenha 
êxito. O sucesso do AM pode ser definido por uma amamentação exclusiva até os seis 
meses. Devemos frisar que a amamentação deve continuar até os dois anos de idade, 
ou mais; mesmo depois de serem introduzidos os alimentos regularmente, com boa 
aceitação, a criança deve ser amamentada.
O sucesso pressupõe, além do tempo de seis meses de amamentação exclusiva, que a 
criança tenha um bom estado nutricional, ou seja, aumente de peso de maneira ade-
quada, que tenha um bom desenvolvimento psicomotor e que haja uma boa interação 
entre a mãe e a criança durante a amamentação.
Fo
nt
e:
 F
ot
ol
ia
.
Destacamos, também, que o sucesso do aleitamento materno precisa levar em consi-
deração o projeto da mãe para esse processo. Sob o ponto de vista da mãe, a prática do 
AM pode ser de curta duração, e pode ser um sucesso, desde que corresponda às suas 
expectativas (UNICEF, 2008). Assim, o êxito do AM depende do projeto da mãe sobre 
essa ação, que pode corresponder às suas expectativas, bem como das ações de incen-
tivo que ela recebe ao longo de sua vida e do preparo para o parto e durante o pré-natal.
Nesse contexto, para o sucesso da amamentação, você, profissional de saúde da Aten-
ção Básica, tem papel importante a desenvolver, atuando sobre três fatores conjugados:
• a decisão de amamentar;
• o estabelecimento da lactação;
• o suporte da amamentação.
Para que você atue sobre esses três fatores, não basta ter conhecimentos sobre AM. 
Você precisa, também, de competência para se comunicar de modo eficiente. Essa co-
municação não significa dizer à mulher o que ela deve fazer, mas a ajudá-la a tomar 
decisões após ouvir, tentar entendê-la e dialogar com ela sobre os prós e contras das 
opções (BRASIL, 2015a).
Uma pesquisa foi realizada com trabalhadores de saúde comunitária e conselheiros, a 
partir de uma metanálise de intervenções, para oferecer suporte pré-natal e pós-natal 
a mães, pais e outros membros da família no domicílio. Esse estudo verificou o efeito 
de algumas intervenções para o AM, como aconselhamento por profissional da enfer-
magem, por conselheiro treinado em lactação ou por outro profissional de saúde, in-
cluindo ligações telefônicas após a alta, combinadas a visitas domiciliares.
Isso permitiu identificar que as intervenções domiciliares e familiares foram efetivas 
para melhorar a AME, sendo aquelas que forneceram aconselhamento pré-natal e pós-
natal ainda mais efetivas do que aquelas que abordaram apenas um período. Inter-
venções na comunidade, incluindo aconselhamento em grupo ou educação e mobili-
34 Promoção do aleitamento materno na Atenção Básica
zação social, com ou sem mídia de massa, foram similarmente efetivas, aumentando 
a iniciação oportuna da amamentação em 86% e a amamentação exclusiva em 20% 
(ROLLINS et al, 2016).
Dessa forma, está comprovado que as ações de estímulo ao AM precisam fazer parte do 
processo de trabalho da equipe de saúde de maneira contínua. Por isso, o Ministério 
da Saúde propõe o preparo dos profissionais para a atuação em uma estratégia de-
nominada Amamenta e Alimenta Brasil. Essa estratégia, regulamentada pela Portaria 
1.920, de 05 de setembro de 2013, tem por objetivo qualificar o processo de trabalho 
dos profissionais da Atenção Básica, com o intuito de reforçar e incentivar a promoção 
do AM e da alimentação saudável para crianças menores de dois anos, no âmbito do 
Sistema Único de Saúde (SUS).
Para tanto, conta com duas metodologias:
Fo
nt
e:
 S
hu
tt
er
st
oc
k.
• a formação de tutores da estratégia 
Amamenta e Alimenta Brasil;
• as oficinas de trabalho nas Unidades 
Básicas de Saúde (UBS).
As oficinas são conduzidas pelos tutores, que visam discutir a prática do AM e alimen-
tação complementar saudável com os profissionais da UBS e planejar ações de incen-
tivo à alimentação saudável na infância, de acordo com a realidade local. 
Saiba mais

Clique no endereço eletrôni co indicado a seguir para conhecer mais 
sobre esse assunto: http://dab.saude.gov.br/portaldab/amamenta.php.
35 Promoção do aleitamento materno na Atenção Básica
Lembre-se de que é sua atribuição, como profissional 
de saúde da Atenção Básica, prover as informações 
sobre o AM e a alimentação complementar do seu ter-
ritório de abrangência no Sistema de Informação de 
Vigilância Alimentar e Nutricional (SISVAN). São três 
tipos de formulários a serem preenchidos: um desti-
nado às crianças menores de seis meses, outro para 
crianças de seis a 23 meses e um para crianças com 
dois anos ou mais. Esse sistema permite a vigilância 
alimentar e nutricional no território e deve ser utiliza-
do como ferramenta para o planejamento de ações de 
incentivo ao AM.
Saiba mais

A vigilância alimentar e nutricional é 
uma das importantes ações que você 
precisa realizar no acompanhamento 
das crianças do seu território. Saiba mais 
acessando: http://bvsms.saude.gov.
br/bvs/publicacoes/marco_referencia_ 
vigilancia_alimentar.pdf.
Elencamos no esquema ao lado algumas ações de in-
centivo ao AM que podem ser desenvolvidas por você 
e sua equipe. Essas ações estão baseadas nos dez pas-
sos para o sucesso da amamentação, propostos pela 
OMS e UNICEF, bem como na estratégia Amamenta e 
Alimenta Brasil. 
1 Ter uma norma escrita quanto à 
promoção, à proteção e ao apoio 
ao aleitamento materno, que 
deverá ser rotineiramente transmit-
ida a toda a equipe da Unidade de 
Saúde.
Capacitar toda a equipe da unidade 
de saúde para implementar esta 
norma.
Orientar as gestantes e mães 
sobre seus direitos e as vantagens 
do AM e o manejo da amamen-
tação, promovendo a amamen-
tação exclusiva até os seis meses e 
complementada até os dois anos 
de vida ou mais.
Escutar as preocupações, vivên-
cias e dúvidas das gestantes e 
mães sobre a prática da amamen-
tação, apoiando-as e fortalecendo 
sua autoconfiança.
Orientar as gestantes sobre a 
importância de iniciar a amamen-
tação na primeira hora após o parto 
e de ficar com o bebê em alojamen-
to conjunto.
Mostrar às gestantes e mães como 
amamentar e como manter a lactação, 
mesmo se estiverem separadas de 
seus filhos.
Orientar as nutrizes sobre a 
amenorreia lactacional e os méto-
dos contraceptivos adequados à 
amamentação.
Encorajar a amamentação sob livre 
demanda.
Orientar gestantes e mães sobre 
os riscos do uso de fórmulas 
infantis, mamadeiras e chupetas, 
não permitindo propaganda nem 
doações desses produtos na 
Unidade de Saúde.
Implementar grupos de apoio à 
amamentação acessíveis a todas 
as gestantes e mães, procurando

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.