A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
34 pág.
AF 2020 GERIATRIA

Pré-visualização | Página 1 de 2

Profa. Dra. Carine Viana
2
Toda pessoa com mais de 65 anos de 
idade em países desenvolvidos e mais de 
60 anos de idade em países em 
desenvolvimento (OMS).
Idoso
Processo gradativo, contínuo e natural que ocorre a partir do 
nascimento, passa pelas fases da vida. Associado a um processo 
biológico de declínio das capacidades físicas, relacionado a novas 
fragilidades, psicológicas e comportamentais.
Envelhecimento
INTRODUÇÃO
3
Brasil
4
Absorção
Alterações fisiológicas em idosos:
Aumento do pH gástrico
Esvaziamento gástrico tardio.
Redução do fluxo sanguíneo visceral.
Alterações da motilidade do trato gastrintestinal. 
ABSORÇÃOFarmacocinética
5
 Hipoalbuminemia.
 Redução da massa muscular relativa.
 Aumento na proporção de gordura corporal 
 Diminuição da água corporal total.
 Diminuição da massa magra corporal.
DISTRIBUIÇÃOFarmacocinética
Aumenta o depósito de 
fármacos lipossolúveis e 
aumenta o Vd.
Fármacos hidrossolúveis 
diminui Vd
6
 Redução no tamanho do fígado.
 Reduz o fluxo sanguíneo hepático (~35%).
 Diminui a taxa de metabolismo das fármacos pelo 
citocromo P450 (~40%).
 Declínio da atividade das enzimas microssomais hepáticas.
METABOLISMOFarmacocinética
7
Resumo das principais alterações no metabolismo do idoso.
• Reduz a atividade de enzimas hepáticas.
• Reduz a massa, volume e fluxo sanguíneo hepáticos
• Diminuem as Vias de oxidação de fase I.
8
 Reduz o fluxo sanguíneo renal.
 Diminuição do tamanho dos rins.
 Diminuição do córtex renal. 
 Redução do número de néfrons funcionais.
 Hialinização dos glomérulos.
 Redução da taxa de filtração glomerular.
 Diminuição da secreção tubular.
EXCREÇÃO Farmacocinética
9
CRAIG & STITZEL, 2005. 
Exemplos:
Farmacocinética Idoso
10Fonte: Oliveira & Corradi (2018)
Processos 
farmacológicos
Alterações no 
envelhecimento
Repercussões clínicas
Alterações farmacocinéticas decorrente do processo normal 
do envelhecimento e as suas repercussões clínicas
11Fonte: Oliveira & Corradi (2018)
Alterações farmacocinéticas decorrente do processo normal 
do envelhecimento e as suas repercussões clínicas
Processos 
farmacológicos
Alterações no envelhecimento Repercussões clínicas
Farmacodinâmica
• Redução na ação do sistema 
nervoso autônomo  com o 
aumento da hipotensão 
ortostática e disfunções renais 
e intestinais.
• Menor controle postural
• Queda da capacidade cognitiva
• Alterações metabólicas: Ex: 
aumento da intolerância à glicose
Alteração de sensibilidade a 
fármacos devido ao declínio de 
funções orgânicas como:
Podem ocorrer modificações nos 
receptores e sítios de ação 
alterando a interação fármaco-
receptor e o efeito final. 
• Receptores β-adrenégicos
reduzidos em número e em 
afinidade.
•Receptores α-adrenérgicos com 
menor capacidade de resposta a 
agonistas (como fenilefrina e 
clonidina) e a antagonistas (como a 
prazosina).
•Receptores colinérgicos reagem 
menos a fármacos anticolinérgicos 
(como a atropina).
12
Critérios de Beers AGS 2019
Beers et al. estabeleceram critérios, baseados em trabalhos publicados sobre 
medicamentos e farmacologia do envelhecimento, para definir lista de fármacos 
potencialmente inapropriados a adultos com + de 65 anos.
MEDICAMENTOS POTENCIALMENTE INAPROPRIADOS (MPI)
14
1. Medicamentos que são potencialmente inapropriados na maioria 
dos idosos.
2. Medicamentos que normalmente devem ser evitados em idosos 
com certas condições.
3. Medicamentos para serem usados com cautela.
4. Medicamentos com interações medicamentosas.
5. Medicamentos que necessitam de ajuste da dose de droga com 
base na função renal.
Critérios de Beers AGS 2019
15
Critérios Brasileiros
16
Fármacos Efeitos colaterais
Anti-histamínicos de primeira geração:
Bronfeniramina, Carbinoxamina,
Ciproeptadina, Clemastina, 
Clorfeniramina, Dexclorfeniramina, 
Difenidramina, Dimenidrinato, 
Doxilamina, Hidroxizina,
Meclizina, Prometazina, Triprolidina.
Risco de sedação e efeitos anticolinérgicos 
(confusão, boca seca, constipação, entre 
outros). 
Há o desenvolvimento de tolerância, quando 
utilizados como hipnótico.
Exceção: O uso de Difenidramina, em situações como reação alérgica grave, pode ser apropriado.
Exemplos de fármacos que devem ser evitados em idosos
16Consenso brasileiro de medicamentos potencialmente inapropriados para idosos. 
17
Fármacos Efeitos colaterais
Benzodiazepínicos: 
Alprazolam, Bromazepam, Clobazam, 
Clonazepam, Clordiazepóxido, 
Cloxazolam, Diazepam, Estazolam, 
Flunitrazepam, Flurazepam, Lorazepam, 
Midazolam, Nitrazepam.
Aumentam o risco de comprometimento 
cognitivo, delirium, quedas, fraturas e
acidentes automobilísticos. 
Evitar todos os benzodiazepínicos para
tratar insônia, agitação ou delirium.
Exceção: Podem ser apropriados para tratar crises convulsivas, distúrbios do sono 
REM, síndrome de abstinência a etanol, transtorno de ansiedade generalizada grave, 
em anestesia perioperatória e cuidados paliativos.
Exemplos de fármacos que devem ser evitados em idosos
17Consenso brasileiro de medicamentos potencialmente inapropriados para idosos. 
18
Fármacos Efeitos colaterais
Antidepressivos tricíclicos terciários:
Amitriptilina, Imipramina,
Nortriptilina, Clomipramina, 
Maprotilina, 
sozinhos ou em combinação.
Altamente anticolinérgicos, sedativos
e causam hipotensão ortostática.
Exceção: 
Podem ser apropriados para tratamento da dor e/ou depressão grave. 
Pode ser apropriado o uso da Nortriptilina para tratamento da depressão associada à
Doença de Parkinson em idosos jovens.
Exemplos de fármacos que devem ser evitados em idosos
18Consenso brasileiro de medicamentos potencialmente inapropriados para idosos. 
19
Fármacos Efeitos colaterais
Uso prolongado de AINEs não 
seletivos da COX2:
Aspirina > 325 mg/dia
Diclofenaco, Etodolaco, 
Fenoprofeno, Ibuprofeno, 
Cetoprofeno, Meloxicam, 
Naproxeno, Piroxicam.
Aumentam o risco de hemorragia gastrointestinal e 
úlcera péptica em grupos de alto risco, incluindo 
aqueles com idade > 75 anos ou que utilizam 
corticosteroides orais ou parenterais, 
anticoagulantes ou antiplaquetários. 
O uso de inibidores da bomba de prótons reduz, 
mas não elimina o risco.
Evitar uso crônico, exceto quando não houver outras alternativas e se possível 
associação com agente gastroprotetor.
Exemplos de fármacos que devem ser evitados em idosos
19Consenso brasileiro de medicamentos potencialmente inapropriados para idosos. 
20
Diuréticos de alça (Bumetanida, Furosemida, Piretanida) 
Para edema de tornozelo, na 
ausência de sinais clínicos de 
insuficiência cardíaca. 
Não há evidência da eficácia. Meias de 
compressão geralmente são mais 
apropriadas.
Monoterapia de primeira linha para 
hipertensão.
Há alternativas mais seguras e eficazes.
Exemplos de fármacos que devem ser evitados em idosos
20
Consenso brasileiro de medicamentos potencialmente inapropriados para idosos. 
21
Fármacos Efeitos colaterais
Inibidores de bomba de prótons:
Omeprazol, Pantoprazol, Lanzoprazol, 
Rabeprazol, Esomeprazol e Tenatoprazol.
- para úlceras pépticas na dosagem 
terapêutica integral por > 8 semanas.
Potencial para desenvolvimento de 
osteoporose/fratura, demência e 
insuficiência renal com o uso prolongado.
Descontinuação antes de oito semanas de uso ou redução da dose para tratamento, 
manutenção/profilático de úlcera péptica, esofagite ou Refluxo Gastroesofágico. 
Exemplos de fármacos que devem ser evitados em idosos
21Consenso brasileiro de medicamentos potencialmente inapropriados para idosos. 
22
História de quedas/ fraturas. 
Benzodiazepínicos  Capacidade de produzir ataxia, comprometimento da função 
psicomotora, síncope e quedas adicionais. Podem causar déficit sensorial e comprometer 
o equilíbrio.
Anticonvulsivantes (Fenobarbital, Primidona, Fenitoína, Clonazepam, Carbamazepina, 
Oxcarbazepina, Ácido Valpróico, Vigabatrina, Lamotrigina, Topiramato, Gabapentina, 
Pregabalina)  Capacidade de produzir ataxia,

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.