A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
8 pág.
Questões de semiologia teórica com resposta

Pré-visualização | Página 1 de 3

B i a n c a L o u v a i n | 1 
 
1 
 
 
1. Características auscultatórias da: 
a) Estenose Mitral - Sopro diastólico, tipo ruflar, melhor audível em FM, reforço pré-sistólico, 
sem irradiação, B1 hiperfonética, estalido de abertura, em faixa, rude, grave. 
b) Insuficiência Aórtica - Sopro diastólico, tipo aspirativo, melhor audível em FA, 
decrescente, irradia para a ponta do coração. 
c) Insuficiência Mitral - Sopro sistólico, tipo regurgitativo, melhor audível em FM, irradia 
para axila esquerda e dorso, B1 hipofonética, Ictus desviado para esquerda e para baixo. 
d) Estenose Aórtica - Sopro sistólico, tipo ejetivo, melhor audível em FA, irradia para FM e 
carótida, crescente, decrescente. 
e) Grahan-Still - Sopro diastólico, tipo aspirativo, melhor audível em FP, irradia para borda 
esternal esquerda, decrescente. 
2. Defina: 
a) Pulso Paradoxal – Diminuição da pressão de pulso na inspiração mais ou igual a 10 
mmHg durante a sístole. 
b) Pulso Martelo d’agua – Apresenta expansão rápida e súbita, volume grande de saída, alto 
volume sistólico, seguido de queda abrupta devido à dificuldade com glote fechada. 
c) Manobra de Valsava – Realização de expiração forçada com a glote fechada 
d) Sinal de Homanns – Dorsoflexão do pé que leva o paciente a referir dor na região da 
panturrilha. 
e) Sinal de Brudzinski – Faz-se a flexão passiva do pescoço do paciente, a 0 grau e decúbito 
dorsal, e ele flexionará a perna caso haja meníngea. 
f) Kernig I – Paciente em decúbito dorsal a 0 grau ao erguer-se ativamente e sem auxilio das 
mãos ele flexiona os joelhos em caso de irritação meníngea. 
g) Kernig II – Limitação dolorosa da extensão da perna sobre o joelho, com flexão inicial da 
coxa sobre o abdome, com o paciente em decúbito dorsal a 0 grau, caso haja irritação da 
meníngea. 
h) Marcha Parkinsoniana – Tronco e cabeça para frente, tremor de braços, passos curtos e 
rápidos, pernas e braços ligeiramente fletidos. 
i) Coreoatetose – É a união da Coréia (movimento um pouco rápido e de extremidades 
proximais dos MMSS) e atetose (movimento lento e de extremidades distais dos MMSS) 
causada por alteração do nervo neoestriado. 
j) Marcha escarvante – Paciente levanta demasiadamente a perna, fazendo exagerada 
flexão da coxa sobre o abdome. O pé pendente cai sobre o solo, toca-o com a ponta e depois 
com o calcanhar. 
k) Sinal de Hoffman – Com a mão do paciente em pronação o examinador segura a falange 
distal do terceiro dedo entre seus dedos indicador e polegar, subitamente a falange é 
passivamente flexionada e solta. Quando presente a resposta será de adução e flexão do 
polegar bem como flexão dos outros dedos. 
l) Petéquia – Extravasamento de sangue de aspecto puntiforme que não desaparece a digito-
pressão. 
m) Parestesia – Alteração da sensibilidade, subjetiva, descrita pelo paciente como sensação de 
formigamento, sem estímulo cutâneo prévio. 
n) Vômica – Eliminação brusca através da glote de material necrótico-purulento, de odor 
pútrido de origem primitivamente cavitária. 
o) Trepopnéia – Dispneia que aparece ao decúbito lateral, secundário a um derrame pleural 
contra lateral. 
p) Disfagia lusória – É a compressão do esôfago por uma artéria lusória que é uma anomalia 
vascular, causando dificuldade de deglutição. 
B i a n c a L o u v a i n | 2 
 
2 
 
q) Hemoptise – É a saída de sangue acrado pela glote oriundo da árvore pulmonar, 
geralmente precedido de tosse ou expectoração. 
r) Hematêmese – Eliminação de sangue oriundo das partes altas do tubo digestivo que pode 
ser precedido de náuseas e vômitos. 
s) Respiração de Cheyne Stokes – Períodos de apneia de duração variável, seguido de 
respirações que aumentam em amplitude e frequência para logo voltar a decrescer para 
uma nova fase de apneia. 
t) Respiração de Biot - Breves pausas apnéicas sucessivas com períodos intermediários 
de respiração regular de profundidade normal. 
u) Cor Pulmonale – É uma alteração da função e/ou estrutura do VD resultante de doenças 
pulmonares ou de sua vasculatura. 
3. Desdobramento paradoxal a beira do leito: 
À ausculta B2 é única na inspiração e desdobra na expiração. 
 
4. Cite 2 sinais auscultatórios que definem IVE: 
Galope de B3 e estertores crepitantes bi basais. 
 
5. Cite 5 causas de dor torácica de origem cardiovascular: 
Dissecção de aneurisma de aorta, IAM, angina estável, cardiomiopatia hipertrófica obstrutiva, 
pericardite. 
6. Cite 3 situações que a presença de B3 não representa IVE: 
Jovens atletas, idosos magros, tireotoxicose, gravidez terceiro trimestre, anemia, insuficiência 
mitral. 
 
7. Cite os achados semiotécnicos e da anamnese que sugerem Fibrilação Atrial: 
Palpitação, anisocardioesfigmia, ritmo cardíaco irregular. 
 
8. Cite 5 causas de B4: 
Hipertrofia miocárdica, Isquemia miocárdica, Fibrose miocárdica, HAS, IAM. 
 
9. Cite 5 sinais e sintomas que caracterizam IVD: 
Edema de MMII, Ascite, Hiperfonese de B2. Turgência Jugular Patológica, dispneia, Sinal 
Harzer, Hepatomegalia. 
 
10. Cite 5 sinais e causas de lesão cerebral: 
Manobra dedo-nariz, manobra dedo-nariz-dedo, manobra do rechaço, grafestesia, manobra 
calcanhar-joelho-perna, manobra da eudiadococinesia, Cerebelite, AVE cerebelar, Alcoolismo 
crônico, Esclerose múltipla, Tumor cerebelar. 
 
11. Sinais e sintomas da Síndrome Piramidal: 
Crônica: Trofismo diminuído, força muscular diminuída, hipertonia sinal do canivete, clônus, 
hiperreflexia aos reflexos profundos, ausência do reflexo cutâneo-abdominal sinal de Hoffman, 
Sinal de Babinski e seus sucedâneos 
 
12. Sinais e sintomas da Síndrome Extrapiramidal: 
Hipertonia plástica, sinal da Roda Denteada, tremor estático, bradicinesia, micrografia, marcha 
em bloco, fácies inexpressiva. 
 
13. Cite 5 achados semiotécnicos e da anamnese que sugerem diagnóstico de síndrome de 
Irritação Meníngea: 
Rigidez de nuca, cefaleia intensa, vômito em jato, fotofobia, opistótono, Brudzinski, Kenig. 
 
14. Causas de Síndrome Piramidal: 
AVE, TCE, esclerose múltipla, abscessos cerebrais, neurotoxoplasmose, seringomielia, ELA. 
B i a n c a L o u v a i n | 3 
 
3 
 
 
15. Causas de síndrome vestibular periférica: 
Sd. de Meniere, hemorragia labiríntica, obstrução do conduto auditivo externo, fratura do 
rochedo e da base do crânio, AVE, esclerose múltipla, Schwannoma vestibular. 
 
16. Indicações de punção lombar: 
Meningite, ELA, Sd de Guillain-Barré, Encefalite viral, Hemorragia subaracnóidea, Esclerose 
múltipla. 
 
17. Contraindicações de punção lombar: 
LEP, HIC, Discrasias sanguíneas. 
 
18. Indicações de exame de fundo de olho: 
HAS, DM, Endocardite, Sarcoidose, LES, Toxoplasmose, feocromocitoma. 
 
19. Causas de Polineuropatia Periférica: 
DM, Alcoolismo crônico, Intoxicação por chumbo, Porfiria, deficiência de vitamina B12, Uremia, 
Intoxicação por talho. 
 
20. 5 Causas de Madarose: 
Hanseníase, Sífilis Terciária, LES, hipotireoidismo, Esclerodermia. 
 
21. 5 Causas de Cianose 
DPOC, Pneumonia, TEP, Tetralogia de Fallot, obstrução das vias aéreas por corpo estranho. 
 
22. 5 Causas de Icterícia Obstrutiva: 
Coledocolitiase, Câncer de cabeça de pâncreas, Câncer de papila de Watter, Esquistossomose, 
Hepatite. 
 
23. 5 Causas de dor lombar: 
Pielonefrite aguda, litíase ureteral, hérnia de disco, Espondilite Anquilosante, Herpes zoster, 
Ooforite. 
 
24. Cite 4 características de disfagia mecânica: 
Progressiva, não piora com alimentos frios. Sólidos>Líquidos, leva a perda ponderal 
importante. 
 
25. Cite 5 causas de disfagia mecânica: 
Esofagite, Adenocarcinoma de Esôfago, Compressão por Bócio, Tumor de mediastino, Anel 
Esofágico Inferior, Obstrução por Corpo Estranho. 
 
26. Cite 4 características de disfagia motora: 
Início gradual, progressão lenta, piora com alimentos frios, sólidos = líquidos, não leva a perda