A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
7 pág.
Histologia do sistema tegumentar (completo)

Pré-visualização | Página 1 de 2

B i a n c a L o u v a i n | 1 
 
HISTOLOGIA DO 
(sistema tegumentar) 
É o sistema responsável por nos proteger de lesões e agressões, além de nos permitir sentir o 
ambiente a nossa volta. De maneira geral, o sistema tegumentar é composto pela: 
• Pele 
• Apêndices cutâneos 
o Pelos 
o Unhas 
o Glândulas sudoríparas 
o Glândulas sebáceas 
• Tecido subcutâneo e fáscia profunda 
• Junções mucocutâneas 
• Glândulas mamárias 
 
RESUMO DOS COMPONENTES DO SISTEMA TEGUMENTAR 
Pele 
• Funções: barreira química e mecânica, biossíntese, controle da 
temperatura corporal, sensitiva 
• Camadas: epiderme (estratos: córneo, lúcido, granuloso, espinhoso e 
basal) e derme (papilar e reticular) 
Pelo 
• Tipos: vellus e terminal 
• Estrutura: folículo e bulbo (haste, bainha radicular interna, bainha 
radicular externa, membrana vítrea) 
Unhas • Placa ungueal, pregas ungueais, matriz, leito ungueal e hiponíquio 
Glândulas 
secretórias 
• Glândulas sudoríparas: écrina (mais numerosas, cobrem quase todo o 
corpo) e apócrinas (apenas na axila e genitália) 
• Glândulas sebáceas: cobrem todo o corpo e secretam sebo (oleoso e 
gorduroso) 
Tecido 
subcutâneo 
(hipoderme) 
• Tecido adiposo que aumenta a mobilidade da pele, isola o corpo e age 
na absorção de impacto mecânico 
Suprimento 
sanguíneo 
• Cutâneo direto: dos troncos arteriais principais 
• Musculocutâneo: dos vasos intramusculares após sua perfuração nos 
músculos e disseminação na hipoderme 
• Fasciocutâneos: dos ramos perfurantes localizados profundamente à 
fáscia profunda 
Inervação 
• Corpúsculos de Pacini, corpúsculos de Meissner e receptores de 
estímulos específicos 
 
A pele é o maior componente desse sistema. É um órgão sensitivo extenso, que forma 
um revestimento protetor ao redor de toda a superfície externa do corpo. 
 
B i a n c a L o u v a i n | 2 
 
A pele é o principal órgão sensorial do nosso corpo e contém um grande número de terminações 
nervosas para o tato, temperatura, dor e outros estímulos. Ela tem uma grande capacidade 
de renovação e um papel fundamental no funcionamento normal do corpo humano. 
É uma barreira efetiva contra potenciais patógenos, nos protege de danos mecânicos, químicos, 
osmóticos, térmicos e dos provocados pela radiação ultravioleta (através da melanina). A pele 
também participa de uma variedade de processos bioquímicos de síntese, como a produção de 
vitamina D, sob influência da radiação ultravioleta, de citocinas e de fatores de crescimento. 
É anatomicamente formada por uma porção epitelial de origem ectodérmica (epiderme) e outra 
porção conjuntiva de origem mesodérmica (derme): 
● Epiderme – formada por cinco camadas: estrato córneo, estrato lúcido, estrato granuloso, 
estrato espinhoso, estrato basal. 
● Derme – formada por duas camadas: derme papilar, derme reticular. 
A variação da espessura da epiderme irá determinar se é uma pele: 
● Espessa – encontrada na palma das mãos, na planta dos pés e em algumas articulações. 
● Fina – encontrada no resto do corpo. 
Abaixo da derme temos a hipoderme (também chamada de tecido celular subcutâneo), que não 
faz parte da pele, apenas faz a união com os órgãos adjacentes. 
EPIDERME 
É formada por um epitélio estratificado pavimentoso queratinizado. 
As células mais abundantes nesse epitélio são os queratinócitos. Além deles, a epiderme 
apresenta outros três tipos de células: 
● Melanócitos, células de Langerhans e células de Merkel 
A epiderme é formada por 5 camadas: 
● Córnea – tem espessura variável e é formada por células achatadas, mortas e sem núcleo. 
Seu citoplasma é repleto de queratina. 
● Lúcida – é mais encontrada na pele espessa e é formada por uma camada de células 
achatadas, eosinófilas e translúcidas. 
● Granulosa – tem citoplasmas carregados de grânulos basófilos, chamados de grânulos 
querato-hialina. 
● Espinhosa – formada por células cubóides ou achatadas, de núcleo central e com 
tonofilamentos (curtos feixes de queratina). Esses feixes são unidos por desmossomos. 
● Basal – formado por células basófilas, prismáticas ou cuboides que estão sobre a membrana 
basal e separa a epiderme da derme. Por ser rica em células tronco também é chamada de 
camada germinativa e é responsável pela constante renovação da epiderme. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
B i a n c a L o u v a i n | 3 
 
DERME 
É o tecido conjuntivo que dá suporte a epiderme e 
une a pele ao tecido subcutâneo. 
Sua superfície é irregular e é possível observar 
saliências chamadas de papilas dérmicas. Essas 
papilas são responsáveis por aumentar a área de 
contato da derme com a epiderme e são mais 
frequentes em áreas de pressões e atritos. 
Ela é formada por duas camadas: 
● Papilar – camada superficial. É formada por 
tecido conjuntivo frouxo responsável pelas papilas 
dérmicas. 
● Reticular – camada mais profunda. É formada 
por tecido conjuntivo denso. 
Ambas as camadas possuem fibras elásticas 
responsável pela elasticidade da pele. 
Além de vasos sanguíneos e linfáticos e dos 
nervos, também são encontradas na derma 
estruturas derivadas da epiderme: folículo 
piloso, glândulas sebáceas e glândulas 
sudoríparas. 
Pelos são filamentos cornificados que crescem da pele e cobrem a maior parte da superfície 
corporal. Algumas áreas do corpo como as palmas, solas, superfície flexora dos dedos e partes 
específicas dos órgãos reprodutores não apresentam pelos. 
Eles são importantes na sensibilidade, termorregulação e proteção contra lesão e radiação 
solar. 
 
 
 
 
 
A psoríase é uma doença de pele que afeta 
a epiderme e a derme, gerando aumento do 
número de mitoses nas camadas basal e 
espinhosa e diminuição da duração do ciclo 
mitótico dessas células. Por este motivo a 
epiderme se torna mais espessa e se renova 
com mais rapidez. As áreas acometidas 
apresentam acúmulos de placas 
esbranquiçadas de queratina descamada. 
 
B i a n c a L o u v a i n | 4 
 
Existem dois tipos principais de pelos: 
● Lânugo (Vellus) – não se projeta além de 
seus folículos em algumas áreas, porém, eles são 
curtos e estreitos e cobrem a maior parte da 
superfície corporal. Este tipo de pelo é mais 
facilmente observado em crianças e mulheres 
adultas e é coloquialmente conhecido como “pelo 
de pêssego”. 
● Terminal – são maiores, mais espessos e 
mais pigmentados. Eles são mais bem 
observados em homens, mas também na axila e 
região pubiana de ambos os sexos. 
Cada pelo se origina de uma invaginação da 
epiderme chamada de folículo piloso. No pelo 
em fase de crescimento esse folículo tem uma 
dilatação nervosa chamada de bulbo piloso, 
cujo centro apresenta uma papila dérmica, 
responsáveis por originar vários capilares que 
formam a alça capilar. As células que recobrem 
a papila dérmica formam a raiz do pelo, de 
onde surge o eixo do pelo. 
O bulbo consiste em duas partes: matriz 
germinativa e bulbo superior. 
A matriz germinativa consiste em ceratinócitos 
pluripotentes, que dão origem ao bulbo superior. 
A medida que as células da matriz migram 
apicalmente e se diferenciam, elas formam 
várias estruturas e camadas. Do interior para o 
exterior, estas incluem: 
● Haste do pelo: medula, córtex, cutícula; 
● Bainha radicular interna: cutícula, camada de Huxley, camada de Henle; 
● Bainha radicular externa 
● Membrana vítrea (membrana basal do folículo piloso) 
As unhas são estruturas homólogas ao estrato córneo da epiderme e contêm uma variedade de 
minerais, como o cálcio. Elas são formadas por escamas compactas de queratina. 
A disposição e a organização das escamas são responsáveis pela rigidez da unha. 
A unha é formada pela 
● Placa ungueal – estrutura retangular e 
convexa, entre as pregas ungueais. Ela se origina