A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
18 pág.
ETAPA 2 - A construção da ideia de Direitos Humanos as lutas da Sociedade Civil Organizada

Pré-visualização | Página 4 de 5

humanos. Pois, apesar do aumento de matrículas, a qualidade do ensino 
brasileiro ainda é modesta, visto o desempenho do Brasil perante os sistemas 
de avaliação internacional. A violência contra a mulher, o aliciamento de jovens 
para a prostituição, o tráfi co e o uso de drogas, assim como a impunidade e 
Copyright © Editora GRUPO UNIASSELVI 2012. Todos os direitos reservados.
12 Direitos Humanos
a corrupção em todos os níveis, são importantes desafi os da ampliação da 
temática de direitos humanos no Brasil. 
Muito pode e deve ser melhorado. Porém, estas melhoras só serão 
possíveis com a ampla participação da população nos ditames políticos do 
Brasil nos próximos anos. Pois é a participação ampla da população o principal 
vetor da ampliação dos direitos humanos, responsável pela melhora na 
qualidade de vida da população brasileira. 
5 OS LIMITES DO CONCEITO DE DIREITOS HUMANOS: AS 
QUESTÕES DE GÊNERO, AS QUESTÕES AMBIENTAIS E AS 
GUERRAS INJUSTAS
 Os direitos humanos enquanto conceito apresentam hoje, no corpo 
social, algumas limitações. Estas poderão ser vencidas com a criação de um 
novo conceito, ou com a ampliação do conceito existente. As duas principais 
limitações da Declaração Universal de Direitos Humanos de 1948 estão 
relacionadas às causas de gênero e à questão do meio ambiente. 
 A presença da mulher no mercado de trabalho após a Revolução 
dos Costumes advinda na sociedade ocidental nos anos de 1960-70 alterou 
as relações entre homens, mulheres, idosos e crianças. Pois, uma família 
patriarcal com pai provedor, mãe dona de casa e fi lhos infl uenciados pela 
escola, pela família e pela religião está se transformando em uma instituição 
social em extinção. No lugar da família patriarcal clássica, outras alternativas 
de núcleos familiares estão presentes no mundo da pós-modernidade. As 
famílias alternativas, como as oriundas de relações homoafetivas, ou de casais 
divorciados ou de países em que a poligamia é aceita (em geral de tradição 
maometana), por vezes não são contempladas com a declaração de direitos, 
muito vaga em questões específi cas às mulheres e aos homossexuais. 
 A mulher possui necessidades específi cas em seus direitos. Pois a 
declaração silencia sobre alguns aspectos, como o respeito incondicional às 
gestantes, além de silenciar sobre o crime de estupro, infelizmente comum 
nos mais distintos países, regiões e classes sociais. No dizer da antropóloga 
Graciela Rodrigues (1998, p. 94):
O paradigma masculino do Humano implica uma hegemonia 
do poder patriarcal, que se expressa não só na linguagem, 
mas também no invisível exercício cotidiano do poder 
de opressão sobre as mulheres e na sutil aceitação cultural 
da subordinação. Considerando, então, que quando se 
fala em Direitos Humanos se faz referência aos direitos 
Copyright © Editora GRUPO UNIASSELVI 2012. Todos os direitos reservados.
13A Construção da Ideia de Direitos Humanos: As Lutas da Sociedade Civil 
Organizada e os Direitos Constitucionais
de alguns homens (brancos, heterossexuais e com recursos 
econômicos) da Europa e dos Estados Unidos (o que marca 
o caráter eurocêntrico dos princípios), torna-se necessária e 
urgente uma redefi nição que possa incorporar o princípio de 
pluralidade e captar a diversidade das diferenças humanas.
Além das questões de gênero, as questões ligadas ao meio ambiente 
também não são contempladas no texto. O direito de viver em um mundo 
livre de poluição, de ter disponível e gratuitamente água potável, por 
exemplo, não faz parte do repertório mínimo de direitos, mesmo sabendo-
se que a água potável e o ar puro são condições básicas para a sobrevivência 
da espécie humana. A questão ambiental é fundamental, porém é uma das 
mais lamentáveis lacunas. Este silêncio da Carta pode ser explicado pelo 
momento em que o documento foi escrito. Nos anos 1940 era presente a 
ideia de um progresso ininterrupto, e a crença de que os recursos naturais 
eram inesgotáveis ainda permeava as consciências. Somente nos anos 1970, 
com o amplo desenvolvimento da microbiologia, dos estudos físico-químicos, 
os homens tiveram a noção clara de que os recursos da natureza podem se 
esgotar. A poluição dos mares, em especial das águas internacionais, fora 
silenciada.
Outra limitação do texto é a questão das guerras injustas. O texto não 
aponta uma limitação clara para a declaração de guerras injustas. Os países 
centrais do sistema capitalista, com assento no Conselho de Segurança, por 
vezes decretaram ataques injustos a nações do Oriente Médio, como ocorreu 
nos anos 1950, quando uma coalizão militar, comandada pela Inglaterra e pela 
França, invadiu o Egito, sem o consentimento da ONU. Recentemente, novos 
ataques realizados por países ocidentais a nações no Oriente Médio, em busca 
de pilhar o petróleo ali existente, nos revelam o quanto seria necessário impor 
limites aos países possuidores de bombas atômicas em sua infi nita ganância. 
Copyright © Editora GRUPO UNIASSELVI 2012. Todos os direitos reservados.
14 Direitos Humanos
AUTOATIVIDADE
1 Explique por que o termo “direitos humanos” pode ser considerado um 
conceito fi losófi co ou sociológico.
2 Explique o papel dos movimentos da sociedade civil organizada na 
formulação da Declaração Universal dos Direitos Humanos.
3 Explique por que, no Brasil, os direitos humanos deixaram de ser apenas 
um conceito fi losófi co ou sociológico para se transformar em direitos 
estabelecidos por leis.
Copyright © Editora GRUPO UNIASSELVI 2012. Todos os direitos reservados.
15A Construção da Ideia de Direitos Humanos: As Lutas da Sociedade Civil 
Organizada e os Direitos Constitucionais
REFERÊNCIAS
BOBBIO, Norberto. Estado, Governo, Sociedade: Para uma teoria geral da política. 
São Paulo: Paz e Terra, 2003. 
CARVALHO, José Murilo de. O papel das religiões: como as igrejas infl uenciaram os 
movimentos abolicionistas nos Estados Unidos e no Brasil. Revista de História da 
Biblioteca Nacional, Rio de Janeiro, n. 32, p. 16, maio 2008. 
CORVISIER, André. História Moderna. Rio de Janeiro: DIFEL, 1976. 
DELUMEAU, Jean. Nascimento e Afirmação da Reforma. São Paulo: Pioneira, 1989. 
DOYLE, Wiliam. O Antigo Regime. São Paulo: Ática, 1991. 
ELIAS, Norbert. O processo civilizador. Rio de Janeiro: Zahar, 1993. 
GOMES, Francisco José Silva. Igreja e o Poder: representações e discursos. In: RIBEIRO, 
Maria Eurydice Barros. A vida na Idade Média. Brasília: UBB, 1997.
HOBSBAWN, Eric. A era dos extremos. São Paulo: Cia das Letras, 2000.
______. A era dos Impérios. São Paulo: Cia das Letras, 1998. 
PIERRARD, Pierre. História da Igreja. São Paulo: Paulus, 1998.
RIBEIRO, Maria Eurydice Barros. A vida na Idade Média. Brasília: UBB, 1997. 
RODRIGUES, Graciela S. Os direitos Humanos das Mulheres. In: ALENCAR, Chico. 
Direitos Mais Humanos. Rio de Janeiro: Garamond, 1998. 
WEBER, Max. Economia e Sociedade. Brasília; São Paulo: EdUNB - Imprensa Ofi cial, 
1999. v. II.
 
______. Ensaios de Sociologia. Rio de Janeiro: LTC, 1982.
WERTHEIN, Jorge. Um marco histórico. In: ALENCAR, Chico. Direitos Mais Humanos. 
Rio de Janeiro: Garamond, 1998..
Copyright © Editora GRUPO UNIASSELVI 2012. Todos os direitos reservados.
16 Direitos Humanos
GABARITO 
1 Explique por que o termo “direitos humanos” pode ser considerado um 
conceito fi losófi co ou sociológico. 
R.: O acadêmico terá de apresentar em sua resposta uma argumentação 
que aponte a Carta de direitos humanos de 1948 como o resultado da 
formulação de diversos grupos que criticaram a exploração de alguns 
seres humanos sobre outros. Cristãos, socialistas, iluministas, entre 
outros grupos intelectuais, pregaram ao longo da história valores como 
respeito, igualdade e paz. 
2 Explique o papel dos movimentos da sociedade civil organizada na 
formulação da Declaração Universal dos Direitos Humanos. 
R.: O