Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
10 pág.
Relatório de Sistema Esquelético

Pré-visualização | Página 1 de 1

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO- UEMA
CENTRO DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS – CECEN
DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA – DB
CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS LICENCIATURA
RELATÓRIO DE ANATOMIA COMPARADA DOS VERTEBRADOS
SÃO LUÍS - MA
2019
ALICIA CAROLINE MOREIRA MELO
GABRIEL FELIPE DE SERRA SOUSA
INGRID CAROLINE MOREIRA LIMA
LEONARDO RODRIGUES DUTRA
RAYSSA MARIA MARQUES PINTO
SISTEMA ESQUELÉTICO DOS VERTEBRADOS 
Relatório referente a aula prática da disciplina de Anatomia Comparada dos Vertebrados, do Curso de Ciências Biológicas Licenciatura, Universidade Estadual do Maranhão. Profª.: Lígia Almeida 
SÃO LUÍS - MA
2019
SUMÁRIO
1. Introdução 	04
2. Objetivos	05
3. Materiais e Métodos	05
4. Resultados e Discussão	06
5. Conclusão	14
Referências	15
 Anexos.........................................................................................................
4
1. INTRODUÇÃO
Os seres vivos são constituídos por vários sistemas, quando pensamos em um vertebrado, em geral lembramos das vértebras e da coluna vertebral, tais estruturas fazem parte de um sistema esquelético, no qual dá um suporte que proporciona rigidez ao corpo, oferece superfície para inserção muscular e proteção para os órgãos (UNIFAP).
O esqueleto o interno dos vertebrados é constituído por ossos e cartilagem e pode ser divido em esqueleto craniano, basicamente constituído pelo crânio, esplancnocrânio, dermatocrânio; esqueleto axial, formado pela coluna vertebral (e notocorda), costelas, esterno, nadadeiras medianas; e esqueleto apendicular, constituído por cintura peitoral e apêndices e cintura pélvica e apêndices.
Fazer a comparação dos esqueletos de vertebrados é relevante, pois fornece pistas de que os grupos de vertebrados analisados evoluíram de um mesmo ancestral, colaborando com a teoria de Darwin de que os seres vivos evoluem e se originam a partir de espécies pré-existentes. A origem dos seres pode realmente ser explicada pela evolução biológica, o que não descarta a possibilidade da influência de um criador sobre o aparecimento das espécies na Terra (TEXEIRA,2010)
Cada vertebrado, desde dos peixes até os mamíferos apresentam um sistema esquelético bem estruturado, onde cada grupo possui particularidades, ou seja, características específicas na sua composição óssea, de acordo com as necessidades adaptativas do indivíduo. 	
2. OBJETIVOS
2.1 Objetivo Geral
Conhecer o sistema esquelético dos vertebrados, realizando um estudo comparativo entre as classes dos vertebrados;
5
3. MATERIAL E MÉTODOS 
Sobre as bancadas do laboratório de anatomia e morfofisiologia, foram observadas todas as classes dos vertebrados, com exceção dos peixes. Dentre a diversidade de vertebrados, o estudo comparativo foi feito entre a raposa, a galinha doméstica, cascavel, humano, quelônio e anfíbio. Também, observou-se cada estrutura dos sistemas esquelético (craniano, axial e apendicular) dos grupos citados acima, identificando as diferenças entre eles. 
4. Resultados e discussões 
4.1 Anatomia Comparada (Esqueleto Humano X Esqueleto de Répteis) 
Fonte: Autores, 2019. Fonte: Brasil Escola, 2019.
O esqueleto humano é dividido em duas partes, esqueleto axial que é composto pela caixa craniana, coluna vertebral e caixa torácica e esqueleto apendicular que é formado pelos membros superiores e inferiores. Possui um esqueleto com grau de ossificação maior e com os elementos ósseos desenvolvidos e aprimorados. Observamos as três vértebras atípicas que o ser humano possui que são as vértebras atlas, áxis e C7 que são vértebras cervicais. Observamos a articulação das costelas com o osso esterno que se ligam através de cartilagens, sendo que as vértebras de 1 a 7 se ligam diretamente ao 
6
esterno, já as de 8 a 10 se ligam as cartilagens da 7 para se conectar ao esterno, enquanto que as costelas 11 e 12 não se conectam ao esterno e assim podem ser chamadas de flutuantes. Percebemos ainda que as vértebras do cóccix e do sacro são fusionadas, não tendo como as ver separadas. Nos humanos os ossos são mais fáceis de serem identificados por conta do tamanho das suas estruturas.
Esqueleto da serpente
 Fonte: Autores, 2019.
As serpentes possuem um esqueleto bem diferenciado em relação aos outros animais, pois basicamente são constituídos apenas dos maxilares, do crânio, coluna vertebral e as costelas. Possuem inúmeras vértebras o que as torna de fácil identificação, dentre os esqueletos observados este apresentou uma quantidade de vértebras muito maior em relação aos outros, cada vértebra possui duas costelas, com exceção das vértebras da cauda que não apresentam costelas. 
4.2 Anatomia Comparada (Esqueleto Humano X Esqueleto de Anfíbios)
Segundo Tortora e Nielsen (2013) o esqueleto humano adulto consiste em 206 ossos, dos quais a maioria é duplo, com uma unidade de cada par no lado direito e outro no esquerdo do corpo. O sistema esquelético adulto é dividido em: axial e apendicular. O esqueleto axial é o eixo principal do corpo e compreende o crânio, hioide, ossículos da audição, coluna vertebral e tórax somando um total de 80 ossos. Já o esqueleto apendicular consiste nos membros superiores e membros inferiores somando um total de 126 ossos.
 O filo Anura é conhecido popularmente como sapos, rãs e pererecas, e constitui o grupo dos anfíbios. Os anfíbios foram os primeiros vertebrados terrestres e, 
7
devido a sua morfologia especializada e variados modos de se locomover, o grupo obteve grande sucesso evolutivo (figura 1).
Figura 1. Esqueleto de anuro; A) Destaque para as estruturas esqueléticas de um anfíbio; B) Exemplar de rã com destaque paras as estruturas anatômicas
Fonte: Hickman et al. (2004)
Segundo Pough et al. (2008) uma característica esquelética importante nos anura é a especialização do corpo para o salto, com auxílio de músculos e dos membros traseiros que atuam como uma alavanca e faz o arremesso do animal no ar. Diferentemente dos humanos, os Anura possuem coluna vertebral curta, com apenas cinco a nove vértebras que são reforçadas pelas zigapófises, que articulam e restringem a flexão lateral. As vértebras mais caudais se fundem para formar o uróstilo. A pélvis se conecta a coluna vertebral, sendo que o íleo é um osso mais alongado. As patas traseiras também são alongadas e a tíbia e a fíbula estão fundidas. Ainda segundo Pough et al. (2008) os membros dianteiros e a cintura peitoral absorvem o impacto da aterrissagem, e os membros traseiros geram a potência que impulsiona o Anuro no ar. 
A peça anatômica do anfíbio observada, permitiu a visualização do crânio com seu formato largo e achatado e parcialmente ossificado, além da presença de dentes na qual é variável. Em relação ao número de vértebras o anfíbio contém 10 até aproximadamente 200, e essa característica correlaciona-se diferenciando ele dos peixes pois é bem mais desenvolvida. Eles apresentam uma única vértebra cervical e sacral. Mas segundo a literatura existe uma exceção nesse filo, pois as que são as cobras cegas 
8
não possuem. Os anfíbios são os primeiros animais a apresentarem um esterno, porém as costelas são pouco desenvolvidas e não tem contato com o esterno.
5. CONCLUSÃO
REFERÊNCIAS
SISTEMA ESQUELÉTICO – CRÂNIO. UNIFAP. Disponível em: < http://www2.unifap.br/parfor/files/2017/06/Anatomia-Comparada-Carlos-Eduardo Costa-Campos.pdf >. Acesso em: 14 de setembro de 2019.
POUGH, F. Harvey; JANIS, Christine M.; HEISER, John B. A vida dos vertebrados. 4. ed. São Paulo: Atheneu, 2008.
TORTORA, Gerard J.; NIELSEN, Mark T. Princípios de Anatomia Humana. 12. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2013.
TEIXEIRA, Augusto César et al. Busca de evidências da evolução na anatomia comparada do esqueleto dos vertebrados. Wyller Mello, p. 20. 2010