A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
62 pág.
Sistema esquelético (1)

Pré-visualização | Página 1 de 2

SISTEMA ESQUELÉTICO
1
SISTEMA ESQUELÉTICO
# Fundamental para estudos zooarqueológicos.
# Procura verificar as semelhanças e as diferenças entre dois ou mais grupos orgânicos.
 → Permite a correta interpretação das relações de parentesco biológico entre organismos conhecidos pelos seus restos esqueletais.
♦ O estudo anatômico nasceu dos trabalhos de Andries Van Wesel (Andréas Vesalius).
 → cientista belga (1514 – 1564).
 → Sobre a Estrutura do Corpo Humano.
2
SISTEMA ESQUELÉTICO
# A moderna anatomia comparada surgiu com os notáveis trabalhos de Georges Cuvier (1769 – 1832).
 → Lições Sobre a Anatomia Comparada.
 → Reino Animal.
♦ Cuvier desenvolveu o valioso conceito de “Tipo”.
 → Padrão estrutural que ocorre em um grande grupo orgânico e por meio do qual podem ser reconhecidos seus componentes, os quais são, por sua vez, variações em torno do padrão básico.
3
TIPOS DE TECIDOS ENVOLVIDOS
CARTILAGEM
Características
Alto teor de água.
Ausência de inervação.
Ausência de vasos sanguíneos.
Circundado por pericôndrio.
# Embriologicamente, o esqueleto é formado por cartilagens e fibras.
# Durante o processo de ontogenia existe a substituição por tecido ósseo.
4
CARTILAGEM HIALINA
Suporte, flexibilidade e resiliência = mais abundante no corpo.
Localização
Articulações.
Costal.
Respiratória.
Nasal.
5
CARTILAGEM ELÁSTICA
# Semelhante à hialina.
# Maior concentração de fibras elásticas e mais flexível.
Localização
a) Pinna.
b) Epiglote.
6
FIBROCARTILAGEM
#Altamente comprimida e com grande força tênsil.
 
# Grossa camada de fibras colágenas.
Localização
Discos intervertebrais.
Sínfise púbica.
Articulação do joelho (bípedes).
7
TECIDO ÓSSEO
FUNÇÕES
Suporte do corpo.
Proteção – sistema nervoso central e órgãos.
Movimento – ancoramento muscular.
Armazenamento mineral – Cálcio e Fósforo.
Hematopoiese.
Projeções.
Depressões. 
Orifícios locais de ancoramento de músculos, tendões, ligamentos,
 superfícies articulares.
i) Condutos para nervos e vasos sanguíneos.
8
COMPONENTES
# Osso Compacto – camada densa externa.
# Osso Esponjoso – trabéculas ósseas e medula óssea.
9
ESTRUTURAS TÍPICAS DE UM OSSO LONGO
# Diáfise – eixo do osso (osso compacto circundando uma cavidade medular central com medula óssea).
# Epífise – superfícies articulares cobertas com cartilagem hialina. As linhas epifiseais separam diáfise de epífise.
Metáfise – ligação física entre diáfise e epífise.
10
COMPONENTES BÁSICOS
# PERIÓSTEO – membrana dupla externa contendo nervos e vasos sangüíneos.
# ENDÓSTEO – camada interna delgada que recobre a parte esponjosa.
11
OSSOS IRREGULARES
# Ausência de diáfise e epífise.
12
COMPOSIÇÃO DOS OSSOS
Orgânica
Osteoblastos – células formadoras dos ossos.
Osteócitos – células de ossos formados.
Osteoclastos – células de absorção da matriz óssea.
2. Inorgânica
 Hidroxiapatita – Fosfato de Cálcio envolto em fibras colágenas.
# Osteogênese – processo de formação dos ossos.
13
ESQUELETO
Esqueleto Axial
	* Crânio.
	* Ossículos Auditivos.
	* Osso Hióide.
	* Coluna Vertebral.
	* Caixa Torácica.
Esqueleto Apendicular
	* Cintura Escapular.
	* Cintura Pélvica.
	* Membros Superiores.
	 (anteriores)
	* Membros Inferiores.
 (posteriores)
14
15
DERMATOCRÂNIO
Série Marginal
	* Pré-maxilar
	* Maxilar
Série Circum-orbital
	* Lacrimal
	* Pré-frontal
	* Pós-frontal
	* Pós-orbital
	* Jugal
	* Septomaxilar
Série Mediana
	* Nasal
	* Frontal
	* Parietal
	* Pós-parietal
16
17
Série Temporal
	* Intertemporal
	* Supratemporal
	* Tabular
Série Malar
	* Esquamosal
	*Quadradojugal
Série Mandibular
	* Dentário
	* Esplenial
	* Coronóide
	* Angular
	* Supra-angular
	* Pré-articular
18
Série Palatina
	* Vômer
	* Palatino
	* Ectopterigóide
	* Pterigóide
	* Paraesfenóide
19
20
21
22
CRÂNIO
# Formado por três regiões.
 crânio → parte superior.
 rosto → parte anterior.
 mandíbula → parte móvel.
♦ Sofreu a tendência evolutiva de arredondar-se em diversos graus.
♦ Evoluiu de espesso para delgado e mais leve.
♦ Espessura, tamanho e configuração mudaram, mas o padrão se manteve perfeitamente reconhecível. 
23
CRÂNIO
24
CRÂNIO
♦ O arredondamento do crânio atingiu a forma da “caixa craniana” (endocrânio) provocando o arredondamento do encéfalo.
→ crescimento equilibrado das áreas formadoras do cérebro.
→ o arredondamento do crânio determinou o deslocamento do encéfalo de trás para cima da região rostral.
→ O arredondamento do crânio facilitou o equilíbrio da cabeça sobre o extremo da coluna vertebral e a locomoção ereta perfeita e constante.
25
CRÂNIO
26
CRÂNIO
♦ Mandíbula
 formada por um único osso (mandibular → esquerdo e direito, unidos na frente pela sínfise mandibular).
 tendência evolutiva → redução de volume e de espessura (com a redução do focinho).
 → os humanos modernos apresentam forte redução da mandíbula com um arranjo ósseo produzindo uma “ponta” (eminência mentoniana).
 → a redução do focinho determinou o recuo dos ossos maxilar e mandibular.
 conseqüência → modificação na morfologia dos ramos horizontais da mandíbula e da maxila.
27
CRÂNIO
28
CRÂNIO
♦ Dentadura
 → os dentes são portadores de inúmeros caracteres diagnósticos.
 regiões:
 raiz → implantada no alvéolo dentário.
 coroa → porção exposta (fora da gengiva).
# Antropomorfos → animais heterodontes (incisivos, caninos, pré-molares e molares).
# Dentição adulta → 32 dentes.
# Fórmula dentária → (2.1.2.3) X 4
 # Dentição em série contínua (sem a presença de diastema).
 Tendência evolutiva → os dentes tornaram-se mais aproximados entre si.
29
CRÂNIO
30
FUNÇÕES ANATÔMICAS
MEMBRO SUPERIOR
# Órgão da atividade manual.
# Livremente móvel e adaptável.
# Em bípedes, o membro superior não está geralmente envolvido na sustentação de peso – sua estabilidade foi sacrificada para ganhar mobilidade.
MEMBRO INFERIOR
# Especializado para: a) locomoção; b) sustentação de peso; c) equilíbrio.
PELVE
# Confluência de tronco e membros posteriores/inferiores.
# Centro de gravidade (g) nos bípedes = ossos mais fortes.
31
BRAÇO
♦ Formado por um só osso → úmero
 ante-braço → ulna e rádio
# o úmero se articula com a cintura escapular (“ombro”) e com a ulna e o rádio (“cotovelo”).
# a ulna e o rádio se articulam com a mão (“pulso”).
 Tendência evolutiva → adoção da vida terrícola determinou a diminuição do tamanho relativo dos braços e pernas.
 Braços mais longos do que as pernas → vida arborícola
 Braços mais curtos do que as pernas → vida terrícola
32
BRAÇOS
33
MÃOS
♦ Esboçou-se entre os componentes da Família Plesiadapidae há 60 milhões de anos.
♦ Tendência evolutiva → melhoria da capacidade de “agarrar” (galhos, alimentos, objetos variados da vida cotidiana).
♦ Evolução da pata dos insectívoros para a vida arborícola (grandes reflexos na anatomia).
# Apenas os humanos liberaram totalmente as mãos da locomoção (após a 1ª infância).
 Mão humana → extrema dualidade de uso (força e delicadeza)
34
MÃOS
35
MÃOS
 ♦ Regiões:
 Metacarpal → Tomou configuração côncava quando em repouso (nos antropóides fica reta).
 Região Falangeal → Tornou-se mais longa do que a região metacarpal.
 Falanges → Tornaram-se retas (enquanto nos pongídeos são um pouco curvas).
# O dedo 1 (polegar) tornou-se mais longo quando comparado com os outros dedos (e com o polegar dos demais antropóides).
# O aumento do comprimento e da rotação do polegar tornou possível a ele tocar a ponta do dedo 2 (indicador).
# Exclusividade humana e o motor de toda a tecnologia desenvolvida (firmeza e precisão de uso da mão).
36
OSSOS DO CARPO
 Trapézio
 Trapezóide
 Capitato
 Hamato
 Escafóide
 Semilunar
 Piramidal
37
OSSOS DO METACARPO → I, II, III, IV, V.
FALANGES
Proximais → 5
Mediais → 4
Distais → 5
38
MÃOS
 
39
PERNAS
 ♦ Formada pela