Proteínas na Atividade Física
4 pág.

Proteínas na Atividade Física


DisciplinaNutrição Esportiva4.568 materiais47.950 seguidores
Pré-visualização2 páginas
Proteínas na Atividade Física 
Introdução 
\u2665 Maior componente funcional e estrutural 
de todas as células do organismo; 
\u2665 Elas agem na reparação e construção de 
tecidos. 
\u2665 Uma molécula de proteína é constituída a 
partir de aminoácidos (20 tipos de 
aminoácidos), abreviados por 3 letras na 
forma sequencial -> cadeia de polipeptídio. 
\u2665 O que permite que uma proteína se 
diferencie da outra é a ordem dos 
aminoácidos e a frequência de sua 
ocorrência. 
\u2665 Elas são classificadas em aminoácidos 
essenciais, não essenciais e 
condicionalmente essenciais. 
- Importante combinar as fontes corretas 
de proteína, encaixando a sequência de 
aminoácidos, para melhorar a oferta 
proteica. 
Tipos 
\u2665 Essenciais: A gente precisa consumir 
\u2665 Não essenciais: Nosso corpo sintetiza, não 
precisamos consumir 
- Se houver deficiência na ingestão, pode 
ser sintetizado a partir de outros aa e por 
precursores de C e N 
\u2665 Condicionalmente essenciais: A gente 
produz, porém em algumas situações a 
síntese não é suficiente para dar conta. Ex: 
glutamina 
- Podem ser essenciais em determinadas 
situações clínicas 
Função Biológica 
\u2665 É determinada pela sequência dos 
aminoácidos, assim, se determinado 
aminoácido é substituído por outro, a 
proteína pode perder sua atividade biológica. 
\u2665 Elas são extremamente importantes 
também por participarem da síntese de 
hormônios, enzimas e anticorpos; 
\u2665 Proteínas existem em grande quantidade 
também fora das células, no sangue 
(albumina, globulinas, etc) ou nos interstícios 
(colágeno, elastina, etc). 
\u2665 Também se destacam como: 
transportadora de gases respiratórios, 
sistema de coagulação do sangue, 
transporte de diversas substancias no 
sangue, fonte de energia. 
Função de Algumas proteínas 
\u2665 Lipoproteínas: transportam lipídios; 
\u2665 Albumina: Pressão oncótica; 
\u2665 Triptofano: Síntese de serotonina; 
\u2665 Metionina: Doador de grupos metílicos para 
síntese de creatinina; 
\u2665 Fenilalanina: Tiroxina e adrenalina, síntese 
do hormônio da tireoide; 
\u2665 Tirosina: Melanina, pigmentação da pele e 
cabelo; 
\u2665 Cisteína: Mantém a estrutura terciária de 
proteínas. Ao formarem ligações 
dissulfureto entre os seus grupos tiol, 
aumentam a estabilidade molecular e a 
resistência à proteólise; 
- A insulina é um exemplo desse tipo de 
ligação, pois é formada por dois peptídeos 
ligados por duas destas ligações 
dissulfureto. 
- A disposição das ligações dissulfureto em 
proteínas contidas no cabelo determina quão 
encaracolado o cabelo é. 
Papel das proteínas no organismo 
\u2665 Função plástica e construtora: As 
proteínas são utilizadas na reparação de 
tecidos nos organismos. 
\u2665 Função reguladora: Presente nos 
hormônios e enzimas que atuam na 
regulação dos processos metabólicos e 
fisiológicos ligados ao exercício físico. 
\u2665Função energética: caso haja um déficit 
energético por conta dos carboidratos, mas 
a prioridade não é das proteínas. 
- Contração muscular, sustentação 
mecânica; 
Regulação da síntese proteica 
\u2665 Hormônio do crescimento: aumento da 
síntese para aumento da síntese tecidual 
\u2665 Insulina: Acelera o transporte de AA 
\u2665 Glicocorticoides: Aumenta a concentração 
de ptn no plasma 
\u2665 Testosterona e estrogênio: aumenta a 
deposição de ptn nos tecidos 
\u2665 Tiroxina: Aumenta o metabolismo das 
células (tanto catabolismo como 
anabolismo). 
Metabolismo das proteínas 
\u2665 A proteína ingerida através da dieta é 
hidrolisada pelo TGI em aminoácidos; 
\u2665 Os aminoácidos ingeridos são utilizados 
para síntese de proteínas; 
\u2665 Os aminoácidos restantes são oxidados 
para fornecimento de energia; 
\u2665 O início da digestão é a pepsina que atua 
n estômago. O pepsinogênio vai ser ativado 
em pepsina para digerir essa proteína. 
- pH baixo -> boa digestão 
 
Boca: tritura 
Estomago: HCI desnatura ptn e a pepsina 
hidrolisa 
Intestino delgado: enzimas pancreáticas 
digerem proteína ingerida, enzima das 
bordas em escova atuam 
Fígado: Mantem o balanço de AA plasmático, 
síntese de ptn essenciais, responsável pela 
síntese de 95% da ureia. 
Sistema circulatório: sangue transporta aa 
absorvido e ptn sintetizada 
Rim: sintetiza ureia em condições especiais 
e elimina na urina 
Intestino grosso: elimina material não 
diferido que pode ser fermentado pela 
flora intestinal. 
Destino dos Aminoácidos 
\u2665 Fígado \u2013 modulador da concentração 
plasmática de aminoácidos; 
\u2665 20% dos aminoácidos para circulação -> 
principalmente os ACR (cadeia ramificada) 
que são metabolizados no músculo 
esquelético, rins e outros tecidos 
\u2665 50% transformado em ureia. 
\u2665 6% transformado em proteínas 
plasmáticas 
\u2665 O fígado é um regulador do catabolismo 
de Aminoácidos Essenciais. 
- Transaminação: Para que os AA possam 
ser utilizados como fonte de energia, eles 
devem primeiramente sofrer uma 
transaminação. 
- Músculo: é onde ocorre a degradação de 
aminoácidos de cadeia ramificada 
(isoleucina, leucina e valina) -> O piruvato se 
junta com a amônia e forma a alanina -> 
alanina vai para o fígado e transfere amônia 
para o beta-cetoglutarato -> excreção na 
urina (ureia). 
Outros compostos que contém nitrogênio 
\u2665 Creatina: sintetizada no fígado, 
armazenada nos músculos, cérebro e 
sangue 
- Na atividade física intensa e usada como 
energia 
\u2665 Creatinina: A diferença da creatina é 1 
molécula de água 
- Excretado na urina 
- Quanto mais creatinina a pessoa está 
liberando na urina, mais massa muscular 
foi depletada. 
Proteína e desempenho esportivo 
\u2665 Turnover proteico: É um equilíbrio entre 
as taxas de síntese e de degradação. 
- Em resposta ao jejum, há perda de 
proteínas no organismo, pois não há entrada 
de novos aminoácidos e a degradação 
proteica permanece; 
- Na privação alimentar ocorre a 
disponibilidade de AA para a oxidação ou para 
gliconeogênese; 
\u2665 Músculo esquelético e os intestinos -> 
principal fonte de AA essencial durante o 
jejum. 
- Ocorre catabolismo para sintetizar 
aminoácidos e a mucosa descama com 
intuito de liberar aminoácidos 
\u2665 O musculo esquelético possui uma 
capacidade limitada para oxidar AA; 
- Ele tem a capacidade de oxidar AA, a qual 
gera apenas 10% do turnouver total do ATP. 
- Se a taxa de oxidação de outros 
substratos aumentar, a sua contribuição 
diminui ainda mais; 
\u2665 A leucina tem uma taxa de oxidação 
elevada nas situações de baixa 
disponibilidade de outros substratos. 
- Exercícios prolongados de intensidade 
moderada -> o metabolismo das proteínas 
contribui para geração de energia com 6% da 
demanda total de energia. 
\u2665 Mesmo nas atividades intensas de força, 
o consumo de proteína superior às 
necessidades não estimula a incorporação 
dessa proteína excedente nos tecidos; 
\u2665 Proteína como fonte de energia: o \u201cc\u201d dos 
aminoácidos podem ser utilizados como 
combustíveis para o metabolismo oxidativo; 
\u2665 Importante: Privação alimentar, a 
produção de glicose por esta via é 
quantitativamente importante (grande 
estoque de energia bloqueado nas PT se 
torne disponível); 
\u2665 A oxidação dos ácidos graxos de cadeia 
ramificada/bcaa é uma importante fonte 
de energia para o músculo em exercício. Os 
grupos AMINO nesses AA são 
transportados para o fígado para utilização 
no ciclo de vida. 
\u2665 A alanina e a Glutamina: Aminoácidos 
fundamentais no transporte de nitrogênio 
entre os tecidos (N2 que deixa o musculo na 
privação alimentar está sob a forma de um 
desses AA) 
\u2665 Parte de energia disponível desses 
aminoácidos (BCAA) são catabolizadas pelo 
músculo esquelético. 
\u2665 A energia fica disponível para 
ressintetização do ATP com a amônia tóxica 
-> removida pela alanina e glutamina. 
\u2665 O principal papel do ciclo glicose-alanina é 
transportar amônia do musculo para o 
fígado, formando a ureia. 
 
 
 
 
Recomendações proteicas no exercício 
\u2665 Substrato essencial para o reparo das 
micro lesões teciduais; 
- Se atentar ao tipo de exercício, 
intensidade, duração e frequência; 
\u2665 Exercício de força > exercícios de 
resistência 
\u2665 Ganho de massa muscular: 1,6