Buscar

Resumo dos experimentos que comprovaram a presença do material genético no DNA

Esta é uma pré-visualização de arquivo. Entre para ver o arquivo original

Resumo dos experimentos que comprovaram a presença do material genético no DNA.
EXPERIMENTO GRIFFITH
Uma das confirmações que o DNA é o material genético, foi comprovada da análise da transformação na bactéria Streptococcus pneumoniae. Experimento realizado por Griffith, onde ele descobriu o princípio genético da transformação em 1928.Foram isoladas várias linhagens diferentes de S. Pneumoniae (tipo I,II,III, etc), formas virulentas e formas não virulentas. Bactérias tipo IIIS (virulentas quando vivas) destruídas pelo calor e bactérias do tipo IIR (avirulentas) vivas, foram injetadas em camundongos. Muitos camundongos tiveram pneumonia e morreram, e bactérias do tipo IIIS vivas foram isoladas de suas carcaças. Concluiu-se que as bactérias IIIS mortas, tinham transformado as bactérias IIR em IIIS vivas.
Em 1931, Richard Sia e Martin Dawson, analisaram o experimento realizado por Griffith e perceberam que os camundongos não influenciavam essa transformação. Logo após, foi descoberto que o DNA é o único componente das bactérias do tipo IIIS capazes de transformar bactérias do tipo IIR no tipo IIIS. Avery, McLeade e McCarty utilizaram enzimas específicas para degradar DNA, RNA e proteínas purificados de bactérias do tipo, foram elas: desoxirribonuclease (DNase), ribonuclease (RNase) e proteases. Depois testou se a capacidade do DNA de transformar bactérias do tipo IIR em tipo IIIS. Apenas o tratamento com DNase surtiu efeito e eliminou por completo a atividade de transformação. Assim, o DNA era o ingrediente essencial da transformação de bactérias do tipo IIR em IIIS. O segmento de DNA no cromossomo de Streptococcus que abriga as informações genéticas especificando as propriedades de uma bactéria do tipo III é fisicamente inserido no cromossomo da célula receptora dos tipos IIR durante o processo de transformação.
ESPERIMENTO DE ALFRED HERSHEY E MARTA CHASE
Começaram as experiências sabendo, à partida, a forma e o mecanismo pelo qual o fago injeta o seu material nas células bacterianas. Ao injetá-lo, o corpo do fago liberta-se da superfície da célula, logo o material injetado deverá ser o material hereditário. Sabiam também que os únicos componentes químicos existentes num fago são proteínas e DNA. Testaram, então, se o material hereditário era o DNA ou as proteínas. Sabiam que a molécula de DNA continha fósforo e as proteínas não. Por outro lado, as proteínas continham enxofre e o DNA não. Cresceram fagos em dois meios diferentes: Meio com fósforo radioativo (32P). Os que crescerem neste meio vão incorporar fósforo radioativo e meio com enxofre radioativo (35S). Os que crescerem neste meio vão incorporar enxofre radioativo.

Teste o Premium para desbloquear

Aproveite todos os benefícios por 3 dias sem pagar! 😉
Já tem cadastro?

Outros materiais