Orientações curriculares para o ensino médio
240 pág.

Orientações curriculares para o ensino médio


DisciplinaEnem43.386 materiais1.658.038 seguidores
Pré-visualização50 páginas
o his-
panismo no Brasil. Rio de Janeiro: CCLS Publishing House, 2004.
REVUZ, C. A língua estrangeira entre o desejo de um outro lugar e o risco do 
exílio. In: SIGNORINI, I. (Org.). Língua(gem) e identidade. Elementos para uma 
discussão no campo aplicado. Campinas: Mercado de Letras/São Paulo: Fapesp, 
p. 213-230, 1998.
RODRIGUES, F. S. C. Aquisição do modo imperativo da língua espanhola: será 
esse o problema? In: TROUCHE, A. L. G.; REIS, L. F. (Orgs.). Hispanismo 2000. 
Brasília: Ministerio de Educación, Cultura y Deporte/ABH, v. 1, p. 141-146, 2001.
ROLANDI, V. F. Estereótipos: uma porta de entrada no processo de aquisição 
de língua estrangeira. (Os estereótipos veiculados pela mídia e o seu papel na 
aquisição do espanhol/Língua Estrangeira no Brasil). Trabalho de Graduação In-
dividual apresentado ao DLM da FFLCH-USP, a partir de pesquisa de Iniciação 
Cientí\ufb01 ca realizada com bolsa da Fapesp. Inédito, cópia disponível na biblioteca 
da FFLCH/USP, 2004.
SANTOS, H. S. Imagens complexas: entre a reiteração do mesmo e o jogo de 
contrários, 2004. Disponível em: http://www.cce.ufsc.br/~lle/congresso/traba-
lhos_lingua/Helade%20Scutti%20Santos.doc 
SANTOS, H. S. O \u201cerro\u201d do aluno de língua estrangeira sob um outro olhar. In: 
BRUNO, F. C. (Org.). Ensino-aprendizagem de línguas estrangeiras: re\ufb02 exão e 
prática. São Carlos, SP: Claraluz, p. 37-52, 2005.
163CONHECIMENTOS DE LÍNGUA ESTRANGEIRA \u2013 ESPANHOL
SANTOS, H. S. O papel de estereótipos e preconceitos na aprendizagem de 
línguas estrangeiras. In: ANALES DEL II CONGRESO BRASILEÑO DE HIS-
PANISTAS, 2002, São Paulo, SP, Brasil. Disponível em: http://www.proceedings.
scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=MSC0000000012002000100029&ln
g=es&nrm=iso
SANTOS, H. S. Quem sou eu? Quem é você? Será que um dia a gente pode se en-
tender? As representações no ensino/aprendizagem do espanhol como língua 
estrangeira. Dissertação de Mestrado defendida no Programa de Pós-Graduação 
em Língua Espanhola e Literaturas Espanhola e Hispano-Americana, DLM-FFL-
CH-USP. Inédita, 2005.
SANTOS, R. L. C. Um olhar para os erros no processo de aquisição de língua 
estrangeira a partir de duas perspectivas de interpretação. Dissertação de Mes-
trado defendida junto ao Programa de Pós-Graduação em Semiótica e Lingüísti-
ca Geral, DL-FFLCH-USP. Inédita, 2002.
SERRANI-INFANTE, S. M. Abordagem transdisciplinar da enunciação em 
segunda língua: a proposta Areda. In: SIGNORINI, I.; CAVALCANTI, M. C. 
(Orgs.). Lingüística aplicada e transdisciplinaridade. Campinas: Mercado de Le-
tras, p. 143-167, 1998.
SERRANI-INFANTE, S. M. Análise de ressonâncias discursivas em microcenas 
para estudo da identidade lingüístico-cultural. Trabalhos de Lingüística Aplica-
da, Campinas, IEL/Unicamp (24): 79-90, jul.-dez., 1994.
SERRANI-INFANTE, S. M. Discurso e aquisição de segundas línguas: proposta 
Areda de abordagem. In: INDURSKY, F.; LEANDRO FERREIRA, M. C. Os múl-
tiplos territórios da análise do discurso. Porto Alegre: Sagra Luzzatto, p. 281-300, 
1999.
SERRANI-INFANTE, S. M. Diversidade e alteridade na enunciação em língua 
próximas. Revista Letras, Porto Alegre, 4, p. 11-17, 1997.
SERRANI-INFANTE, S. M. Formações discursivas e processos identi\ufb01 catórios na 
aquisição de línguas. In: D.E.L.T.A., São Paulo, Educ, v. 13, n. 1, p. 63-81, 1997.
SERRANI-INFANTE, S. M. Identidade e segundas línguas: as identi\ufb01 cações no 
discurso. In: SIGNORINI, I. (Org.). Língua(gem) e identidade. Campinas: Mer-
cado de Letras/São Paulo: Fapesp, p. 231-261, 1998.
SERRANI-INFANTE. S. M. Resonancias discursivas y cortesía en prácticas de 
lecto-escritura. In: D.E.L.T.A. São Paulo, Educ, v. 17, n. 1, 2001. Disponível em: 
http://www.scielo.br
SERRANI, S. (Org.). Línguas e processos discursivos. Teoria e prática. Frag-
mentos. Revista de Língua e Literaturas Estrangeiras da UFSC, 22, Florianópolis: 
Ed. da UFSC, 2003.
164 ORIENTAÇÕES CURRICULARES PARA O ENSINO MÉDIO
SOTO, U. Stricto sensu: regularidades e dispersão na pesquisa em língua espa-
nhola. In: PARAQUETT, M.; TROUCHE, A. (Orgs.). Formas e linguagens. Te-
cendo o hspanismo no Brasil. Rio de Janeiro: CCLS Publishing House, p. 155-
198, 2004.
TARALLO, F.; ALKMIN, T. Falares crioulos. Línguas em contato. São Paulo: Áti-
ca, série Fundamentos, 1987.
VENTURA, R. P. Variaciones en algunos usos pronominales del español. In: 
BRUNO, F. C. (Org.). Ensino-aprendizagem de línguas estrangeiras: re\ufb02 exão e 
prática. São Carlos, SP: Claraluz, p. 115-120, 2005.
YOKOTA, R. A aquisição/aprendizagem de estruturas prepositivas do es-
panhol por falantes do português. In: TROUCHE, A. L. G.; REIS, L. F. (Orgs.). 
Hispanismo 2000, Brasília: Ministerio de Educación, Cultura y Deporte/ABH, 
v. 1, p. 263-272, 2001.
YOKOTA, R. A marcação do caso acusativo na interlíngua de brasileiros que 
estudam o espanhol. Dissertação de Mestrado defendida junto ao Programa 
de Pós-Graduação em Semiótica e Lingüística Geral, DL-FFLCH-USP. Ínédita, 
2001. Disponível em: http://www.teses.usp.br/
YOKOTA, R. El uso de mismo por estudiantes brasileños de E.L.E. In: DURÃO, 
A. B. A. B.; ANDRADE, O. G. (Org.). Problemas de ensino/aprendizagem de bra-
sileiros estudantes de espanhol, t. I. Londrina: Ed. UEL, p. 79-92, 2000.
YOKOTA, R. O objeto direto preposicionado na interlíngua de estudantes de 
espanhol. In: FRANÇA, A. (Org.). A\ufb01 nal, já sabemos para que serve a lingüística? 
São Paulo: Departamento de Lingüística da FFLCH/USP, p. 189-198, 2002.
CONHECIMENTOS 
DE ARTE
Consultores
Ana Carolina de S. S. D. Mendes
Arão Paranaguá de Santana 
José Mauro Barbosa Ribeiro 
Leda Maria de Barros Guimarães 
Margarete Arroyo 
Terezinha Losada 
Leitores Críticos
Lucia Lobato
Sergio Coelho Borges Farias
José Sávio Oliveira de Araújo 
Sérgio Luis Ferreira de Figueiredo
INTRODUÇÃO
Integrando a legislação educacional que se seguiu à Lei de Diretrizes e Bases da 
Educação Nacional, Lei no 9.394/96, os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) 
constituem documentos que visam a esboçar as principais linhas de referência 
para a educação escolar na perspectiva do desenvolvimento do ensino, com a \ufb01 -
nalidade de orientar a formulação das propostas curriculares das diversas regiões 
do Brasil, os projetos pedagógicos, as escolas e as ações dos docentes quanto à 
elaboração do planejamento didático propriamente dito.
Neste documento, procurou-se resguardar os avanços identi\ufb01 cados nos 
PCN, garantindo, ao mesmo tempo, a inclusão de propostas há muito reivindi-
cadas por aqueles que lidam com o ensino da Arte, em suas diversas instâncias e 
segmentos, todavia estabelecendo um contato mais estreito com aqueles que se 
situam na ponta desse processo \u2013 o professor. Guiado por esse propósito, o docu-
mento foi estruturado com as partes descritas a seguir.
Revisão histórica
Apresentação das principais tendências pedagógicas, desde a visão tradicional 
até as vertentes contemporâneas, contemplando pressupostos teóricos e propos-
tas didáticas relativos às diversas linguagens artísticas \u2013 música, teatro, dança, 
artes visuais e suas repercussões nas artes audiovisuais e midiáticas. Ao mesmo 
tempo em que se busca uma leitura crítica desse processo histórico, pretende-se, 
também, resgatar as contribuições desses legados históricos, oferecendo subsí-
dios para o professor localizar e repensar criticamente sua prática sob múltiplos 
referenciais.
Arte, linguagem e aprendizagem signi\ufb01 cativa
Conforme a Lei n. 5.692/71, o ensino da arte faz parte da área da linguagem. 
Então denominada de Comunicação e Expressão, passa a integrar, com a ado-
ção dos PCN, a área de Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. Nessa parte do 
5
Capítulo
Linguagens, Códigos e 
suas Tecnologias
Edu
Edu fez um comentário
shou dibola
0 aprovações
Carregar mais