2 - A Analise do Comportamento no Laboratorio Didatico - Matos & Tomanari - 2002-2
292 pág.

2 - A Analise do Comportamento no Laboratorio Didatico - Matos & Tomanari - 2002-2


DisciplinaPsicologia91.855 materiais607.307 seguidores
Pré-visualização50 páginas
alunos é 
considerar isso uma evidência de que podem saltar etapas intermediá­
rias (\u201cpassar a cabeça por cima da barra\u201d, \u201clevantar-se nas patas trasei­
ras\u201d etc.) e assim passam a exigir a resposta de pressão à barra. Isto 
poderá produzir a extinção da resposta N sem garantir a resposta N+3.
3. Outro aspecto a ser lembrado: é importantíssimo que o evento refor- 
çador ocorra imediatamente após a resposta que pretendemos forta­
lecer, ou cuja freqüência buscamos aumentar. Essa seqüência 
temporal \u201cResposta>Reforço\u201d é importante e deve ser empregada de 
maneira precisa e imediata, pelo menos nos primeiros dias de nosso 
trabalho com esse animal. Evite reforçar respostas incompatíveis 
(quanto maior o intervalo entre uma resposta e sua conseqüência,
2 Atraso de reforçamento se refere ao intervalo entre a emissão de uma resposta e 0 acesso à conseqüência reforça- 
dora; quanto maior esse intervalo, menos eficaz a operação de conseqüenciação.
3 Custo de resposta refere-se ao «sforço total que um organismo deve despender para obter acesso a um reforçador. 
É medido em termos de energia gasta (deslocar uma barra de l versus lo gramas, emitir 1 versus 15 pressões, per­
correr uma distância de 10 versus 40 cm etc.) ou de efeitos colaterais indesejados (0 focinho do rato é uma parte 
muito sensível e delicada de seu corpo, usá-lo para pressionar uma barra de metal pode, com a repetição do ato, 
produzir uma inflamação na área ou até lesões).
INDEX BOOKS GROUPS 08/04/2015
08/04/2015 INDEX BOOKS GROUPS
 
 
 
INDEX 
BOOKS 
GROUPS 
 
 
\u25a0 A ANÁLI SE DO C O M P O R T A M E N T O NO L A B OR ATÓ R I O D I DÁT I CO
maior a probabilidade de que outras respostas, algumas incompatí­
veis, ocorram nesse intervalo).
Diz-se que modelar é uma arte, pois além de não possuir regras fixas, 
exige um observador atento, preciso e rápido na tomada de decisões, 
bem como uma pessoa bastante familiarizada com todas as etapas da 
resposta que deseja ensinar.
4. O critério para o encerramento da modelagem é a emissão de cinco 
respostas consecutivas de pressão à barra (sem outras respostas inter­
mediárias). Atenção: nesse estágio, reforce apenas as respostas em 
que a pressão à barra for executada com uma ou ambas as patas dian­
teiras. Quando isso ocorrer, coloque a chave de comando da caixa de 
controle na posição Automático, para que as respostas de pressão à 
barra passem a ser reforçadas automaticamente.
5. Imediatamente após a modelagem ter sido finalizada, dê início à Prá­
tica 4 - Reforço Contínuo (CRF I) e anote o horário de término da 
Modelagem.
IMPORTANTE: A qualquer momento, durante a Modelagem, se você 
tiver alguma dúvida, ou se seu animal ficar parado muito tempo, ou pas­
sar a dormir, ou se você não conseguir passar de uma etapa da modela­
gem para outra, não hesite em chamar o professor; não corra o risco de 
colocar uma resposta adequada em extinção, ou de estabelecer uma res­
posta inadequada.
Prática Número 4
REFO RÇO CONTÍNUO DA RESPOSTA DE PRESSÃO À 
BARRA (CRF I)
APRESENTAÇÃO
O Reforço Contínuo (CRF4) tem como efeito imediato fortalecer a res­
posta de pressão à barra, e com isso mantê-la em alta freqüência no reper­
tório comportamental de seu sujeito. Na Prática 4, toda resposta de 
pressão à barra será reforçada pela apresentação imediata de uma gota de 
água, e nenhuma gota será apresentada sem que tal resposta tenha sido 
emitida. O nome Reforço Contínuo se origina dessa contingência: cada 
resposta é reforçada, não há solução de continuidade.
- Esquemas freqüentemente são designados por siglas cuja origem está em sua denominação em inglês, assim 
rercTco contínuo origina-se da expressão correspondente em inglês Continuous Reinforcement.
INDEX BOOKS GROUPS 08/04/2015
08/04/2015 INDEX BOOKS GROUPS
 
 
 
INDEX 
BOOKS 
GROUPS 
 
 
O reforço contínuo da resposta de pressão à barra encerra a primeira 
sessão experimental (Prática 4, CRF I) e é retomado na Prática 5 (CRF II) 
quando inicia a segunda sessão.
PROCEDIMENTO (CRF l)
Imediatamente após o critério de modelagem ter sido alcançado, você 
deve colocar a chave de comando da caixa de controle na posição Automá­
tico. Durante a Prática 4, você vai utilizar a mesma planilha de registro 
usada durante a Prática 1. Nas caseias das colunas denominadas CRF I, 
você deve anotar a freqüência das mesmas respostas anteriormente defi­
nidas e observadas (ver Prática 1 - Nível Operante).
1. A chave de comando da caixa deve ser mantida na posição Automáti­
co durante toda a duração desta prática, para garantir o reforçamento 
automático e imediato de cada resposta de pressão à barra.
2. Anote a freqüência das mesmas respostas registradas durante a Prá­
tica 1 - Nível Operante, minuto a minuto.
3. Periodicamente, observe se o nível de água na cuba localizada abaixo 
do bebedouro está adequado para o bom funcionamento do aparelho.
4. Encerre esta prática após o animal ter pressionado a barra 200 vezes 
ou após 15 minutos, contados a partir do início do CRF, o que ocor­
rer primeiro. Se, durante a prática, seu animal parar de responder, 
notifique o professor.
5. Ao final da prática, retire o animal da caixa, reconduza-o ao biotério, 
e anote o horário de término da sessão.
6. Execute os procedimentos de limpeza da caixa e de higiene pessoal.
AS C O N S E Q Ü Ê N C I A S DO QUE FAZ EMOS SAO I MPORTANTES PARA O NOSS O F A Z E R 5 113
INDEX BOOKS GROUPS 08/04/2015
08/04/2015 INDEX BOOKS GROUPS
 
 
 
INDEX 
BOOKS 
GROUPS 
 
 
A ANÁLI SE DO C O M P O R T A M E N T O NO L A BORATÓR I O D I DÁT I CO
Folhas de Registro:
Práticas í, 2, 3 e 4
PRÁTICA 1 : NÍVEL OPERANTE (NO) 
PRÁTICA 4 : REFORÇO CONTÍNUO (C R F l)
Data: / 
Alunos:
/ Início: h min. Término: h min. Animal Ns
Pressionar Tocar Farejar ; Levantar ; Limpar-se
Min. N O CRF 1 N O CRF 1 N O CRF 1 : N O CRF 1 ^ N O CRF 1
1 i ; ;
2
3
4
5
6 j ;
7
8 1 |
9 1
10 j !
T o ta l i !
PRÁTICA 2 : TREINO AO BEBEDO URO
Início: h min. Término: h min. Duração: min.
Número de gotas de água consumidas pelo sujeito:
INDEX BOOKS GROUPS 08/04/2015
08/04/2015 INDEX BOOKS GROUPS
 
 
 
INDEX 
BOOKS 
GROUPS 
 
 
A S C O N S E Q Ü Ê N C I A S D O Q U E F A Z E M O S S Ã O I M P O R T A N T E S P A R A O N O S S O F A Z E R ? 115
PRÁTICA 3 : MODELAGEM
Início: h min. Término: h min. Duração: min.
Etapas da modelagem: (nome e total de gotas)
1) 2)
3) 4) ...................
5) 6)
7) 8)
TRATAMENTO E ANÁLISE DOS DADOS REFERENTES ÀS 
PRÁTICAS I 2, 3, E 4
1. A partir dos dados de freqüência das diferentes respostas observadas 
durante os exercícios de Nível Operante (NO) e Reforço Contínuo (CRF 
I), calcule a taxa de respostas (respostas por minuto, Resp/min) em cada 
prática e preencha a tabela abaixo, elaborando um título para a mesma.
T a b e la 1 ~ ............... ............ ....
Freqüência das respostas observadas
Respostas N ível o p eran te CRF 1
observadas Total Resp/min Total Resp/min
Pressionar
Tocar
Farejar
Levantar
Limpar-se
2. Faça um histograma representativo dos dados acima (analise e esco­
lha qual destas medidas é mais representativa: a freqüência total ou a 
relativa?). Elabore um título para esse histograma.
3. Quais as respostas mais freqüentes durante o NO (identifique duas e 
dê suas taxas)? Por que estas respostas seriam as mais freqüentes? 
(Para o momento, procure responder em termos de aquisição filoge- 
nética).
4. Descreva o procedimento de Treino ao Bebedouro e explique por que 
esta etapa foi necessária.
INDEX BOOKS GROUPS 08/04/2015
08/04/2015 INDEX BOOKS GROUPS
 
 
 
INDEX 
BOOKS 
GROUPS 
 
 
1:
116
5a. Enumere as etapas que você imaginou para realizar a modelagem da 
resposta de pressão