ANATOMIA ÓSSEA E TEGUMENTO DE AVES DE RAPINA
17 pág.

ANATOMIA ÓSSEA E TEGUMENTO DE AVES DE RAPINA


DisciplinaAnatomia Veterinária I8.036 materiais120.590 seguidores
Pré-visualização2 páginas
ANATOMIA OSSEA E COBERTURA 
CORPORAL DE ACCIPITRIDAE
UFMT- Universidade Federal do Mato Grosso (campus de Sinop)
Curso de Medicina Veterinária
Graduanda Bruna Vivian Miguel 
h
tt
p
s:
//
w
w
w
.t
vn
-2
.c
o
m
/m
u
n
d
o
-v
er
d
e/
ec
o
si
st
em
a/
fa
u
n
a/
A
cu
er
d
o
-p
ro
te
ge
r-
ag
u
ila
s-
h
ar
p
ia
s-
Pa
n
am
a-
N
o
ti
ci
as
_0
_4
99
45
00
54
6.
h
tm
l
https://www.tvn-2.com/mundo-verde/ecosistema/fauna/Acuerdo-proteger-aguilas-harpias-Panama-Noticias_0_4994500546.html
DEFINIÇÃO DE \u201cAVE DE RAPINA\u201d
\u2022 \u201cAve de rapina\u201d é utilizada pelos
ornitólogos para caracterizar um
determinado grupo que inclui as águias,
gaviões, falcões, abutres e corujas. O que
as diferencia de outras aves predatórias
são suas características anatômicas,
principalmente de bico e patas, que as
tornam eficientemente adaptadas à caça.
Este tipo específico de ave é dividido em
três ordens principais de acordo com o
habito de caça, as de hábito diurno são
classificadas como Falconiformes e
Accipridiformes enquanto que as de
hábito noturno, classificadas como
Strigiformes.
UFMT- Medicina Veterinária - Bruna Vivian Miguel
h
tt
p
:/
/w
w
w
.a
ve
sd
er
ap
in
ab
ra
si
l.c
o
m
/m
o
rf
o
lo
gi
a.
h
tm
http://www.avesderapinabrasil.com/morfologia.htm
ORDEM ACCIPITRIFORME
UFMT- Medicina Veterinária - Bruna Vivian Miguel
ORDEM FAMÍLIA GÊNERO (N° DE ESPÉCIES
Accipitriformes
Pandionidae Pandion haliaetus (1)
Accipitridae
Aviceda (5); Leptodon (2); Henicopernis (2); Pernis (3); Elanoides (1); 
Chondrohierax (1); Macheiramphus (1); Gampsonyx (1); Elanus (4); 
Chelictinia (1); Rostrhamus (2); Harpagus (2); Ictinia (2); Lophoictinia
(1); Hamirostra (1); Milvus (3); Haliastur (2); Circus (13); Accipiter (47); 
Buteo (28); Geranoaetus (1); Parabuteo (1); Leucopternis (10); 
Busarellus (1); Buteogallus (5); Harpyhaliaetus (2); Urotriorchis (1); 
Megatriorchis (1); Erythrotriorchis (2); Butastur (4); Kaupifalco (1); 
Geranospiza (1); Harpia (1); Morphnus (1); Pithecophaga (1); 
Harpyopsis (1); Ictinaetus (1); Aquila (9); Hieraaetus (7); Spizastur (1); 
Polemaetus (1); Lophaetus (1); Spizaetus (10); Stephanoaetus (1); 
Oroaetus (1); Haliaeetus (8); Ichthyophaga (2); Gypohierax (1); 
Gypaetus (1); Neophron (1); Necrosyrtes (1); Gyps (7); Aegypius (4); 
Circaetus (6); Terathopius (1); Spilornis (13); Dryotriorchis (1); 
Eutriorchis (1); Melierax (3); Micronisus (1); Polyboroides (2) 
Fonte: Joppert (2014).
FAMÍLIA ACCIPITRIDAE
\u2022 As espécies da família Accipitridae (ordem Falconiformes) possuem tamanho pequeno a
médio/grande porte, bico muito curvo, asas mais largas, longas e arredondadas, quando
comparadas aos dos Falconideos e a troca das penas é realizada a partir das primárias do meio
em direção a ponta da asa, possuem pernas de tamanho médio com artelho tendo garras fortes
e curvas, estão presentes em todos os continentes, com exceção da Antártica (DEL HOYO; ELLIOT;
SARGATAL, 1994; ORR, 1986; SICK, 1997)
UFMT- Medicina Veterinária - Bruna Vivian Miguel ht
tp
:/
/n
at
u
ra
ls
el
ec
ti
o
n
sb
lo
g.
b
lo
gs
p
o
t.
co
m
/2
01
3/
0
4/
th
e
-e
xt
re
m
e
-
d
iv
er
si
ty
-o
f-
ac
ci
p
it
ri
d
ae
.h
tm
l
http://naturalselectionsblog.blogspot.com/2013/04/the-extreme-diversity-of-accipitridae.html
REVESTIMENTO CORPORAL
UFMT- Medicina Veterinária - Bruna Vivian Miguel FON
TE
 D
A
 IM
A
G
EM
: h
tt
p
s:
//
d
an
n
it
eb
o
u
l.w
o
rd
p
re
ss
.c
o
m
/2
01
3/
06
/1
5
/w
h
er
e
-d
id
-f
ea
th
er
s-
co
m
e
-f
ro
m
/
As penas equivalem aos pelos dos
mamíferos, e ajudam a transformar os
membros torácicos em asas, deixando o
corpo mais leve com relação ao seu
tamanho, proporcionando uma forma
aerodinâmica.
Existem seis tipos de penas, mas dois
deles se destacam, que são plumas e penas
de contorno. As penas de contorno (tectriz)
escondem as plumas, e podem ser de dois
tipos: das asas (remige) e da cauda (retriz),
sendo as da cauda responsáveis pela direção
e frenagem no voo.
h
tt
p
s:
//
ve
tu
fv
2
0
1
2
.b
lo
gs
p
o
t.
co
m
/2
0
1
3
/0
4
/a
n
at
o
m
ia
-d
as
-a
ve
s-
as
-a
ve
s-
co
n
st
it
u
em
.h
tm
l#
:~
:t
ex
t=
O
%
2
0
co
n
ju
n
to
%
2
0
d
as
%
2
0
es
tr
u
tu
ra
s%
2
0
%
C
3
%
A
9
%
2
0
ch
am
ad
o
%
2
0
ra
n
fo
te
ca
.%
2
0
Su
a,
ca
rn
o
sa
%
2
0
%
2
8
ce
ra
%
2
9
%
2
0
n
a%
2
0
b
as
e%
2
C
%
2
0
p
o
d
en
d
o
%
2
0
en
vo
lv
er
%
2
0
as
%
2
0
n
ar
in
as
.
https://danniteboul.wordpress.com/2013/06/15/where-did-feathers-come-from/
https://vetufv2012.blogspot.com/2013/04/anatomia-das-aves-as-aves-constituem.html#:~:text=O%20conjunto%20das%20estruturas%20%C3%A9%20chamado%20ranfoteca.%20Sua,carnosa%20%28cera%29%20na%20base%2C%20podendo%20envolver%20as%20narinas.
REVESTIMENTO CORPORAL
UFMT- Medicina Veterinária - Bruna Vivian Miguel
FO
N
TE
 D
A
 IM
A
G
EM
: h
tt
p
s:
//
b
io
lo
go
es
p
er
to
.b
lo
gs
p
ot
.c
o
m
/2
0
1
3
/0
4
/A
s-
P
en
as
.h
tm
l
As penas são compostas por hastes, que
se ramificam em vexilos, estes emitem
as barbas e elas emitem as bárbulas. Além
desses componentes, há o cálamo, que a
porção da haste que se localiza no folículo da
pele e é desprovida de vexilos.
h
tt
p
s:
//
ve
tu
fv
2
0
1
2
.b
lo
gs
p
o
t.
co
m
/2
0
1
3
/0
4
/a
n
at
o
m
ia
-d
as
-a
ve
s-
as
-a
ve
s-
co
n
st
it
u
em
.h
tm
l#
:~
:t
ex
t=
O
%
2
0
co
n
ju
n
to
%
2
0
d
as
%
2
0
es
tr
u
tu
ra
s%
2
0
%
C
3
%
A
9
%
2
0
ch
am
ad
o
%
2
0
ra
n
fo
te
ca
.%
2
0
Su
a,
ca
rn
o
sa
%
2
0
%
2
8
ce
ra
%
2
9
%
2
0
n
a%
2
0
b
as
e%
2
C
%
2
0
p
o
d
en
d
o
%
2
0
en
vo
lv
er
%
2
0
as
%
2
0
n
ar
in
as
.
https://biologoesperto.blogspot.com/2013/04/As-Penas.html
https://vetufv2012.blogspot.com/2013/04/anatomia-das-aves-as-aves-constituem.html#:~:text=O%20conjunto%20das%20estruturas%20%C3%A9%20chamado%20ranfoteca.%20Sua,carnosa%20%28cera%29%20na%20base%2C%20podendo%20envolver%20as%20narinas.
REGIÕES ANATÔMICAS
\u2022 CORPO
UFMT- Medicina Veterinária - Bruna Vivian Miguel
FO
N
TE
 : 
h
tt
p
:/
/w
w
w
.a
ve
sd
er
ap
in
ab
ra
si
l.c
o
m
/m
o
rf
o
lo
gi
a.
h
tm
Região cervical
h
tt
p
s:
//
fr
an
ks
-t
ra
ve
lb
o
x.
co
m
/s
u
ed
am
er
ik
a/
gu
ya
n
a/
ru
p
u
n
u
n
i-
sa
va
n
n
e
-
gu
ya
n
a/
Membro torácico
Membro pélvico
Tarso
Cabeça
Calda
Localização do papo
http://www.avesderapinabrasil.com/morfologia.htm
https://franks-travelbox.com/suedamerika/guyana/rupununi-savanne-guyana/
REGIÕES ANATÔMICAS
UFMT- Medicina Veterinária - Bruna Vivian Miguel
FO
N
TE
 D
A
 IM
A
G
EM
: 
h
tt
p
s:
//
h
d
q
w
al
ls
.c
o
m
/e
ag
le
-g
lo
w
in
g-
ey
e
-4
k-
w
al
lp
ap
er
Olhos
Narinas
Bico superior
Bico inferior
\u2022 CABEÇA
Cera
https://hdqwalls.com/eagle-glowing-eye-4k-wallpaper
REGIÕES ANATÔMICAS
\u2022 CABEÇA
UFMT- Medicina Veterinária - Bruna Vivian Miguel
FO
N
TE
 : 
h
tt
p
:/
/w
w
w
.a
ve
sd
er
ap
in
ab
ra
si
l.c
o
m
/m
o
rf
o
lo
gi
a.
h
tm
O bico dos rapinantes é uma das características
mais notáveis para distingui-las de outros grupos
de aves. Os bicos são fortes, curvos e afiados,
usados para rasgar a pele/carne durante a
alimentação ou até para matar suas presas (no
caso de Falconidae). O formato do bico varia de
acordo do tipo de presa consumida. Dessa forma,
espécies pequenas como o quiriquiri (Falco
sparverius) apresenta um bico curto, adequado
para comer insetos e roedores. A harpia (H.
harpyja) possui bico pesado e extremamente forte,
usado para arrancar grandes nacos de carne de
suas presas, como macacos e preguiças. Já o
gavião-caramujeiro (Rostrhamus sociabilis), de
dieta muito específica, apresenta bico longo e
curvo, usado para retirar os caramujos do interior
das conchas. Os rapinantes da ordem
Falconiformes (falcões e caracarás), possuem um
rebordo no bico em forma de dente, usado para
seccionar a espinha dorsal de suas vítimas.
http://www.avesderapinabrasil.com/morfologia.htm
REGIÕES