A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
Patologias Ginecológicas

Pré-visualização | Página 1 de 1

Patologias Ginecológicas
Síndrome dos Ovários Policísticos:
· É um distúrbio que interfere no processo normal da ovulação em virtude do desequilíbrio hormonal que leva à formação de cistos.
· O aparecimento de cistos durante o processo de ovulação faz parte do funcionamento dos ovários, mas eles desaparecem a cada ciclo menstrual. Os cistos permanecem e modificam a estrutura ovariana, tornando o órgão até 3 vezes mais largo do que o tamanho normal.
· A portadora da síndrome ovula com menor frequência e tem ciclos, em geral, irregulares. Calcula-se que a SOP afeta 20% das mulheres durante a fase da vida reprodutiva.
· Ela tem origem genética, em parte, pois irmãs ou filhas de uma mulher portadora do distúrbio tem 50% de chance de desenvolvê-la.
Sinais e Sintomas:
· Ciclos irregulares
· Menor frequência de ovulação 
· Dificuldade para engravidar 
· Diabetes tipo 2 
· Obesidade 
Exames Diagnósticos: 
· Dosagem dos hormônios FSH, LH, estradiol, TSH, S-DHE, testosterona, 17-OH progesterona (entre o 2° e 3° dia do ciclo menstrual)
· Curva de insulina associada à curva de glicemia 
· Ultrassom pélvico
Tratamento: 
· É uma síndrome que pode ser controlada com medicamentos. Estes variam de acordo com o quadro de sintomas da paciente e suas complicações.
· A utilização de anticoncepcionais hormonais como pílulas, anéis vaginais e implantes protegem os ovários contra a formação dos micro-cistos e diminuem os níveis de hormônio masculino e insulina.
Vulvo-vaginite:
· Vulvo-vaginite são inflamações da parte externa do órgão genital feminino (vulva) 
· Ocorre na vulva e na vagina e são provocados principalmente pela presença de diversos microrganismos que causam corrimento.
· As mesmas bactérias que originam a candidíase, a tricomoníase e a clamídia, podem desenvolver a vulvo-vaginite.
· É uma das causas mais comum de corrimentos vaginais patológicos.
Causas: 
· Infecções por clamídia e gonococo 
· Fungos 
· Bactérias anaeróbicas (não necessitam de oxigênio e luz)
· Protozoários 
· Aumento de lactobacilos 
· Calcinhas de tecido sintético 
· Amaciantes 
· Papel higiênico colorido ou perfumado 
· Sabonetes perfumados 
· Duchas vaginais 
Sinais e Sintomas:
· Inflamação na vulva 
· Hiperemia local (vermelhidão) 
· Corrimento 
· Coceira intensa na vulva 
Exames diagnósticos:
· Ultrassom pélvico 
· Papanicolau 
· Rastreamento infeccioso 
· Colposcopia 
· Citologia e microflora vaginais 
Tratamento: 
· Medicamentos orais 
· Mudança de hábitos 
· Tratamento do companheiro simultaneamente, pois a reinfecção pode ocorrer com as relações sexuais.
· Higiene local 
Prevenção:
· Evitar duchas vaginais
· Uso de roupas apertadas 
· Uso de roupas intimas de tecidos sintéticos 
· Sexo desprotegido 
· Sabonete perfumado ou com PH elevado
· Uso de absorvente diários 
Endometriose:
· Doença caracterizada pela presença do endométrio; tecido que reveste o interior do útero (fora da cavidade uterina), ou seja, em outros órgãos da bem lá pelve: trompas, ovários, intestinos e bexiga.
· Todos os meses o endométrio fica mais espesso, para que um óvulo fecundado possa se implantar nele. Quando não haja gravidez, esse endométrio que aumento descama e é expelido na menstruação. Em alguns casos, um pouco desse sangue migra no sentido oposto e cai nos ovários ou na cavidade abdominal causando a lesão endometriótica.
Sinais e Sintomas:
· Cólicas menstruais intensas e dor durante a menstruação
· Dor durante a relação sexual 
· Fadiga crônica sangramento intenso ou irregular 
· Alteração intestinais ou urinárias durante a menstruação
· Dificuldade para engravidar e infertilidade.
Diagnósticos: 
· Exame físico
· Ultrassonografia endovaginal especializada 
· Dosagem de marcadores 
· Ressonância magnética
· Eco colonoscopia 
Mioma Uterino:
· É um tumor benigno composto basicamente de músculos uterinos que cresce dentro ou fora do útero e pode alterar o formato do órgão à medida que se desenvolve.
· Costuma permanecer estável, porém, pode se desenvolver entre os 40 e 50 anos.
Causas:
· A causa do mioma é desconhecida, porém, a progesterona e o estrogênio influenciam o seu desenvolvimento 
· Após a chegada da menopausa e a queda na produção de hormônios estrogênios, o mioma costuma encolher e até desaparecer.
· Durante a gravidez sua tendência é aumentar.
Sinais e Sintomas:
· Menstruação irregular e por períodos prolongados, pode levar à anemia 
· Cólicas 
· Sangramentos entre uma menstruação e outra 
· Dores abdominais, pélvicas, e nas relações sexuais 
· Problemas urinários 
Diagnósticos: 
· Exame de toque ginecológico 
· Ultrassonografia transvaginal 
Tratamento: 
· Uso de pílula anticoncepcional 
· Intervenção não cirúrgica com a embolização da artéria uterina 
· Cirurgia para retirada do mioma e nos casos graves a feita a histerectomia 
· A conduta cirúrgica pode ser conservada quando apenas o mioma é retirado (miomectomia) ou radical, quando inclui a histerectomia.
Doença Inflamatória Pélvica:
• É a infecção de órgãos reprodutivos femininos, localizados na pelve.
• Atinge as mulheres jovens, predominantemente entre os 15 e os 25 anos de idade.
· Embora os agentes causadores da inflamação pélvica possam ser transmitidos por relação sexual, ela não é considerada uma DST. Mas sem tratamento, a doença pode produzir cicatrizes nos órgãos reprodutivos femininos e atrapalhar a circulação dos espermatozoides e dos óvulos por eles, dificultando uma futura gestação.
• As cicatrizes podem também favorecer a gravidez tubária (quando os óvulos fecundados permanecem em uma das trompas de falópio e não descem para o útero).
· Bactérias como clamídia ou gonococo, a mesma que causa a gonorreia, invadem o colo do útero, que funciona como uma barreira protetora natural entre a vagina e os órgãos reprodutivos. 
• Por esse caminho se instalam no útero, trompas de falópio e outros componentes do sistema reprodutor feminino.
SINAIS E SINTOMAS 
· Algia na região onde se localizam os órgãos reprodutores
• Corrimento vaginal amarelado com odor fétido Menstruação irregular
· Em alguns casos a patologia pode se apresentar assintomática
• Utilização de preservativo nas relações sexuais • Consultar anualmente um ginecologista • Solicitar exames que identifiquem a presença das bactérias causadoras da inflamação pélvica (clamídia ou gonococo)
TRATAMENTO
Antibióticos (combate à infecção) 
• Analgésicos (na presença de algia abdominal)
• Repouso
· Exames específicos de cultura de fluido vaginal
• Exames de imagens do útero para certificar-se de que não houve comprometimento dos órgãos reprodutores.
• Ultrassonografia . Biopsia endometrial ou laparoscopia ( técnica cirúrgica minimamente invasiva, que utiliza micro câmera, telescópio e fibra ótica, além de instrumental especifico de pequeno diâmetro.
• O parceiro sexual também deve ser tratado (se necessário).