A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
41 pág.
SOCIEDADE BRASILEIRA CONTEMPORÂNEA

Pré-visualização | Página 11 de 16

os militares acreditavam que a medida era necessária para conter a ameaça do ‘terrorismo comunista’ no Brasil [...]. Com a repressão aos levantes antiditadura, o regime [militar] começava a controlar sua oposição de forma eficiente. Quem se colocava contra o governo era silenciado. A população acabava ficando distante do conflito entre as forças rebeldes e o governo, especialmente no início da década de 1970, quando passou a desfrutar do bom momento econômico pelo qual o país passava [...]. Logo que assumiu, Médici se encarregou de lidar com a crise dos movimentos de esquerda no país. Em 1970, ele criou o Sistema de Segurança Interna (SSI), o Destacamento de Operações de Informações (DOl) e o Centro de Operações de Defesa Interna (Codi). Os dois últimos se tornariam os principais mecanismos de repressão e tortura do Estado militar até a abertura democrática” (livro-base, p. 135 e 136).
	
	C
	I, III e IV
	
	D
	II, III e IV
	
	E
	I, II, III e IV
Questão 7/10 - Sociedade Brasileira Contemporânea
Leia a seguinte citação: 
“[...] a posição de Mário de Andrade a respeito da revolta de 32 ficava expressa no seu comentário ao dístico Tudo por São Paulo: [...] ‘Tudo por São Paulo’ exprime apenas o amor à terra paulista, a revolta contra os que indevidamente se apropriaram do patrimônio paulista, o desespero com que surpreendeu aos paulistas, [...] a verdade de que a revolução não se fizera contra um regime detestável, mas contra São Paulo’”. 
Após esta avaliação, caso queira ler o texto integralmente, ele está disponível em: DUARTE, G. R. Sons de São Paulo: a atividade radiofônica paulista nos anos 1930/40. Revista de História Regional, Ponta Grossa, v. 8, n. 2, p. 9-47, jun./ago., 2003. p. 32 
Considerando essas informações e conforme os conteúdos do livro-base Sociedade brasileira contemporânea sobre a Revolução Constitucionalista de 1932 analise as seguintes assertivas e marque V para as asserções verdadeiras e F para as falsas.
I. ( ) A citação acima evidencia um sentimento de que a chegada de Getúlio Vargas ao poder em 1930 significou um ataque contra o estado de São Paulo e seus interesses.
II. ( ) Quando Mário de Andrade diz que a “a revolução não se fizera contra um regime detestável”, isso reflete o apoio unânime do povo de São Paulo ao Governo Provisório de Vargas.
III. (  ) A afirmação “a revolta contra os que indevidamente se apropriaram do patrimônio paulista” diz respeito a uma acusação ao governo Vargas, pois a Revolução de 1930 significou a perda de hegemonia do estado paulista. 
Agora, assinale a alternativa que representa a sequência correta:
Nota: 10.0
	
	A
	V – V – V
	
	B
	V – F – V
Você acertou!
A alternativa correta é a b). A alternativa I e a III são verdadeira, pois a “chegada de Getúlio Vargas ao poder, em 1930, marcou o fim da Primeira República no Brasil. [...] Durante essas três décadas de experiência democrática, o destino do país foi determinado, primordialmente, por grupos dominantes associados à economia agrícola-exportadora. [...] [Esse] modelo político brasileiro privilegiava os grupos econômicos voltados aos estados mais ricos da época: São Paulo, em virtude do café, e Minas Gerais, por conta da agropecuária e ainda colhendo os frutos da extração do ouro” (livro-base p. 27 e 28). Afirmando assim a perda de hegemonia de São Paulo no cenário político o que leva ao sentimento generalizado dos paulistas de que a Revolução se deu contra o estado. A alternativa II é falsa, pois “Fausto [...] avalia que havia certa confusão na revolução, pois o governo de Vargas assumiu o poder em caráter provisório, mas não dava sinais de iniciar um novo processo eleitoral — isso levou muitos insatisfeitos paulistas a clamarem por democracia nas ruas. Ao mesmo tempo, líderes oligárquicos aguardavam a chance de voltar às bases da República café com leite, enquanto o país se reerguia economicamente” (livro-base, p. 31), evidenciando, assim, o apoio que a maioria dos paulistas deram à revolta armada.
	
	C
	V – F – F
	
	D
	F – V – V
	
	E
	F – V – F
Questão 8/10 - Sociedade Brasileira Contemporânea
Analise o seguinte excerto de texto: 
“Cabe ressaltar que o período de 1945 a 1964 na historiografia recente vem sendo cada vez mais investigado, colocando assim difíceis questões especialmente para a História do Trabalho. As discussões sobre ‘populismo’ e a validade do conceito para a historiografia geraram diferentes correntes que passaram a debater o período à luz de novos estudos”. 
Após esta avaliação, caso queira ler o texto integralmente, ele está disponível em: PUREZA, F. C. “Isso não vai mudar o preço do feijão”: As disputas em torno da carestia em Porto Alegre (1945 a 1964). Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação de História do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2016. p. 18.   
Considerando as informações acima e conforme os conteúdos do livro-base Sociedade brasileira contemporânea sobre o período democrático brasileiro de 1945 a 1964, relacione corretamente cada um dos seguintes termos aos seus respectivos conceitos.
1. Populismo
2. Nacional-desenvolvimentismo
3. Parlamentarismo
(  ) Projeto de desenvolvimento econômico nacional, com forte intervenção estatal, mas aliado à entrada de capital externo.
(  ) Forma de governo onde o primeiro-ministro tem mais poderes do que o presidente. 
(  ) Característica de um governo cujo líder, carismático e personalista, tem forte ligação com as massas populares, concedendo a elas benefícios.  
Agora, selecione a sequência correta:
Nota: 10.0
	
	A
	2 – 1 – 3
	
	B
	3 – 2 – 1
	
	C
	2 – 3 – 1
Você acertou!
A sequência correta é 2 – 3 – 1. (1) Populismo: “Os líderes do populismo costumam se apropriar de meios de comunicação para se apresentarem como próximos da população, chegando a ser motivo de adoração em certas ocasiões. [...] O populismo também pode ser associado a um modelo de desenvolvimento político-econômico em que se usa da aliança entre classes sociais e organizações trabalhistas. Para Guita Grin Debert [...], esse regime político está associado a um contexto de urbanização no qual há um aparelhamento estatal em que o governo atende ao interesse de diferentes classes sociais de modo intervencionista. A autora afirma que os líderes populistas precisariam manter um equilíbrio, geralmente instável, das massas para personificar o poder nesses personagens. Após a abertura democrática de 1945, houve uma crescente mudança no cenário urbano do Brasil, o qual se voltou para uma industrialização baseada no intervencionismo estatal. O governo se apresentava de forma mais direta para a população, que se compreendia como parte do Estado. No caso de Getúlio Vargas, o caráter populista existia mesmo durante seu governo ditatorial” (livro-base, p. 66,67). (2) Nacional-desenvolvimentismo: “Para o governo Kubitschek, o projeto de tornar o Brasil mais industrial passava pelo seu Plano de Metas” (livro-base, p. 93). A eleição de Juscelino Kubitschek tornou o Iseb parte do aparelho do Estado. Igualmente importantes para a elaboração dos Planos de Metas, ao defenderem arduamente a necessidade de um Brasil desenvolvido e independente do capital externo, esses intelectuais se tornaram o ‘centro do pensamento nacionalista e desenvolvimentista brasileiro’ (Bresser-Pereira, [...]). O exemplo funciona como uma alegoria para mostrar o equilíbrio entre as medidas de capital interno e externo que funcionaram durante a passagem de JK pelo poder, visto que o modelo nacional-desenvolvimentista da época se baseava na internacionalização da economia com a chegada de diversas empresas estrangeiras” (livro-base p. 96 e 97). (3) Parlamentarismo: “Quando retornou ao Brasil, no início de setembro, Goulart assumiu a presidência com limitações em seus poderes. No sistema político parlamentarista, os ministros do governo eram indicados pelo presidente, mas respondiam ao Congresso, representado por um primeiro-ministro nomeado pelos deputados” (livro-base, p. 104).
	
	D
	1 – 2 – 3
	
	E
	1 – 3 – 2
Questão

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.