A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
41 pág.
SOCIEDADE BRASILEIRA CONTEMPORÂNEA

Pré-visualização | Página 12 de 16

9/10 - Sociedade Brasileira Contemporânea
Leia o fragmento de notícia a seguir: 
“Segundo Carlos Lessa, a conclusão do Programa de Metas de certa forma coincidia com a finalização do longo processo de diversificação industrial atravessado pela economia brasileira no contato do modelo de desenvolvimento por substituição de importações”. 
Após esta avaliação, caso queira ler o texto integralmente, ele está disponível em: PANTOJA, S. Juscelino Kubitschek de Oliveira (verbete biográfico). <http://www.fgv.br/cpdoc/acervo/dicionarios/verbete-biografico/juscelino-kubitschek-de-oliveira>. Acesso em 6 jan. 2018. 
Considerando essas informações e conforme os conteúdos do livro-base Sociedade brasileira contemporânea sobre o Plano de Metas de Juscelino Kubitschek, marque a alternativa correta:
Nota: 10.0
	
	A
	O Plano de Metas foi um plano de desenvolvimento econômico que, unindo investimentos estrangeiros e nacionais, acarretou grande crescimento no campo industrial.
Você acertou!
A alternativa correta é a letra a), pois, para “o governo Kubitschek, o projeto de tornar o Brasil mais industrial passava pelo seu Plano de Metas [...]. O historiador descreve os resultados do programa como ‘impressionantes’, especialmente no campo da indústria, cujo valor de produção subiu 80% entre 1955 e 1961. As altas porcentagens seguiram no campo das comunicações, do material de transporte e da energia” (livro-base, p. 93). “Benevides [...], o juscelinismo foi uma política que ‘procurou a conciliação entre o velho e o novo, entre as elites e as massas’. Ao assumir a cadeira de líder da nação brasileira, sendo herdeiro de Getúlio Vargas, JK propôs um projeto de continuidade do estilo nacionalista do estadista gaúcho, mas de olho nas mudanças” (livro-base, p. 92). “De acordo com Luiz Orenstein e Antônio Claudio Sochaczewski [...], no período de 1955 a 1960, o país viu crescer a entrada de capital autônomo, o que permitiu o aumento da circulação monetária em território nacional. Isso possibilitou ao Estado trabalhar melhor com a balança comercial, sem perder o interesse estrangeiro no mercado brasileiro” (livro-base, p. 92,93). “A intervenção do governo de Kubitschek na economia do país não seria possível sem a presença de um terceiro agente, criado durante o governo Vargas — o BNDE —, cuja ação ainda era incipiente para o plano de industrialização antes de 1955. O exemplo funciona como uma alegoria para mostrar o equilíbrio entre as medidas de capital interno e externo que funcionaram durante a passagem de JK pelo poder, visto que o modelo nacional-desenvolvimentista da época se baseava na internacionalização da economia com a chegada de diversas empresas estrangeiras” (livro-base, p. 97).
	
	B
	O Plano de Metas significou o abandono do caráter nacionalista do governo, pois abriu a economia ao livre mercado e aos investimentos estrangeiros.
	
	C
	Com o Plano de Metas, JK, conforme sua campanha, ambicionava fazer o Brasil desenvolver 50 anos em 5, mas os resultados pífios demonstraram o fracasso do plano.
	
	D
	Por manter o caráter nacionalista do governo getulista e ser apoiado pelas organizações sindicais, o Plano de Metas deixou de fora o investimento estrangeiro.
	
	E
	O Plano de Metas teve êxito nas metas voltadas para a agricultura, mas, nos campos das comunicações e dos transportes, os resultados foram muito negativos.
Questão 10/10 - Sociedade Brasileira Contemporânea
Considere a seguinte passagem de texto: 
“A década de 1970 intensificou essas tendências, ressaltando-se que, mesmo com a fronteira amazônica, as migrações passaram a ser predominantemente em direção ao meio urbano; esse período marcou a consolidação dos grandes centros urbanos, com crescente processo de metropolização. Entre 1970 e 1980, estima-se a migração rural-urbana em torno de 1,6 milhões de brasileiros”. 
Após esta avaliação, caso queira ler o texto integralmente, ele está disponível em: BERQUÓ, E. Evolução demográfica. In: SACHS, I.; WILHEIM, J.; PINHEIRO, P. S. (Org.). História geral do Brasil. p. 14-37. São Paulo: Companhia das Letras, 2001. p. 22,23. 
Considerando as informações acima e conforme os conteúdos do livro-base Sociedade brasileira contemporânea sobre as mudanças demográficas no Brasil na década de 1970, analise as seguintes afirmativas:
I. O processo de metropolização e o inchaço dos grandes centros urbanos levou a uma diminuição demográfica no Nordeste e um aumento no Sudeste.
II. A concentração urbana se acentuou nessa década e o Sudeste manteve-se sendo a região com as principais concentrações urbanas do país.
III. As mudanças demográficas no Brasil da década de 1970 refletem as políticas econômicas adotadas no país que, em geral, estimularam a industrialização. 
Está correto apenas o que se afirma em:
Nota: 10.0
	
	A
	I e II
	
	B
	I e III
	
	C
	I, II e III
	
	D
	II e III
Você acertou!
A afirmativa I é falsa, e a II e a III são corretas. “A década de 1970 marcou a transformação do Brasil em uma sociedade que concentrava a maioria de sua população nos grandes centros urbanos. Dos 93 milhões de brasileiros que residiam no país naquele período, cerca de 55% já viviam em aglomerações com mais de 20 mil pessoas, segundo estimativas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE, [...]). No Sudeste, a taxa de moradores nas grandes cidades chegou a 72%. A concentração de pessoas se manteve nas regiões Sudeste (39 milhões), Nordeste (28 milhões) e Sul (16 milhões)” (livro-base, p. 146).
	
	E
	III
Questão 1/10 - Sociedade Brasileira Contemporânea
Atente para o trecho o texto a seguir: 
“Em artigo publicado na Tribuna da Imprensa [...], Carlos Lacerda propôs uma série de medidas [...]. Entre elas incluíam-se a instituição do parlamentarismo, cabendo a um chefe militar ocupar o primeiro gabinete, o adiamento das eleições presidenciais para ao menos 1º de janeiro de 1956, a dissolução do Congresso e a convocação, em fevereiro de 1956, de uma assembleia constituinte que votaria a nova Constituição”. 
Após esta avaliação, caso queira ler o texto integralmente, ele está disponível em: PANTOJA, S. Juscelino  Kubitschek de Oliveira (verbete biográfico). <http://www.fgv.br/cpdoc/acervo/dicionarios/verbete-biografico/juscelino-kubitschek-de-oliveira>. Acesso em 4 jan. 2018. 
Considerando as informações acima e de acordo com os conteúdos do livro-base Sociedade brasileira contemporânea sobre a eleição de Juscelino Kubitschek, analise as seguintes afirmativas:
I. A oposição antigetulista se organizou para impedir a posse de Juscelino Kubitschek, pois via nele a continuidade do projeto político de Vargas.
II. A UDN (União Democrática Nacional) tentou articular um golpe contra a posse de Juscelino Kubitschek, ainda mais quando este obteve mais de 50% dos votos nas eleições, o que representaria uma força perigosa.
III. A eleição de Juscelino Kubitschek mostrou uma intensa, porém dividida atividade política das Forças Armadas contra e a favor da posse do presidente eleito.
IV. As Forças Armadas chegaram a desencadear o início de um golpe contra a posse do presidente Kubitschek, mas foram impedidas pela unidade de políticos civis. 
São corretas apenas as afirmativas:
Nota: 10.0
	
	A
	I e II
	
	B
	I e III
Você acertou!
As afirmativas I e III são corretas, e a II e IV são falsas. “O pleito acabou sendo bem acirrado. Kubitschek conquistou cerca de 3 milhões de sufrágios e levou a disputa com 36% dos votos. Távora ficou logo atrás, com 30% dos votos válidos. O terceiro colocado, Ademar Barros, do PSP, obteve 26% dos votos (Couto, [...]). [...] Após as eleições, Café Filho se afastou do governo por problemas de saúde. O presidente da Câmara dos Deputados, Carlos Luz, assumiu a cadeira de chefe de Estado. Aliado dos udenistas, o presidente interino carregava os temores de sua base com o futuro do país e chegou a ser acusado de favorecer a construção de um golpe militar para impedir a posse de JK (Fausto, [...]). [...] A instabilidade política foi resolvida com um contragolpe, o qual visava garantir que Juscelino assumiria o cargo.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.