Indicações e contraindicações em terapia nutricional enteral
5 pág.

Indicações e contraindicações em terapia nutricional enteral


DisciplinaTerapia de Nutrição Enteral e Parenteral81 materiais578 seguidores
Pré-visualização2 páginas
Indicação e Contraindicação da Tne 
Introdução 
A nutrição enteral, ao contrário da parenteral, 
ajuda a preservar e recuperar a estrutura e a 
função do trato gastrointestinal, além de ser 
economicamente mais viável; 
 
 
 
 
\u2665 Antes de Iniciar a Terapia nutricional: 
- Identifique o problema nutricional do 
paciente; 
- Faça um plano de fácil execução e motive a 
adesão; 
- Adeque a dieta oral as necessidades do 
paciente; 
- Adeque o máximo possível ao hábito do 
paciente; 
- Reavalie a necessidade de mudança no plano. 
Indicações da TNE 
A nutrição enteral está indicada para pacientes 
subnutridos ou em risco de subnutrição, que 
possuem capacidade absortiva preservada ou 
parcialmente comprometida, cuja alimentação 
oral não é capaz de prover a quantidade 
adequada de nutrientes. 
\u2665 Pacientes que não podem se alimentar: por 
inconsciência, anorexia nervosa, lesões orais, de 
face e mandíbula, AVC, neoplasias. 
\u2665 Paciente com IVO insuficiente: Por trauma, 
septicemia, alcoolismo crônico, depressão grave, 
queimaduras. 
\u2665 Paciente nos quais a alimentação comum 
causa dor e/ou desconforto: Doença de crohn, 
colite ulcerativa, carcinoma do TGI, pancreatite, 
enterite por quimioterapia e radioterapia. 
\u2665 Paciente com disfunção do TGI: por 
síndrome de má absorção, fístula de baixo 
débito, síndrome do intestino curto. 
Condição do tgi 
Algumas condições propostas do TGI; 
\u2665 Se o TGI tiver comprometido: ver o protocolo 
de nutrição parenteral. 
\u2665 Quando o TGI se encontra integro: seguimos 
com a dieta oral supervisionada e quantificando 
(calculando o que ele está se alimentando) a 
cada 5 dias ou quando necessário. 
- Se a ingestão atende as necessidades 
nutricionais, seguimos mantendo via oral e não 
precisa estar monitorando toda hora. 
- Se a ingestão não atende as necessidades 
nutricionais: 
Com ingestão <70-80% da NEE 
É preciso introduzir suplemento nutricional e 
fazer a supervisão diária. 
Com ingestão < 50-60% da NEE 
Iniciar terapia nutricional via sonda. 
\u2665 Avaliar a aceitação do paciente em relação ao 
suplemento nutricional: 
- Aceitação adequada: mantem a conduta 
-Aceitação inadequada: Sonda, Nutrição 
parenteral ou sonda + parenteral. 
Controle de ingestão via oral 
- Quantificar a ingestão alimentar diariamente; 
- Formulário adaptado a realidade do serviço; 
- Treinamento e educação continuada; 
- Preenchimento pelo técnico de enfermagem, 
familiar ou paciente (é importante orientar 
sobre esse preenchimento); 
- Mínimo de 3 por semana (consecutivos); 
- Cálculo de acordo com valor calórico; 
- Registro do resultado (é muito importante 
deixar tudo registrado); 
- Parâmetro para definição da TN; 
- O formulário de avaliação de ingestão oral: 
escrever as refeições e horários e também 
fazer as marcações sobre a quantidade 
consumida pelo paciente. 
Contraindicações da TNE 
\u2665 Obstrução mecânica do TGI 
- O médico pode tentar uma sonda via 
estômago -> porem se ele tiver algum 
problema gástrico ou câncer não adianta 
colocar. 
- Outra opção: colocar a sonda no intestino, mas 
também tem que ver se esse intestino não 
está comprometido. 
\u2665 Disfunção do TGI ou condições que requerem 
repouso intestinal, como isquemia ou inflamação 
do TGI; 
\u2665 Vômitos e diarreia grave e/ou refluxo 
gastresofágico intenso; 
- Se for colocado o alimento vai estar sempre 
voltando (por conta dos vômitos), e não vai ser 
também absorvido pelo intestino (por conta da 
diarreia). 
\u2665 Hemorragia gastrintestinal severa; 
\u2665 Fístula enterro-cutânea de alto debito (no 
intestino); 
\u2665 Pancreatite aguda e/ou Doença terminal. 
\u2665 Recusa do paciente. Ressalta-se, no entanto, 
que a nutrição enteral é considerada um 
tratamento médico por lei. Então é necessária 
a autorização do paciente ou responsável legal 
(menor de idade ou incapacidade); 
Escolha de via de Acesso 
\u2665 As dietas enterais podem ser administradas 
por via oral, sondas transnasais ou por 
ostomias. 
\u2665 A seleção do tipo de acesso para a nutrição 
enteral é baseada na anatomia e função do 
trato gastrointestinal, na duração prevista da 
terapia e no risco potencial da ocorrência de 
efeitos colaterais, como, por exemplo, a 
broncoaspiração. 
\u2665 Local onde vai ser administrado, e essa 
escolha vai depender muito do: 
- Estado Nutricional; (depende do real estado 
crítico dele) 
- Tempo e tipo da doença; 
- Tempo previsto para uso do método; 
- Alteração do processo digestivo; 
- Patologia e condição clínica do paciente; 
- Pré-Cirurgias; 
- Cuidados com os aspectos psicológicos; 
(Está sempre buscando novas possibilidades 
para tentar adaptar ao paciente). 
VIA ORAL 
- É a via mais fisiológica e indicada para paciente 
em risco nutricional ou desnutrição. 
- Temos que priorizar alimentação via oral, a 
probabilidade de complicações é muito menor; 
- É usada em pacientes conscientes e com 
baixo risco de aspiração, como forma de 
suplementação alimentar. 
- Para utilizar esta via com segurança, o 
paciente deve ter o reflexo de deglutição 
preservado e o esfíncter esofágico inferior 
competente. 
- SN (suplemento nutricional) auxilia na 
recuperação e na prevenção de agravos do 
estado nutricional; 
- Grande variedade de tipos e sabores de SN 
(suplemento nutricional); 
- Suplemento para paciente com câncer tem 
sabores \u201cestranhos\u201d para que eles não criem 
uma memória ruim dos alimentos que gostam 
e acabar criando uma aversão. 
- O nutricionista deve perceber mudanças de 
comportamento alimentar. 
Gástrica 
- Indicada em casos de neuropatias, câncer de 
boca e disfagia. 
\u2665 É contraindicada em 
caso de agitação 
psicomotora, obstrução 
nasal ou esofágica 
grave, recusa do 
paciente, câncer 
esofágico, HDA 
(hemorragia digestiva). 
 
\u2665 Vantagem: fácil acesso, curto prazo, baixo 
custo, 
- Proteção gástrica preservada e maior 
tolerância a formulas variadas. 
 
- Permite maiores volumes e tolera formulas 
hiperosmolares. 
\u2665 Desvantagem: maior risco de aspiração 
pulmonar, saída acidental de tosse, náuseas ou 
vômitos. 
- Não e apropriado para nutrição enteral a longo 
prazo. 
Duodenal 
- Indicado para nutrição precoce ou quando o 
paciente estar com risco de BCA 
(broncoaspiração) 
- Paciente com refluxo gastresofágico, com 
gastroparesia, esvaziamento gástrico 
ineficiente. 
\u2665 Contraindicado para pacientes com diarreia, 
obstrução ou com algum comprometimento 
intestinal. 
\u2665 Vantagens: Menor risco de aspiração, menor 
estímulo pancreático e menor facilidade de 
saída acidental da sonda. 
- Além disso, permite uma nutrição entérica, 
quando o estômago é inviável. 
\u2665 Desvantagem: Pode requerer um 
posicionamento via endoscopia. 
- Requer dietas normo ou hiposmolares. 
- Não é apropriado para NE a longo prazo e pode 
ser limitada à infusão contínua. 
Sonda nasoenteral 
- É o mais usado e consiste na passagem da 
sonda por meio de óstio nasal, com 
posicionamento na extremidade distal no 
estômago (nasogástrica), duodeno 
(nasoduodenal) ou jejuno (nasojejunal). 
\u2665 Entrada da sonda \u2013 chamada de \u201clúmen\u201d, pode 
ser simples, duplo ou triplo 
\u2665 Estímulo de deglutição pelo paciente para 
estímulo do peristaltismo, a fim de facilitar a 
passagem da sonda. 
Via Gastrostomia 
- Indicado para quando ocorre dificuldade de 
acesso ao TGI pela via oral, nasal ou esofágica; 
quando ocorre obstrução mecânica ou quando 
deve ser usada por longos períodos (>4-6 
semanas). 
 
\u2665 É contraindicado em caso de ascite, obstrução 
intestinal, hepatomegalia, obesidade mórbida, 
diálise peritoneal, metástase peritoneal. 
\u2665 Vantagens: Uso prolongado (> 6 semanas), o 
processo ocorre por endoscopia. 
- A facilidade de alimentação em bolus, e o risco 
de obstrução por drogas ou fórmulas viscosas 
é menor. 
\u2665 Desvantagens: > risco de BCA, lesão peri 
sonda, necrose de parede abdominal, diarreia, 
obstrução de cateter, hemorragias, saída 
acidental da sonda e vazamento da ostomia. 
Via Jejunostomia 
Indicado para quando há uma disfunção 
gástrica presente