A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
2 pág.
Gestão financeira

Pré-visualização | Página 1 de 1

Prof. Me. Leonel Ferreira 
Planejamento e Gestão Tributária 
GST 1600 
1 
AV1: 06/10/2020 
Ressalta-se que as questões aqui apresentadas têm como base o exigido no Exame de Suficiência do CFC bem como o apresentado em concursos públicos. 
AVALIAÇÃO – AV1 
Curso: GESTÃO 
Disciplina: Perícia Contábil 
Professor: Leonel Ferreira Turma: 3001 Semestre: Data: 06/10/2020 
Matrícula: Resultado: 
 Aluno: KAROLINE LOPES GAMA 
 
 
1. Cite duas espécies tributárias e suas subespécies. 
Imposto é um índice sobre uma conduta particular desatrelada de qualquer atividade estatal, a 
arrecadação dos impostos destina-se ao provimento do orçamento público. 
 A taxa é espécie tributária vinculada a uma contraprestação estatal, sendo essa prestação o fato 
gerador do tributo, pode ser cobrada pelo exercício regular do poder de polícia ou pela prestação 
efetiva ou potencial de um serviço específico e divisível. 
E suas subespécies: b.1. pelo exercício do poder de polícia (art. 145, II, primeira 
 parte) 
b.2. pela prestação de serviços públicos específicos e divisíveis 
 (art. 145, II, segunda parte) 
 
2. Defina o conceito de tributo constante no Código Tributário Nacional e recepcionado pela Constituição 
Federal. 
O conceito de tributo constante do modelo de código tributário tem a finalidade no “ Art. 13. 
Tributos são prestações em dinheiro, que o Estado, no exercício de seu poder de império, 
exige com o objetivo de obter recursos para o cumprimento de seus fins”.A Constituição 
Federal, ao estabelecer as competências tributárias, as limitações ao poder de tributar e a 
repartição de receitas tributárias, onde permite que se extraia do seu próprio texto qual o 
conceito de tributo por ela considerado 65 . Também, cuida-se de prestação em dinheiro 
exigida compulsoriamente, com vista à obtenção de recursos para o financiamento geral do 
estado, e para o financiamento de fins específicos realizados e promovidos pelo próprio 
Estado ou por terceiros em prol do interesse público. 
 
Prof. Me. Leonel Ferreira 
Planejamento e Gestão Tributária 
GST 1600 
2 
AV1: 06/10/2020 
Ressalta-se que as questões aqui apresentadas têm como base o exigido no Exame de Suficiência do CFC bem como o apresentado em concursos públicos. 
Vê-se que a Constituição recepcionou o conceito de tributo constante do CTN: “Art. 3o Tributo 
é toda prestação pecuniária compulsória, em moeda ou cujo valor nela se possa exprimir, que 
não constitua sanção de ato ilícito, instituída em lei e cobrada mediante atividade 
administrativa plenamente vinculada”. 
 
Entende que tributa-se porque há a necessidade de recursos para manter as atividades a cargo 
do poder público ou, ao menos, atividades que são do interesse público, ainda que 
desenvolvidas por outros entes. Obrigação que não seja pecuniária, como a de prestar serviço 
militar obrigatório, de trabalhar no tribunal do júri ou nas eleições, não constitui tributo. 
 
3. É suficiente o artigo 4º do Código Tributário Nacional para a determinação de qual espécie tributária 
se refere determinado tributo? 
 
Art. 4º A natureza jurídica específica do tributo é determinada pelo fato gerador da respectiva 
obrigação, sendo irrelevantes para qualificá-la: 
I - a denominação e demais características formais adotadas pela lei; 
II - a destinação legal do produto da sua arrecadação. 
Desta forma , apreciado unicamente do fato gerador, não é suficiente para a definição dos 
diferentes regimes jurídicos. 
4. Discorra sobre o adjetivo “Territorial” constante na expressão Imposto Territorial Rural. 
De acordo com informações extraídas do livro planejamento e gestão tributária, imposto sobre a 
propriedade territorial (ITR) tem a função extra fiscal onde sua arrecadação é de competência da 
União e o valor é repassado aos municípios e estados em que se localizam as terras tributadas. 
Seu fator gerador , são propriedades, o domínio útil ou a posse de imóveis por natureza localizada 
fora da zona urbana do município, em 1 de janeiro de cada ano. Seus contribuintes são os 
proprietários de imóvel rural, o titular de seu domínio útil ou seu possuidor a qualquer título, tendo 
como base de cálculo o valor da terra nua tributável, com base de alíquota dependendo do grau 
de utilização da terra e da área total do imóvel que varia de 0,03% a 20%.