A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
60 pág.
coluna vertebral exames por imagem

Pré-visualização | Página 1 de 2

COLUNA VERTEBRAL I
ANATOMIA
COLUNA CERVICAL
COLUNA CERVICAL
Incidências radiológicas básicas 
da coluna cervical
 Considerações sobre o exame:
Os exames são realizados com o paciente em posição ortostática ou em
decúbito dorsal.
1.
2.
3.
4.
5.
6.
7.
8.
 Incidências Radiológicas:
Ântero-posterior (AP)
Ântero-posterior (AP) com inclinação lateral direita e esquerda. 
Ântero-posterior (AP) com movimento de mandíbula.
Perfil direito e esquerdo
Perfil com o braço levantado
Oblíquas Ântero-posteriores direita e esquerda
Oblíquas póstero-anteriores direita e esquerda
Transoral
Revisão anatômica
Ântero-posterior (AP) da coluna cervical
Posicionamento
paciente para
do
a
radiografia em ântero-
posterior (AP) da
coluna cervical
As vértebras de C3 a T1 devem estar visíveis na
radiografia, sem superposições;
Os uncos dos corpos de C3 a C7 apresentam-se 
sem superposições
Ântero-posterior (AP) com inclinação lateral direita e esquerda.
Da coluna cervical
O paciente deve permanecer imóvel e em 
apnéia durante a realização.
As vértebras de C3 a T1 devem estar
visíveis na radiografia, sem
superposições;
Os uncos dos corpos de C3 a C7
apresentam-se sem superposições.
Ântero-posterior (AP) com movimento de mandíbula da coluna
cervical
O paciente deve ser orientado para fazer os movimentos de abrir e fechar a boca
sem movimentar a cabeça;
As vértebras de C1 e T1 devem estar visíveis.
Perfil da coluna cervical
Paciente em posição ortostática, sem 
rotação da cabeça
As vértebras de C1 a T1 devem estar visíveis;
As apófises espinhosas e espinhosas estão nítidas. 
Os espaços intervertebrais aparecem abertos
Perfil da coluna cervical com flexão e 
extensão
Paciente em posição ortostática, sem rotação 
da cabeça. Pedir ao paciente para flexionar ao 
máximo a cabeça para baixo, sem movimentar 
o corpo, de maneira que olhe em direção aos 
pés. E depois estender a cabeça ao máximo
As vértebras de C1 a T1 devem estar
visíveis;
As apófises articulares e espinhosas
estão nítidas. Os espaços intervertebrais
aparecem abertos
Perfil com o braço levantado
Demonstra com razoável definição as 
vértebras cervicais inferiores e as 
torácicas superiores
Oblíquas Ântero-posteriores e 
póstero-anterior
Importante: os forames intervertebrais devem 
aparecer abertos na radiografia
Transoral ou Incidência odontóide
Paciente em DD na mesa bucky, com a cabeça sem 
rotação. Deve abrir a boca lentamente cerca de 2 
cm.
As vértebras C1 e C2 devem estar
visíveis.
A articulação atlantoaxialaparece 
nítida.
Fratura de Jefferson fratura de C1
ARTROSE CERVICAL
Fratura e luxação cervical
RM- Hérnia de disco Cervical
Tumografia computadorizada
Tumografia computadorizada – corte 
coronal
Tumografia computadorizada – corte 
sagital
COLUNA TORÁCICA
COLUNA TORÁCICA
 São úteis para o identificação de estrutura
anatômicas, facilitando a realização do exame
radiológico. Os principais são: incisura jugular
(corresponde aos corpos vertebrais de T2 E T3),
ângulo do esterno (T4), processo xifóide (T10) e
todos processos espinhosos.
 Principais incidências:
1. Ântero-posterior (AP)
2. Perfil direito e esquerdo
3. Oblíquas ântero-posteriores (direita e esquerda)
4. Oblíquas póstero-anteriores (direita e esquerda)
Revisão anatômica
Ântero-posterior (AP)
As vértebras de C7 a T1 devem estar visíveis na
radiografia;
Os pedículos aparecem superpostos aos corpos 
vertebrais
As apófises transversas devem estar visíveis.
Paciente em pé, sem sapatos. O plano sagital mediano deve 
coincidir com a linha central do bucky e este deve se 
posicionar com a sua borda superior na altura da borda 
inferior da cartilagem tireóide.
Perfil
Em pé, com os MS
ligeiramente para frente,
com o dorso das mãos
em contato
Os corpos vertebrais de T2 a L1 devem estar
visíveis e os corpos intervertebrais aparecem
abertos.
Oblíquas ântero-posteriores (direita e esquerda)
Partindo da posição em ântero-
posterior (AP) da coluna torácica, o
paciente deve rodar o corpo até que a
região posterior do tórax forme um
ângulo de 450 com o bucky e os
MMSS devem ser posicionados sobre
a cabeça.
As vértebras de C7 a L1 devem estar visíveis
Oblíquas póstero-anteriores (direita e esquerda)
Partindo da posição em Póstero-anterior (PA) da
coluna torácica, o paciente deve rodar o corpo até
que a região posterior do tórax forme um ângulo
de 450 com o bucky e os MMSS devem ser
posicionados sobre a cabeça.
COLUNA TORÁCICA
CIFOSE TORÁCICA ARTROSE HÉRNIADE 
DISCO
Tumografia Computadorizada
COLUNA LOMBOSSACRA
COLUNA LOMBOSSACRA
 São úteis para o identificação de estrutura anatômicas,
facilitando a realização do exame radiológico. Os principais
são: crista ilíaca (corpos vertebrais de L4 e L5), EIAS (S1 e
S2), todos os processos espinhosos, sínfise pubiana (cóccix).
 Incidências radiológicas:
1. Ântero-posterior (AP)
2. Perfil direito e esquerdo
3. Perfil direito e esquerdo dinâmico (em flexão e extensão)
4. Oblíquas ântero-posteriores (direita e esquerda)
5. Oblíquas póstero-anteriores (direita e esquerda)
6. Semi-axial ântero-posterior do sacro (Fergunson)
Revisão anatômica
Revisão anatômica
Ântero-posterior (AP)
Paciente em pé, sem sapatos. O plano 
sagital mediano deve coincidir com a 
linha central do bucky e este deve se 
posicionar com a sua borda superior 
na altura da borda superior da sínfise 
pubiana.
As vértebras de T12 ao sacro devem estar
visíveis; 
superpostos
Ospedículos 
aos corpos
aparecem 
vertebrais;
processos trnsversos devem estar visíveis.
Perfil direito e esquerdo
Os corpos vertebrais de T12 ao sacro devem 
estar visíveis
Os espaços intervertebrais aparecem abertos
Em pé, sem sapatos, com a região lateral 
próxima do filme com os MMSS 
elevados.
Perfil direito e esquerdo localizado 
para L5 e S1
Deve estar preferencialmente em decúbito
lateral esquerdo, com os MMSS posicionados
sobre a cabeça e os inferiores flexionados.
Os corpos vertebrais de L4 ao sacro 
devem estar visíveis
Os espaços intervertebrais de L4-L5 
e L5-S1 aparecem abertos.
Perfil direito e esquerdo dinâmico (em 
flexão e extensão)
Paciente em posição ortostática, sem 
rotação do tronco. Pedir ao paciente para 
flexionar ao máximo o tronco para baixo, 
sem movimentar o corpo, de maneira que 
olhe em direção aos pés. E depois estender 
o tronco ao máximo.
As vértebras de T12 a L5 devem estar
visíveis;
As apófises articulares e espinhosas estão
nítidas. Os espaços intervertebrais
aparecem abertos.
Oblíquas póstero-anterior (direita e 
esquerda)
O paciente deve rodar o corpo para o lado direito ou
esquerdo até que a região anterior do abdome forme
um ângulo aproximado de 450 com a mesa bucky. O
bucky deve estar posicionado na altura da EIAS.
Os pedículos devem estar presentes
As articulações interpofisárias 
devem estar presentes
Oblíquas ântero-posterior (direita e
esquerda)
O paciente deve rodar o corpo para o lado direito ou esquerdo até 
que a região posterior do abdome forme um ângulo aproximado 
de 450 com a mesa bucky. O bucky deve estar posicionado na 
altura da EIAS.
Semi-axial ântero-posterior do sacro 
(Fergunson)
Em DD, com o chassi posicionado na borda 
superior da sínfise pubiana
O espaço L5 e S1 aparece aberto 
As articulações sacro-ilíacas devem
estar visíveis.
COLUNA LOMBOSSACRA
Tumografia Computadorizada
Tumografia Computadorizada
Sacrocóccix
Sacrocóccix
 Para melhor visualização deve haver um preparo 
intestinal com laxativos
 Pontos anatômicos: crista ilíaca (corresponde L4 e 
L5), EIAS (relação com S1 e S2), sacro e sínfise 
púbica.
 Incidências:
1. Ântero-posterior
2. Fergunson
3. Perfil
4. Ântero-posterior com inclinação podálica
Ântero-posterior
Em DD e o chassi deve coincidir com as
borda superior da crista ilíaca.
As vértebras L5