A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
15 pág.
APARELHO CICULATÓRIO

Pré-visualização | Página 8 de 8

antigênicas que suscitaram a sua
formação.
Mais interessante ainda é que,
mesmo tendo sido eliminados os agentes
portadores dos antígenos considerados
estranhos, uma memória imunológica
permanece e, durante anos, anticorpos
específicos estarão circulando pelo nosso
sistema vascular e nos protegendo contra
novos ataques daqueles mesmos agentes
que, num primeiro contato, teriam sido
detectados.
Os linfócitos não são formados
exclusivamente na medula, como os demais
leucócitos presentes no sangue, nem são
derivados dos mieloblastos, como aqueles.
Sua formação ocorre durante todo
o tempo, em diversos órgãos ou estruturas
de nosso corpo que apresentam os
denominado tecido linfóide: gânglios
linfáticos, amídalas, adenóides, timo, baço,
placas de Peyer, etc.
Existem, na verdade, 2 tipos de
linfócitos:
- Linfócitos T: Responsáveis por uma
modalidade de defesa chamada
Linfócito T Humano
Macrófagos e a formação de
Anticorpos:
através da fagocitose.
- precipitação: os anticorpos, aderidos aos
seres estranhos, algumas vezes, formam
complexos insolúveis aos líquidos corporais
e se precipitam. Assim também serão mais
facilmente destruídos pelos macrófagos e
demais leucócitos.
- neutralização: os anticorpos podem se
aderir justamente aos pontos de ação
tóxica de uma toxina ou de um vírus, por
exemplo, neutralizando, assim, a sua
toxicidade ou seu poder invasivo.
- lise: os anticorpos, aderidos às estruturas
antigênicas dos seres estranhos, destroem
a membrana ou estrutura dos mesmos.
Ação Indireta
Outros fenômenos teciduais podem
ocorrer, simultaneamente à ação das
imunoglobulinas com seus antígenos e, de
certa forma, contribuir, paralelamente, com
a destruição e eliminação dos agentes
então considerados estranhos.
A forma de atuação indireta mais
interessante se dá através da ativação do
sistema complemento.
Através deste sistema, diversas
enzimas, quando ativadas, produzem no
tecido uma série de fenômenos que visam
complementar a ação dos anticorpos na
destruição dos agentes estranhos e facilitar
a destruição dos mesmos tanto pelos
anticorpos como pelos demais sistemas de
defesa.
106
Imunidade Celular
As enzimas, quando ativadas,
podem provocar nos tecidos:
- aglutinação
- precipitação
- neutralização
- lise
- quimiotaxia para neutrófilos e macrófagos
- opsonização
- inflamação
Fontes de textos e figuras:
1. Online Biology Book
© The Online Biology Book is hosted by Estrella Mountain
Community College, in sunny Avondale, Arizona. Text ©1992,
1994, 1997, 1998, 1999, 2000, 2001, 2002, M.J. Farabee, all rights
reserved. Use for educational purposes is encouraged.
2. O Corpo Humano
© 2000 jPauloN.RochaJr Corporation, All rights reserved
(www.corpohumano.hpg.ig.com.br)
3. Anatomia e Fisiologia Humanas
© Ana Luisa Miranda Vilela (www.biologia.cjb.net)
4. Fisiologia on-line
© Prof. Malaghini (PUC-Paraná) (www.geocities.com/~malaghini)
107