A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
TRADUÇÃO/RESUMO: Taking Preferences Seriously A Liberal Theory of International Politics - Andrew Moravcsik

Pré-visualização | Página 1 de 1

LEVANDO AS PREFERÊNCIAS A SÉRIO: UMA TEORIA LIBERAL DA LEVANDO AS PREFERÊNCIAS A SÉRIO: UMA TEORIA LIBERAL DA LEVANDO AS PREFERÊNCIAS A SÉRIO: UMA TEORIA LIBERAL DA LEVANDO AS PREFERÊNCIAS A SÉRIO: UMA TEORIA LIBERAL DA 
POLÍTICA INTERNACIONALPOLÍTICA INTERNACIONALPOLÍTICA INTERNACIONALPOLÍTICA INTERNACIONAL 
Andrew MoravcsikAndrew MoravcsikAndrew MoravcsikAndrew Moravcsik 
 
> Nesse artigo, Andrew Moravcsik apresenta o liberalismo 
como uma teoria da política internacional e discute os 
pressupostos básicos e como ele difere das teorias 
existentes. 
 
> Para os liberais, a configuração das preferências do 
Estado é mais importante na política mundial - não, como 
argumentam os realistas, a configuração das capacidades e 
também não, como os institucionalistas (isto é, os 
teóricos do regime funcional) sustentam, a configuração da 
informação e das instituições. 
 - O autor define a premissa fundamental da teoria liberal 
da seguinte forma: A relação entre os estados e a 
sociedade doméstica e transnacional circundante na qual 
eles estão inseridos molda criticamente o comportamento do 
estado, influenciando os propósitos sociais subjacentes às 
preferências do estado. 
 
> A teoria liberal das RI rejeita a noção utópica de que 
existe uma harmonia automática de interesses entre 
indivíduos e grupos na sociedade; a escassez e a 
diferenciação introduzem uma medida inevitável de 
competição. Para a teoria liberal, como os indivíduos são, 
em média, avessos ao risco, eles defendem os investimentos 
existentes, mas permanecem mais cautelosos ao assumir 
custos e riscos em busca de novos ganhos. 
 
Três variantes da teoria liberal:Três variantes da teoria liberal:Três variantes da teoria liberal:Três variantes da teoria liberal: 
 
1. O liberalismo ideacional enfatiza o impacto sobre o 
comportamento do Estado de conflito e compatibilidade 
entre valores sociais coletivos ou identidades no que diz 
respeito ao escopo e à natureza do fornecimento de bens 
públicos. 
 
2. O liberalismo comercial enfatiza o impacto sobre o 
comportamento do Estado de ganhos e perdas para indivíduos 
e grupos na sociedade do intercâmbio econômico 
transnacional. 
 
3. O liberalismo republicano enfatiza o impacto sobre o 
comportamento do Estado de várias formas de representação 
doméstica e os incentivos resultantes para os grupos 
sociais se engajarem na busca de renda. 
 
> A teoria liberal pode ser comparada e prevalecer sobre 
outras teorias. O autor discute o liberalismo em quatro 
bases: parcimônia, coerência, precisão empírica e 
consistência multicausal. 
 
Premissas básicas da teoria liberal dPremissas básicas da teoria liberal dPremissas básicas da teoria liberal dPremissas básicas da teoria liberal dasasasas RIRIRIRI 
 
> A primazia dos atores sociais: Os atores fundamentais na 
política internacional são indivíduos e grupos privados, 
que são em média racionais e avessos ao risco e que 
organizam o intercâmbio e a ação coletiva para promover 
interesses diferenciados sob restrições impostas pela 
escassez material, valores conflitantes e variações na 
influência social. 
 
> Representação e preferências do Estado: os Estados (ou 
outras instituições políticas) representam algum 
subconjunto da sociedade doméstica, com base em cujos 
interesses os funcionários do Estado definem as 
preferências do Estado e agem com propósito na política 
mundial. 
- O Estado não é um ator, mas uma instituição 
representativa constantemente sujeita a captura e 
recaptura, construção e reconstrução por coalizões de 
atores sociais. Os indivíduos recorrem ao Estado para 
atingir objetivos que o comportamento privado não é capaz 
de atingir com eficiência. As instituições e práticas 
representativas determinam não apenas quais coalizões 
sociais são representadas na política externa, mas como 
são representadas. 
 
> Juntas, as suposições 1 e 2 implicam que os Estados não 
maximizam automaticamente as concepções fixas e homogêneas 
de segurança, soberania ou riqueza per se, como os 
realistas e institucionalistas tendem a supor. 
 - Em vez disso, eles são, em termos Waltzianos, 
“funcionalmente diferenciados”; isto é, eles buscam 
interpretações e combinações particulares de segurança, 
bem-estar e soberania preferidas por grupos domésticos 
poderosos. 
 
> Interdependência e o sistema internacional: A 
configuração das preferências de estado interdependentes 
determina o comportamento do estado. Para os liberais, o 
comportamento do estado reflete padrões variados de 
preferências do estado. Cada estado busca realizar suas 
preferências distintas sob várias restrições impostas 
pelas preferências de outros estados. 
 
> A teoria liberal rejeita a suposição realista de que as 
preferências do Estado devem ser tratadas como se fossem 
naturalmente conflitantes. 
 - Também rejeita o pressuposto institucionalista de que 
as preferências do Estado devam ser tratadas como se 
fossem parcialmente convergentes, comprometendo um 
problema de ação coletiva. 
Os liberais privilegiam causalmente a variação na 
configuração das preferências de estado, enquanto tratam 
as configurações de recursos e informações como se fossem 
restrições fixas ou endógenas às preferências de estado. 
 
> A interdependência de políticas é definida como o 
conjunto de custos e benefícios criados para sociedades 
estrangeiras quando grupos sociais dominantes em uma 
sociedade buscam realizar suas preferências. A teoria 
liberal assume que o padrão de preferências de estado 
interdependentes impõe uma restrição vinculativa ao 
comportamento do estado. 
 
Teoria Liberal como Teoria SistêmicaTeoria Liberal como Teoria SistêmicaTeoria Liberal como Teoria SistêmicaTeoria Liberal como Teoria Sistêmica 
 
> Para os realistas, os resultados alcançados raramente 
correspondem às intenções dos atores, portanto, nenhuma 
generalização válida pode ser extraída de um exame das 
intenções. Em suma, a variação nos meios, não nos fins, é 
o que mais importa. 
 
> Para a teoria liberal, o que o Estado quer é o 
determinante primário do que eles fazem. As preferências 
de estado podem refletir padrões de interação social 
transnacional, podem variar em resposta a mudanças no 
contexto social transnacional. O comportamento de um único 
estado reflete não apenas suas próprias preferências, mas 
a configuração das preferências de todos os estados. 
 
> Moravcsik argumenta que, ao contrário do que dizia 
Waltz, o liberalismo pode explicar não apenas os objetivos 
da política externa de estados individuais, mas os 
resultados sistêmicos das interações interestaduais. Um 
exemplo disso é a literatura sobre paz democrática.