A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
39 pág.
APS 4º SEMESTRE UNIP GUINDASTE HIDRÁULICO

Pré-visualização | Página 1 de 8

INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA
CAMPUS TATUAPÉ
ATIVIDADE PRÁTICA SUPERVISIONADA
GUINDASTE HIDRÁULICO
SÃO PAULO
2016
INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA
CAMPUS TATUAPÉ
ATIVIDADE PRÁTICA SUPERVISIONADA
GUINDASTE HIDRÁULICO
Aldecy Oliveira Campos 			R.A.: C37BJA-9		EE4P33
Atividade Prática Supervisionada desenvolvida como parte da avaliação referente ao quarto semestre do curso de Engenharia Elétrica - Eletrônica. Entregue junto ao Instituto de Ciências Exatas e Tecnológicas (ICET), pertencente à Universidade Paulista (UNIP) 
Coordenador: Clóvis José Ramos Ferraro
1. OBJETIVOS
1.1 OBJETIVOS GERAIS
Como parte parcial da avaliação semestral dos cursos de engenharia, a universidade Paulista propôs para nós, a elaboração de um projeto acadêmico com o intuito de reforçar os conhecimentos adquiridos em classe. Neste semestre o projeto proposto foi o da construção de um guindaste hidráulico com controle eletromagnético, reforçando assim, os conhecimentos obtidos nas disciplinas de Complementos de Física, lecionado para nossa turma pela Professora Dr. Fabíola Ribeiro, Fenômenos dos transportes lecionado pelo Professor Dr. Daniel Oliveira. 
1.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS
Projetar e construir um guindaste hidráulico que seja capaz de elevar um corpo de massa 40 gramas seguindo um percurso pré-definido em determinado tempo limite de execução. Para mover o guindaste se fará uso de seringas descartáveis e de fluidos aplicando força necessária para mover o corpo pelo percurso todo, para a elevação do objeto se utilizará de um eletroímã com capacidade suficiente para todo o percurso.
2. INTRODUÇÃO
O ser humano sempre foi fascinado por deixar sua marca no mundo em que vive, basta pegar um livro de história e ver as figuras que os homens das cavernas fizeram há milhares de anos. Cada civilização deixou uma marca para as próximas, como uma “impressão digital” de sua grandiosidade. Os egípcios fizeram as pirâmides, os astecas os templos Maias, os gregos seus templos com suas colunas características¹, os romanos² com seus teatros, estradas, aquedutos. E muita gente se pergunta, como que civilizações tão antigas conseguiram fazer coisas tão grandiosas, se não existia outro tipo de força que não fosse à humana ou a animal, ambas com limitações enormes. 
O emprego da força física, foi e muito utilizada por séculos, devido à pouca tecnologia desenvolvida. Porém algo que nunca dependeu e muito menos dependerá de tecnologia qualquer, é intelecto humano, e a sua incessante busca por formas de aprimorar ferramentas. O advento de ferramentas que auxiliam na elevação de cargas muito pesadas tem seu início tão obscuro quanto o invento da roda a essas máquinas pode chamá-las assim, nos dias atuais se dá o nome de guindastes e acredita-se que seu uso se dá desde os egípcios³, nas construções das famosas pirâmides do Egito. Os egípcios desenvolveram um sistema capaz de elevar blocos de pedra a partir de polias e cabos, que é denominado de Talhas. 
Os gregos, romanos e qualquer civilização que chegou a construir algo grandioso, utilizaram dessa ou de ferramentas similares, para a construção. O uso dessas máquinas se aprimorou com o passar do tempo, novas tecnologias foram desenvolvidas, novas descobertas foram feitas e cada vez maiores ficaram as construções humanas, e com esse crescimento das construções surgiu à necessidade de cada vez mais mover corpos mais pesados e com agilidade e segurança maiores.
Um físico francês, Blaise Pascal (1623 – 1662) formulou o que hoje chamamos de princípios de Pascal, o que foi tão esplêndido que lhe foi prestado uma homenagem, atribuindo a seu nome como uma das unidades de medidas do Sistema Internacional de unidades. Pascal diz que “alteração de pressão produzida em um fluido em equilíbrio transmite-se integralmente a todos os pontos do líquido e às paredes do recipiente. ” Diversas aplicações se dão a partir deste princípio de transmissão de pressão. Uma delas é o que se chama de Elevador Hidráulico, que consiste em um mecanismo capaz de levantar corpos pesados com a aplicação de uma força menor a partir do aumento na força gerada devido à alteração da área em que a força é gerada e em que ela e aplicada. Da formulação deste princípio para seu uso em diversas áreas foi praticamente automático. Com esta nova forma de aumentar a força necessária para uma determinada atividade, um inventor William G. Armstrong (5) construiu o primeiro guindaste hidráulico, aumentando assim a sua capacidade de elevar cargas cada vez mais pesadas e aumentando a produção.
Um Inglês de natureza pobre, mas com muita curiosidade, Michael Faraday (1761 – 1867), um dos cientistas mais influentes no mundo e talvez o principal estudioso sobre eletromagnetismo e primeiro a exemplificar seu funcionamento e uso mostrou a partir de seus estudos e experiências principalmente que ao induzir uma corrente elétrica sobre um condutor, cria-se um campo magnético que não é apenas capaz de atrair objetos ferromagnéticos, mas também de induzir outra corrente elétrica a partir de bobinas, possibilitando assim, a geração de energia por meios da indução eletromagnética e fazendo possível assim o uso de eletricidade para diversas atividades antes impossíveis. 
Para o nosso trabalho que exemplifica o uso de ferramentas na elevação de corpos pesados, atentaremos no estudo da atração magnética, o eletroímã capaz de atrair objetos ferromagnéticos com controle total da força de atração do mesmo se torna um dispositivo importantíssimo para isso, aplicar uma corrente elétrica em uma bobina e atrair objetos ferromagnéticos enquanto esta corrente é aplicada facilita e muito o trabalho e justifica a não utilização de um imã comum e aumentando a segurança do processo, uma vez que é menos passivo a falhas mecânicas.
Com o emprego destas teorias, e tornando-as “reais”, exemplifica o uso de uma das ferramentas mais importantes da história do desenvolvimento das construções humanas e como o desenvolvimento tecnológico fez se importante para a melhoria dos processos humanos, desde os mais simplórios como carregar um caminhão até os mais complexos, como a construção do foguete que levou o homem à lua.
3. DESENVOLVIMENTO TEÓRICO
3.1 - ARQUIMEDES
FIGURA 1 – ARQUIMEDES
Disponível em <matelvas.blogspot.com>
“Muitas vezes os servos de Arquimedes o levavam contra a sua vontade para os banhos, para lavá-lo e untá-lo. Contudo, estando lá, ele ficava sempre desenhando figuras geométricas, mesmo nas cinzas da chaminé. E quando estavam untando-o com óleos e perfumes, ele desenhava figuras sobre seu corpo nu, de tanto que se afastava das preocupações consigo próprio, e entrava em êxtase ou em transe, com o prazer que sentia no estudo da geometria”
Disponível em: <fontes Arquimedes>.
Filho do astrônomo Fídias, nasceu em Siracusa, na costa da Sicília, atual Itália e que antigamente pertencia ao mundo grego. Viveu entre os anos 287 a 212 A.C., tendo passado a maior parte da vida na cidade que nasceu. Seu nome deriva da junção de duas palavras gregas: arché, principio ou domínio e mêdos, mente. A interpretação comum à época que viveu nos dá o significado contemporâneo para o seu nome de “a mente do princípio”. E que forma mais condizente para descrever o maior cientista da antiguidade, sendo comparável nos dias atuais com apenas a Isaac Newton.
Acredita-se que Arquimedes teve a sua formação cientifica realizada na cidade de Alexandria, centro cientifico grego, tendo escritos diversas obras que persistem até os dias atuais e outras muitas que foram perdidas no grande incêndio da biblioteca de Alexandria.
Arquimedes ganhou sua fama ao desenvolver diversas máquinas bélicas para o rei Hierão, de quem era amigo, engenhocas essas que ajudaram a defender a cidade de Siracusa de ataques romanos, tendo usado dessas máquinas para lançar rochas e objetos imensos contra os atacantes e em outra oportunidade tendo incendiado navios romanos utilizando de espelhos e dos raios solares. Empenho este que se deu graças a uma demonstração de como um ponto de

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.