A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
11 pág.
GC - Assimetria de informações

Pré-visualização | Página 1 de 1

Prof. Tatiana Dornelas de Oliveira
2020.2
GOVERNANÇA 
CORPORATIVA
TEMA DA SEMANA
• Simetria de informações
• Sinalização
• Moral hazard
• Seleção adversa
• Relação principal-agent
ASSIMETRIA DE INFORMAÇÕES
Sabe-se que atualmente, a 
quantidade de informações que 
circula dentro e fora das 
organizações é muito grande;
A assimetria de informações diz 
respeito aos distintos níveis 
de informação que são 
fornecidos pelos gestores do 
negócio e pelos acionistas 
participantes (ROSSETTI; 
ANDRADE, 2014).
ASSIMETRIA DE 
INFORMAÇÕES
A assimetria de informações 
ocorre de forma inerente 
nesse processo, sendo 
importante que as partes 
saibam evitar que ela ocorra. 
O agente e o principal 
possuem interesses próprios, 
trocando remuneração por 
desempenho;
ASSIMETRIA DE 
INFORMAÇÕES
• Dentro do ambiente empresarial existem duas caraterísticas que 
podem acarretar a assimetria de informações: 
• os possíveis desequilíbrios nas estruturas de poder e as 
imperfeições que existem nos sistemas legais que regem as 
relações entre as partes.
SINALIZAÇÃO
• Quando ocorre algum tipo de assimetria nas informações 
prestadas pelas partes, podemos dizer que houve falta de 
sinalização;
• A sinalização se constitui de maneira contrária à assimetria de 
informações, uma vez que seu objetivo é justamente explicitar 
as informações, buscando uma facilitação do relacionamento 
entre as partes.
MORAL 
HAZARD
• Significa o risco moral, sendo 
entendido como a possibilidade de, 
em diferentes contextos, o agente 
modificar o seu comportamento 
perante as outras partes.
SELEÇÃO ADVERSA
• A seleção adversa se refere à situação em que um lado do 
mercado não pode observar o ‘tipo’ ou a qualidade dos bens no 
outro lado do mercado;
• Às vezes chamado de problema da informação oculta. 
RELAÇÃO 
PRINCIPAL-
AGENT
• A relação entre os agentes e os principais deve 
ser realizada de forma regulada, muitas vezes feita 
por um contrato em que ambas as partes 
concordem com as ações a serem tomadas em 
prol de uma boa governança corporativa;
REFERÊNCIAS
• ANDRADE, A; ROSSETI, J. P. Governança corporativa. 4a Ed. 
São Paulo: Atlas, 2009. 
• CORNELIS A. de K; JOHN A. P. II. Estratégia. 3a Ed. São Paulo: 
Pearson, 2010. 
• GUSSO, E; GIACOMETTI, C; SILVA, E. Governança 
Corporativa. 1a Ed. Rio de Janeiro: Campus, 2008.