A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
98 pág.
Resumo prova endodontia parte 1

Pré-visualização | Página 3 de 5

Bórico
Líquido de Dakin
Solução de NaOCL a 1,0%
(estabilizada por cloreto de
sódio 16%)
Solução de Milton
Solução de NaOCL a 0,5%
(neutralizada com bicarbonato
de sódio
Solução de Dausfrene
Solução de NaOCL de
concentração variável de 4 a 6%
Soda clorada
C LOREX I D I NA
 
DESODORANT E
PROPRIEDADES DO
HIPOCLORITO DE SÓDIO
Baixa
tensão
superficial
1
Atividade
antimicrobi
ana
2
Solvente de
matéria
orgânica
3
Ação
clareadora
4
Lubrificante
5
RESUMÃO 
PARA A PROVA
AÇÃO
DE T ERGEN T E
RE LA T I V AMENT E
NÃO TÓX I CO
6
7 8
DESVANTAGENS
HIPOCLORITO DE SÓDIO
Instável ao armazenamento
Inativado por matéria orgânica
Corrosivo
Irritante á pele ou mucosa
Forte odor
Descora tecidos
Remove carbono de borracha
RESUMÃO 
PARA A PROVA
P a c i e n t e s a l é r g i c o s a o
h i p o c l o r i t o d e s ó d i o
CLOREXIDINA- PROPRIEDADES
Atividade
antimicrobiana
Biocompatibilidade
Substantividade 
(ação prolongada)
Estabilidade
C a s o s d e n e c r o s e c om
r i z o g ê n e s e i n c omp l e t a
o diglunato de clorexidina é uma substância antimicrobiana de
amplo espectro
RESUMÃO 
PARA A PROVA
QUELANTES
O EDTA é um quelante específico para
íon cálcio e consequentemente para
dentina
C a s o s d e n e c r o s e c om
r i z o g ê n e s e i n c omp l e t a
Substâncias que tem a propriedades de fixar íons metálicos de
um determinado complexo molecular
RESUMÃO 
PARA A PROVA
ED TA 1 7 % pH n e u t r o
2
P A R A O T O I L E T E F I N A L N A
R E M O Ç Ã O D A C A M A D A
R E S I D U A L ( S M E A R L A Y E R )
1
C O M O A U X I L I A R N O P R E P A R O
B I O M E C Â N I C O D E C A N A I S
A T R E S I A D O S
INDICAÇÕES
dos quelantes no tratamento de canais radiculares
RESUMÃO 
PARA A PROVA
NÃO É RECOMENDADO COMO SO LUÇÃO I R R I GADORA
Á C Í D O S
ÁCIDO CÍTRICO 10%
P E R Ó X I D O
ÁGUA OXIGENADA 
(PERÓXIDO DE HIDROGÊNIO
O U T R A S S O L U Ç Õ E S
ÁGUA DE CAL
ÁGUA DESTILADA
SOLUÇÃO ANESTÉSICA
RESUMÃO 
PARA A PROVA
DICA
CIRURGIA DE ACESSO
E ESVAZIAMENTO DOS
CONDUTOS
Hipolclorito de sódio 2,5
a 5, 25%
PREPARO DOS
CANAIS
Hipoclorito de sódio 2,5 a
5,25%
IRRIGAÇÃO FINAL APÓS O PREPARO
QUÍMICO ANTES DA MEDIAÇÃO
INTRACANAL E OBTURAÇÃO
Irrigação com EDTA por 5 min,
remoção com hipoclorito de sódio
RESUMÃO 
PARA A PROVA
Instrumentos
Endodônticos 
Os instrumentos endodônticos são
classificados
 de acordo com a sua 
flexibilidade, guia de penetração e secção
transversal
RESUMÃO 
PARA A PROVA
TIPOS DE INSTRUMENTOS
M A N U A I S O U
A C I O N A D O S A
M O T O R
 
D I F E R E N T E S
D E S E N H O S D A
P A R T E D E
T R A B A L H O :
Ex: Tipo K, Hedstrom, flexofile
Q U A N T O A L I G A :
Aço inoxidável e níquel titânio
RESUMÃO 
PARA A PROVA
PARTES CONSTITUINTES
dos instrumentos manuais
CABO CURSOR INTERMEDIÁRIO LÂMINA OU PARTE ATIVA
RESUMÃO 
PARA A PROVA
COMPRIMENTO
dos instrumentos manuais
16 mm
21 mm 25 mm 31 mm 
Comprimento
RESUMÃO 
PARA A PROVA
PADRONIZAÇÃO
dos instrumentos ISO
RESUMÃO 
PARA A PROVA
Série especial
Tamanho Cor
06
08
10
 
15
20
25
30
35
40
45
50
55
60
70
80
90
100
110
120
130
140
CorTamanhoTamanho CorCorTamanho
1ª Série 2ª Série 3ª Série
LIMAS
Keerr
Secção: triangular ou quadrangular
Cabo: quadrado vazio
Cinemática: ½ ou ¼ de volta no sentido horário.
Remoção com tração lateral.
Guia: ativa
Espiralização:  passos curtos
Secção: vírgula
Cabo: círculo vazio
Cinemática: introdução, pressão e remoção, SEM
rotação
Guia: inativa
Espiralização:  cones sobrepostos
Características: bom parar retratamento
Hedströen (H)
RESUMÃO 
PARA A PROVA
LIMAS
K- Flexofile
Secção: triangular ou quadrangular
Cabo: quadrado cheio
Cinemática: igual às K
Guia: inativa
Espiralização: mais números de espirais
Secção:
Cabo: quadrado meio cheio,meio vazio.
Cinemática: igual a K
Guia: inativa
Espiralização: usinagem
Características: muito flexíveis..
Níquel e Titânio
RESUMÃO 
PARA A PROVA
CONICIDADE
dos instrumentos 
O número do instrumento é de acordo com o D 0
O diâmetro dos instrumentos aumenta a cada milímetro de
acordo com sua conicidade;
Conicidade dos instrumentos convencionais: 0,02
0, 02
RESUMÃO 
PARA A PROVA
CONICIDADE 
dos instrumentos 
.02
.04
.06
RESUMÃO 
PARA A PROVA
DIÂMETRO 
D
dos instrumentos manuais
D016 = 0,62 = 030
Instrumentos manuais: conicidade: 0,02/mm
Lima 030: D0= 0,30 mm
D16= 0,30 + (0,02 x 16)
0,30 + 0,32 = 0,62
RESUMÃO 
PARA A PROVA
FORMAS DOS INSTRUMENTOS
LIMA 
FLEXO-FILE
LIMA 
TIPO K
LIMA 
HEDSTROM
manuais
RESUMÃO 
PARA A PROVA
Gates- Glidden
São instrumentos rotatórios,
utilizados principalmente no
preparo do terço cervical e médio. 
 
É composta por engate, cabo, rio de
concordância e ponta ativa, em
formato de chama. 
A Gates 1 corresponde a uma lima 
número 50, aumentando para cada
Gates 0,20mm.
RESUMÃO 
PARA A PROVA
Fonte: imagem - google imagens
Aspiração
Tamanhos de agulha Hipodérmica :
• 25 x 04cm;
• 25 x 07cm;
• 40 x 10cm;
• 40 x 20cm.
 
são fabricado em aço inoxidável ou em Níquel-Titânio
Fonte: imagem - google imagens
Cones
 
A guta percha é, sem duvida, o material obturador mais usado.
Ela foi introduzido na Odontologia por BOWMAN (1827). 
 
MC ELORY (1955) e FRIEDMAN et al (1977), observaram que os cones de guta percha
quando exposto ao ar ou luz, por certo tempo, tornam-se quebradiços devido a processo
de oxidação gradativa.
 
Os cones de guta percha são, atualmente, industrializados com tamanho e diâmetro
iguais aos das limas. Portanto, facilmente selecionados para obturação associados a
pastas e ou cimentos.
 
Guta Percha
Fonte: imagem - google imagens
Espaçadores 
 Indicados para promover espaço para
a introdução de cones acessórios
durante a obturação de canais
radiculares durante a técnica de
condensação lateral ativa.
 
são fabricado em aço inoxidável ou em Níquel-Titânio
Fonte: imagem - google imagens
Obturação
do canal
radicular
O propósito da obturação é
selar toda a extensão da
cavidade endodôntica
 desde a sua abertura coronária até o seu
término apical, ou seja, o material obturador
deve preencher todo o espaço ocupado
anteriormente pela polpa, proporcionando um
selamento tridimensional.
RESUMÃO 
PARA A PROVA
Prova do Cone - Principal
De diâmetro igual a lima empregada na
manobra de preparo apical (PA)
SELECIONAR O CONE
PRINCIPAL 
Colocando-os num pote dappen repleto de
hipoclorito de sódio à 1%
DESINFECTAR O CONE
PRINCIPAL E OS SECUNDÁRIOS
Fig1 Instrumento utilizado no PA e cone
de guta percha principal de mesmo
calibre
Fig2 Desinfecção do cone principal e cones secundários,
seta indica os cones de menor para maior calibre,
utilizados nesta ordem
A seleção do cone principal
de obturação
visual Táctil Radiográfico
é condicionada aos testes 
Prova do Cone - 1 Teste Visual
Conferindo o comprimento real de
trabalho (CRT), valendo-se da pinça perr
e régua endodôntica estéreis
CONE PRINCIPAL
Em seguida levar o cone em posição e através do
teste visual verificamos se o cone chega ao CRT
visualizando-o na referência oclusal ou incisal, o
qual não deve ultrapassá-la
CONE EM POSIÇÃO
Fig1 Mensuração do cone principal
compatível ao do CRT, valendo-se de
régua endodõntica e pinça perry estéreis
Fig2, Cone principal em posição mesmo quando forçado
em direção apical, não ultrapassa o CRT na referência
incisal
Prova do Cone - 2 Teste Táctil
Para a seleção do cone principal é o táctil, o cone deve apresentar
travamento apical, pequena resistência quando tracionado em direção
oclusal ou incisal
SEGUNDO TESTE
Fig1 Pinça perry e cone principal,
calibrado no CRTs
Fig2, Pinça perry e cone principal, calibrado no CRT,
testando o travamento, valendo-se de ligeira tração incisal
Prova do Cone - 3 Teste Radiográfico
Devemos verificar se o canal cirúrgico respeitou os
limites do canal anatômico, se cone principal de
obturação atingiu o limite determinado na radiografia
de confirmação de odontometria