Metabolismo dos Carboidratos no Exercício
8 pág.

Metabolismo dos Carboidratos no Exercício


DisciplinaNutrição Esportiva4.568 materiais47.934 seguidores
Pré-visualização2 páginas
Metabolismo dos Carboidratos no Exercício 
 
 
Conceitos 
\u2665 São moléculas orgânicas mais 
abundantes na natureza; 
\u2665 Fornece energia para o sistema 
nervoso e cérebro; 
\u2665 Possuem ampla faixa de funções, 
incluindo o fornecimento da maior parte 
da energia da dieta para o bom 
funcionamento do organismo. 
\u2665 A gliconeogênese ocorrerá caso o 
corpo necessite daquela energia para 
sobreviver, tentando buscar um 
equilíbrio \u2013 comprometimento da 
composição corporal e da performance 
do atleta quando utilizado a proteína 
para esta energia 
Necessidade de atenção para qual tipo de 
carboidrato está sendo oferecido na 
dieta, tanto qualitativamente quanto 
quantitativamente 
Carboidrato engorda? 
Ele só irá engordar caso seja consumido 
de forma exacerbada, sem controle e 
dentro de todo um contexto alimentar 
\u2665 Atenção especial para a qualidade dos 
carboidratos oferecidos para os indivíduos 
diabéticos; 
Carboidrato refinado e carboidrato 
simples são coisas diferentes: 
\u2665 Os carboidratos refinados possuem 
esse nome pois passaram por um 
processo de refinamento, retirando o 
farelo/casca e o gérmen do trigo e 
deixando apenas o endosperma rico em 
amido (produtos à base de farinha 
branca). 
 
\u2665 No processo absortivo, a liberação de 
insulina ocorre de maneira mais rápida, e 
a proporção da saciedade \u21e3 
\u2665 Importante lembrar que não há 
sentido na troca do pão pela tapioca para 
fins de emagrecimento quando 
consideramos o consumo deles 
isoladamente, no caso da doença celíaca, 
a troca é válida. 
\u2665 A farinha branca é composta por 
ingredientes além do necessário, a fim 
de combater a proliferação de fungos, 
que é muito presente neste produto 
\u2665 Os carboidratos simples possuem 
esse nome pois são compostos 
quimicamente de apenas um ou dois 
tipos de sacarídeos. 
 
CLASSIFICAÇÃO 
 
\u2665 Açúcares: 
- 1-2 monômeros 
- Subgrupos: 
 
Monossacarídeos \u2013 Glicose, Galactose, 
Frutose 
Dissacarídeos \u2013 Sacarose, Lactose, 
Trealose 
Polióis \u2013 Sorvitol, Manitol, Xilitol 
\u2665 Oligossacarídeos: 
- 3-9 monômeros 
 
- Subgrupos: 
 
Maltoligossacarídeos \u2013Maltodextrina 
(bastante utilizada como intratreino) 
Conteúdo por: @biascb 
Outros oligossacarídeos \u2013 Rafinoses, 
Estaquioses, Frutoligossacarídeos. 
\u2665 Polissacarideos: 
 
- > 9 monômeros 
 
- Fibra: Componentes estruturais dos 
vegetais, não são nutrientes, logo não são 
digeridas pelo trato digestivo 
\u2192 Atuam na saciedade, na melhora do 
funcionamento intestinal, na melhora do 
tipo de bactéria que povoa as mucosas, na 
melhora da integridade da mucosa, na 
melhora do perfil glicêmico e lipídico; 
- Sobre o perfil Lipídico: 
A melhora ocorre por meio do ciclo 
êntero-hepático (ou circulação êntero-
hepática) que é o movimento das 
moléculas de sais biliares do fígado para 
o intestino e de volta ao fígado 
(reciclagem da bile). 
 
Quando as fibras estão presentes, elas 
levam consigo a bile, e outros 
componentes, para as fezes, fazendo 
com que a bile seja excretada. 
 
Dessa forma, será necessário sintetizar 
outra bile e, para isso, será necessário 
buscar colesterol, já que ele é um dos 
componentes necessário para a 
formação \u2013 ou seja \u2013 por consequência, o 
colesterol sérico será diminuído, já que ele 
foi retirado do sangue para ajudar na 
composição de uma nova bile, 
 
\u2665 Subgrupos: 
\u2192 Amido \u2013 Amilose, Amilopectina, 
\u2192 Amido- resistente, Polidextrose 
\u2192 Polissacarídeos não amido \u2013 Celulose, 
Hemicelulose, Gomas, Mucilagens, 
Pectinas. 
\u2665 Quanto maior a cadeia, mais complexo 
é o carboidrato e maior será a 
quantidade de enzimas necessárias para 
favorecer a quebra em 
monossacarídeos (ex: lactose necessita 
da lactase para sua quebra). 
Monossacarídeos 
\u2665 São chamados açúcares simples 
 
\u2665 Incluem: 
\u2192 Pentoses: ribose e desoxirribose. 
\u2192 Hexoses: glicose, frutose e galactose. 
 
DISSACARÍDEOS 
\u2665 Eles são compostos/formados por 
dois monossacarídeos 
\u2665 Exemplos: 
\u2192 Maltose = Glicose + Glicose 
\u2192 Lactose = Glicose + Galactose (6% dos 
carboidratos da dieta) 
\u2192 Sacarose = Glicose + Frutose (30 a 
40% da ingestão dos carboidratos) 
\u2665 A ribose, a desoxirribose e a maltose 
entram em pequeníssimas frações na 
dieta. 
Oligossacarídeos 
 
\u2665 São compostos/formados por 3 a 9 
monossacarídeos 
\u2665 São carboidratos mais complexos, já 
que possuem uma cadeia maior. 
\u2665 São fermentáveis no lúmen intestinal 
por bactérias probióticas gram positivas, 
influenciando na proliferação destas 
bactérias benéficas. 
- Ou seja, são substratos, energia, para 
estas bactérias 
\u2665 Essa proliferação ainda ajuda no 
mantimento da integridade da mucosa, 
deixando a barreira intestinal seletiva. 
\u2665 Rafinose e Estaquinose \u2192 Grãos e 
Leguminosas. 
Polissacarídeos 
\u2665 Cadeia grande \u2013 carboidrato mais 
complexo 
\u2665 O amido é o principal polissacarídeo 
alimentar 
\u2665 O amido vegetal (pectina) e o amido 
animal (glicogênio) constituem juntos 
mais de 50% da ingestão diária 
A celulose também é um polissacarídeo 
da glicose, porém as enzimas do TGI não 
conseguem digeri-las, sofrendo 
degradação parcial por bactérias do 
intestino, humano. Ela é o principal 
componente das fibras alimentares. 
 
Falando sobre as fibras 
 
Elas que ajudam nesta proliferação das 
bactérias benéficas servindo de 
substratos para elas, na modulação 
intestinal e na saciedade, exemplificando 
a diferença entre a batata inglesa e a 
batata doce, onde as duas possuem 
amido, porém, a batata doce possui 
fibras alimentares em quantidade 
importante, ajudando na saciedade. 
Digestão e Absorção 
\u2665 Boca \u2013 amilase salivar; 
\u2665 Intestino \u2013 ação da amilase 
pancreática; 
\u2665 Produtos: maltose, maltotriose e 
glicose; 
\u2665 Dissacarídeos \u2013 ação das dissacaridades 
(lactase, sacarase e maltase) \u2013 
secretadas pela borda em escova no 
intestino. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
\u2665 O estado absortivo é o período de 2 a 
4h após a ingestão dos alimentos 
\u2665 Durante este intervalo, ocorrem 
aumentos transitórios das concentrações 
plasmáticas de glicose, aminoácidos e 
triglicerídeos: 
\u2192 Aumento de insulina; 
\u2192 Queda dos níveis de glucagon; 
\u2192 Período anabólico (síntese de glicogênio 
e proteínas). - Período de construção 
(ocorre principalmente no repouso, 
quando falamos de atividade física). 
\u2665 Tecidos usam glicose \u2013 importante 
mantimento adequado dos níveis. 
\u2665 Alterações do metabolismo do fígado, 
tecido adiposo, músculos e cérebro \u25aa 
 \u2665 Absorção intestinal \u2013 veia porta \u2013 
fígado (aumento da glicose) liberada para 
o sangue e suprir as necessidades 
energéticas de todas as células do 
organismo 
\u2665 As concentrações normais de glicose 
plasmática (glicemia) são de 60 a 99 
mg/dL 
\u2665 A hiperglicemia torna o sangue 
concentrado, alterando os mecanismos 
de troca da água do MIC (meio intra 
celular) com o MEC (meio extra celular), 
além de ter efeitos degenerativos no SNC 
\u2665 O sistema hormonal entra em ação 
para evitar que o aporte sanguíneo de 
glicose exceda os limites da normalidade 
\u2665 Os hormônios pancreáticos insulina e 
glucagon possuem ação regulatória sobre 
a glicemia plasmática trabalhando de 
forma antagônica. 
\u2665 Os hormônios sexuais como a 
epinefrina, os glicocorticoides, os 
tireoidianos, o GH e outros, também 
influenciam na glicemia. 
Transporte 
\u2665 Co-transporte ativo sódio-glicose: 
\u2192 Baixa concentração extracelular para 
uma alta concentração intracelular 
\u2665 Difusão facilitada (proteínas 
transportadoras): 
\u2192 GLUT 1, 2, 3, 4 e 5 
\u2192 Dentro das células existem os 
transportadores de glicose (GLUT). As 
fibras musculares contêm GLUT 1 e 
GLUT 4, onde grande parte da glicose 
durante o repouso penetra na célula via 
GLUT 1. 
 
 
 
Com altas concentrações sanguíneas de 
glicose ou de insulina, como ocorre após 
comer ou durante os exercícios, as células 
musculares recebem glicose pelo 
transportador GLUT 4 
\u2665 A musculação é bem vinda na síndrome 
metabólica e na diabetes tipo 2, já que ela 
estimula ação dos receptores celulares 
GLUT 4, ajudando na