A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
14 pág.
Necrose e Apoptose

Pré-visualização | Página 2 de 3

Ex: Cardiomiocito – até 30 min ele sofre tumefação; depois ele sofre 
necrose 
Na tumefação a célula precisa de O2 para fazer ATP, se tivermos uma 
hipóxia esse processo está prejudicado, faltando ATP essa é a causa. Se 
tirarmos esse estímulo a célula volta ao normal, se não tirarmos a célula 
progride para necrose 
Relembrando função da bom Na+/K+ 
Sódio: mais concentrado no meio extra que intra 
Potassio: mais concentrado intra que extra 
→ Bomba de sódio e potássio trabalha com ATP, usando a energia para 
um transporte ativo – 3 sódios saem, dois potássios entram. Essa bomba 
cria um potencial de membrana, a face externa dessa membrana fica com 
uma carga mais positiva, e a interna com uma carga mais negativa, e isso é 
essencial para os nossos transportadores de membrana, se esse potencial 
for alterado, isso permite a abertura de outros canais de membrana, e é 
isso que vai ocorrer na tumefação celular. 
A partir do momento que essa bomba falhar pela depleção de ATP, os ions 
vãos seguir o caminho do seu gradiente de concentração, o sódio vai 
entrar na célula e o potássio vai sair pelos canas de vazamento, abrindo 
vários canais de membrana, bagunçando todo o equilíbrio eletrolítico da 
célula, e a consequência da entrada do sódio na célula é a agua 
acompanhar. O sódio puxa água e a célula vai acumular água gerando a 
tumefação 
RESUMO: 
Hipóxia – redução da fosforilação oxidativa na mitocôndria – depleção de 
ATP – falência da bomba de sódio e potássio atpase – influxo de sódio e 
fluxo de potássio – entrada e acúmulo de água no citoplasma e nas 
organelas – tumefação celular, e das organelas (fica maior pelo acúmulo 
de água) 
A alteração morfológica macroscópica é difícil de observar – mas os 
órgãos ficam mais branco e mais pesado 
Ex: em hepatites encontramos a tumefação dos hepatócitos 
Ex: O coração se tivermos uma isquemia aguda – 20 a 30 minutos – 
também apresenta tumefação. 
 
Lesões Irreversíveis – Morte Celular 
- Necrose: acidental e desregulada; danos as membranas plasmáticas e 
das organelas; danos de DNA; acomete várias células ao mesmo tempo; 
exclusivamente patológico; não precisa de energia para acontecer (ATP); 
temos reação inflamatória; ocorre primeiro tumefação para depois 
necrosar; a célula da necrose ela é maior que o normal pq primeiro ela se 
tumefaz; o destino dessa morte celular, a necrose fica lá pq ela não se 
autodigere, ela precisa que as células inflamatórias que estão ao lado vão 
digerindo e eliminando elas de fora para dentro 
- Apoptose: morte celular 
programada; célula se 
fragmenta de maneira 
ordenada; célula gasta ATP; 
integridade das membranas 
celulares; não afeta as outras 
células; restos são removidos 
por fagocitose; não gera 
resposta inflamatória; 
fisiológica ou patológica; célula 
diminuem de tamanho; o 
destino dessa morte celular, a 
célula se desmonta em 
pequenos fragmentos chamados de corpo apoptótico (membrana 
plasmática em volta com pedaços de citoplasma, organelas e núcleo 
dentro) e com isso a célula vai sendo fagocitada pelas células ao lado ou 
por macrófagos sem ocorrer uma inflamação. 
 
Estímulos que desencadeiam as duas mortes: privação de ATP; excesso de 
cálcio; infecções; 
 
NECROSE 
Definimos como a morte celular ocorrendo no meio de organismo ou 
tecido vivo; é um processo patológico que ocorre passivamente (não 
precisa de ATP para acontecer) 
Os principais estímulos para Necrose: 
- Isquemia gerando hipóxia ou anóxia; estímulos tóxicos por substâncias 
químicos; infecções ou traumas 
→ A membrana plasmática e das organelas vai ser lesada, extravasando 
para o citoplasma e para o meio extracelular gerando inflamação ao redor, 
matando um coletivo de células. Essa célula morta é incapaz de se digerir 
completamente, então como ela vai ser removida? Uma parte é removida 
pelas próprias enzimas lisossomais, a outra parte vai ser digerida por meio 
de neutrófilos ao redor da inflamação e ai os macrófagos fagocitam essas 
células e removem elas, ocorrendo a reparação tecidual no local. Isso 
demora até ser totalmente removido 
 
→ Causas da Necrose e seus mecanismos (todos estão conectados) 
Depleção do ATP por lesões isquêmicas gerando hipoxia ou anoxia ou 
componentes químicos que lesam a mitocôndria: sem O2 para a 
fosforilação oxidativa – a célula vai usar somente glicólise – anaeróbica – 
só que a quantidade de ATP é menor – célula consume todas as suas 
reservas. 
 
→ Basicamente temos dois tipos de lesão na mitocôndria (se lesar não 
temos ATP) 
- Formação do poro de transição de permeabilidade mitocondrial: a 
mitocôndria tem a matriz mitocondrial mais interna onde ela tem suas 
enzimas mais especificas, contornada pela membrana mitocondrial que 
forma as cristas mitocondriais, e mais para fora ela tem o espaço 
intermembranoso contornando a membrana mitocondrial externa. A 
membrana mitocondrial externa ela é permeável, e se comunica com o 
citoplasma. Mas a membrana mitocondrial interna é impermeável, temos 
poros impermeáveis e isso tem que se manter assim para funcionar a 
cadeia transportadora de elétrons e funcionar a fosforilação oxidativa. 
Na lesão mitocondrial, o poro impermeável forma um canal aberto, e esse 
canal aberto vai igualar todos os compartimentos, vai ter troca livre entre 
a membrana interna e o citoplasma e isso vai interromper toda a cadeia 
transportadora de elétrons parando de gerar ATP – leva a necrose 
→ Mas a mitocôndria também está relacionada a apoptose, que é a morte 
celular programada, na mitocôndria remos o citocromo C que fica dentro 
da matriz mitocondrial. Se ele sair para o citoplasma ele ativa as caspases 
que são as enzimas que fazem a apoptose 
→ A mitocôndria tem várias proteínas antiapoptoticas (não deixam a 
apoptose acontecer – BCL2) e as pró-apoptoticas (fazem a apoptose). 
 
CÁLCIO: 
→ Muito importante na célula como segundo mensageiro, para o 
funcionamento de várias enzimas. Só que esse cálcio tem que estar 
sequestrado em compartimentos internos, por exemplo precisa estar na 
matriz mitocondrial ou dentro do REL. 
Se tivermos uma isquemia e depletar o ATP, isso vai causar um influxo de 
cálcio. Sem ATP, para de funcionar a bomba Na+/K+; entrando sódio na 
célula, ela vai sofrer despolarização, isso vai abrindo a membrana 
plasmática, abrindo canais, inclusive de cálcio. Abrino esses canais a 
células vai encher de cálcio, e ele vai ativar enzimas – fosfolipases – que 
vai destruir as membranas,- mitocondrial, plasmática, lisossomal – ativa 
proteases, que vai degradar todo o citoesqueleto e proteínas/enzimas das 
células; ativa as nucleases que quebra o DNA de forma irregular; e ativa a 
ATPase que secreta ainda mais ATP dos estoques das células levando a 
uma cascata viciosa, onde a depleção de ATP aumenta o cálcio, e o cálcio 
piora a depleção de ATP.... levando a célula a morte por lesão de proteínas 
estruturais, da membrana plasmática e membrana das organelas → causa 
irreversibilidade do processo → NECROSE 
 
 
ESPECIES REATIVAS DE O2: 
São caracterizados por ser qualquer substancia que tenha elétrons livres 
no orbital externo, tornando as moléculas avidas por reagirem com outra 
moléculas. Ela vai se ligar a proteínas, lipídeo e DNA celular, e no que eles 
ligam a esses constituintes causam uma lesão neles. Se um radical livre se 
ligar a uma MP sofre peroxidação lipídica gerando mais radicais livres – 
destruindo a membrana celular. O mesmo acontece com a ligação do 
radical livre com o DNA, ele quebra o DNA e pode gerar mutações e isso 
vai perpetuando a destruição celular. 
O radical livre é produzido normalmente durante a respiração na 
mitocôndria – fosforilação oxidativa, as organelas também produzem, em 
quantidades baixas dentro das organelas ele é importante para ajudar a 
destruir microorganismos. Quando um macrófago é ativado por citocina, 
ele produz radical livre para tentar destruir